Cita√ß√Ķes sobre Cl√°ssicos

45 resultados
Frases sobre cl√°ssicos, poemas sobre cl√°ssicos e outras cita√ß√Ķes sobre cl√°ssicos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Invisibilidade √© a Condi√ß√£o para a Eleg√Ęncia

Parece-me que a invisibilidade √© a condi√ß√£o para a eleg√Ęncia. A eleg√Ęncia acaba se for notada. Sendo a poesia a eleg√Ęncia por excel√™ncia, n√£o sabe ser vis√≠vel. Ent√£o, para que serve?, dir-me-eis. Para nada. Quem a v√™? Ningu√©m. O que a n√£o impede de ser um atentado contra o pudor, e apesar de o seu exibicionismo se exercer entre os cegos. Contenta-se em exprimir uma moral particular. Depois, esta moral particular solta-se sob a forma de obra. Exige que a deixem viver a sua vida. Faz-se pretexto para imensos mal-entendidos que se chamam a gl√≥ria. A gl√≥ria √© absurda por resultar de um ajuntamento. A multid√£o cerca um acidente, conta-o a si mesma, inventa-o, perturba-o at√© se transformar noutro. O belo resulta sempre de um acidente. De uma quebra brutal entre h√°bitos adquiridos e h√°bitos a adquirir. Derrota, nauseia. Chega a causar horror. Quando o novo h√°bito for adquirido, o acidente deixar√° de ser acidente. Far-se-√° cl√°ssico e perder√° a virtude de choque. Por isso uma obra nunca √© compreendida. √Č admitida. Se n√£o me engano, a observa√ß√£o pertence a Eug√®ne Delacroix: ¬ęNunca se √© compreendido, √©-se admitido¬Ľ. Matisse repete com frequ√™ncia esta frase.

No jogo do casamento jogam-se coisas valiosas, como liberdade, propriedades e outras vidas. Na vers√£o cl√°ssica do jogo, que √© a melhor, os homens n√£o querem casar. S√≥ que s√£o apanhados. A semelhan√ßa entre o verbo ¬ęcasar¬Ľ e ¬ęca√ßar¬Ľ n√£o pode ser por acaso. Num bom jogo do casamento, os homens n√£o casam – ¬ęs√£o casados¬Ľ. S√£o as mulheres que os casam, que nem coelhos, cosendo-os depois com mimos e temperos, √† casadoura. E eles adoram.

Diz-me a Verdade acerca do Amor

Há quem diga que o amor é um rapazinho,
E quem diga que ele é um pássaro;
H√° quem diga que faz o mundo girar,
E quem diga que é um absurdo,
E quando perguntei ao meu vizinho,
Que tinha ar de quem sabia,
A sua mulher zangou-se mesmo muito,
E disse que isso n√£o servia para nada.

Ser√° parecido com uns pijamas,
Ou com o presunto num hotel de abstinência?
O seu odor faz lembrar o dos lamas,
Ou tem um cheiro agrad√°vel?
√Č √°spero ao tacto como uma sebe espinhosa
Ou é fofo como um edredão de penas?
√Č cortante ou muito polido nos seus bordos?
Ah, diz-me a verdade acerca do amor.

Os nossos livros de história fazem-lhe referências
Em curtas notas crípticas,
√Č um assunto de conversa muito vulgar
Nos transatl√Ęnticos;
Descobri que o assunto era mencionado
Em relatos de suicidas,
E até o vi escrevinhado
Nas costas dos guias ferrovi√°rios.

Uiva como um c√£o de Als√°cia esfomeado,
Ou ribomba como uma banda militar?
Poderá alguém fazer uma imitação perfeita
Com um serrote ou um Steinway de concerto?

Continue lendo…

O Progresso Aumenta a Vida e a Morte

N√£o desconhe√ßo que a velhice constitui, em grande parte, um preconceito aritm√©tico, e que o nosso maior erro consiste em contar os anos que vivemos. Com efeito, tudo nos leva a supor que a Natureza dotou o homem (n√£o falo j√° nas longevidades da B√≠blia) de vida m√©dia mais longa do que aquela que as estat√≠sticas demogr√°ficas acusam, e que, se morremos antes do termo normal da exist√™ncia, √© porque sucumbimos, n√£o a ¬ęmorte natural¬Ľ (a ¬ęmorte fisiol√≥gica¬Ľ, de Metchnickoff), mas a ¬ęmorte violenta¬Ľ, que √© a morte por ac√ß√£o destrutiva dos germes patog√©nicos. Como quer que seja, por√©m, parece-me incontest√°vel que o homem envelhece antes do tempo e morre, em geral, quando ainda n√£o chegou a meio do caminho da vida.

