Passagens sobre Horizonte

213 resultados
Frases sobre horizonte, poemas sobre horizonte e outras passagens sobre horizonte para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

EU te amo geometricamente e ponto zero no horizonte formando tri√Ęngulo contigo. O resultado √© um perfume de rosas maceradas.

Despedida

Amanhece
e no espreguiçar dos olhos
absorvo a tontura do novo dia.

Ao sair do quarto
atravesso o branco sujo da manh√£
e vou tomar caf√© com muito a√ß√ļcar.

Levo um pastel de Tent√ļgal para a varanda
e mastigo-o ouvindo as harpas da cidade.

E quando tu chegas de roup√£o
bebendo o teu cacau
explico-te o horizonte com barcos.

Eu Sou do Tamanho do que Vejo

Da minha aldeia veio quanto da terra se pode ver no Universo…
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E n√£o, do tamanho da minha altura…
Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.

Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a nossa √ļnica riqueza √© ver.

Noivado

Vês, querida, o horizonte ardendo em chamas?
Além desses outeiros
Vai descambando o sol, e à terra envia
Os raios derradeiros;
A tarde, como noiva que enrubesce,
Traz no rosto um véu mole e transparente;
No fundo azul a estrela do poente
Já tímida aparece.

Como um bafo suavíssimo da noite,
Vem sussurrando o vento
As árvores agita e imprime às folhas
O beijo sonolento.
A flor ajeita o c√°lix: cedo espera
O orvalho, e entanto exala o doce aroma;
Do leito do oriente a noite assoma
Como uma sombra austera.

Vem tu, agora, ó filha de meus sonhos,
Vem, minha flor querida;
Vem contemplar o céu, página santa
Que amor a ler convida;
Da tua solid√£o rompe as cadeias;
Desce do teu sombrio e mudo asilo;
Encontrar√°s aqui o amor tranq√ľilo…
Que esperas? que receias?

Olha o templo de Deus, pomposo e grande;
L√° do horizonte oposto
A lua, como l√Ęmpada, j√° surge
A alumiar teu rosto;
Os círios vão arder no altar sagrado,
Estrelinhas do céu que um anjo acende;

Continue lendo…

Nihil Novum

Na penumbra do pórtico encantado
De bruges, noutras eras, j√° vivi;
Vi os templos do Egipto com Loti;
Lancei flores, na √ćndia, ao rio sagrado.

No horizonte de bruma opalizado,
Frente ao B√≥sforo errei, pensando em ti!…
O silêncio dos claustros conheci
Pelos poentes de n√°car e brocado…

Mordi as rosas brancas de Ispa√£
E o gosto a cinza em todas era igual!
Sempre a charneca b√°rbara e deserta,

Triste, a florir, numa ansiedade v√£!
Sempre da vida — o mesmo estranho mal,
E o cora√ß√£o — a mesma chaga aberta!

Leitura

Quando por fim as √°rvores
se tornam luminosas; e ardem
por dentro pressentindo;
folha a folha; as chamas
√°vidas de frio:
nimbos e c√ļmulos coroam
a tarde, o horizonte,
com a sua auréola incandescente
de g√°s sobre os rebanhos.

Assim se movem
as nuvens comovidas
no anoitecer
dos grandes textos cl√°ssicos.

Perdem mais densidade;
ascendem na p√°lida aleluia
de que fulgor ainda?
e s√£o agora
cumes de colinas rarefeitas
policopiando à pressa
a demora das outras
feita de peso e sombra.

A uma Rapariga

À Nice

Abre os olhos e encara a vida! A sina
Tem que cumprir-se! Alarga os horizontes!
Por sobre lamaçais alteia pontes
Com tuas m√£os preciosas de menina.

Nessa estrada da vida que fascina
Caminha sempre em frente, além dos montes!
Morde os frutos a rir! Bebe nas fontes!
Beija aqueles que a sorte te destina!

Trata por tu a mais longínqua estrela,
Escava com as mãos a própria cova
E depois, a sorrir, deita-te nela!

