Textos sobre √ćdolos

12 resultados
Textos de ídolos escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Miser√°veis Macabros

√Č que n√£o foram t√£o poucas como isso as vezes que vi a piedade enganar-se. N√≥s, que governamos os homens, aprendemos a sondar-lhes os cora√ß√Ķes, para s√≥ ao objecto digno de estima dispensarmos a nossa solicitude. Mais n√£o fa√ßo do que negar essa piedade √†s feridas de exibi√ß√£o que comovem o cora√ß√£o das mulheres. Assim como tamb√©m a nego aos moribundos, e al√©m disso aos mortos. E sei bem porqu√™.
Houve uma altura da minha mocidade em que senti piedade pelos mendigos e pelas suas √ļlceras. At√© chegava a apalavrar curandeiros e a comprar b√°lsamos por causa deles. As caravanas traziam-me de uma ilha long√≠nqua unguentos derivados do ouro, que t√™m a virtude de voltar a compor a pele ao cimo da carne. Procedi assim at√© descobrir que eles tinham como artigo de luxo aquele insuport√°vel fedor. Surpreendi-os a co√ßar e a regar com bosta aquelas p√ļstulas, como quem estruma uma terra para dela extrair a flor cor de p√ļrpura. Mostravam orgulhosamente uns aos outros a sua podrid√£o e gabavam-se das esmolas recebidas.
Aquele que mais ganhara comparava-se a si pr√≥prio ao sumo sacerdote que exp√Ķe o √≠dolo mais prendado. Se consentiam em consultar o meu m√©dico, era na esperan√ßa de que o cancro deles o surpreendesse pela pestil√™ncia e pelas propor√ß√Ķes.

Continue lendo…

A Vaidade Acompanha-nos Até na Morte

Sendo o termo da vida limitado, n√£o tem limite a nossa vaidade; porque dura mais, do que n√≥s mesmos, e se introduz nos aparatos √ļltimos da morte. Que maior prova, do que a f√°brica de um elevado mausol√©u? No sil√™ncio de uma urna depositam os homens as suas mem√≥rias, para com a f√© dos m√°rmores fazerem seus nomes imortais: querem que a sumptuosidade do t√ļmulo sirva de inspirar venera√ß√£o, como se fossem rel√≠quias as suas cinzas, e que corra por conta dos jaspes a continua√ß√£o do respeito. Que fr√≠volo cuidado! Esse triste resto daquilo, que foi homem, j√° parece um √≠dolo colocado em um breve, mas soberbo domic√≠lio, que a vaidade edificou para habita√ß√£o de uma cinza fria, e desta declara a inscri√ß√£o o nome, e a grandeza. A vaidade at√© se estende a enriquecer de adornos o mesmo pobre horror da sepultura.

Vivemos com vaidade, e com vaidade morremos; arrancando os √ļltimos suspiros, estamos dispondo a nossa pompa f√ļnebre, como se em hora t√£o fatal o morrer n√£o bastasse para ocupa√ß√£o; nessa hora, em que estamos para deixar o mundo, ou em que o mundo est√° para nos deixar, entramos a compor, e a ordenar o nosso acompanhamento,

