Sonetos sobre Cabelos

77 resultados
Sonetos de cabelos escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Soneto De Luz E Treva

Ela tem uma graça de pantera
no andar bem comportado de menina
no molejo em que vem sempre se espera
que de repente ela lhe salte em cima

Mas s√ļbito renega a bela e a fera
prendeo cabelo, vai para a cozinha
e de um ovo estrelado na panela
ela com clara e gema faz o dia

Ela é de Capricórnio, eu sou de Libra
eu sou o Oxalá velho, ela é Inhansã
a mim me enerva o ardor com que ela vibra

E que a motiva desde de manh√£.
— Como √© que pode, digo-me com espanto
a luz e a treva se quererem tanto…

Esta Saudade

Esta saudade √©s tu… E √© toda feita
de ti, dos teus cabelos, dos teus olhos
que permanecem como estrelas vagas:
dos anseios de amor, coagulados.

Esta saudade √©s tu… √Č esse teu jeito
de pomba mansa nos meus braços quieta;
é a tua voz tecida de silêncio
nas palavras de amor que ainda sussurram…

Esta saudade s√£o teus seios brancos;
tuas carícias que ainda estão comigo
deixando insones todos os sentidos.

Esta saudade √©s tu… √© a tua falta
viva, em meu corpo, na minha alma, viva,
… enquanto eu morro no meu pensamento.

Psicologia De Um Vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escurid√£o e rutil√Ęncia,
Sofro, desde a epig√™nesis da inf√Ęncia,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugn√Ęncia…
Sobe-me √† boca uma √Ęnsia an√°loga √† √Ęnsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

j√° o verme – este oper√°rio das ru√≠nas –
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E h√°-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorg√Ęnica da terra!

Campesinas II

De cabelos desmanchados,
Tu, teus olhos luminosos
Recordam-me uns saborosos
E raros frutos de prados.

Assim negros e quebrados,
Profundos, grandes, formosos,
Contêm fluidos vaporosos
S√£o como campos mondados.

Quando soltas os cabelos
Repletos de pesadelos
E de perfumes de ervagens;

Teus olhos, flor das violetas,
Lembram certas uvas pretas
Metidas entre folhagens.

A Vida

“A Vida”
I
“…Mudar√°s, todos mudam, e os espinhos
com surpresa ver√°s por todo lado,
– s√£o assim nesta vida os seus caminhos
desde que o homem no mundo tem andado…

N√£o h√°s de ser o eterno namorado
com as m√£os e os l√°bios cheios de carinho,
– hoje, juntos os dois… tudo encantado!
– amanh√£, tudo triste… os dois sozinhos!…

E sentindo o teu braço então vazio,
abatido ver√°s que n√£o resistes
√† inclem√™ncia do tempo √ļmido e frio!

Rolar√°s por escarpas e barrancos:
sobre o epit√°fio dos teus olhos tristes
trazendo a campa dos cabelos brancos!”

O que é Viver?

Viver é só sentir como a Morte caminha
E como a Vida a quer e como a vida a chama…
Viver, minha princesa pobrezinha,
√Č esta morte triste de quem ama‚Ķ

Viver é ter ainda uma quimera erguida
Ou um sonho febril a soluçar de rastos;
√Č beijar toda a dor humana, toda a Vida,
Como eu beijo a chorar os teus cabelos castos…

Viver é esperar a Morte docemente,
Beijando a luz, beijando os cardos, e beijando
Alguém, corpo ou fantasma, que nos venha amando…

√Č sentir a nossa alma presa tristemente
Ao mistério da Vida que nos leva
Perdidos pelo sol, perdidos pela treva…

Doce Certeza

Por essa vida fora h√°s-de adorar
Lindas mulheres, talvez; em √Ęnsia louca,
Em infinito anseio h√°s de beijar
Estrelas d¬īouro fulgindo em muita boca!

H√°s de guardar em cofre perfumado
Cabelos d¬īouro e risos de mulher,
Muito beijo d¬īamor apaixonado;
E n√£o te lembrar√°s de mim sequer…

H√°s de tecer uns sonhos delicados…
H√£o de por muitos olhos magoados,
Os teus olhos de luz andar imersos!…

Mas nunca encontrar√°s p¬īla vida fora,
Amor assim como este amor que chora
Neste beijo d¬īamor que s√£o meus versos!…

Arrependo-me de a Meter num Romance

O poema tem mais pressa que o romance,
Asa de fogo para te levar:
Assim, pois, se houver lama que te lance
Ao corpo quente algum, hei-de chorar.

