Passagens sobre L√°bios

306 resultados
Frases sobre l√°bios, poemas sobre l√°bios e outras passagens sobre l√°bios para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Terra – 3

Eles subiram o monte com o povo arrebanhado
e padre-nossos nos l√°bios.
Eles subiram o monte e eram negros, grandiosos e medonhos.
Vinham de longe e diziam duma verdade nos l√°bios firmes e finos.
Vinham de longe, de Miss√Ķes do cabo do mundo;
– da √Āfrica? dos Brasis? ‚Äď vinham de longe…
E ficou aquela cruz branca e esguia
erguida na serra.
Serm√Ķes na igreja, comunh√£o geral
e prociss√£o na rua.
Cristo, na cruz do alto, protegendo a freguesia ‚Äď Hosana!
Terra e gente ficaram santos nesse dia ‚Äď Hosana!
Hoje, todos sentem aqueles olhos parados l√° do cimo
– caminheiros da serra, viajante da estrada –
todos sentem os olhos l√° do cimo
Рolhar imóvel e indiferente
daqueles que subiram o monte.

No conto tudo precisa ser apontado num risco leve e sóbrio: das figuras deve-se ver apenas a linha flagrante e definidora que revela e fixa uma personalidade; dos sentimentos apenas o que caiba num olhar, ou numa dessas palavras que escapa dos lábios e traz todo o ser; da paisagem somente os longes, numa cor unida.

Ser Feliz é uma Responsabilidade Muito Grande

Ser feliz √© uma responsabilidade muito grande. Pouca gente tem coragem. Tenho coragem mas com um pouco de medo. Pessoa feliz √© quem aceitou a morte. Quando estou feliz demais, sinto uma ang√ļstia amorda√ßante: assusto-me. Sou t√£o medrosa. Tenho medo de estar viva porque quem tem vida um dia morre. E o mundo me violenta. Os instintos exigentes, a alma cruel, a crueza dos que n√£o t√™m pudor, as leis a obedecer, o assassinato ‚ÄĒ tudo isso me d√° vertigem como h√° pessoas que desmaiam ao ver sangue: o estudante de medicina com o rosto p√°lido e os l√°bios brancos diante do primeiro cad√°ver a dissecar. Assusta-me quando num relance vejo as entranhas do esp√≠rito dos outros. Ou quando caio sem querer bem fundo dentro de mim e vejo o abismo intermin√°vel da eternidade, abismo atrav√©s do qual me comunico fantasmag√≥rica com Deus.

Desfolhando

Essa boca, pequena, e assim vermelha,
que ao bot√£o de uma rosa se assemelha,
– quanta vez provocava os meus desejos
desabrochando em flor entre os meus beijos…

Essa boca, pequena e mentirosa,
que diz, tanta mentira cor-de-rosa,
Рera a taça de amor onde eu saciava
toda a ansiedade da minha alma escrava …

Beijando-a, compreendia que eras minha…
Meu amor transformava-te em rainha,
teu amor me fazia mais que um rei…

Agora, tu fugiste… E eu sofro, quando
vejo um outro em teus l√°bios desfolhando
a mesma rosa que eu desabrochei!…

√öltima P√°gina

Primavera. Um sorriso aberto em tudo. Os ramos
Numa palpitação de flores e de ninhos.
Doirava o sol de outubro a areia dos caminhos
(Lembras-te, Rosa?) e ao sol de outubro nos amamos.

Verão. (Lembras-te Dulce?) À beira-mar, sozinhos,
Tentou-nos o pecado: olhaste-me… e pecamos;
E o outono desfolhava os roseirais vizinhos,
√ď Laura, a vez primeira em que nos abra√ßamos…

Veio o inverno. Porém, sentada em meus joelhos,
Nua, presos aos meus os teus l√°bios vermelhos,
(Lembras-te, Branca?) ardia a tua carne em flor…

Carne, que queres mais? Coração, que mais queres?
Passas as esta√ß√Ķes e passam as mulheres…
E eu tenho amado tanto! e não conheço o Amor!

Talento não é Sabedoria

Deixa-me dizer-te francamente o ju√≠zo que eu formo do homem transcendente em g√©nio, em estro, em fogo, em originalidade, finalmente em tudo isso que se inveja, que se ama, e que se detesta, muitas vezes. O homem de talento √© sempre um mau homem. Alguns conhe√ßo eu que o mundo proclama virtuosos e s√°bios. Deix√°-los proclamar. O talento n√£o √© sabedoria. Sabedoria √© o trabalho incessante do esp√≠rito sobra a ci√™ncia. O talento √© a vibra√ß√£o convulsiva de esp√≠rito, a originalidade inventiva e rebelde √† autoridade, a viagem ext√°tica pelas regi√Ķes inc√≥gnitas da ideia. Agostinho, F√©nelon, Madame de Sta√ęl e Bentham s√£o sabedorias. Lutero, Ninon de Lenclos, Voltaire e Byron s√£o talentos.
Compara as vicissitudes dessas duas mulheres e os servi√ßos prestados √† humanidade por esses homens, e ter√°s encontrado o antagonismo social em que lutam o talento com a sabedoria. Porque √© mau o homem de talento ? Essa bela flor porque tem no seio um espinho envenenado ? Essa espl√™ndida ta√ßa de brilhantes e ouro porque √© que cont√©m o fel, que abrasa os l√°bios de quem a toca ? Aqui tens um tema para trabalhos superiores √† cabe√ßa de uma mulher, ainda mesmo refor√ßada por duas d√ļzias de cabe√ßas acad√©micas !

