Cita√ß√Ķes sobre Lamentos

55 resultados
Frases sobre lamentos, poemas sobre lamentos e outras cita√ß√Ķes sobre lamentos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Selvagem

Eu n√£o amo ninguem. Tambem no mundo
Ninguem por mim o peito bater sente,
Ninguem entende meu sofrer profundo,
E rio quando chora a demais gente.

Vivo alheio de todos e de tudo,
Mais callado que o esquife, a Morte e as lousas,
Selvagem, solitario, inerte e mudo,
– Passividade estupida das Cousas.

Fechei, de ha muito, o livro do Passado
Sinto em mim o despreso do Futuro,
E vivo só commigo, amortalhado
N’um egoismo barbaro e escuro.

Rasguei tudo o que li. Vivo nas duras
Regi√Ķes dos crueis indifferentes,
Meu peito é um covil, onde, ás escuras,
Minhas penas calquei, como as serpentes.

E não vejo ninguem. Saio sómente
Depois de p√īr-se o sol, deserta a rua,
Quando ninguem me espreita, nem me sente,
E, em lamentos, os c√£es ladram √† lua…

Heroísmos

Eu temo muito o mar, o mar enorme,
Solene, enraivecido, turbulento,
Erguido em vagalh√Ķes, rugindo ao vento;
O mar sublime, o mar que nunca dorme.

Eu temo o largo mar, rebelde, informe,
De vítimas famélico, sedento,
E creio ouvir em cada seu lamento
Os ru√≠dos dum t√ļmulo disforme.

Contudo, num barquinho transparente,
No seu dorso feroz vou blasonar,
Tufada a vela e n’√°gua quase assente,

E ouvindo muito ao perto o seu bramar,
Eu rindo, sem cuidados, simplesmente,
Escarro, com desdém, no grande mar!

Agora, o remédio é partir discretamente, sem palavras, sem lágrimas, sem gestos. De que servem lamentos e protestos, contra o destino?

√öltimo Sonho De “soror Saudade

√Äquele que se perdera no caminho…

Soror Saudade abriu a sua cela…
E, num encanto que ninguém traduz,
Despiu o manto negro que era dela,
Seu vestido de noiva de Jesus.

E a noite escura, extasiada, ao vê-la,
As brancas m√£os no peito quase em cruz,
Teve um brilhar feérico de estrela
Que se esfolhasse em pétalas de luz!

Soror Saudade olhou…Que olhar profundo
Que sonha e espera?…Ah! como √© feio o mundo,
E os homens v√£os! — Ent√£o, devagarinho,

Soror Saudade entrou no seu convento…
E, até morrer, rezou, sem um lamento,
Por Um que se perdera no caminho!…

Nox

Noite, v√£o para ti meus pensamentos,
Quando olho e vejo, à luz cruel do dia,
Tanto estéril lutar, tanta agonia,
E in√ļteis tantos √°speros tormentos…

Tu, ao menos, abafas os lamentos,
Que se exalam da tr√°gica enxovia…
O eterno Mal, que ruge e desvaria,
Em ti descansa e esquece alguns momentos…

Oh! Antes tu também adormecesses
Por uma vez, e eterna, inalter√°vel,
Caindo sobre o Mundo, te esquecesses,

E ele, o Mundo, sem mais lutar nem ver,
Dormisse no teu seio inviol√°vel,
Noite sem termo, noite do N√£o-ser!

O Sono de Percival

O justo é injusto, o injusto justo é.
Débil julguei ouvir tua voz a desoras.
Um lamento lento, por certo a voz
do vento. Secarei, talvez como o feno,
n√£o dormindo, nem noites, nem dias.

Soluço abafado, sussurro apenas
perceptível após a brancura
obliterante do rel√Ęmpago,
quando cessa o fragor que o excede
e a chuva cai e tudo se cala,

terei ouvido tua voz. Secarei,
talvez, como o feno. O justo
é injusto, o injusto justo é.
Procurei no horto e no deserto,
sob o cavo ruído das torrentes

subterr√Ęneas, na imemorial
pedra circular com que o humano
terror balizou os horizontes
do tempo. No espectro da rosa
dos ventos, no vento espectral

da rosa. Seria a voz do vento,
pintura da minha imaginação
doente, a vigília do sono,
a febre dos sentidos,
n√£o dormindo noites e dias

para ouvir tua voz. O justo
é injusto, o injusto justo é
para ouvir tua voz.
Secarei como o feno.
Para ouvir tua voz.

