Sonetos sobre Brilhos

41 resultados
Sonetos de brilhos escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Frutas De Maio

Maio chegou — alegre e transparente
Cheio de brilho e m√ļsica nos ares,
De cristalinos risos salutares,
Frio, porém, ó gota alvinitente.

Corre um fluido suave e odorescente
Das laranjeiras, como dos altares
O incenso — e, como a gaze azul dos mares,
Leve — h√° por tudo um beijo, docemente.

Isto bem cedo, de manh√£ — adiante
Pela tarde um sol calmo, agonizante,
P√Ķe no horizonte resplendentes franjas.

H√° carinhos, da luz em cada raio,
Filha — e eu que adoro este frescor de maio
Muito, mas muito — trago-te laranjas.

À Virgem Santíssima

Cheia de Graça, Mãe de Misericórdia

N’um sonho todo feito de incerteza,
De nocturna e indizível ansiedade,
√Č que eu vi teu olhar de piedade
E (mais que piedade) de tristeza…

N√£o era o vulgar brilho da beleza,
Nem o ardor banal da mocidade…
Era outra luz, era outra suavidade,
Que at√© nem sei se as h√° na natureza…

Um m√≠stico sofrer… uma ventura
Feita só do perdão, só da ternura
E da paz da nossa hora derradeira…

√ď vis√£o, vis√£o triste e piedosa!
Fita-me assim calada, assim chorosa…
E deixa-me sonhar a vida inteira!

Pobre Flor!

Deu-m’a um dia antiga companheira
De tempinho feliz de adolescente;
E os meus lábios roçaram docemente
Pelas folhas da nívea feiticeira.

Como se apaga uma ilus√£o primeira,
Um sonho estremecido e resplendente,
Eu beijei-lhe a corola, rescendente
Inda mais que a da flor da laranjeira.

E como amava o seu formoso brilho!
Tinha-lhe quase essa afeição sagrada
Da jovem m√£e ao seu primeiro filho.

Dei-lhe no seio uma pousada franca…
Mas, ai! depressa ela murchou, coitada!
Doce e mísera flor, cheirosa e branca!

O Milagre De Guaxenduba

Minha Terra natal, em Guaxenduba;
Na trincheira, em que o luso ainda trabalha,
A artilharia, que ao francês derruba,
Por três bocas letais pragueja e ralha.

O leão de França, arregaçando a juba,
Saltou. E o luso, como um tigre, o atalha.
Troveja a boca do arcabuz, e a tuba
Do índio corta o clamor e o medo espalha.

Foi ent√£o que se viu, sagrando a guerra,
Nossa Senhora, com o Menino ao colo,
Surgir lutando pela minha terra.

Foi-lhe vista na m√£o a espada em brilho…
(P√°tria, se a Virgem quis assim teu solo,
Que por ti n√£o far√° quem for teu filho?)

Tortura Eterna

Impotência cruel, ó vã tortura!
√ď For√ßa in√ļtil, ansiedade humana!
√ď c√≠rculos dantescos da loucura!
√ď luta, √ď luta secular, insana!

Que tu n√£o possas, Alma soberana,
Perpetuamente refulgir na Altura,
Na Aleluia da Luz, na clara Hosana
Do Sol, cantar, imortalmente pura.

Que tu n√£o posses, Sentimento ardente,
Viver, vibrar nos brilhos do ar fremente,
Por entre as chamas, os clar√Ķes supernos.

√ď Sons intraduz√≠veis, Formas, Cores!…
Ah! que eu n√£o possa eternizar as cores
Nos bronzes e nos m√°rmores eternos!

as meninas

as minhas filhas nadam. a mais nova
leva nos braços bóias pequeninas,
a outra d√° um salto e p√Ķe √† prova
o corpo esguio, as longas pernas finas:

entre risadas como serpentinas,
vai como a formosinha numa trova,
salta a pés juntos, dedos nas narinas,
e emerge ao sol que o seu cabelo escova.

a √°gua tem a pele azul-turquesa
e brilhos e salpicos, e mergulham
feitas pura alegria incandescente.

e ficam, de ternura e de surpresa,
nas toalhas de cor em que se embrulham,
ninfinhas sobre a relva, de repente.

Psalmo

Esperemos em Deus! Ele h√° tomado
Em suas m√£os a massa inerte e fria
Da mat√©ria impotente e, n’um s√≥ dia,
Luz, movimento, acção, tudo lhe há dado.

