Passagens sobre Engano

202 resultados
Frases sobre engano, poemas sobre engano e outras passagens sobre engano para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Hei-de Tomar-te

Lindo e subtil trançado, que ficaste
Em penhor do remédio que mereço,
Se só contigo, vendo-te, endoudeço,
Que fora co’os cabelos que apertaste?

Aquelas tranças de ouro que ligaste,
Que os raios de sol têm em pouco preço,
Não sei se para engano do que peço,
Ou para me matar as desataste.

Lindo trançado, em minhas mãos te vejo,
E por satisfação de minhas dores,
Como quem n√£o tem outra, hei-de tomar-te.

E se n√£o for contente o meu desejo,
Dir-lhe-ei que, nesta regra dos amores,
Por o todo também se toma a parte.

Quando Canta A Maldonado

Quando canta a Maldonado
E os quadris saracoteia,
Não é mulher, é sereia,
Não é mulher, é o pecado.

Ao vê-la, pois, enleado
Perco o siso, o verbo, a ideia,
E um desejo audaz se enleia
Neste peito meu bronzeado.

Chamei-te sereia! engano!
Nunca tolice maior
Borbotou do l√°bio humano.

Que toda a sereia, flor,
Finda em peixe… e ou eu me engano,
Ou tu acabas… melhor.

O Destino Desconhece a Linha Recta

O destino, isso a que damos o nome de destino, como todas as coisas deste mundo, n√£o conhece a linha recta. O nosso grande engano, devido ao costume que temos de tudo explicar retrospectivamente em fun√ß√£o de um resultado final, portanto conhecido, √© imaginar o destino como uma flecha apontada directamente a um alvo que, por assim dizer, a estivesse esperando desde o princ√≠pio, sem se mover. Ora, pelo contr√°rio, o destino hesita muit√≠ssimo, tem d√ļvidas, leva tempo a decidir-se. Tanto assim que antes de converter Rimbaud em traficante de armas e marfim em Africa, o obrigou a ser poeta em Paris.

Quanto Mais Pode Amor num Peito Humano

Quanto mais pode amor num peito humano,
Tanto se mostra mais n√£o ter firmeza,
Pois quando d√° mor gosto e mor alteza,
Então é mais cruel e desumano;

P√Ķe debaixo do bem um falso engano,
Promete-vos prazer, d√°-vos tristeza,
Seus afagos e gostos s√£o crueza,
O mor gosto que tem é ser tirano.

Alto me p√īs a f√© e o pensamento,
Por que mor queda assim fizesse dar-me
Amor, que em ser cruel é tão isento;

Foi-me desenganar por segurar-me;
Assim, quanto me deu, foi tudo vento,
Desenganou-me enfim, para enganar-me!

Pensar que o sofrimento seja infelicidade é um engano da mente apegada ao corpo carnal. Aquele que compreende o quanto o sofrimento é benéfico para o progresso da alma, consegue agradecer até memo a ele.

Alguém acha que conquistei a minha felicidade através de um jogo qualquer ou que a ganhei numa rifa? A minha felicidade foi conquistada a pulso, com muitas lágrimas, com muitas cabeçadas na parede, muitas quedas e muitos enganos, muitas más escolhas e sofrimento à mistura. Não se escala uma montanha sem tombar algumas vezes.

Pior que n√£o Cantar

Pior que n√£o cantar
é cantar sem saber o que se canta

Pior que n√£o gritar
é gritar só porque um grito algures se levanta

Pior que n√£o andar
é ir andando atrás de alguém que manda

Sem amor e sem raiva as bandeiras s√£o pano
que só vento electriza
em ruidosa confus√£o
de engano

A Revolução
n√£o se burocratiza

Quis Deixar-me a que Eu Adoro

Apartava-se Nise de Montano,
Em cuja alma, partindo-se, ficava,
Que o pastor na memória a debuxava,
Por poder sustentar-se deste engano.

Por Ň©a praia do √ćndico Oceano
Sobre o curvo cajado se encostava,
E os olhos pelas √°guas alongava,
Que pouco se doíam de seu dano.

Pois com tamanha m√°goa e saudade,
(Dizia) quis deixar-me a que eu adoro,
Por testemunhas tomo céu e estrelas.

Mas se em vós, ondas, mora piedade,
Levai também as lágrimas que choro,
Pois assim me levais a causa delas.

