Passagens sobre Ofensas

117 resultados
Frases sobre ofensas, poemas sobre ofensas e outras passagens sobre ofensas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Respeita mais a Vida dos deficientes f√≠sicos e portadores de doen√ßas incur√°veis. Essas Vidas, por serem ‚Äėex√≠mios cavaleiros‚Äô, est√£o conduzindo especialmente os corpos dif√≠ceis de conduzir. N√£o desprezes os deficientes f√≠sicos e portadores de doen√ßas incur√°veis. At√© mesmo a compaix√£o √© uma ofensa a suas Vidas, que s√£o ‚Äėex√≠mios cavaleiros‚Äô. Admira e louva a comovente beleza dessas Vidas.

Nunca Competir

Toda a pretens√£o com oposi√ß√£o prejudica o cr√©dito; a competi√ß√£o tira logo a desdourar, para deslustrar. S√£o poucos os que fazem boa guerra. A emula√ß√£o descobre os defeitos que a cortesia esqueceu; muitos viveram acreditados enquanto n√£o tiveram advers√°rios. O calor da contesta√ß√£o aviva ou ressuscita inf√Ęmias mortas, desenterra hediondezas passadas e antepassadas. Come√ßa a competi√ß√£o com manifestos de desdouros, socorrendo-se de tudo o que pode e n√£o deve; e, ainda que √†s vezes, e no mais das vezes, as ofensas n√£o sejam armas proveitosas, delas tira vil satisfa√ß√£o para sua vingan√ßa, e esta sacode com tais ares que faz saltar pelos desares o p√≥ do esquecimento. Sempre foi pac√≠fica a benevol√™ncia e ben√©vola a reputa√ß√£o.

Evitai fazer aos homens aqueles favores que não podem ser feitos sem provocar iguais desfavores a outros: pois quem é ofendido não esquece, ou melhor, considera a ofensa maior; quem é beneficiado não se lembra ou pensa ter sido beneficiado menos do que realmente foi.

A frouxidão no amor é uma ofensa,
Ofensa que se eleva a grau supremo;
Paix√£o requer paix√£o; fervor e extremo
Com extremo e fervor se recompensa.

Não convém começar uma ofensa, pois uma ofensa provoca outras ofensas

Não convém começar uma ofensa, pois uma ofensa provoca outras ofensas.

A Inocência

Caminhando no mundo vai segura
A Inocência, com grave firme passo.
Sem temor de cair no infame laço
Que arma a traidora m√£o, a m√£o perjura.

Como n√£o obra mal, nem mal procura
Para os seus semelhantes, corre o espaço
Sem lança, sem arnês, sem peito de aço,
Armada só de consciência pura.

Pois que ofensa n√£o faz, n√£o teme ofensa
E por isso passeia, satisfeita,
Sem as feras temer na selva densa.

Trai√ß√Ķes, √≥dios, vingan√ßas n√£o espreita.
Certa no bem que faz, só nele pensa:
Quem remorsos n√£o tem, mal n√£o suspeita.

A Acção Vai Bem sem a Paixão

Fazemos coisas iguais com for√ßas diversas e diferente esfor√ßo de vontade. A ac√ß√£o vai bem sem a paix√£o. Pois quantas pessoas se arriscam diariamente em guerras que n√£o lhes importam, e se sujeitam aos perigos de batalhas cuja perda n√£o lhes perturbar√° o pr√≥ximo sono? Um homem na sua casa, longe desse perigo que n√£o teria ousado encarar, est√° mais interessado no desfecho dessa guerra e tem a alma mais inquieta do que o soldado que p√Ķe nela o seu sangue e a sua vida. Essa impetuosidade e viol√™ncia de desejo mais atrapalha do que auxilia a condu√ß√£o do que empreendemos, enche-nos de acrim√≥nia e suspei√ß√£o contra aqueles com quem tratamos. Nunca conduzimos bem a coisa pela qual somos possu√≠dos e conduzidos.
Quem emprega nisso apenas o seu discernimento e a sua habilidade procede com mais vivacidade: amolda, dobra, difere tudo √† vontade, de acordo com as exig√™ncias das circunst√Ęncias; erra o alvo sem tormento e sem afli√ß√£o, pronto e intacto para uma nova iniciativa; avan√ßa sempre com as r√©deas na m√£o. Naquele que est√° embriagado por essa intensidade violenta e tir√Ęnica vemos necessariamente muita imprud√™ncia e injusti√ßa; a impetuosidade do seu desejo arrebata-o: s√£o movimentos temer√°rios e, se a fortuna n√£o ajudar muito,

Continue lendo…

Juízo

Quando, nos quatro √Ęngulos da Terra,
Troarem as trombetas ressurgentes,
Despertadoras dos mortais dormentes,
Por onde um Deus irado aos homens berra:

Prontos, num campo, em apinhada serra,
Todos nus assistir devem viventes
Ao Juízo Final e ver, patentes,
Seus delitos, que um livro eterno encerra.

Então, aberto o Céu, e o Inferno aberto,
Todos ali ver√£o: e a sorte imensa
Duma m√°goa sem fim, dum gozo certo.

Ver√£o recto juiz pesar a ofensa
Na balança integral, e o justo acerto,
Dando da vida e morte igual sentença.

O Casal Comum

Depois da √©poca de palavras de amor, de palavras de raiva, de palavras, as rela√ß√Ķes entre os dois tornaram-se aos poucos imposs√≠veis de resultar numa frase ou numa realidade clara. √Ä medida que estavam casados h√° tanto tempo, as diverg√™ncias, as desconfian√ßas, certa rivalidade jamais chegavam √† tona, embora elas existissem entre eles como o plano dentro do qual se entendiam. Esse estado quase impedia uma ofensa e uma defesa, e jamais uma explica√ß√£o. Formavam o que se chama um casal comum.

A rutura dos la√ßos entre irm√£os √© uma ofensa √† humanidade. Muitos irm√£os zangam-se por pequenas coisas ou por causa de uma heran√ßa, e depois nunca mais se falam. √Č feio! A irmandade √© uma grande coisa, quando se pensa que irm√£os e irm√£s habitaram o ventre da mesma m√£e durante nove meses, v√™m da mesma carne.

Não há ninguém tão rude, que a ofensa não lhe provoque reação.