Continue lendo…

Soneto à Rendeira

O linho é uma oração remota, nesse
fluir fabril de fio para a flor.
Move-se o coração da moça, e esquece
o tempo prisioneiro, em derredor

da sombra esguia que à almofada tece.
Move-se, em seu af√£ modelador
de paz, o mito imemorial da prece
que do limbo da morte inventa o amor.

Movem-se dentro dela o sol e o vento.
Move-se o mar, e os pórticos se movem
das √°guas em perp√©tuo movimento…

Move-se a gênese em seu corpo jovem.
E, enquanto o olhar medita, os dedos tecem
gestos de amor que os l√°bios n√£o conhecem.

E Eu te Beijava

E eu te beijava
sem me dar conta
de que n√£o te dizia:
Oh l√°bios de cereja!

Que grande rom√Ęntica
eras!
Bebias vinagre às escondidas
de tua avó.
Toda te enfeitaste como um
arbusto de primavera.
E eu estava enamorado
de outra. Vê que pena?
De outra que escrevia
um nome sobre a areia.

Tradução de Oscar Mendes

Para os L√°bios que o Homem Faz

Para os l√°bios
que o homem faz
que atraem beijos
ao redor do mundo
ficou na nossa memória
em qualquer parte    a qualquer hora
um pedaço
de p√£o

Promessa
que se cumpre
que alimenta
o mundo

Olhos
a exigir
uma floresta

A Função do Amor é Fabricar Desconhecimento

a função do amor é fabricar desconhecimento

(o conhecido não tem desejo;mas todo o amor é desejar)
embora se viva às avessas,o idêntico sufoque o uno
a verdade se confunda com o facto,os peixes se gabem de pescar

e os homens sejam apanhados pelos vermes(o amor pode n√£o se
importar
se o tempo troteia,a luz declina,os limites vergam
nem se maravilhar se um pensamento pesa como uma estrela
‚ÄĒo medo tem morte menor;e viver√° menos quando a morte acabar)

que afortunados s√£o os amantes(cujos seres se submetem
ao que esteja para ser descoberto)
cujo ignorante cada respirar se atreve a esconder
mais do que a mais fabulosa sabedoria teme ver

(que riem e choram)que sonham,criam e matam
enquanto o todo se move;e cada parte permanece quieta:
pode n√£o ser sempre assim;e eu digo
que se os teus l√°bios,que amei,tocarem
os de outro,e os teus ternos fortes dedos aprisionarem
o seu coração,como o meu não há muito tempo;
se no rosto de outro o teu doce cabelo repousar
naquele silêncio que conheço,ou naquelas
grandiosas contorcidas palavras que,dizendo demasiado,

Continue lendo…

Na Mazurka

Morava num pal√°cio — estranha Babil√īnia
De arcadas colossais, de impávidos zimbórios,
Alcovas de damasco e torre√Ķes marm√≥reos,
Volutas primorais de arquitetura j√īnia.

Assim, quando surgia em meio aos peristilos
Descendo, qual mulher de Séfora, vaidosa,
Envolta em ouropéis, em sedas, luxuosa,
Cercam-na do belo os místicos sigilos!

E quando nos saraus, assim como um rain√ļnculo,
O l√°bio lhe tremia e o olhar, vivo carb√ļnculo,
Vibrava nos sal√Ķes, como uma adaga turca,

Ou como o sol em cheio e rubro sobre o Bósforo,
— nos cr√Ęnios os Homens sentiam ter mais f√≥sforo…
Ao v√™-la escultural no passo da Mazurka…

O Teu Amor, Bem Sei

o teu amor, bem sei, é uma palavra musical,
espalha-se por todos n√≥s com a mesma ignor√Ęncia,
o mesmo ar alheio com que fazes girar, suponho, os epiciclos;
ergues os ombros e dizes, hoje, amanh√£, nunca mais,
surpreende o vigor, a plenitude
das coxas masculinas, habituadas ao cansaço,
separamo-nos, à procura de sinais mais fixos,
e o circuito das chamas recomeça.