Ele, ao mais pobre de alma, h√° tributado
Desvelo e amor: ele conduz à via
Segura quem lhe foge e se extravia,
Quem pela noite andava desgarrado.

E a mim, que aspiro a ele, a mim, que o amo,
Que anseio por mais vida e maior brilho.
Ha-de negar-me o termo d’este anseio?

Buscou quem o n√£o quiz; e a mim, que o chamo,
Ha-de fugir-me, como a ingrato filho?
√ď Deus, meu pai e abrigo! espero!… eu creio!

Carnal E Místico

Pelas regi√Ķes tenu√≠ssimas da bruma
Vagam as Virgens e as Estrelas raras…
Como que o leve aroma das searas
Todo o horizonte em derredor perfume.

N’uma evapora√ß√£o de branca espuma
V√£o diluindo as perspectives claras…
Com brilhos crus e f√ļlgidos de tiaras
As Estrelas apagam-se uma a uma.

E então, na treva, em místicas dormências
Desfila, com sidéreas lactescências,
Das Virgens o son√Ęmbulo cortejo…

√ď Formas vagas, nebulosidades!
Essência das eternas virgindades!
√ď intensas quimeras do Desejo…

Deus Do Mal

Espírito do Mal, ó deus perverso
Que tantas almas d√ļbias acalentas,
Veneno tentador na luz disperso
Que a própria luz e a própria sombra tentas.

Símbolo atroz das culpas do Universo,
Espelho fiel das convuls√Ķes violentas
Do gasto coração no lodo imerso
Das tormentas vulc√Ęnicas, sangrentas.

Toda a tua sinistra trajetória
Tem um brilho de lágrima ilusória,
As melodias m√≥rbidas do Inferno…

√Čs Mal, mas sendo Mal √©s solu√ßante,
Sem a graça divina e consolante,
Réprobo estranho do Perdão eterno!

A √Ārvore Da Serra

РAs árvores, meu filho, não têm alma!
E esta √°rvore me serve de empecilho…
√Č preciso cort√°-la, pois, meu filho,
Para que eu tenha uma velhice calma!

– Meu pai, por que sua ira n√£o se acalma?!
Não vê que em tudo existe o mesmo brilho?!
Deus pos almas nos cedros… no junquilho…
Esta √°rvore, meu pai, possui minh’alma! …

– Disse – e ajoelhou-se, numa rogativa:
“N√£o mate a √°rvore, pai, para que eu viva!”
E quando a √°rvore, olhando a p√°tria serra,

Caiu aos golpes do machado bronco,
O moço triste se abraçou com o tronco
E nunca mais se levantou da terra!

Aos Olhos Dele

Não acredito em nada. As minhas crenças
Voaram como voa a pomba mansa,
Pelo azul do ar. E assim fugiram o
As minhas doces crenças de criança.

Fiquei então sem fé; e a toda gente
Eu digo sempre, embora magoada:
N√£o acredito em Deus e a Virgem Santa
√Č uma ilus√£o apenas e mais nada!

Mas avisto os teus olhos, meu amor,
Duma luz suav√≠ssima de dor…
E grito então ao ver esses dois céus:

Eu creio, sim, eu creio na Virgem Santa
Que criou esse brilho que m’encanta!
Eu creio, sim, creio, eu creio em Deus!

Noiva E Triste

Rola da luz do céu, solta e desfralda
Sobre ti mesma o pavilhão das crenças,
Constele o teu olhar essas imensas
Vagas do amor que no teu peito escalda.

A primorosa e límpida grinalda
H√° de enflorar-te as amplid√Ķes extensas
Do teu pesar — h√° de rasgar-te as densas
Sombras — o v√©u sobre a luzente espalda…

Inda n√£o ri esse teu l√°bio rubro
Hoje — inda n’alma, nesse azul delubro
N√£o fulge o brilho que as paix√Ķes enastra;

Mas, amanh√£, no sorridor noivado,
A vida triste por que tens passado,
De madressilvas e jasmins se alastra.

Homo

Nenhum de vós ao certo me conhece,
Astros do espaço, ramos do arvoredo,
Nenhum adivinhou o meu segredo,
Nenhum interpretou a minha prece…

Ningu√©m sabe quem sou… e mais, parece
Que h√° dez mil anos j√°, neste degredo,
Me vê passar o mar, vê-me o rochedo
E me contempla a aurora que alvorece…

Sou um parto da Terra monstruoso;
Do h√ļmus primitivo e tenebroso
Gera√ß√£o casual, sem pai nem m√£e…

Misto infeliz de trevas e de brilho,
Sou talvez Satan√°s; ‚ÄĒ talvez um filho
Bastardo de Jeov√°; ‚ÄĒ talvez ningu√©m!