Carregado De Mim Ando No Mundo

Carregado de mim ando no mundo,
E o grande peso embarga-me as passadas,
Que como ando por vias desusadas,
Faço o peso crescer, e vou-me ao fundo.

O remédio será seguir o imundo
Caminho, onde dos mais vejo as pisadas,
Que as bestas andam juntas mais ousadas,
Do que anda só o engenho mais profundo.

Não é fácil viver entre os insanos,
Erra, quem presumir que sabe tudo,
Se o atalho n√£o soube dos seus danos.

O prudente var√£o h√° de ser mudo,
Que é melhor neste mundo, mar de enganos,
Ser louco cos demais, que só, sisudo.

Eu que dei para mentir. E com isso estou dizendo uma verdade. Mas mentir j√° n√£o era sem tempo. Engano a quem devo enganar, e, como sei que estou enganando, digo por dentro verdades duras.

Gosto de Amar

gosto de amar com os dedos,
encontrar o centímetro em que nasce o orgasmo
em ti, perceber a extens√£o da forma como te sobressaltas,
e encostar-te o meu ouvido à boca para ouvir a voz de
deus.

gosto de amar com os olhos,
gastar a hipótese do sono e ver-te adormecer,
a noite escura e o silêncio de um abraço,
e se queres que te diga
só te escolhi por engano, queria o amor dos livros
e virei escritor, os dias inteiros à espera do teu corpo
para que as metáforas aconteçam.

gosto de amar com as l√°grimas,
praticar o abismo, a largura estreita dos teus l√°bios,
a sensação de mar excessivo da tua língua,
até a maneira como me percorres o sexo
com a extremidade da tua respiração parada,
e sobretudo submeter-me ao castigo da emoção
de te amar ainda depois do final do prazer,
a pequena morte acabada
e a vida toda outra vez a começar.

gosto de amar com o que me resta,
e tudo o que sei é que me resta amar-te.

Continue lendo…

Dona Abastança

¬ęA caridade √© amor¬Ľ
Proclama dona Abastança
Esposa do comendador
Senhor da alta finança.

Família necessitada
A boa senhora acode
Pouco a uns a outros nada
¬ęDar a todos n√£o se pode.¬Ľ

J√° se deixa ver
Que n√£o pode ser
Quem
O que tem
D√° a pedir vem.

O bem da bolsa lhes sai
E sai caro fazer o bem
Ela d√° ele subtrai
Fazem como lhes convém
Ela aos pobres d√° uns cobres
Ele incans√°vel l√° vai
Com o que tira a quem n√£o tem
Fazendo mais e mais pobres.

J√° se deixa ver
Que n√£o pode ser
Dar
Sem ter
E ter sem tirar.

Todo o que milh√Ķes furtou
Sempre ao bem-fazer foi dado
Pouco custa a quem roubou
Dar pouco a quem foi roubado.

Oh engano sempre novo
De t√£o estranha caridade
Feita com dinheiro do povo
Ao povo desta cidade.

Soneto Do Amigo

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retalia√ß√Ķes, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

√Č bom sent√°-lo novamente ao lado
Com os olhos que contem o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual à mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida n√£o explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica…

Esperanças de um Vão Contentamento

Esperanças de um vão contentamento,
por meu mal tantos anos conservadas,
é tempo de perder-vos, já que ousadas
abusastes de um longo sofrimento.

Fugi; c√° ficar√° meu pensamento
meditando nas horas malogradas,
e das tristes, presentes e passadas,
farei para as futuras argumento.

J√° n√£o me iludir√° um doce engano,
que trocarei ligeiras fantasias
em pesadas raz√Ķes do desengano.

E tu, sacra Virtude, que anuncias,
a quem te logra, o gosto soberano,
vem dominar o resto dos meus dias.

Pois se para os Amar n√£o Foram Feitos

Pois se para os amar n√£o foram feitos,
Senhor, aqueles olhos soberanos,
Porque, por tantos modos, mais que humanos,
Pintando os estivestes t√£o perfeitos?

Se tais palavras e se tais conceitos,
T√£o divinas, t√£o longe de profanos,
N√£o destes por or√°culo aos enganos,
Com que Amor vive nos mais altos peitos,

Porque, Senhor, tanta beleza junta,
Tanta graça e tal ser lhe foi deitado,
Qual ídolo nenhum gozara antigo?

Mas como respondeis a esta pergunta?
Que ou para disculpar o meu pecado,
Ou para eternizar o meu castigo?