Cita√ß√Ķes sobre Fascismo

9 resultados
Frases sobre fascismo, poemas sobre fascismo e outras cita√ß√Ķes sobre fascismo para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Uma atmosfera perigosa de nacionalismo está a chegar à nossa sociedade. Por isso eu quero criticar essa tendência, quero fazer tudo para impedir o desenvolvimento do fascismo na sociedade japonesa.

Vamos Buscar as Nossas Ideias ao Estrangeiro

Que ideias gerais temos? As que vamos buscar ao estrangeiro. Nem as vamos buscar aos movimentos filos√≥ficos profundos do estrangeiro; vamos busc√°-las √† superf√≠cie, ao jornalismo de ideias. E assim as ideias que adoptamos, sem altera√ß√£o nem cr√≠tica, s√£o ou velhas ou superficiais. Falamos a s√©rio nas ideias pol√≠ticas de Le√≥n Blum ou de Edouard Herriot, nenhum dos quais teve alguma vez ideias ‚ÄĒ pol√≠ticas ou outras ‚ÄĒ em sua vida. Falamos a s√©rio em Bourget, Maurras […].

Plagiamos o fascismo e o hitlerismo, plagiamos claramente, com a desvergonha da inconsciência, como a criança imita sem hesitar. Não reparamos que fascismo e hitlerismo, em sua essência, nada têm de novo, porventura nada de aproveitável, como ideias; o que não sabemos imitar, porque seria mais difícil, é a personalidade de Mussolini.

As ideias de Maurras, que qualquer raciocinador hábil desfaz sem dificuldade, se tiver a paciência de vencer o tédio quase insuportável de o ler, passam por leis da natureza, por tão indiscutíveis como, não direi já a teoria atómica, que tem elementos discutíveis, mas o coeficiente de dilatação do ferro, ou a lei de Boyle ou de Mariotte.

Temos poetas de mérito. Que fazem eles?

Continue lendo…

O Poder e o Conhecimento

Entre o conhecimento e o poder existe n√£o s√≥ a rela√ß√£o de servilismo, mas tamb√©m de verdade. Muitos conhecimentos, embora formalmente verdadeiros, s√£o nulos fora de toda a propor√ß√£o com a reparti√ß√£o de poderes. Quando o m√©dico expatriado diz- “Para mim, Adolf Hitler √© um caso patol√≥gico” – o resultado cl√≠nico acabar√° talvez por confirmar o seu ju√≠zo, mas a despropor√ß√£o deste com a desgra√ßa objectiva que, em nome do paran√≥ico, se espalha pelo mundo faz de tal diagn√≥stico, com que se incha o diagnosticador, algo rid√≠culo. Talvez Hitler seja “em si” um caso patol√≥gico, mas certamente n√£o “para ele”. A vaidade e a pobreza de muitas manifesta√ß√Ķes do ex√≠lio contra o fascismo ligam-se a este facto. Os que expressam os seus pensamentos na forma de ju√≠zo livre, distanciado e desinteressado s√£o os que n√£o foram capazes de assumir nessa forma a experi√™ncia da viol√™ncia, o que torna in√ļtil tal pensamento. O problema, quase insol√ļvel, consiste aqui em n√£o se deixar imbecilizar nem pelo poder dos outros nem pela impot√™ncia pr√≥pria.

Qual o Próximo Pretexto para o Holocausto ?

Vi o fim do fascismo. Foi bom. Vejo o fim do comunismo. √Č bom. E vi durante toda a vida como um e outro foram √ļteis para o √≥dio se cumprir. Mas finda a utilidade desses pretextos, que outro pretexto vai ser? Curamos os efeitos da doen√ßa, guardamos a doen√ßa para outra vez. √Č a reserva maior do homem, essa, a do mal, H√° o que lhe √© inevit√°vel, mas n√£o lhe basta. Cataclismos, trai√ß√Ķes do irm√£o corpo. N√£o chega. E a pr√≥pria morte, que √© a sua fatalidade, ele n√£o a desperdi√ßa e aproveita-a para ir matando mais cedo. Como a um animal do seu sustento. O homem. Que enormidade.

A Fraqueza Crónica de um Sistema Democrático de Governo

A fraqueza cr√≥nica de um sistema democr√°tico de governo, em oposi√ß√£o √† ocasional, parece ser proporcional ao grau da sua democratiza√ß√£o. Os mais poderosos e est√°veis estados democr√°ticos s√£o aqueles onde os princ√≠pios da democracia foram menos l√≥gica e consistentemente aplicados. Assim, um parlamento eleito segundo um sistema de representa√ß√£o proporcional √© um parlamento verdadeiramente democr√°tico. Mas √© tamb√©m, na mairoria dos casos, um instrumento n√£o de governo mas de anarquia. A representa√ß√£o proporcional garante que todos os sectores da opini√£o estar√£o representados na assembleia. √Č o ideal da democracia cumprido. Infelizmente, a multiplica√ß√£o de pequenos grupos dentro do parlamento torna imposs√≠vel a forma√ß√£o de um governo est√°vel e forte.
Nas assembleias proporcionalmente eleitas os governos têm geralmente de confiar numa maioria compósita. Têm de comprar o apoio de pequenos grupos com uma distribuição de favores mais ou menos corrupta, e como nunca conseguem dar o suficiente ficam sujeitos a ser derrotados em qualquer altura. A representação proporcional em itália conduziu ao fascismo através da anarquia. Causou grandes dificuldades práticas na Bélgica, e agora ameaça fazer o mesmo na Irlanda. Encontram-se governos democráticos estáveis em países onde as minorias, por muito grandes que sejam, não estão representadas, e onde nenhum candidato que não pertença a um dos grandes partidos terá a mais leve possibilidade de ser eleito.

Continue lendo…