Sonetos sobre Liras

31 resultados
Sonetos de liras escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Gonçalves Crespo

Esta musa da pĂĄtria, esta saudosa
Niobe dolorida,
Esquece acaso a vida,
Mas nĂŁo esquece a morte gloriosa.

E pĂĄlida, e chorosa,
Ao Tejo voa, onde no chĂŁo caĂ­da
Jaz aquela evadida
Lira da nossa América viçosa.

Com ela torna, e, dividindo os ares,
Trépido, mole, doce movimento
Sente nas frouxas cordas singulares.

NĂŁo Ă© a asa do vento,
Mas a sombra do filho, no momento
De entrar perpetuamente os pĂĄtrios lares.

Conchita

Adeus aos filtros da mulher bonita;
A esse rosto espanhol, pulcro e moreno;
Ao pĂ© que no bolero… ao pĂ© pequeno;
PĂ© que, alĂ­gero e cĂ©lere, saltita…

Lira do amor, que o amor nĂŁo mais excita,
A um silĂȘncio de morte eu te condeno;
Despede-te; e um adeus, no Ășltimo treno,
Soluça às graças da gentil Conchita:

A esses, que em ondas se levantam, seios
Do mais cheiroso jambo; a esses quebrados
Olhos meridionais de ardĂȘncia cheios;

A esses lĂĄbios, enfim, de nĂĄcar vivo,
Virgens dos lĂĄbios de outrem, mas corados
Pelos beijos de um sol quente e lascivo.

CamÔes I

Tu quem és? Sou O século que passa.
Quem somos nĂłs? A multidĂŁo fremente.
Que cantamos? A glĂłria resplendente.
De quem? De quem mais soube a força e a graça.

Que cantou ele? A vossa mesma raça.
De que modo? Na lira alta e potente.
A quem amou? A sua forte gente.
Que lhe deram? PenĂșria, ermo, desgraça.

Nobremente sofreu? Como homem forte.
Esta imensa oblação?… É-lhe devida.
Paga?… Paga-lhe toda a adversa sorte.

Chama-se a isto? A glĂłria apetecida.
NĂłs, que o cantamos?… Volvereis Ă  morte.
Ele, que Ă© morto?… Vive a eterna vida.

3A Sombra – Ester

Vem! no teu peito cĂĄlido e brilhante
O nardo oriental melhor transpira!
Enrola-te na longa cachemira,
Como as judias moles do Levante,

Alva a clĂąmide aos ventos – roçagante…
TĂșmido o lĂĄbio, onde o saltĂ©rio gira…
Ó musa de Israel! pega da lira…
Canta os martĂ­rios de teu povo errante!

Mas nĂŁo… brisa da pĂĄtria alĂ©m revoa,
E ao delamber-lhe o braço de alabastro,
Falou-lhe de partir… e parte… e voa. . .

Qual nas algas marinhas desce um astro…
Linda Ester! teu perfil se esvai… s’escoa…
SĂł me resta um perfume… um canto… um rastro…

Se A Fortuna Inquieta E Mal Olhada

Se a Fortuna inquieta e mal olhada,
que a justa lei do CĂ©u consigo infama,
a vida quieta, que ela mais desama,
me concedera, honesta e repousada;

pudera ser que a Musa, alevantada
com luz de mais ardente e viva flama.
fizera ao Tejo lĂĄ na pĂĄtria cama
adormecer co som da lira amada.

Porém, pois o destino trabalhoso,
que me escurece a Musa fraca e lassa,
louvor de tanto preço não sustenta;

a vossa de louvar-me pouco escassa,
outro sujeito busque valeroso,
tal qual em vĂłs ao mundo se apresenta.

A Gonçalves Dias

Celebraste o domĂ­nio soberano
Das grandes tribos, o tropel fremente
Da guerra bruta, o entrechocar insano
Dos tacapes vibrados rijamente,

O maracĂĄ e as flechas, o estridente
Troar da inĂșbia, e o canitar indiano…
E, eternizando o povo americano,
Vives eterno em teu poema ingente.

Estes revoltos, largos rios, estas
Zonas fecundas, estas seculares
Verdejantes e amplĂ­ssimas florestas

Guardam teu nome: e a lira que pulsaste
Inda se escuta, a derramar nos ares
O estridor das batalhas que contaste.

As Minhas IlusÔes

Hora sagrada dum entardecer
De Outono, Ă  beira-mar, cor de safira,
Soa no ar uma invisĂ­vel lira …
O sol Ă© um doente a enlanguescer …

A vaga estende os braços a suster,
Numa dor de revolta cheia de ira,
A doirada cabeça que delira
Num Ășltimo suspiro, a estremecer!

O sol morreu … e veste luto o mar …
E eu vejo a urna de oiro, a balouçar,
À flor das ondas, num lençol de espuma.

As minhas IlusÔes, doce tesoiro,
Também as vi levar em urna de oiro,
No mar da Vida, assim … uma por uma …

Benedicite

Bendito o que na terra o fogo fez, e o teto
E o que uniu Ă  charrua o boi paciente e amigo;
E o que encontrou a enxada; e o que do chĂŁo abjeto,
Fez aos beijos do sol, o oiro brotar, do trigo;

E o que o ferro forjou; e o piedoso arquiteto
Que ideou, depois do berço e do lar, o jazigo;
E o que os fios urdiu e o que achou o alfabeto;
E o que deu uma esmola ao primeiro mendigo;

E o que soltou ao mar a quilha, e ao vento o pano,
E o que inventou o canto e o que criou a lira,
E o que domou o raio e o que alçou o aeroplano…

Mas bendito entre os mais o que no dĂł profundo,
Descobriu a Esperança, a divina mentira,
Dando ao homem o dom de suportar o mundo!

