Passagens sobre Livros

946 resultados
Frases sobre livros, poemas sobre livros e outras passagens sobre livros para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Escrevias pela Noite Fora

Escrevias pela noite fora. Olhava-te, olhava
o que ia ficando nas pausas entre cada
sorriso. Por ti mudei a raz√£o das coisas,
faz de conta que n√£o sei as coisas que n√£o queres
que saiba, acabei por te pensar com crianças
à volta. Agora há prédios onde havia
laranjeiras e rom√£s no ch√£o e as palavras
nem o sabem dizer, apenas apontam a rua
que foi comum, o quarto estreito. Um livro
é suficiente neste passeio. Quando não escreves
estás a ler e ao lado das árvores o silêncio
é maior. Decerto te digo o que penso
baixando a cabeça e tu respondes sempre
com a cabeça inclinada e o fumo suspenso
no ar. As verdades nunca se disseram. Queria
prender-te, tornar a perder-te, achar-te
assim por acaso no meu dia livre a meio
da semana. Mantêm-se as causas iguais
das pequenas alegrias, longe da alegria, a rotina
dos sorrisos vem de nenhum vício. Este abandono
custa. Porque estou contigo e me deixas
a tua imagem passa pelas noites sem sono,
est√° aqui a cadeira em que te sentaste
a escrever lendo.

Continue lendo…

Os leitores extraem dos livros, consoante o seu car√°cter, a exemplo da abelha ou da aranha que, do suco das flores retiram, uma o mel, a outra o veneno.

Na Leitura e na Escrita Encontramo-nos Todos naquilo que Temos de Mais Humano

A escrita, ou a arte, para ser mais abrangente, cumpre fun√ß√Ķes que mais nenhuma √°rea consegue cumprir. (…) Sinto que h√° poucas experi√™ncias t√£o interessantes como quando se l√™ um livro e se percebe “j√° senti isto, mas nunca o tinha visto escrito”, procurar isso, ou procurar escrever textos que fa√ßam sentir isso, √© uma das minhas buscas permanentes. Trata-se de ordenar, de esquematizar, n√£o s√≥ sentimentos como ideias que temos de uma forma vaga mas que entendemos melhor quando os vemos em palavras. Trata-se tamb√©m de construir empatia: atrav√©s da leitura temos oportunidade de estar na pele de outras pessoas e de sentir coisas que n√£o fazem parte da nossa vida, mas que no momento em que lemos conseguimos perceber como √©. E isso faz-nos ser mais humanos. Na leitura e na escrita encontramo-nos todos naquilo que temos de mais humano.

Nós Estamos num Estado Comparável à Grécia

N√≥s estamos num estado compar√°vel, correlativo √† Gr√©cia: mesma pobreza, mesma indignidade pol√≠tica, mesmo abaixamento dos caracteres, mesma ladroagem p√ļblica, mesma agiotagem, mesma decad√™ncia de esp√≠rito, mesma administra√ß√£o grotesca de desleixo e de confus√£o. Nos livros estrangeiros, nas revistas, quando se quer falar de um pa√≠s cat√≥lico e que pela sua decad√™ncia progressiva poder√° vir a ser riscado do mapa ‚Äď citam-se ao par a Gr√©cia e Portugal. Somente n√≥s n√£o temos como a Gr√©cia uma hist√≥ria gloriosa, a honra de ter criado uma religi√£o, uma literatura de modelo universal e o museu humano da beleza da arte.

O Livro

Dos diversos instrumentos do homem, o mais assombroso √©, indubitavelmente, o livro. Os outros s√£o extens√Ķes do seu corpo. O microsc√≥pio e o telesc√≥pio s√£o extens√Ķes da vista; o telefone √© o prolongamento da voz; seguem-se o arado e a espada, extens√Ķes do seu bra√ßo. Mas o livro √© outra coisa: o livro √© uma extens√£o da mem√≥ria e da imagina√ß√£o.
Em ¬ęC√©sar e Cle√≥patra¬Ľ de Shaw, quando se fala da biblioteca de Alexandria, diz-se que ela √© a mem√≥ria da humanidade. O livro √© isso e tamb√©m algo mais: a imagina√ß√£o. Pois o que √© o nosso passado sen√£o uma s√©rie de sonhos? Que diferen√ßa pode haver entre recordar sonhos e recordar o passado? Tal √© a fun√ß√£o que o livro realiza.
(…) Se lemos um livro antigo, √© como se l√™ssemos todo o tempo que transcorreu at√© n√≥s desde o dia em que ele foi escrito. Por isso conv√©m manter o culto do livro. O livro pode estar cheio de coisas erradas, podemos n√£o estar de acordo com as opini√Ķes do autor, mas mesmo assim conserva alguma coisa de sagrado, algo de divino, n√£o para ser objecto de respeito supersticioso, mas para que o abordemos com o desejo de encontrar felicidade,

Continue lendo…

Um livro e tanto escreveria o capelão do Diabo sobre os trabalhos desastrados, esbanjadores, ineficientes e terrivelmente cruéis da natureza!

