Cita√ß√Ķes sobre Orquestra

12 resultados
Frases sobre orquestra, poemas sobre orquestra e outras cita√ß√Ķes sobre orquestra para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Manh√£ de Inverno

Coroada de névoas, surge a aurora
Por detr√°s das montanhas do oriente;
Vê-se um resto de sono e de preguiça,
Nos olhos da fant√°stica indolente.

Névoas enchem de um lado e de outro os morros
Tristes como sinceras sepulturas,
Essas que têm por simples ornamento
Puras capelas, l√°grimas mais puras.

A custo rompe o sol; a custo invade
O espaço todo branco; e a luz brilhante
Fulge através do espesso nevoeiro,
Como através de um véu fulge o diamante.

Vento frio, mas brando, agita as folhas
Das laranjeiras √ļmidas da chuva;
Erma de flores, curva a planta o colo,
E o ch√£o recebe o pranto da vi√ļva.

Gelo n√£o cobre o dorso das montanhas,
Nem enche as folhas trêmulas a neve;
Galhardo moço, o inverno deste clima
Na verde palma a sua história escreve.

Pouco a pouco, dissipam-se no espaço
As névoas da manhã; já pelos montes
V√£o subindo as que encheram todo o vale;
J√° se v√£o descobrindo os horizontes.

Sobe de todo o pano; eis aparece
Da natureza o esplêndido cenário;

Continue lendo…

O Obstáculo Invisível

As for√ßas do homem n√£o s√£o concebidas como uma orquestra. No homem √© necess√°rio que todos os instrumentos toquem constantemente com toda a sua for√ßa. N√£o foram destinados a ouvidos humanos e n√£o disp√Ķem da dura√ß√£o de uma noite de concerto durante a qual cada instrumento pode esperar para se fazer valer.
Por vezes parece que as coisas ser√£o assim: tu tens tal tarefa a cumprir, disp√Ķes de tantas for√ßas quantas s√£o necess√°rias para a levar a bom termo (nem muito, nem muito pouco, sem d√ļvida te √© necess√°rio concentrares-te, mas n√£o tens que estar ansioso), com bastante tempo teu e boa vontade para o trabalho, onde est√° o obst√°culo ao √™xito da imensa tarefa? N√£o percas tempo a procur√°-lo, talvez n√£o exista.

Soneto

N’augusta solid√£o dos cemit√©rios,
Resvalando nas sombras dos ciprestes,
Passam meus sonhos sepultados nestes
Brancos sepulcros, pálidos, funéreos.

São minhas crenças divinais, ardentes
РAlvos fantasmas pelos merencórios
T√ļmulos tristes, soturnais, silentes,
Hoje rolando nos umbrais marmóreos.

Quando da vida, no eternal soluço,
Eu choro e gemo e triste me debruço
Na l√°jea fria dos meus sonhos pulcros.

Desliza ent√£o a l√ļgubre coorte,
E rompe a orquestra sepulcral da morte,
Quebrando a paz suprema dos sepulcros.

Amor

Vibr√°til, fina, perfumada e clara
ondula a aragem que o amor provoca.
Longe respira a vida. Aqui o sonho.
Tudo √© inf√Ęncia de √°guas e colinas
Na manh√£ dos teus olhos.
E v√īos de m√£os dadas.
E cantos, cantos de infinito amor,
Nos galhos, nas correntes e nas sombras veladas.

Envolve-se de nuvem nosso abraço.
Vibr√°til, fina, perfumada e clara
ondula a aragem. Fadas e duendes
agitam instrumentos na folhagem.

Vibrátil, fina, imperceptível, fluída
orquestra ao longe. Ao fundo dos sentidos.
Dedos de flores ondeiam sobre a pele
de Céus indefinidos.

Cantam mistérios bocas fascinadas.
Abrem corolas sob a luz que as toca.
Vibr√°til, fina, perfumada e clara
ondula a aragem que o amor provoca.