Meu amor, meu amor

Meu amor meu amor
meu corpo em movimento
minha voz à procura
do seu próprio lamento.

Meu lim√£o de amargura meu punhal a escrever
nós parámos o tempo não sabemos morrer
e nascemos nascemos
do nosso entristecer.

Meu amor meu amor
meu nó e sofrimento
minha mó de ternura
minha nau de tormento

este mar não tem cura este céu não tem ar
nós parámos o vento não sabemos nadar
e morremos morremos
devagar devagar.

O poeta asseteado por amor

√ď C√©us! Que sinto n’alma! Que tormento!
Que repentino frenesi me anseia!
Que veneno a ferver de veia em veia
Me gasta a vida, me desfaz o alento!

Tal era, doce amada, o meu lamento;
Eis que esse deus, que em prantos se recreia,
Me diz: “A que se exp√Ķe quem n√£o receia
Contemplar Ursulina um só momento!

“Insano! Eu bem te vi dentre a luz pura
De seus olhos travessos, e cum tiro
Puni tua sacrílega loucura:

“De morte, por piedade hoje te firo;
Vai pois, vai merecer na sepultura
√Ä tua linda ingrata algum suspiro.”

A Vida

√Č v√£o o amor, o √≥dio, ou o desd√©m;
In√ļtil o desejo ou o sentimento…
Lançar um grande amor aos pés de alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!

Todos somos no mundo “Pedro Sem”,
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se l√° um beijo de onde vem!

A mais nobre ilus√£o morre… desfaz-se…
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento √© j√° perdida…

Amar-te a vida inteira eu n√£o podia.
A gente esquece sempre o bem de um dia.
Que queres, meu Amor, se √© isto a vida!…

Meditação

Às vezes, quando a noite vem caindo,
Tranquilamente, sossegadamente,
Encosto-me à janela e vou seguindo
A curva melancólica do Poente.

N√£o quero a luz acesa. Na penumbra,
Pensa-se mais e pensa-se melhor.
A luz magoa os olhos e deslumbra,
E eu quero ver em mim, ó meu amor!

Para fazer exame de consciência
Quero silêncio, paz, recolhimento
Pois só assim, durante a tua ausência,
Consigo libertar o pensamento.

Procuro ent√£o aniquilar em mim,
A nefasta influência que domina
Os meus nervos cansados; mas por fim,
Reconheço que amar-te é minha sina.

Longe de ti atrevo-me a pensar
Nesse estranho rigor que me acorrenta:
E tenho a sensação do alto mar,
Numa noite selvagem de tormenta.

Tens no olhar magias de profeta
Que sabe ler no c√©u, no mar, nas brasas…
Adivinhas… Serei a borboleta
Que vendo a luz deixa queimar as asas.

No entanto ‚ÄĒ v√™ l√° tu!‚ÄĒ Eu n√£o lamento
Esta vontade que se imp√Ķe √† minha…
Nem me revolto… cedo ao encantamento…
‚ÄĒ Escrava que n√£o soube ser Rainha!

Continue lendo…

Apresentação

Aqui est√° minha vida ‚ÄĒ esta areia t√£o clara
com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui est√° minha voz ‚ÄĒ esta concha vazia,
sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui est√° minha dor ‚ÄĒ este coral quebrado,
sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui est√° minha heran√ßa ‚ÄĒ este mar solit√°rio,
que de um lado era amor e, do outro, esquecimento.

Responso

I
Num castelo deserto e solit√°rio,
Toda de preto, às horas silenciosas,
Envolve-se nas pregas dum sud√°rio
E chora como as grandes criminosas.

Pudesse eu ser o lenço de Bruxelas
Em que ela esconde as l√°grimas singelas.

II
√Č loura como as doces escocesas,
Duma beleza ideal, quase indecisa;
Circunda-se de luto e de tristezas
E excede a melancólica Artemisa.

Fosse eu os seus vestidos afogados
E havia de escutar-lhe os seu pecados.