Que as mãos da terra façam, com amor,
Da graça do teu corpo, esguia e nova,
Surgir √† luz a haste duma flor!…

No amor não há monotonia. Ou cresce para o exterior, expandindo-se e criando novos mundos; ou para o interior, alargando os horizontes do sentir e do pensar até ao infinito.

Um Poema de Amor

N√£o sei onde est√°s, se falas
ou se apenas olhas o horizonte,
que pode ser apenas o de uma
parede de quarto. Mas sei que
uma sombra se demora contigo,
quando me pergunto onde est√°s:
uma inquietação que atravessa
o espaço entre mim e ti, e
te rouba as certezas de hoje,
como a mim me d√° este poema.

A Voz que Nos Rasgou por Dentro

De onde vem – a voz que
nos rasgou por dentro, que
trouxe consigo a chuva negra
do outono, que fugiu por
entre névoas e campos
devorados pela erva?

Esteve aqui ‚ÄĒ aqui dentro
de nós, como se sempre aqui
tivesse estado; e n√£o a
ouvimos, como se n√£o nos
falasse desde sempre,
aqui, dentro de nós.

E agora que a queremos ouvir,
como se a tivéssemos re-
conhecido outrora, onde est√°? A voz
que dança de noite, no inverno,
sem luz nem eco, enquanto
segura pela m√£o o fio
obscuro do horizonte.

Diz: “N√£o chores o que te espera,
nem desças já pela margem
do rio derradeiro. Respira,
numa breve inspiração, o cheiro
da resina, nos bosques, e
o sopro h√ļmido dos versos.”

Como se a ouvíssemos.

A Diagonal da Vida

Ao olharmos o caminho que percorremos na vida, ao abarcarmos o seu ¬ęerr√≥neo curso labir√≠ntico¬Ľ (Fausto), n√£o podemos deixar de ver muita felicidade malograda, muita desgra√ßa atra√≠da, e talvez facilmente exageremos nas repreens√Ķes a n√≥s mesmos. O curso da vida n√£o √© certamente a nossa obra exclusiva, mas o produto de dois factores, a saber, a s√©rie dos acontecimentos e a das nossas decis√Ķes. S√©ries que sempre interagem e se modificam reciprocamente. Al√©m disso, h√° o facto de que, em ambas, o nosso horizonte √© sempre bastante limitado, na medida em que n√£o podemos predizer com muita antecipa√ß√£o as nossas decis√Ķes e muito menos prever os acontecimentos; na verdade, de ambos conhecemos com justeza apenas os acontecimentos e decis√Ķes actuais.
Sendo assim, enquanto o nosso alvo est√° longe, n√£o podemos dirigir-nos directamente para ele, mas s√≥ por aproxima√ß√Ķes e conjecturas, ami√ļde tendo de bordejar. Tudo o que conseguimos √© tomar decis√Ķes sempre segundo a medida das circunst√Ęncias presentes, na esperan√ßa de faz√™-lo bem, para desse modo nos aproximarmos do alvo principal. Na maioria das vezes, portanto, os acontecimentos e as nossas inten√ß√Ķes b√°sicas s√£o compar√°veis a duas for√ßas que agem em direc√ß√Ķes opostas, sendo a diagonal resultante o curso da nossa vida.

Continue lendo…

A um Crucifixo

Há mil anos, bom Cristo, ergueste os magros braços
E clamaste da cruz: há Deus! e olhaste, ó crente,
O horizonte futuro e viste, em tua mente,
Um alvor ideal banhar esses espaços!

Por que morreu sem eco, o eco de teus passos,
E de tua palavra (ó Verbo!) o som fremente?
Morreste… ah! dorme em paz! n√£o volvas, que descrente
Arrojaras de novo √† campa os membros lassos…

Agora, como ent√£o, na mesma terra erma,
A mesma humanidade é sempre a mesma enferma,
Sob o mesmo ermo c√©u, frio como um sud√°rio…

E agora, como ent√£o, viras o mundo exangue,
E ouviras perguntar ‚ÄĒ de que serviu o sangue
Com que regaste, √≥ Cristo, as urzes do Calv√°rio? ‚ÄĒ

As palavras que te envio s√£o interditas

As palavras que te envio s√£o interditas
até, meu amor, pelo halo das searas;
se alguma regressasse, nem j√° reconhecia
o teu nome nas suas curvas claras.

