Frases Interrogativas de Masaharu Taniguchi

26 resultados
Frases interrogativas de Masaharu Taniguchi. Leia e compartilhe frases de Masaharu Taniguchi em Poetris.

Se o descontentamento brota em tua mente, é porque exiges demais dos outros. Precisas compreender que cada pessoa tem sua própria posição, sua própria vida. Tua mente ficará aliviada e contente somente quando aceitares a posição e a vida dos outros, compreenderes as razões do comportamento deles, e te tornares capaz de admitir até mesmo as posições contrárias à tua. Se não sentes alívio e satisfação, é porque tens mente estreita. Como poderá sentir bem-estar num lugar estreito?

Algumas pessoas consideram-se renascidas após ler a revista Seicho-No-Ie e param de lê-la, dizendo: ‘Como já aprendi a maneira correta de viver, não preciso mais dela’. Isto é o mesmo que dizer: ‘Como já suguei o que queria, o resto não me interessa’. Será que elas podem se considerar ‘espiritualmente renascidas’? Se esta vida se torna árida, é porque existem pessoas interesseiras como essas.

No amor que visa à recompensa e no amor que espera ver o próximo contente existe o pego ao ‘eu’. Enquanto a pessoa tiver pensamentos como ‘Eu fiz isso e aquilo por ele; no entanto, o que ele me fez?’ ainda não está livre do apego ao ‘eu’.

Há quem pergunte se o ‘eu’ que sabe que o ‘eu iludido não existe’ é ‘Eu verdadeiro’ ou ‘eu falso’. Respondo: o ‘eu inexistente’ desaparece ao compreender que ‘não existe’. Poderão então perguntar: E onde está esse ‘eu’ que compreendeu que ‘não existe’? Ele simplesmente se extinguiu quando compreendeu que ‘não existe’. Enquanto pensar que ‘existe’, ele aparentará existir, razão pela qual nenhum argumento poderá convencê-lo.

Acreditas em Deus ou nos cinco sentidos? Aquele cuja mente se abala, ora alegrando-se, ora entristecendo-se segundo as mudanças fenomênicas, está acreditando nos cinco sentidos e não em Deus.

O médium é comparável a um telefone de brinquedo, constituído de um fio e duas latinhas, uma em cada extremidade. Se pegarmos a latinha de uma extremidade e dissermos ‘Alô, alô, quem fala?’, uma das crianças travessas que estarão agrupadas junto à outra extremidade pegará o fone e responderá: ‘Eu sou Fulano de Tal’, fazendo-se passar por algum personagem conhecido. Neste exemplo, ‘crianças travessas’ correspondem a espíritos errantes. Mesmo que se veja a figura de tal Fulano através da vidência, não se deve dar-lhe crédito, pois é uma imagem ‘televisionada’ por espíritos errantes.

A maioria das pessoas se esforça para manobrar a riqueza e a sua própria capacidade, no intuito de dominar o mundo externo; mas se esquece de comandar seu mundo interno. De que adiantará dominar o mundo inteiro, se não conseguir comandar a si próprio?

Quantas pessoas não estarão ferindo a si mesmas todos os dias? A indignação, o ódio, o temor, a ofensa e todos os demais pensamentos e sentimentos negativos ferem a própria pessoa.

Para que te justificas tanto? Isso que estás procurando defender e proteger não é teu ‘Eu verdadeiro’; é um impostor que quer passar por ‘Eu verdadeiro’, enganando a ti e os outros.

Em vez de enumerar os sofrimentos, enumera as dádivas. Por que te queixas se possuis tantas dádivas? Para quem se lembra de agradecer à saúde somente quando fica doente, virá a doença. Do jardim daquele que se lembra de louvar o canto dos passarinhos se vão. O modo de viver da Seicho-No-Ie consiste em agradecer.

De que adianta uma pessoa ter fé, se sua mente permanece fechada? Ter fé é ter a mente aberta. Ter fé é ter consciência da grandiosidade da natureza do ser humano como filho de Deus, e sair para um mundo imenso, transpondo as barreiras do pequeno mundo particular. Aquele que fala da fé, fechado em si mesmo, não conhece Deus verdadeiramente. A fé da Seicho-No-Ie é ampla e grandiosa, capaz de envolver tudo e todos, com magnanimidade. Deus é o todo de tudo; portanto, é amplo e grandioso. Somente a mente ampla e magnânima sintoniza com Deus.

A vida não deve ser negativa. Ela deve ser constantemente positiva. Não se deve ficar retraído com pensamentos pessimistas como ‘Se eu fizer isso, será que não vou perturbar Fulano?’ ou ‘Será que Sicrano não está aborrecido comigo?’. Aquele que leva uma vida positiva, pensando ‘Vou amar o próximo’, ‘Vou dar alegria a todos’ ou ‘Vou ser útil aos semelhantes’, vivifica os outros e a si próprio.

De que valem as teorias a respeito de Deus? O mais importante é despertares para o grande fato de que tu próprio és Deus.

Não digas: ‘Como posso admitir que oposições e conflitos não existem, se os vejo na vida concreta?’. Se compreenderes que todos os seres e coisas são regidas por ‘um só Deus’, ‘uma sabedoria única’, chegará à conclusão de que, na verdade, não é possível existirem oposições e conflitos. Se parecem existir oposições e conflitos, é porque estás com a mente em ilusão e pensas que tais coisas existem.

Tua mente é livre para pensar tanto na montanha como no montículo de terra formado pelas formigas; tem a liberdade de pensar tanto no oceano como na água de uma bacia. Então, por que torturas tua mente por causa de coisas pequenas? Sê vasto e límpido como o céu.

‘Deixa que os mortos sepultem os seus mortos’ – Poucos são os que compreendem o verdadeiro sentido destas palavras de Cristo. Ele não aconselhou a vivificar os mortos; quis dizer o seguinte: ‘Deixa a sombra (o corpo carnal) sepultar-se a si mesma; a morte é própria da sombra. Não vês que atua Imagem Verdadeira (Eu verdadeiro) vive eternamente?’. Bem-aventurados são os que conscientizam o seu Eu eternamente vivo, não se apegando nem à vida nem à morte do corpo carnal.