A Mata Virgem, Desgrenhada Aos Ventos

A mata virgem, desgrenhada aos ventos,
Eleva à noite a alma complexa e vária;
Do musgo humilde às grimpas da araucária
H√°, talvez, gritos, h√° talvez, lamentos.

Olhos presos na sombra, a passos lentos
Passeando na varanda solit√°ria,
Apraz-me àquela orquestra tumultuária
A sós ouvir os rudes sons violentos.

√ď noite, como que raivando, levas
Com o teu meu coração por essas trevas!
O teu Рcólera, o meu Рdoce reclamo;

Ambos, ao fogo atroz que têm no seio,
O teu bramindo: РO ódio eu sou, e odeio!
O meu chorando: – Eu sou o Amor, eu amo!

O Maestro Sacode a Batuta

O maestro sacode a batuta,
A l√Ęnguida e triste a m√ļsica rompe …

Lembra-me a minha inf√Ęncia, aquele dia
Em que eu brincava ao pé dum muro de quintal
Atirando-lhe com, uma bola que tinha dum lado
O deslizar dum c√£o verde, e do outro lado
Um cavalo azul a correr com um jockey amarelo …

Prossegue a m√ļsica, e eis na minha inf√Ęncia
De repente entre mim e o maestro, muro branco,
Vai e vem a bola, ora um c√£o verde,
Ora um cavalo azul com um jockey amarelo…

Todo o teatro √© o meu quintal, a minha inf√Ęncia
Est√° em todos os lugares e a bola vem a tocar m√ļsica,
Uma m√ļsica triste e vaga que passeia no meu quintal
Vestida de c√£o verde tornando-se jockey amarelo…
(T√£o r√°pida gira a bola entre mim e os m√ļsicos…)

Atiro-a de encontra √† minha inf√Ęncia e ela
Atravessa o teatro todo que está aos meus pés
A brincar com um jockey amarelo e um c√£o verde
E um cavalo azul que aparece por cima do muro
Do meu quintal…

Continue lendo…

Hino À Dor

Dor, sa√ļde dos seres que se fanam,
Riqueza da alma, psíquico tesouro,
Alegria das gl√Ęndulas do choro
De onde todas as l√°grimas emanam..

√Čs suprema! Os meus √°tomos se ufanam
De pertencer-te, oh! Dor, ancoradouro
Dos desgraçados, sol do cérebro, ouro
De que as próprias desgraças se engalanam!

Sou teu amante! Ardo em teu corpo abstrato.
Com os corp√ļsculos m√°gicos do tacto
Prendo a orquestra de chamas que executas…

E, assim, sem convuls√£o que me alvorece,
Minha maior ventura é estar de posse
De tuas claridades absolutas!

Humilha√ß√Ķes

Esta aborrece quem é pobre. Eu, quase Jó,
Aceito os seus desdéns, seus ódios idolatro-os;
E espero-a nos sal√Ķes dos principais teatros,
Todas as noites, ignorado e só.

L√° cansa-me o ranger da seda, a orquestra, o g√°s;
As damas, ao chegar, gemem nos espartilhos,
E enquanto v√£o passando as cortes√£s e os brilhos,
Eu analiso as peças no cartaz.

Na representação dum drama de Feuillet,
Eu aguardava, junto à porta, na penumbra,
Quando a mulher nervosa e v√£ que me deslumbra
Saltou soberba o estribo do coupé.

Como ela marcha! Lembra um magnetizador.
Ro√ßavam no veludo as guarni√ß√Ķes das rendas;
E, muito embora tu, burguês, me não entendas,
Fiquei batendo os dentes de terror.

Sim! Porque n√£o podia abandon√°-la em paz!
√ď minha pobre bolsa, amortalhou-se a id√©ia
De vê-la aproximar, sentado na platéia,
De tê-la num binóculo mordaz!