Continue lendo…

O Homem é o Animal Menos Preparado

A capacidade do homem para o pensamento abstracto, que parece faltar √† maioria dos outros mam√≠feros, conferiu-lhe sem d√ļvida o seu actual dom√≠nio sobre a superf√≠cie da Terra ‚Äď um dom√≠nio disputado apenas por centenas de milhares de tipos de insectos e organismos microsc√≥picos. Este pensamento abstracto √© o respons√°vel pela sua sensa√ß√£o de superioridade e pelo que, sob esta sensa√ß√£o, corresponde a uma certa medida de realidade, pelo menos dentro de estreitos limites. Mas o que √© frequentemente subestimado √© o facto de que a capacidade de desempenhar um acto n√£o √©, de forma alguma, sin√≥nima de seu exerc√≠cio salubre. √Č f√°cil observar que a maior parte do pensamento do homem √© est√ļpida, sem sentido e injuriosa para ele. Na realidade, de todos os animais, ele parece o menos preparado para tirar conclus√Ķes apropriadas nas quest√Ķes que afectam mais desesperadamente o seu bem-estar.
Tente imaginar um rato, no universo das ideias dos ratos, chegando a no√ß√Ķes t√£o ocas de plausibilidade como, por exemplo, o Swedenborgianismo, a homeopatia ou a telepatia mental. O instinto natural do homem, de facto, nunca se dirige para o que √© s√≥lido e verdadeiro; prefere tudo que √© especioso e falso. Se uma grande na√ß√£o moderna se confrontar com dois problemas antag√≥nicos ‚Äď um deles baseado em argumentos prov√°veis e racionais,

Continue lendo…

Vaidade e Vanglória

Era uma linda inven√ß√£o de Esopo a do moscardo que, sentado no eixo da roda, dizia: ¬ęQuanta poeira fa√ßo levantar!¬Ľ Assim h√° muitas pessoas v√£s que quando um neg√≥cio marcha por si ou vai sendo movido por agentes mais importantes, desde que estejam relacionados com ele por um s√≥ pormenor, imaginam que s√£o eles quem conduz tudo: os que t√™m que ser facciosos, porque toda a vaidade assenta em compara√ß√Ķes. T√™m de ser necessariamente violentos, para fazerem valer as suas jact√Ęncias. N√£o podem guardar segredo, e por isso n√£o s√£o √ļteis para ningu√©m, mas confirmam o prov√©rbio franc√™s: Beaucoup de bruit, peu de fruit.
Este defeito não é, porém, sem utilidade para os negócios políticos: onde houver uma opinião ou uma fama a propagar, seja de virtude seja de grandeza, esses homens são óptimos trombeteiros.
(…) A vaidade ajuda a perpetuar a mem√≥ria dos homens, e a virtude nunca foi considerada pela natureza humana como digna de receber mais do que um pr√©mio de segunda m√£o. A gl√Ķria de C√≠cero, de S√©neca, de Pl√≠nio o Mo√ßo, n√£o teria durado tanto tempo se eles n√£o fossem de algum modo vaidosos; a vaidade √© como o verniz, que n√£o s√≥ faz brilhar,

Continue lendo…

Achar a Chave para Cada Um

√Č a arte de mover vontades; mais consiste em destreza do que em resolu√ß√£o: saber por onde entrar em cada um. N√£o h√° vontade sem pendor especial, diferente segundo a variedade dos gostos. Todos s√£o id√≥latras, uns da estima, outros do interesse, a maioria do deleite. A manha est√° em conhecer esses √≠dolos para motivar; conhecer o impulso eficaz de cada um √© como ter a chave do querer alheio. Deve-se ir ao primeiro m√≥bil, que nem sempre √© o supremo; o mais das vezes √© o √≠nfimo, porque no mundo s√£o mais os desregrados que os subordinados. Primeiro h√° de se prevenir o g√©nio, depois tocar-lhe o verbo, para atacar a afei√ß√£o, que infalivelmente por√° em mate o arb√≠trio.

A Responsabilidade do Ser Humano

A primeira adora√ß√£o dos √≠dolos foi sem d√ļvida o medo das coisas, mas tamb√©m, relacionado com este, o medo da necessidade das coisas e, relacionado com isso, o medo da responsabilidade por elas. Essa responsabilidade parecia t√£o gigantesca, que nem mesmo se ousou imp√ī-la a um √ļnico ser humano, pois, pela mera media√ß√£o de um ser, a responsabilidade humana n√£o teria sido aliviada o suficiente, o conv√≠vio com um ser apenas teria sido contaminado de uma maneira mais profunda ainda pela responsabilidade; por isso, deu-se a cada coisa a responsabilidade por si mesma, mais: deu-se a essas coisas, tamb√©m, uma medida da responsabilidade para o ser humano.