Ser√° o engenho humano capaz de op√īr uma barreira √† marcha inexor√°vel da decrepitude? Talvez. O nosso organismo √© uma m√°quina; gasta-se, como todas as m√°quinas; e, por milagre da Natureza, ainda √© aquela que, funcionando permanentemente, consegue durar mais tempo. Contentemo-nos com a ideia de que o homem de hoje vive mais do que vivia na Antiguidade cl√°ssica e na √©poca medieval, merc√™ do progresso das t√©cnicas, do conforto moderno da exist√™ncia, da observa√ß√£o dos preceitos que a higiene,

Continue lendo…

a capitalização do amor

n√£o escondemos que aprendemos a
capitalizar o amor, entregando
amplamente os nossos melhores
momentos às raparigas mais carentes.
o amor, sabemos bem, é o caminho directo
para a inutilidade, e nós procuramos as
raparigas que mais rapidamente se
inutilizem perante as coisas cl√°ssicas
da vida. n√£o nos queremos atarefar com
a vulgaridade, e gostaríamos até de
impregnar cada gesto com características
alienígenas, mas o tempo escapa-se e o
dinheiro também e, se só pensamos no amor,
n√£o temos como fazer de outro modo
senão vendê-lo entusiasticamente, como
fontes de trov√Ķes bonitos jorrando nas
praças mais movimentadas das cidades. e
as raparigas correm para nós urgentes
e cheias de vida, férteis de tudo quanto o
amor se abate sobre elas, uma alegria rica
de se ver, e nós a balançar os braços para
chamar a atenção de mais e mais e
já nem sabemos como parar, como forças
incontroladas, à semelhança de mecanismos
ferozes da natureza, e só sairemos daqui
quando desfalecermos de amor até
pelas raparigas mais feias

A Luta do Antigo e do Novo

√Č sempre igual a luta do que √© antigo, do que j√° existe e procura subsistir, contra o desenvolvimento, a forma√ß√£o e a transforma√ß√£o. Toda a ordem acaba por dar origem √† pedanteria e para nos libertarmos dela destr√≥i-se a ordem. Depois, demora sempre algum tempo at√© que se ganhe consci√™ncia de que √© preciso voltar a estabelecer uma ordem. O cl√°ssico face ao rom√Ęntico, a obriga√ß√£o corporativa face √† liberdade profissional, o latif√ļndio face √† pulveriza√ß√£o da propriedade fundi√°ria: o conflito √© sempre o mesmo e h√°-de sempre dar origem a um novo conflito. Deste modo, a maior prova de entendimento por parte do governante seria regular essa luta de tal maneira que, sem preju√≠zo de cada uma das partes, conseguisse manter-se equidistante.
√Č, no entanto, uma possibilidade que n√£o foi dada aos homens, e Deus n√£o parecer querer que assim aconte√ßa.

O Tumulto

O tumulto concentrado da minha imagina√ß√£o intelectual…
Fazer filhos √† raz√£o pr√°tica, como os crentes en√©rgicos…
Minha juventude perpétua
De viver as coisas pelo lado das sensa√ß√Ķes e n√£o das responsabilidades.
(√Ālvaro de Campos, nascido no Algarve, educado por um tio-av√ī, padre,
que lhe instilou um certo amor √†s coisas cl√°ssicas.) (Veio para Lisboa muito novo …)
A capacidade de pensar o que sinto, que me distingue do homem vulgar
Mais do que ele se distingue do macaco.
(Sim, amanh√£ o homem vulgar talvez me leia e compreenda a subst√Ęncia do meu ser,
Sim, admito-o,
Mas o macaco j√° hoje sabe ler o homem vulgar e lhe compreende a subst√Ęncia do ser.)

Se alguma coisa foi por que é que não é
Ser não é ser?

As flores do campo da minha inf√Ęncia, n√£o as terei eternamente,
Em outra maneira de ser?
Perderei para sempre os afetos que tive, e até os afetos que pensei ter?
H√° algum que tenha a chave da porta do ser, que n√£o tem porta,
E me possa abrir com raz√Ķes a intelig√™ncia do mundo?