A Rua Dos Cataventos – XI – Para Ant√īnio Nobre, √Ä Maneira Do Mesmo

Contigo fiz, ainda menininho,
Todo o meu Curso d’Alma… e desce cedo
Aprendi a sofrer devagarinho,
A guardar meu amor como um segredo…

Nas minhas chagas vinhas p√īr o dedo
E eu era o Triste, o Doido, o Pobrezinho!
Amava, à noite, as Luas de bruxedo,
Chamava o P√īr de Sol de Meu Padrinho…

Anto querido, esse teu livro “S√≥”
Encheu de luar a minha inf√Ęncia triste!
E ninguém mais há de ficar tão só:

Sofreste a nossa dor, como Jesus…
E nesta Costa d’√Āfrica surgiste
Para ajudar-nos a levar a Cruz!…

Derramado

Raro e vazio dia.
Calmo e velho dia.
Os membros lassos debruados deste cansaço sem porquê.

Raro e vazio dia,
assim inteiro e implac√°vel
na solid√£o grave e tr√°gica do meu quarto nu.

Perdido, perdido, este vagabundear dos meus olhos
sobre os livros fechados e decorados,
sobre as árvores roídas,
sobre as coisas quietas, quietas…

Raro e vazio dia
na minha boca p√°lida e pouca,
sem uma praga para quebrar a magia do ópio!

Nunca se Escreve para Si Mesmo

O escritor não prevê nem conjectura: projecta. Acontece por vezes que espera por si mesmo, que espera pela inspiração, como se diz. Mas não se espera por si mesmo como se espera pelos outros; se hesita, sabe que o futuro não está feito, que é ele próprio que o vai fazer, e, se não sabe ainda o que acontecerá ao herói, isto quer simplesmente dizer que não pensou nisso, que não decidiu nada; então, o futuro é uma página branca, ao passo que o futuro do leitor são as duzentas páginas sobrecarregadas de palavras que o separam do fim.

Assim, o escritor só encontra por toda a parte o seu saber, a sua vontade, os seus projectos, em resumo, ele mesmo; atinge apenas a sua própria subjectividade; o objecto que cria está fora de alcance; não o cria para ele. Se relê o que escreveu, já é demasiado tarde; a sua frase nunca será a seus olhos exactamente uma coisa. Vai até aos limites do subjectivo, mas sem o transpor; aprecia o efeito dum traço, duma máxima, dum adjectivo bem colocado; mas é o efeito que produzirão nos outros; pode avaliá-lo, mas não senti-lo.
Proust nunca descobriu a homossexualidade de Charlus,

Continue lendo…

Pó

Nas estantes os livros ficam
(até se dispersarem ou desfazerem)
enquanto tudo
passa. O pó acumula-se
e depois de limpo
torna a acumular-se
no cimo das lombadas.
Quando a cidade est√° suja
(obras, carros, poeiras)
o pó é mais negro e por vezes
espesso. Os livros ficam,
valem mais que tudo,
mas apesar do amor
(amor das coisas mudas
que sussurram)
e do cuidado doméstico
fica sempre, em baixo,
do lado oposto à lombada,
uma pequena marca negra
do pó nas páginas.
A marca faz parte dos livros.
Estão marcados. Nós também.

O livro de bolso é o poderoso instrumento de cultura da civilização moderna.