Eu ocultava o fraque usado nos bot√Ķes;
Cada contratador dizia em voz rouquenha:
‚ÄĒ Quem compra algum bilhete ou vende alguma senha?
E ouviam-se c√° fora as ova√ß√Ķes.

Que desvanecimento!

Continue lendo…

Menina e Moça

Est√° naquela idade inquieta e duvidosa,
Que não é dia claro e é já o alvorecer;
Entreaberto bot√£o, entrefechada rosa,
Um pouco de menina e um pouco de mulher.

Às vezes recatada, outras estouvadinha,
Casa no mesmo gesto a loucura e o pudor;
Tem coisas de criança e modos de mocinha,
Estuda o catecismo e lê versos de amor.

Outras vezes valsando, e* seio lhe palpita,
De cansaço talvez, talvez de comoção.
Quando a boca vermelha os l√°bios abre e agita,
Não sei se pede um beijo ou faz uma oração.

Outras vezes beijando a boneca enfeitada,
Olha furtivamente o primo que sorri;
E se corre parece, à brisa enamorada,
Abrir asas de um anjo e tranças de uma huri.

Quando a sala atravessa, é raro que não lance
Os olhos para o espelho; e raro que ao deitar
N√£o leia, um quarto de hora, as folhas de um romance
Em que a dama conjugue o eterno verbo amar.

Tem na alcova em que dorme, e descansa de dia,
A cama da boneca ao pé do toucador;

Continue lendo…

Aptidão, Vontade, e Acção

No reino da Natureza dominam o movimento e o agir. No reino da liberdade dominam a aptid√£o e o querer. O movimento √© perp√©tuo e, sendo favor√°veis as circunst√Ęncias, manifesta-se necessariamente nos fen√≥menos. As aptid√Ķes, desenvolvendo-se embora em correspond√™ncia com a Natureza, t√™m contudo que ser postas em exerc√≠cio por parte da vontade para poderem elevar-se gradualmente. √Č por isso que nunca temos no exerc√≠cio livre da vontade a mesma certeza que temos na autonomia do agir natural; este √ļltimo √© qualquer coisa que se produz a si mesma enquanto que o primeiro √© produzido.
O exerc√≠cio da vontade, para ser perfeito e eficaz, tem que se adequar: no plano moral, √† consci√™ncia – a uma consci√™ncia sem erro -, e, no dom√≠nio das artes, √† regra – a uma regra que em nenhum lado est√° enunciada. A consci√™ncia n√£o precisa de nenhum patroc√≠nio, porque tem tudo o que lhe √© necess√°rio e porque s√≥ tem que ver com o mundo pessoal interior. O g√©nio tamb√©m n√£o precisaria de nenhuma regra, mas, uma vez que a sua efic√°cia se dirige para o exterior, est√° na depend√™ncia de m√ļltiplas conting√™ncias materiais e temporais, n√£o lhe sendo poss√≠vel escapar a erros que da√≠ decorrem.

Continue lendo…

Ao Estrídulo Solene Dos Bravos

–¬†Os Tr√≥picos pulando as palmas batem…
Em p√© nas ondas¬†– O Equador d√° vivas!…

Ao estrídulo solene dos bravos! das platéias,
Prossegues altaneira, oh! √≠dolo da arte!…
–¬†O sol p√°ra o curso p’ra bem de admirar-te
–¬†O sol, o grande sol, o misto das id√©ias.

A velha natureza escreve-te odiss√©ias…
A estrela, a n√≠vea concha, o arbusto… em toda a parte
Retumba a doce orquestra que ousa proclamar-te
Assombro do ideal, em duplas melopéias!

Perpassam vagos sons na harpa do mistério
Lá, quando no proscênio te ergues imperando
–¬†Oh! √ćbis magistral do mundo azul –¬†sid√©rio!

Ent√£o da imensidade, audaz vem reboando
De palmas o tufão, veloz, febril, aéreo
Que cai dentro das almas e as vai arrebatando!…