Glória

Florescimentos e florescimentos!
Glória às estrelas, glória às aves, glória
√Ä natureza! Que a minh’alma fl√≥rea
Em mais flores flori de sentimentos.

Glória ao Deus invisível dos nevoentos
Espaços! glória à lua merencória,
Glória à esfera dos sonhos, à ilusória
Esfera dos profundos pensamentos.

Glória ao céu, glória à terra, glória ao mundo!
Todo o meu ser é roseiral fecundo
De grandes rosas de divino brilho.

Almas que floresceis no Amor eterno!
Vinde gozar comigo este falerno,
Esta emoção de ver nascer um filho!

Mocidade

A mocidade esplêndida, vibrante,
Ardente, extraordin√°ria, audaciosa.
Que vê num cardo a folha duma rosa,
Na gota de √°gua o brilho dum diamante;

Essa que fez de mim Judeu Errante
Do espírito, a torrente caudalosa,
Dos vendavais irm√£ tempestuosa,
– Trago-a em mim vermelha, triunfante!

No meu sangue rubis correm dispersos:
– Chamas subindo ao alto nos meus versos,
Papoilas nos meus l√°bios a florir!

Ama-me doida, estonteadoramente,
O meu Amor! que o coração da gente
√Č t√£o pequeno… e a vida, √°gua a fugir…

Vision√°rios

Armam batalhas pelo mundo adiante
Os que vagam no mundos vision√°rios,
Abrindo as √°ureas portas de sacr√°rios
Do Mistério soturno e palpitante.

O coração flameja a cada instante
Com brilho estranho, com fervores v√°rios,
Sente a febre dos bons mission√°rios
Da ardente catequese fecundante.

Os vision√°rios v√£o buscar frescura
De √°gua celeste na cisterna pura
Da Esperan√ßa, por horas nebulosas…

Buscam frescura, um outro novo encanto…
E livres, belos através do pranto,
Falam baixo com as almas misteriosas!

À Tua Porta Há um Pinheiro Manso

À tua porta há um pinheiro manso
De cabeça pendida, a meditar,
Amor! Sou eu, talvez, a contemplar
Os doces sete palmos do descanso.

Sou eu que para ti atiro e lanço,
Como um grito, meus ramos pelo ar,
Sou eu que estendo os braços a chamar
Meu sonho que se esvai e não alcanço.

Eu que do sol filtro os ruivos brilhos
Sobre as louras cabeças dos teus filhos
Quando o meio-dia tomba sobre a serra…

E, à noite, a sua voz dolente e vaga
√Č o solu√ßo da minha alma em chaga:
Raiz morta de sede sob a terra!

Vozes De Um T√ļmulo

Morri! E a Terra – a m√£e comum – o brilho
Destes meus olhos apagou!… Assim
T√Ęntalo, aos reais convivas, num festim,
Serviu as carnes do seu próprio filho!

Por que para este cemitério vim?!
Por quê?! Antes da vida o angusto trilho
Palmilhasse, do que este que palmilho
E que me assombra, porque n√£o tem fim!

No ardor do sonho que o fronema exalta
Constru√≠ de orgulho √™nea pir√Ęmide alta,
Hoje, porém, que se desmoronou

A pir√Ęmide real do meu orgulho,
Hoje que apenas sou matéria e entulho
Tenho consciência de que nada sou!

Cenas De Escravid√£o

Acabara o castigo… √°spero, cavo,
Cheio de ang√ļstia um grito lancinante
Estala atroz na boca hirta, arquejante;
Na boca negra, esqu√°lida do escravo…

O seu algoz… oh! n√£o ‚ÄĒ √≠ntimo travo
O seu olhar espelha ‚ÄĒ rubro, iriante…
√Č um escravo tamb√©m, br√īnzeo, possante;
Arfa-lhe em dor o peito largo e bravo!

Cumprira as ordens do Senhor… tremente,
Fita o infeliz, calcado ao ch√£o, dolente,
Velado o olhar num dolorido brilho…

Fita-o… depois, num √≠mpeto sublime
Ergue-o; no peito c√°lido o comprime,
Cinge-o a chorar ‚ÄĒ Meu filho! pobre filho!