A Posteridade é uma Sobreposição de Minorias

Aquele que despreza o aplauso da multid√£o de hoje, √© o que procura sobreviver em renovadas minorias, durante gera√ß√Ķes. ¬ęA posteridade √© uma sobreposi√ß√£o de minorias¬Ľ, dizia Gounod. Quer-se prolongar mais no tempo do que no espa√ßo. Os √≠dolos das multid√Ķes s√£o derrubados prontamente por elas mesmas, e a sua est√°tua desfaz-se ao p√© do pedestal, sem que ningu√©m olhe para ela, enquanto que aqueles que conquistam o cora√ß√£o dos escolhidos receber√£o, por mais tempo, um culto fervoroso numa capela, ainda que recolhida e pequena, mas que salvar√° as avenidas do esquecimento. O artista sacrifica a grandeza da sua fama √† sua dura√ß√£o; anseia mais por durar sempre num rec√īndito, do que que brilhar um segundo no universo todo; antes quer ser o √°tomo eterno e consciente de si mesmo, do que a moment√Ęnea consci√™ncia do universo todo; sacrifica a infinidade √† eternidade.

Liberdade e Constrangimento S√£o Dois Aspectos da Mesma Necessidade

Liberdade e constrangimento s√£o dois aspectos da mesma necessidade, que √© ser aquele e n√£o um outro. Livre de ser aquele, n√£o livre de ser um outro. (…) N√£o h√° quem o n√£o saiba. Os que reclamam a liberdade reclamam a moral interior, para que nem assim o homem deixe de ser governado. O gendarme – dizem eles de si para si – est√° no interior. E os que solicitam a coac√ß√£o afirmam-te que ela √© liberdade de esp√≠rito. Tu, na tua casa, tens a liberdade de atravessar as antec√Ęmaras, de medir a passos largos as salas, uma por uma, de empurrar as portas, de subir ou descer as escadas. E a tua liberdade cresce √† medida que aumentam as paredes e as peias e os ferrolhos. E disp√Ķes de um n√ļmero tanto maior de actos poss√≠veis onde escolher aquele que h√°s-de praticar, quantas mais obriga√ß√Ķes te imp√īs a dura√ß√£o das tuas pedras. E, na sala comum, onde assentas arraiais no meio da desordem, deixas de dispor de liberdade, passa a haver dissolu√ß√£o.
E, afinal de contas, todos sonham com uma e a mesma cidade. Mas um reclama para o homem, tal como ele é, o direito de agir.

Continue lendo…

A Imagem é Sempre Fruto da Vaidade

O aplauso √© o √≠dolo da vaidade, por isso as ac√ß√Ķes her√≥icas n√£o se fazem em segredo, e por meio delas procuramos que os homens formem de n√≥s o mesmo conceito, que n√≥s temos de n√≥s mesmos. Raras vezes somos generosos, s√≥ pela generosidade, nem valerosos s√≥ pelo valor. A vaidade nos prop√Ķe, que o mundo todo se aplica em registar os nossos passos; para este mundo √© que obramos; por isso h√° muita diferen√ßa de um homem, a ele mesmo: posto no retiro √© um homem comum, e muitas vezes ainda com menos talento que o comum dos homens; por√©m posto em parte donde o vejam, todo √© ac√ß√£o, movimento, esfor√ßo.
Nunca mostramos o que somos, senão quando entendemos que ninguém nos vê, e isto porque não exercitamos as virtudes pela excelência delas, mas pela honra do exercício, nem deixamos de ser maus por aversão ao mal, mas pelo que se segue de o ser. O vício pratica-se ocultamente, porque cremos que a ignomínia só consiste em se saber; de sorte que se somos bons, é por causa dos mais homens, e não por nossa causa; haja quem nos assegure, que não há-de saber-se um desacerto, e logo nos tem certo,

