Passagens de Salman Rushdie

28 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Salman Rushdie para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

O ser humano descobre o que pensa a respeito de si mesmo quando sua essência mais íntima está sob ataque.

A despolitização do Islã é a urtiga que todas as sociedades muçulmanas terão de agarrar com as mãos para poder se tornar modernas.

Todos viraram inimigos e estão sendo atingidos pelo preconceito. A América é, hoje, um local sombrio.

A verdade é o que a maioria vê como verdade, mas a maioria também pode mudar de opinião ao longo da história.

Haroun queria saber por que seus pais n√£o tinham tido mais filhos… Rashid explicou: “N√≥s gastamos todo o nosso material de fazer crian√ßas s√≥ com voc√™. Est√° tudo a√≠, daria pra mais umas quatro ou cinco criancinhas. Sim senhor, em voc√™ h√° mais coisas do que se v√™ num primeiro olhar.”

A literatura é um lugar em qualquer sociedade onde, dentro da privacidade de nossas próprias cabeças, conseguimos ouvir vozes falando sobre tudo de todo modo possível.

No catálogo dos direitos humanos não existe o direito a não ser ofendido; se existisse, ninguém poderia dizer ou escrever uma palavra.

Queimar um livro não significa destruí-lo. Um minuto de escuridão não nos tornará cegos.

O trabalho de um poeta √© nomear o inomin√°vel, assinalar as fraudes, tomar posi√ß√Ķes, iniciar discuss√Ķes, dar forma ao mundo e det√™-lo ao deitar-se.

Receio dizer que n√£o gosto do trabalho de Paulo Coelho. Tamb√©m n√£o gosto de ‘O C√≥digo Da Vinci’, mas parece que o livro vende muito bem. Ou tenho mau gosto ou as outras pessoas t√™m. H√° livros facilmente consum√≠veis e que d√£o um conforto simples √†s pessoas. N√£o √© o meu neg√≥cio.

Aquilo que distingue um grande artista de um modesto é, antes de mais, a sensibilidade e ternura; em segundo lugar, a imaginação e, em terceiro, a técnica.

Não necessariamente aquilo que é real e aquilo que é verdade são a mesmíssima coisa.

Haroun queria pegar suas palavras de volta, arrancá-las de dentro do ouvido de seu pai e enfiá-las de volta na sua própria boca.

O que um escritor pode fazer na solidão do seu quarto é algo que nenhum poder consegue destruir facilmente.

Em meu entender, a religião, inclusivamente na sua forma mais sofisticada, infantiliza, sobretudo o nosso eu ético, ao estabelecer uns árbitros morais infalíveis e uns tentadores imorais irredutíveis por cima de nós.

Perdi a conta dos dias que transcorreram desde que fugi dos horrores da fortaleza louca de Vasco Miranda, na aldeia de Benengeli, nas montanhas de Andaluzia; fugi da morte na escurid√£o da noite, deixando mensagem pregada na porta.