Deus fez o poeta por que n√£o descanse
No golfo do destino e amores no mar:
Vem um, de onda, cobri-la ‚ÄĒ e ela que dance!
Vem outro ‚ÄĒ e faz men√ß√£o de me enfeitar.

Os outros a conspurcam, mas é minha!
Chicoteá-la vou com a própria espinha,
Estreitam-me de amor seus braços mornos,

Transformo seus gemidos em meus uivos
E torno anéis dos seus cabelos ruivos
Na raspa canelada dos meus cornos.

A Minha M√£e

Vermelho foi o teu cabelo, M√£e!
‚ÄĒ sinal de j√° ser minha a liberdade.
E quanto embranqueceu! Mas haja alguém
que chame desistência ao que é Vontade,

ao que é brandir ao vento a felicidade
e defend√™-la… que nem cor j√° tem.
Vermelho foi o teu cabelo, M√£e!
N√£o temas quanto venha: a luz que h√°-de

iluminar este combate justo,
se a mim me aniquilar, a todo o custo,
é que eu lhe dei qualquer verdade a mais.

Olha, ó minha Mãe! tanta bandeira!
Tanta justi√ßa a mais! ‚ÄĒ E a vida inteira
só as aceita se ainda forem mais.

Aspiração

Quisera ser a serpe astuciosa
Que te d√° medo e faz-te pesadelos
Para esconder-me, ó flor luxuriosa,
Na floresta ideal dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe venenosa
Para enroscar-me em m√ļltiplos novelos,
Para saltar-te aos seios cor-de-rosa.
E bajulá-los e depois mordê-los.

Talvez que o sangue impuro e rutilante
Do teu divino corpo de bacante,
Sangue febril como um licor do Reno

Completamente se purificasse
Pois que um veneno org√Ęnico e vorace
Para ser morto é bom outro veneno.

Marília De Dirceu

Soneto 13

Quando o torcido buço derramava
Terror no aspecto ao português sisudo,
Quando, sem pó nem óleo, o pente agudo,
Duro, intonso, o cabelo em laço atava.

Quando contra os irmãos o braço armava
O forte Nuno, apondo escudo a escudo:
Quando a palavra, que prefere a tudo,
Com a barba arrancada Jo√£o firmava.

Quando a mulher à sombra do marido
Tremer se via; quando a lei prudente
Zela o sexo do civil ruído;

Feliz então, então só inocente
Era de Luso o reino. Oh! bem perdido!
Ditosa condição, ditosa gente!

Noiva Da Agonia

Tr√™mula e s√≥, de um t√ļmulo surgindo,
Aparição dos ermos desolados,
Trazes na face os frios tons magoados,
De quem anda por t√ļmulos dormindo…

A alta cabeça no esplendor, cingindo
Cabelos de reflexos irisados,
Por entre aureolas de clar√Ķes prateados,
Lembras o aspecto de um luar diluindo…

Não és, no entanto, a torva Morte horrenda,
Atra, sinistra, gélida, tremenda,
Que as avalanches da Ilus√£o governa…

Mas ah! és da Agonia a Noiva triste
Que os longos braços lívidos abriste
Para abraçar-me para a Vida eterna!

De quem o mesmo Amor n√£o se Apartava

J√° a roxa e clara Aurora destoucava
Os seus cabelos de ouro delicados,
E das flores os campos esmaltados
Com cristalino orvalho borrifava;

Quando o formoso gado se espalhava
De Sílvio e de Laurente pelos prados;
Pastores ambos, e ambos apartados
De quem o mesmo Amor n√£o se apartava.

Com verdadeiras l√°grimas, Laurente,
‚ąí N√£o sei ‚ąí dizia ‚ąí √≥ Ninfa delicada,
Porque n√£o morre j√° quem vive ausente,

Pois a vida sem ti n√£o presta nada.
Responde S√≠lvio: ‚ąí Amor n√£o o consente,
Que ofende as esperanças da tornada.

XIX

Sai a passeio, mal o dia nasce,
Bela, nas simples roupas vaporosas;
E mostra às rosas do jardim as rosas
Frescas e puras que possui na face.

Passa. E todo o jardim, por que ela passe,
Atavia-se. H√° falas misteriosas
Pelas moitas, saudando-a respeitosas…
√Č como se uma s√≠lfide passasse!