é um país subtil, o olho franco das mulheres,
h√° nos passeios garrafas com leite apenas cinzento,
os teus pais disseram: o melhor de tudo é ser engenheiro,
morrer de casaco, com todas as pir√Ęmides acesas,
viajar de navio de buenos aires a montevideu.
esta é a viagem que não faremos nunca, soltos
na minuciosa tarde dos l√°bios,
√°gil pobreza.

permanentemente floresce o horizonte em colinas,
os animais olham por dentro, cheios de vazio,
como um ladrão de pouca perícia a luz
desfaz devagarmente os corpos.
ele exclama: quando me libertar√°s da tosca voz dormida,
para que seja
alto e altivo o coração da coisas? até quando aguardarei,
no harmonioso beliche, que a tua vis√£o cesse?

Continue lendo…

Ouvindo palavras af√°veis, o ser humano se sente satisfeito. As pessoas af√°veis, de cujos l√°bios brotam naturalmente palavras de bondade e carinho, s√£o verdadeiros tesouros da vida.

Quando a Morte Vier, Meu Amor

Quando a morte vier, meu amor,
fechemos os olhos para a olhar por dentro
e deixemos aos nossos l√°bios o murm√ļrio
da palavra branda jamais pronunciada
e às nossas mãos a carícia dispersa;
relembremos o dia impossível,
belo por isso e por isso desprezado,
e esqueçamos o que nos não deixaram ver
e o resto que sobrou do nada que possuímos;
deixemos à poesia que surge
o pranto de quem a trocou para comer
e os passos sem rumo pelas ruas hostis;
deixemos à carne o que não alcançámos,
e morramos ent√£o, naturalmente…

Desespero

N√£o eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os l√°bios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.

N√£o eram meus os dedos que tocaram
Tua falsa beleza, em que n√£o vi
Mais que os vícios que um dia me geraram
E me perseguem desde que nasci.

N√£o fui eu que te quis. E n√£o sou eu
Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
Possesso desta raiva que me deu

A grande solid√£o que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto
E o esperma que te dou, o desespero.

O Mais Infalível Veneno é o Tempo

Tabaco, caf√©, √°lcool, √°cido pr√ļssico, estricnina ‚ÄĒ todos n√£o passam de po√ß√Ķes dilu√≠das: o mais infal√≠vel veneno √© o tempo. Essa ta√ßa, que a natureza nos p√Ķe nos l√°bios, possui uma propriedade maravilhosa que supera qualquer outra bebida. Ela abre os sentidos, adiciona poder e povoa-nos de sonhos exaltados, a que chamamos esperan√ßa, amor, ambi√ß√£o, ci√™ncia. Em particular, ela desperta o desejo por maiores doses de si. Mas aqueles que tomam as maiores doses ficam embriagados, perdem estatura, for√ßa, beleza e sentidos, e terminam em fantasia e del√≠rio. N√≥s adiamos o nosso trabalho liter√°rio at√© que tenhamos maturidade e t√©cnica para escrever, mas um dia descobrimos que o nosso talento liter√°rio n√£o passava de uma efervesc√™ncia juvenil que perdemos.

Clareira

Quando depois do amor
ela est√° estendida
para o céu
e as pernas
reluzem

e a boca
tem o ar
de uma bicicleta junto
a uma macieira

e seu corpo
se move
e os seios
est√£o no tanque
dentro da sombra

tomo-a
mil vezes
e lhe sopro na boca
o ar
que esfriou na dist√Ęncia
que separa
a fruteira de cristal
dos l√°bios
que a moldaram

O Segredo

Deus n√£o sabe os meus segredos.
As paredes sem ouvidos n√£o escutam
a confidência interminável.
O que perco, ninguém sabe. Dissolve-se em mim,
luminária secreta, sílaba que os lábios não ousam murmurar
diante de teu corpo no escuro,
constelação.

E o sobejo de mim, √ļltimo raio de sol,
fulge no deserto. E nos penhascos
ressoa
constelado
o meu grito de amor.

Todos os amores começam assim. No silêncio de um olhar, no silêncio de uma mão dependente da outra, de outra mão vadia a vaguear pela cidade nocturna do teu corpo, no silêncio dos lábios trincados, trocados, massajados, abraçados e voltados a abraçar. Todos os amores são silêncio estendido.

Saint-Just

Quando à tribuna ele se ergueu, rugindo,
– Ao forte impulso das paix√Ķes audazes
Ardente o lábio de terríveis frases
E a luz do gênio em seu olhar fulgindo,

A tirania estremeceu nas bases,
De um rei na fronte ressumou, pungindo,
Um suor de morte e um terror infindo
Gelou o seio aos cortes√£os sequazes –

Uma alma nova ergueu-se em cada peito,
Brotou em cada peito uma esperança,
De um sono acordou, firme, o Direito –

E a Europa – o mundo – mais que o mundo, a Fran√ßa –
Sentiu numa hora sob o verbo seu
As como√ß√Ķes que em s√©culos n√£o sofreu!