Continue lendo…

Os Descrentes

Nunca encontrei um descrente, apenas desvairados inquietos… √© assim que √© melhor trat√°-los. S√£o pessoas diferentes, n√£o se percebe bem o que s√£o: tanto os grandes como os pequenos, os ignorantes como os cultos, mesmo a gente da classe mais simples, tudo neles √© desvario. Porque passam a vida a ler e a interpretar e depois, fartos da do√ßura livresca, continuam perplexos e n√£o conseguem resolver nada.
H√° quem se disperse, de maneira que n√£o consegue atentar em si mesmo. H√° quem seja rijo como pedra, mas no seu cora√ß√£o vagueiam sonhos. H√° tamb√©m o insens√≠vel e f√ļtil que s√≥ quer gozar e ironizar. H√° quem s√≥ tire dos livros florinhas, e mesmo elas consoante a sua opini√£o, e h√° nele desvario e falta de perspic√°cia. E digo mais: h√° muito t√©dio.
O homem pequeno é necessitado, não tem pão, não tem com que sustentar os filhos, dorme na palha áspera, mas tem o coração leve e alegre; é pecador e malcriado, mas mantém na mesma o coração alegre. E o homem grande farta-se de comer e beber, senta-se num montão de ouro, mas tem sempre a mágoa no coração. Há quem domine as ciências mas não se livre do tédio.

Continue lendo…

Bens Ilusórios

Por nosso mal l√° chega a idade, em que n√£o queremos mais fortunas, que o viver; conhecemos a ilus√£o delas, e se as buscamos, √© como por costume, mas sem √Ęnsia, e sem desassossego; o desejo de as alcan√ßar, √© como um resto de calor, que apenas se faz sentir. N√£o reflectimos sobre o pouco tempo, que devemos gozar um bem, sen√£o depois de o ter: s√≥ ent√£o consideramos o muito que custou a alcan√ßar, e o pouco que o havemos possuir.
Em cada país há um modo com que as cousas se imaginam; o que é fortuna em uma parte, é desgraça em outra, o que aqui se busca com empenho, ali se despreza totalmente. Os objectos que entretêm a vaidade, e estimação dos homens, são como ídolos, que só se veneram em lugar determinado, e fora daquele tal espaço, a adoração se troca em vitupério; o mesmo mármore de que em Atenas se faria uma Minerva, transportado a outro lugar, apenas servirá de base a uma coluna; assim é a vaidade, por mais que seja universal nos homens, os motivos dela não são universais.

N√£o Pode Existir Amor Sem Verdadeira Troca

Não te lembras de ter encontrado na vida aquela que se considera um ídolo? Que havia ela de receber do amor? Tudo, até a tua alegria de a encontrares, se torna homenagem para ela. Mas, quanto mais a homenagem custa, mais vale: ela saborearia melhor o teu desespero.
Ela devora sem se alimentar. Ela apodera-se de ti para te queimar à sua honra. Ela é semelhante a um forno crematório. Ela, na sua avareza, enriquece-se de várias capturas, julgando encontrar a alegria nessa acumulação. E não acumula mais do que cinzas. Porque o verdadeiro uso dos teus dons era caminho de um para o outro, e não captura.
Ela ver√° penhores nos teus dons e abster-se-√° de tos conceder em paga. Na falta de arrebatamentos que te satisfariam, a falsa reserva dela far-te-√° ver que a comunh√£o dispensa sinais. √Č marca da impot√™ncia para amar, n√£o eleva√ß√£o do amor. Se o escultor despreza a argila, ter√° de modelar o vento. Se o teu amor despreza os sinais do amor a pretexto de atingir a ess√™ncia, o teu amor n√£o passa de um palavreado. N√£o descuides as felicita√ß√Ķes, nem os presentes, nem os testemunhos.Serias capaz de amar a propriedade,

Continue lendo…