Passagens de Georg Wilhelm Friedrich Hegel

43 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Georg Wilhelm Friedrich Hegel para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

A Natureza Subjectiva do Tempo

O tempo, tal como o espa√ßo, √© uma forma pura da intui√ß√£o ou percep√ß√£o sens√≠vel. √Č a condi√ß√£o de toda a percep√ß√£o activa imediata, e tamb√©m de tudo o que √© percepcionado, isto √©, de toda a experi√™ncia e de tudo o que √© experimentado. A natureza √© feita de tempo e de espa√ßo, e √© um processo. Quando salientamos o seu aspecto espacial, estamos conscientes da sua natureza objectiva; quando salientamos o seu aspecto temporal, tornamo-nos conscientes da sua natureza subjectiva. Tal como a percepcionamos, a natureza √© um processo de devir infind√°vel e cont√≠nuo. As coisas chegam e partem no tempo, mas s√£o tamb√©m temporais – o tempo √© o seu modo de exist√™ncia.

A Mente Universal

A mente universal manifesta-se na arte como intui√ß√£o e imagina√ß√£o; na religi√£o manifesta-se como sentimento e pensamento representativo; e na filosofia ocorre como liberdade pura de pensamento. Na hist√≥ria mundial a mente universal manifesta-se como actualidade da mente, na sua integridade de internalidade e de externalidade. A hist√≥ria do mundo √© um tribunal porque, na sua absoluta universalidade, o particular, isto √©, as formas de culto, sociedade e esp√≠ritos nacionais em todas as suas diferentes actualidades, est√° presente apenas como ideal, e aqui o movimento da mente √© a manifesta√ß√£o disto mesmo…
A história do mundo não é o veredicto da força, isto é, de um destino cego realizando-se a si mesmo numa inevitabilidade abstracta e não-racional. Pelo contrário, porque a mente é razão implícita e explicitamente, e porque a razão é explícita para si mesma, na mente, enquanto conhecimento, a história do mundo é o desenvolvimento necessário, decorrente da liberdade da mente, dos momentos da razão e, deste modo, da autoconsciência e da liberdade da mente.
A história da mente é a sua acção. A mente é apenas o que faz, e a sua acção faz dela o objecto da sua própria consciência. Através da história, a sua acção ganha consciência de si mesma como mente,

Continue lendo…

Só Arriscando a Nossa Vida Conservamos a Liberdade

Só arriscando a nossa vida conservamos a liberdade, só assim provamos que a essência da consciência de si próprio não é o ser, não é o modo imediato como essa consciência surge em primeiro lugar, não é a sua fixação na expansão da vida.

A atitude artística se distingue da atitude prática do desejo no sentido de que a arte deixa subsistir seu objeto em liberdade total, enquanto o desejo emprega seu objeto para seu próprio uso, destruindo-o.

Ser Independente da Opini√£o P√ļblica

Ser independente da opini√£o p√ļblica √© a primeira condi√ß√£o formal para realizar qualquer coisa grandiosa ou racional, tanto na vida como na ci√™ncia. Com o tempo, este feito ser√° seguramente reconhecido pela opini√£o p√ļblica, que na altura conveniente o transformar√° em mais um dos seus preconceitos.

O Artista e a sua Obra

O artista tem pois essa experi√™ncia com a sua obra: ele n√£o produziu uma ess√™ncia igual a ele mesmo. Sem d√ļvida, da sua obra retorna para ele uma consci√™ncia, pois uma multid√£o admirativa honra a obra como o esp√≠rito que √© a ess√™ncia deles. Essa admira√ß√£o, por√©m, ao lhe restituir a sua consci√™ncia de si apenas como admira√ß√£o √© antes uma confiss√£o feita ao artista de que ela n√£o √© igual a ele. Uma vez que o seu Si retorna para ele como j√ļbilo em geral, ali ele n√£o encontra nem a dor da sua forma√ß√£o e da sua produ√ß√£o, nem o esfor√ßo do seu trabalho. Os outros podem de facto julgar a obra ou trazer-lhe oferendas, conceber, de algum modo, que ela seja a sua consci√™ncia; se eles se colocam com o seu saber acima dela, o artista, pelo contr√°rio, sabe o quanto a sua opera√ß√£o vale mais do que a compreens√£o e o discurso deles; se eles se colocam abaixo dela e nela reconhecem a ess√™ncia deles que os domina, ele conhece-a, pelo contr√°rio, como o seu senhor.

Da Ideia do Belo em Geral

I РChamamos ao belo ideia do belo. Este deve ser concebido como ideia e, ao mesmo tempo, como a ideia sob forma particular; quer dizer, como ideal. O belo, já o dissemos, é a ideia; não a ideia abstracta, anterior à sua manifestação, não realizada, mas a ideia concreta ou realizada, inseparável da forma, como esta o é do principio que nela aparece. Ainda menos devemos ver na ideia uma pura generalidade ou uma colecção de qualidades abstraídas dos objectos reais. A ideia é o fundo, a própria essência de toda a existência, o tipo, unidade real e viva da qual os objectos visíveis não são mais que a realização exterior. Assim, a verdadeira ideia, a ideia concreta, é a que resume a totalidade dos elementos desenvolvidos e manifestados pelo conjunto dos seres. Numa palavra, a ideia é um todo, a harmoniosa unidade deste conjunto universal que se processa eternamente na natureza e no mundo moral ou do espírito.
Só deste modo a ideia é verdade, e verdade total.
Tudo quanto existe, portanto, só é verdadeiro na medida em que é a ideia em estado de existência; pois a ideia é a verdadeira e absoluta realidade. Nada do que aparece como real aos sentidos e à consciência é verdadeiro por ser real,

Continue lendo…