E a luz cerca-a, beijando-a. O vento é um choro
Curvam-se as flores tr√™mulas … O bando
Das aves todas vem saud√°-la em coro …

E ela vai, dando ao sol o rosto brendo.
Às aves dando o olhar, ao vento o louro
Cabelo, e √†s flores os sorrisos dando…

√Čs dos C√©us o Composto Mais Brilhante

Marília, nos teus olhos buliçosos
Os Amores gentis seu facho acendem;
A teus l√°bios, voando, os ares fendem
Terníssimos desejos sequiosos.

Teus cabelos subtis e luminosos
Mil vistas cegam, mil vontades prendem;
E em arte aos de Minerva se n√£o rendem
Teus alvos, curtos dedos melindrosos.

Reside em teus costumes a candura,
Mora a firmeza no teu peito amante,
A raz√£o com teus risos se mistura.

√Čs dos C√©us o composto mais brilhante;
Deram-se as m√£os Virtude e Formosura,
Para criar tua alma e teu semblante.

Tenho Fome da Tua Boca

Tenho fome da tua boca, da tua voz, do teu cabelo,
e ando pelas ruas sem comer, calado,
n√£o me sustenta o p√£o, a aurora me desconcerta,
busco no dia o som líquido dos teus pés.

Estou faminto do teu riso saltitante,
das tuas m√£os cor de furioso celeiro,
tenho fome da p√°lida pedra das tuas unhas,
quero comer a tua pele como uma intacta amêndoa.

Quero comer o raio queimado na tua formosura,
o nariz soberano do rosto altivo,
quero comer a sombra fugaz das tuas pestanas

e faminto venho e vou farejando o crep√ļsculo
à tua procura, procurando o teu coração ardente
como um puma na solid√£o de Quitratue.

Madalena

…e lhe regou de l√°grimas os p√©s e os enxugou com os cabelos da sua cabe√ßa. Evangelho de S. Lucas.

√ď Madalena, √≥ cabelos de rastos,
L√≠rio polu√≠do, branca flor in√ļtil…
Meu cora√ß√£o, velha moeda f√ļtil,
E sem relevo, os caracteres gastos,

De resignar-se torpemente d√ļctil…
Desespero, nudez de seios castos,
Quem também fosse, ó cabelos de rastos,
Ensang√ľentado, enxovalhado, in√ļtil,

Dentro do peito, abomin√°vel c√īmico!
Morrer tranq√ľilo, – o fastio da cama…
√ď reden√ß√£o do m√°rmore anat√īmico,

Amargura, nudez de seios castos!…
Sangrar, poluir-se, ir de rastos na lama,
√ď Madalena, √≥ cabelos de rastos!

Discreta e Formosíssima Maria

Discreta e formosíssima Maria,
Enquanto estamos vendo claramente,
Na vossa ardente vista o sol ardente,
E na rosada face a aurora fria:

Enquanto pois produz, enquanto cria
Essa esfera gentil, mina excelente
No cabelo o metal mais reluzente,
E na boca a mais fina pedraria:

Gozai, gozai da flor da formosura,
Antes que o frio da madura idade
Tronco deixe despido, o que é verdura.

Que passado o zênith da mocidade,
Sem a noite encontrar da sepultura,
√Č cada dia ocaso da beldade.

Soneto, às Cinco Horas da Tarde

Agora que me instigo e me arremesso
ao branco ofício de prender meu sono
e depois atir√°-lo em seu vestido
feito de céu e restos de incerteza,

recolho inutilmente de seus l√°bios
a precisão do sangue do silêncio
e inauguro uma tarde em suas m√£os
gr√°vidas de gestos e de rumos.

Pelo temor e o débil sobressalto
de encontrar sua ausência numa esquina
quando extingui canção e permanência,

guardei todo o impossível de seus olhos,
embora ouvisse, longe, além dos mapas,
bruscos mastins de cedro em seus cabelos.

Soneto XXI

Fico Рdeixas-me velho. Moça e bela,
partes. Estes ger√Ęnios encarnados,
que na janela vivem debruçados,
vão morrer debruçados na janela.

E o piano, o teu can√°rio tagarela,
a l√Ęmpada, o div√£, os cortinados:
– “Que √© feito dela?” – indagar√£o – coitados!
E os amigos dir√£o: – “Que √© feito dela?”

Parte! E se, olhando atr√°s, da extrema curva
da estrada, vires, esbatida e turva,
tremer a alvura dos cabelos meus;

ir√°s pensando, pelo teu caminho,
que essa pobre cabeça de velhinho
é um lenço branco que te diz adeus!