Ode Marítima

Sozinho, no cais deserto, a esta manh√£ de Ver√£o,
Olho pro lado da barra, olho pro Indefinido,
Olho e contenta-me ver,
Pequeno, negro e claro, um paquete entrando.
Vem muito longe, nítido, clássico à sua maneira.
Deixa no ar distante atr√°s de si a orla v√£ do seu fumo.
Vem entrando, e a manh√£ entra com ele, e no rio,
Aqui, acolá, acorda a vida marítima,
Erguem-se velas, avançam rebocadores,
Surgem barcos pequenos de tr√°s dos navios que est√£o no porto.
H√° uma vaga brisa.
Mas a minh’alma est√° com o que vejo menos,
Com o paquete que entra,
Porque ele est√° com a Dist√Ęncia, com a Manh√£,
Com o sentido marítimo desta Hora,
Com a doçura dolorosa que sobe em mim como uma náusea,
Como um começar a enjoar, mas no espírito.

Olho de longe o paquete, com uma grande independência de alma,
E dentro de mim um volante começa a girar, lentamente,

Os paquetes que entram de manh√£ na barra
Trazem aos meus olhos consigo
O mistério alegre e triste de quem chega e parte.

Continue lendo…

A educa√ß√£o cl√°ssica muito raramente ensina aos alunos as ferramentas b√°sicas para que aprendam, desde a mais tenra inf√Ęncia, a capacidade de filtrai- est√≠mulos stressantes, proteger a emo√ß√£o, gerir os seus pensamentos, pensar antes de reagir, ser resiliente.

A Superficialidade dos Grandes Espíritos

N√£o h√° nada de mais perigoso para o esp√≠rito do que a sua rela√ß√£o com as grandes coisas. Algu√©m deambula por uma floresta, sobe a um monte e v√™ o mundo estendido a seus p√©s, olha para um filho que lhe colocam pela primeira vez nos bra√ßos, ou desfruta da felicidade de assumir uma posi√ß√£o invejada por todos. Perguntamos: o que se passa nele em tais momentos? Ele pr√≥prio certamente pensa que s√£o muitas coisas, profundas e importantes; mas n√£o tem presen√ßa de esp√≠rito suficiente para, por assim dizer, as tomar √† letra. O que h√° de admir√°vel, diante dele e fora dele, que o encerra numa esp√©cie de gaiola magn√©tica, arranca os pensamentos do seu interior. O seu olhar perde-se em mil pormenores, mas ele tem a secreta sensa√ß√£o de ter esgotado todas as muni√ß√Ķes. L√° fora, esse momento inspirado, solar, profundo, essa grande hora, recobre o mundo com uma camada de prata galvanizada que penetra todas as folhinhas e veias; mas na outra extremidade em breve se come√ßa a notar uma certa falta de subst√Ęncia interior, e nasce a√≠ uma esp√©cie de grande ¬ęO¬Ľ, redondo e vazio. Este estado √© o sintoma cl√°ssico do contacto com tudo o que √© eterno e grande,

Continue lendo…

A Portugalite

Entre as afec√ß√Ķes de boca dos portugueses que nem a pasta medicinal Couto pode curar, nenhuma h√° t√£o generalizada e galopante como a Portugalite. A Portugalite √© uma inflama√ß√£o nervosa que consiste em estar sempre a dizer mal de Portugal. √Č altamente contagiosa (transmite-se pela saliva) e at√© hoje n√£o se descobriu cura.

A Portugalite √© contra√≠da por cada portugu√™s logo que entra em contacto com Portugal. √Č uma doen√ßa n√£o tanto ven√©rea como venal. Para compreend√™-la √© necess√°rio estudar a rela√ß√£o de cada portugu√™s com Portugal. Esta rela√ß√£o √© semelhante a uma outra que j√° √© cl√°ssica na literatura. Suponhamos ent√£o que Portugal √© fundamentalmente uma meretriz, mas que cada portugu√™s est√° apaixonado por ela. Est√° sempre a dizer mal dela, o que √© compreens√≠vel porque ela trata-o extremamente mal. Chega at√© a julgar que a odeia, porque n√£o acha uma √ļnica raz√£o para am√°-la. Contudo, existem cinco sinais ‚ÄĒ t√≠picos de qualquer grande e arrastada paix√£o ‚ÄĒ que demonstram que os portugueses, contra a vontade e contra a l√≥gica, continuam apaixonados por ela, por muito afectadas que sejam as ¬ębocas¬Ľ que mandam.