III
Alta noite, os planetas argentados
Deslizam um olhar macio e vago
Nos seus olhos de pranto marejados
E nas águas mansíssimas do lago.

Pudesse eu ser a Lua, a Lua terna,
E faria que a noite fosse eterna.

IV
E os abutres e os corvos fazem giros
De roda das ameias e dos pegos,
E nas salas ressoam uns suspiros
Dolentes como as s√ļplicas dos cegos.

Fosse eu aquelas aves de pilhagem
E cercara-lhe a fronte, em homenagem.

V
E ela vaga nas praias rumorosas,
Triste como as rainhas destronadas,

Continue lendo…

Tentar Saber algo Sobre a Morte

Tentar saber algo sobre a morte √© tentar saber algo sobre a vida. A literatura d√°-nos a ver verdades que s√≥ podem ser usadas por n√≥s pr√≥prios, que s√£o as nossas convic√ß√Ķes e as respostas essenciais a perguntas para as quais todos temos de ter uma resposta. (…) A morte √© natural, a maior certeza que temos sobre qualquer coisa √© que vai ter o seu fim. Os dias come√ßam e acabam, tudo acaba… Fechar os olhos ao que quer que seja, ignorar, fingir que n√£o existe, nunca √© bom, sobretudo em rela√ß√£o a coisas que existem de facto e a morte existe de facto. Lamento, mas n√£o fui eu que inventei o mundo nem a morte.

Sepultura Rom√Ęntica

Ali, onde o mar quebra, n’um cach√£o
Rugidor e monótono, e os ventos
Erguem pelo areal os seus lamentos,
Ali se há-de enterrar meu coração.

Queimem-no os sóis da adusta solidão
Na fornalha do estio, em dias lentos;
Depois, no inverno, os sopros violentos
Lhe revolvam em torno o √°rido ch√£o…

Até que se desfaça e, já tornado
Em impalpavel pó, seja levado
Nos turbilh√Ķes que o vento levantar…

Com suas lutas, seu cansado anseio,
Seu louco amor, dissolva-se no seio
D’esse infecundo, d’esse amargo mar!

Temos que o Saber Conquistar

Estou completamente cansado de pessoas que só pensam numa coisa: queixar-se e lamentar-se num ritual em que nos fabricamos mentalmente como vítimas. Choramos e lamentamos, lamentamos e choramos. Queixamo-nos até à náusea sobre o que os outros nos fizeram e continuam a fazer. E pensamos que o mundo nos deve qualquer coisa. Lamento dizer-vos que isto não passa de uma ilusão. Ninguém nos deve nada. Ninguém está disposto a abdicar daquilo que tem, com a justificação de que nós também queremos o mesmo. Se quisermos algo temos que o saber conquistar. Não podemos continuar a mendigar, meus irmãos e minhas irmãs.

Lamento aqueles que têm um ar de inteligentes: é uma promessa que se não pode cumprir.

Ang√ļstia

Tortura do pensar! Triste lamento!
Quem nos dera calar a tua voz!
Quem nos dera cá dentro, muito a sós,
Estrangular a hidra num momento!

E n√£o se quer pensar! … e o pensamento
Sempre a morder-nos bem, dentro de n√≥s …
Querer apagar no c√©u ‚Äď √≥ sonho atroz! ‚Äď
O brilho duma estrela, com o vento! …

E n√£o se apaga, n√£o … nada se apaga!
Vem sempre rastejando como a vaga …
Vem sempre perguntando: ‚ÄúO que te resta? …‚ÄĚ

Ah! n√£o ser mais que o vago, o infinito!
Ser pedaço de gelo, ser granito,
Ser rugido de tigre na floresta!

I

Para cantar de amor tenros cuidados,
Tomo entre vós, ó montes, o instrumento;
Ouvi pois o meu f√ļnebre lamento;
Se é, que de compaixão sois animados:

Já vós vistes, que aos ecos magoados
Do tr√°cio Orfeu parava o mesmo vento;
Da lira de Anfi√£o ao doce acento
Se viram os rochedos abalados.
Bem sei, que de outros gênios o Destino,
Para cingir de Apolo a verde rama,
Lhes influiu na lira estro divino:

O canto, pois, que a minha voz derrama,
Porque ao menos o entoa um peregrino,
Se faz digno entre vós também de fama.