Dói-me esta água, este ar que se respira,
dói-me esta solidão de pedra escura,
estas m√£os nocturnas onde aperto
os meus dias quebrados na cintura.

E a noite cresce apaixonadamente.
Nas suas margens nuas, desoladas,
cada homem tem apenas para dar
um horizonte de cidades bombardeadas.

As sensa√ß√Ķes fortes entontecem-me e fazem-me sofrer. A nossa vida neste velho Portugal, vida toda de resigna√ß√£o e sentimentalidade, vida estreita e mesquinha, sem horizontes nem ondas largas, conv√©m mais a uma velhota de 27 anos que vive pela imagina√ß√£o mais do que tu podes imaginar; na minha cadeira da Ilha, com um livro que me encanta sobre o rega√ßo eu viajo, √†s vezes, mais do que os maiores vagabundos, pelo mundo fora.

Embirração

(A Machado de Assis)

A balda alexandrina é poço imenso e fundo,
Onde poetas mil, flagelo deste mundo,
Patinham sem parar, chamando l√° por mim.
N√£o morrer√£o, se um verso, estiradinho assim,
Da beira for do poço, extenso como ele é,
Levar-lhes grosso anzol; então eu tenho fé
Que volte um afogado, à luz da mocidade,
A ver no mundo seco a seca realidade.

Por eles, e por mim, receio, caro amigo;
Permite o desabafo aqui, a sós contigo,
Que à moda fazer guerra, eu sei quanto é fatal;
Nem vence o positivo o frívolo ideal;
Despótica em seu mando, é sempre fátua e vã,
E até da vã loucura a moda é prima-irmã:
Mas quando venha o senso erguer-lhe os densos véus,
Do verso alexandrino h√° de livrar-nos Deus.

Deus quando abre ao poeta as portas desta vida,

Não lhe depara o gozo e a glória apetecida;
E o triste, se morreu, deixando mal escritas
Em verso alexandrino histórias infinitas,
Vai ter lá noutra vida insípido desterro,
Se Deus, por compaix√£o, n√£o d√° perd√£o ao erro;

Continue lendo…

Lembra-te

Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
ir√£o achando sem fim
seu ansioso lugar
seu bot√£o de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
n√£o teremos sinal
sen√£o o de saber
que ir√° por onde fomos
um para o outro
vividos

A Razão da Minha Esperança

Meu bom amigo,

Sei que tens sofrido bastante.

Não posso esquecer que um dia me ensinaste: que leal é quem não abandona; que devemos procurar ser pessoas dignas de confiança, mais do que tentar encontrar alguém assim; e, que a vontade de amar já é, em si mesma, amor.

Permite-me que partilhe contigo, hoje, algumas ideias a respeito dos momentos dif√≠ceis…

S√£o muitas as provas que na vida servem para testar quem somos, a for√ßa que temos em n√≥s e o nosso valor. Algumas vezes uma pedra gigante vem cair mesmo diante de n√≥s… outras vezes s√£o s√©ries infind√°veis de pequenos obst√°culos no caminho… longas etapas que nos obrigam a seguir adiante sem descansar, em percursos onde quase nunca se v√™ o horizonte.
A agita√ß√£o permanente em que vivemos leva muitos a desistir de encontrar refer√™ncias mais adiante, mas √© preciso que nos afastemos do tempo para assim encontrarmos a posi√ß√£o mais segura, elevando-nos acima dos momentos passageiros para os compreender melhor. No meio da confus√£o √© preciso ver para al√©m do que se pode olhar… estabelecer os alicerces sobre o que √© s√≥lido, ainda que seja preciso escavar muito mais fundo do que o normal…

Continue lendo…