Frases sobre Melhor de Miguel Esteves Cardoso

16 resultados
Frases de melhor de Miguel Esteves Cardoso. As mais belas frases e mensagens de Miguel Esteves Cardoso para ler e compartilhar.

O ciúme é ainda o melhor cumprimento dos amantes. Diz muito dentro: “Eu não te mereço”. Diz sem querer dizer: “Quero-te mais do que tenho – por muito que te tenha, quero-te, sempre muito mais”.

Não há solidão mais bonita que a boa companhia de quem se quer bem. Essa é uma companhia aérea correndo os ceús, descendo em direcção a nós, e depois novamente levantada nos braços, nunca realmente aterrando. Essa é a companhia que se forma, quase uma escritura de amor que se assina, quando duas solidões escolhidas se encontram. «É sempre de duas solidões boas que nasce a melhor das companhias».

Como num encontro puro, a curiosidade de conhecer melhor outra pessoa sente-se como uma espécie de alegria. As perguntas, só de serem feitas, já fazem bem. Quando dois amantes passam horas numa conversa de chacha, o que interessa foram as horas a passar.

Conhecer um pouco a alma de quem se ama – melhor do que se conhece a nossa. É o mais que se pode fazer. Cada acto de amor deve ser um passo – não importa se inútil ou contraproducente, desde que não seja falso.

Os melhores sonhos de todos são aqueles que nos põem a pensar e a mexer. Os únicos sonhos de que vale a pena falar são os que não nos deixam dormir.

Ter o que se quis não é tão bom como se diz, nem querer o que não se tem é assim tão mau. O segredo deve estar em conseguir continuar a querer, não deixando de ter. Ou, por outras palavras, o melhor é continuar a ser querido sem por isso deixar de ser tido. O que é que todos nós queremos, no fundo dos fundos? Queremos querer.

A tentação de quem desespera de Portugal comparando-o a um outro Portugal melhor, situado num passado irrecuperável ou num futuro impossível, é de deixar, eventualmente, de pensar em Portugal. No entanto, é esse o verdadeiro perigo: Portugal deixar de ser, para os portugueses, o problema doloroso e difícil que sempre foi, para passar a ser um mero paradeiro, um sítio onde se vive.

A única coisa é a vida. A única coisa é a vida de cada um. Sem vida, nada feito. Viver não é a melhor coisa que há: é a única coisa. Cada momento da vida não é único. Mas há momentos únicos. A nossa felicidade não é passá-los como quisermos. É dar por ela a aproveitá-los.

No jogo do casamento jogam-se coisas valiosas, como liberdade, propriedades e outras vidas. Na versão clássica do jogo, que é a melhor, os homens não querem casar. Só que são apanhados. A semelhança entre o verbo «casar» e «caçar» não pode ser por acaso. Num bom jogo do casamento, os homens não casam – «são casados». São as mulheres que os casam, que nem coelhos, cosendo-os depois com mimos e temperos, à casadoura. E eles adoram.

Os rapazes não andam à procura de uma rapariga ideal. Aliás, para falar verdade, o ideal de um rapaz é ter uma data de raparigas à procura dele. E quanto menos ideais, melhor. É por isso que os rapazes são mais estúpidos que as raparigas.

Fazer por estar bem disposto é como fazer um ramo de flores com aquilo que se tem em casa. Usa-se o que se tem e faz-se o melhor que se pode.

Por muito que se goste de chorar o passado ou preferir o presente, a História demonstra, em traços largos, que o futuro é sempre melhor para a maioria das pessoas. A sensação do dia-a-dia de estar tudo cada vez pior perde sempre quando é comparada com as condições há apenas um século atrás. Nem é preciso recuar no tempo – basta ver a facilidade com que se morre nos países muito mais pobres do que o nosso, que são muito mais do que metade dos que existem. Nos mais pobres, a expectativa média de vida é igual à nossa há dois séculos atrás.

Os melhores petiscos são aqueles que não podem ser comprados – por muito dinheiro ou amor que se tenha – mas somente adquiridos por ter nascido e vivido num determinado lugar; por ser filho, sobrinho ou compadre de determinadas pessoas.

Os Portugueses não gostam de falar de dicionários, porque têm uma noção pacóvia de que é prova de falta de cultura. Pensam ser melhor fingir que não precisam deles.