Em primeiro lugar, estão sempre a falar dela. Como cada português é um amante atraiçoado e desgraçado pela mesma mulher,

Continue lendo…

O Vício de Ler

O v√≠cio de ler tudo o que me ca√≠sse nas m√£os ocupava o meu tempo livre e quase todo o das aulas. Podia recitar poemas completos do repert√≥rio popular que nessa altura eram de uso corrente na Col√īmbia, e os mais belos do S√©culo de Ouro e do romantismo espanh√≥is, muitos deles aprendidos nos pr√≥prios textos do col√©gio. Estes conhecimentos extempor√Ęneos na minha idade exasperavam os professores, pois cada vez que me faziam na aula qualquer pergunta dif√≠cil, respondia-lhes com uma cita√ß√£o liter√°ria ou com alguma ideia livresca que eles n√£o estavam em condi√ß√Ķes de avaliar. O padre Mejia disse: ¬ę√Č um garoto afectado¬Ľ, para n√£o dizer insuport√°vel. Nunca tive que for√ßar a mem√≥ria, pois os poemas e alguns trechos de boa prosa cl√°ssica ficavam-me gravados em tr√™s ou quatro releituras. Ganhei do padre prefeito a primeira caneta de tinta permanente que tive porque lhe recitei sem erros as cinquenta e sete d√©cimas de ¬ęA vertigem¬Ľ, de Gaspar N√ļnez de Arce.

Lia nas aulas, com o livro aberto em cima dos joelhos e com tal descaramento que a minha impunidade s√≥ parecia poss√≠vel devido √† cumplicidade dos professores. A √ļnica coisa que n√£o consegui com as minhas ast√ļcias bem rimadas foi que me perdoassem a missa di√°ria √†s sete da manh√£.

Continue lendo…

Li e estudei sozinho a vida inteira. Estabeleci o recorde de falta √†s aulas da faculdade de Columbia para ficar no meu quarto escrevendo uma pe√ßa di√°ria e lendo, digamos, Louis Ferdinand C√©line, em vez dos ‘cl√°ssicos’ do curso.

II Bacio

O Beijo! malva-rosa em jardim de carícias!
Vivo acompanhamento no piano dos dentes
Dos refr√£os que Amor canta nas almas ardentes
Com a sua voz de arcanjo em l√Ęnguidas del√≠cias!

Divino e gracioso Beijo, t√£o sonoro!
Vol√ļpia singular, √°lcool inenarr√°vel!
O homem, debruçado na taça adorável,
Deleita-se em venturas que nunca se esgotam.

Como o vinho do Reno e a m√ļsica, embalas
E consolas a m√°goa, que expira em conjunto
Com os l√°bios amuados na prega purp√ļrea…
Que um maior, Goethe ou Will, te erga um verso cl√°ssico.

Quanto a mim, trovador franzino de Paris,
Só te ofereço um bouquet de estrofes infantis:
Sê benévolo e desce aos lábios insubmissos
De Uma que eu bem conheço, Beijo, e neles ri.

Tradução de Fernando Pinto do Amaral

Agora me Sinto Alegre e Inspirado

Agora me sinto alegre e inspirado em ch√£o cl√°ssico;
Mundo de outrora e de hoje mais alto e atraente me
fala.
Aqui sigo eu o conselho, folheio as obras dos velhos
Com m√£o diligente, cada dia com novo prazer.
Mas, noites fora, Amor me mantém noutra ocupação;
Se apenas meio me instruo, dobrada é minha ventura.
E acaso não é instruir-me, quando as formas dos seios
Ador√°veis espio e a m√£o pelas ancas passeio?
Compreendo ent√£o bem o m√°rmore; penso e comparo,
Vejo com olhar tacteante, tacteio com mão que vê.
E se a Amada me rouba algumas horas do dia,
Em recompensa me d√° as horas todas da noite.
Nem sempre beijos trocamos; falamos sensatos;
Se o sono a assalta, fico eu deitado a pensar muitas
coisas.
Vezes sem conto eu tenho também poetado em seus
braços
E baixo contado, com m√£o dedilhante, a medida
hexamétrica
No seu dorso. Em sono ador√°vel respira,
E o seu hálito o peito me acende até à raiz.
O Amor atiça a candeia entretanto e pensa nos tempos
Em que aos Tri√ļnviros seus o mesmo servi√ßo prestava.

Continue lendo…