Citação de

Finalmente outra Vez Vejo Perdida

Finalmente outra vez vejo perdida
Às mãos do amor, a doce liberdade
Que j√° livrei da sua crueldade
Como quem de um naufr√°gio salva a vida.

Já no meu coração nova ferida
Abrem os duros golpes da saudade;
E j√° vive outra vez minha vontade
De esperanças aéreas revestida.

Nunca cuidei que visse, amor tirano,
T√£o depressa quebrado o juramento
Que fiz no puro altar do desengano.

Mas quem pode viver de amor isento,
Vendo naquele rosto soberano
De tais olhos o doce movimento?