Da Liberdade

A: Eis uma bateria de canh√Ķes que atira junto aos nossos ouvidos; tendes a liberdade de ouvi-la e de a n√£o ouvir?
B: √Č claro que n√£o posso evitar ouvi-la.
A: Desejaríeis que esse canhão decepasse a vossa cabeça e as da vossa mulher e da vossa filha que estivessem convosco?
B: Que espécie de proposição me fazeis? Eu jamais poderia, no meu são juízo, desejar semelhante coisa. Isso é-me impossível.
A: Muito bem; ouvis necessariamente esse canhão e, também necessariamente, não quereis morrer, vós e a vossa família, de um tiro de canhão; não tendes nem o poder de não o ouvir nem o poder de querer permanecer aqui.
B: Isso é evidente.
A: Em consequência, destes uma trintena de passos a fim de vos colocardes ao abrigo do canhão: tivestes o poder de caminhar comigo estes poucos passos?
B: Nada mais verdadeiro.
A: E se f√īsseis paral√≠tico? N√£o ter√≠eis podido evitar ficar exposto a essa bateria; n√£o ter√≠eis o poder de estar onde agora estais: ter√≠eis ent√£o necessariamente ouvido e recebido um tiro de canh√£o e necessariamente estar√≠eis morto?
B: Nada mais claro.
A: Em que consiste, pois,

Continue lendo…

Tenho vontade de escrever e n√£o consigo (…) O que escrevo est√° sem entrelinha? Se assim for, estou perdida. H√° um livro em cada um de n√≥s. in Um Sopro de Vida

Natureza

Aos Poetas

Tudo por ti resplende e se constela,
Tudo por ti, suavíssimo, flameja;
√Čs o pulm√£o da racional peleja,
Sempre viril, consoladora e bela.

Teu coração de pérolas se estrela,
E o bom falerno d√°s a quem deseja
Vigor, sa√ļde a cren√ßa que floreja,
Que as expans√Ķes do c√©rebro revela.

Toda essa luz que bebe-se de um hausto
Nos livros s√£os, todo esse enorme fausto
Vem das verduras brandas que reluzem!

Esse da idéia esplêndido eletrismo,
O forte, o grande, audaz psicologismo,
Os organismos naturais produzem…

Os Livros N√£o S√£o Coisas Mortas

Porque os livros n√£o s√£o de todo coisas mortas (…) preservando, como um frasco, a mais pura extrac√ß√£o do intelecto que os criou. Sei que s√£o t√£o vivos e vigorosamente produtivos como os fabulosos dentes de um drag√£o e sendo fomentados podem unir homens armados. Por outro lado, a n√£o ser que se use de toda a prud√™ncia, destruir um bom homem √© quase o mesmo que destruir um bom livro; quem destr√≥i um homem destr√≥i uma criatura razo√°vel; mas aquele que destr√≥i um bom livro destr√≥i a pr√≥pria raz√£o, destr√≥i a imagem de Deus. Muitos homens constituem um fardo para o mundo; mas um bom livro √© a encarna√ß√£o preciosa de um esp√≠rito superior, conservado e estimado com o objectivo de viver para al√©m da morte.

A Profundidade do Ser

E de vez em quando descer √† gravidade de mim, √† profundidade do meu ser. E verificar ent√£o que tudo se transfigura. Que √© que significa este garatujar quase gratuito, este riso superficial, todo este modo de ser menor? A melancolia profunda, t√£o de dentro que ela se iguala √† alegria sem medida. Espa√ßo rarefeito de n√≥s, √© o lugar da grandeza do homem, do que √© nele fundamental, o lugar do aparecimento de Deus. Mas Deus n√£o me aparece – aparece apenas a inunda√ß√£o que me vem da infinita beatitude, da grandeza e do assombro. N√≥s vivemos habitualmente √† superf√≠cie de n√≥s, ligados ao que √© da vida imediata, enredados nas mil futilidades com que se nos enchem os dias. Mas de vez em quando, o abismo da natureza, um livro ou uma m√ļsica que dos abismos vem, abre-nos aos p√©s um precip√≠cio hiante e tudo se dilui num sentir que est√° antes e abaixo e mais longe que esse tudo. H√° uma harmonia que em n√≥s espera por um som, um acorde, uma palavra, para imediatamente se organizar e envolver-nos. E a√≠ somos verdade para a infinidade dos s√©culos.

Interpretação Facciosa

Coment√°rios geram coment√°rios, e explica√ß√Ķes d√£o novos motivos para explica√ß√Ķes. [… ] N√£o ocorre com frequ√™ncia que um homem de capacidade comum entende muito bem um texto ou uma lei que ele l√™ at√© que v√° consultar um comentarista ou procure conselheiros, os quais, quando tiverem terminado de lhe explicar, fazem as palavras n√£o significar coisa alguma ou significar o que ele desejar?
(…) H√°s-de concordar comigo, creio, que n√£o existe coisa alguma em que os homens mais se enganam e desencaminham outros do que na leitura e escrita de livros, [mas] n√£o discutirei se os escritores desencaminham os leitores ou vice-versa: pois parecem ambos dispostos a enganar e ser enganados.