Guerra Junqueiro

Quando ele do Universo o largo supedĂąneo
Galgou como os clarĂ”es — quebrando o que nĂŁo serve,
Fazendo que explodissem os astros de seu crĂąnio,
As gemas da razĂŁo e os mĂșsculos da verve;

Quando ele esfuziou nos pĂĄramos as trompas,
As trompas marciais — as liras do estupendo,
Pejadas de prodĂ­gios, assombros e de pompas,
Crescendo em proporçÔes, crescendo e recrescendo;

Quando ele retesou os nervos e as artérias
Do verso orbicular — rasgando das misĂ©rias
O ventre do Ideal na forte hematemese.

Clamando — Ă© minha a luz, que o sĂ©culo propague-a,
Quando ele avassalou os pĂ­ncaros da ĂĄguia
E o sol do Equador vibrou-lhe aquelas teses!

Senhora I

No calmo colo pouso meus segredos
Senhora que sabeis minhas fraquezas.
convoco sĂł convosco o que antecedo
na lira ensimesmada da incerteza.

NĂŁo sei se o vero verso do degredo
vem albergado ou presa de represa
das frias ĂĄguas Ă­ntimas do medo
lavando o frĂĄgil lado da tristeza.

A depressiva face nĂŁo mostrada
esplende em vosso espelho que me abriga
lambendo o sal dos olhos da geada.

Águas que são do orvalho da fadiga
de recorrentes gotas espalhadas
regando as vossas mĂŁos de amada e amiga

I

Para cantar de amor tenros cuidados,
Tomo entre vĂłs, Ăł montes, o instrumento;
Ouvi pois o meu fĂșnebre lamento;
Se Ă©, que de compaixĂŁo sois animados:

JĂĄ vĂłs vistes, que aos ecos magoados
Do trĂĄcio Orfeu parava o mesmo vento;
Da lira de AnfiĂŁo ao doce acento
Se viram os rochedos abalados.
Bem sei, que de outros gĂȘnios o Destino,
Para cingir de Apolo a verde rama,
Lhes influiu na lira estro divino:

O canto, pois, que a minha voz derrama,
Porque ao menos o entoa um peregrino,
Se faz digno entre vós também de fama.

Converteu-se-me em Noite o Claro Dia

Apolo e as nove Musas, descantando
Com a dourada lira, me influĂ­am
Na suave harmonia que faziam,
Quando tomei a pena, começando:

Ditoso seja o dia e hora, quando
TĂŁo delicados olhos me feriam!
Ditosos os sentidos que sentiam
Estar-se em seu desejo traspassando!

Assim cantava, quando Amor virou
A roda à esperança, que corria
TĂŁo ligeira, que quase era invisĂ­vel.

Converteu-se-me em noite o claro dia;
E, se alguma esperança me ficou,
SerĂĄ de maior mal, se for possĂ­vel.

Aquela que Cantei na Doce Lira

Aquela que cantei na doce lira,
Que jĂĄ do Tempo estragos tem sentido,
Inda veio, com seu garbo fingido,
Tentar meu coração, que em paz respira.

Mas, qual duro rochedo que nĂŁo vira,
Por mais que o bata o mar enfurecido,
Assim firme fiquei, no meu sentido,
Vendo o cepo enfeitado da Mentira.

Encarei-o com dor, mas sem transporte,
Pois de meus longos anos na carreira
Jå do Tempo sofri, também, o corte.

Pensando na minha hora derradeira,
Eu vi sĂł entre nĂłs sentada a Morte,
E ao pé de uma caveira, outra caveira.

Idealismo

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo!
O amor da Humanidade Ă© uma mentira.
É. E Ă© por isto que na minha lira
De amores fĂșteis poucas vezes falo.

O amor! Quando virei por fim a amĂĄ-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaíra,
De Messalina e de Sardanapalo?!

Pois Ă© mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
– Alavanca desviada do seu fulcro –

E haja sĂł amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!

A Uma Dama Dormindo Junto A Uma Fonte

À margem de uma fonte, que corria,
Lira doce dos pĂĄssaros cantores
A bela ocasiĂŁo das minhas dores
Dormindo estava ao despertar do dia.

Mas como dorme SĂ­lvia, nĂŁo vestia
O céu seus horizontes de mil cores;
Dominava o silĂȘncio entre as flores,
Calava o mar, e rio nĂŁo se ouvia,

Não dão o parabém à nova Aurora
Flores canoras, pĂĄssaros fragrantes,
Nem seu Ăąmbar respira a rica Flora.

Porém abrindo Sílvia os dois diamantes,
Tudo a SĂ­lvia festeja, tudo adora
Aves cheirosas, flores ressonantes.

Cantares Bacantes (II)

Canto a lira dissonante:
como custam meus cantares!
os cantochÔes dos solares
mais remotos que um levante.

Tua branca primavera
lança-perfume dos ares
profundo nĂĄcar dos pares
mas verdes ramas da hera.

A cigarra morta canta
tua tarde de passagem
que a voz do bronze levanta

louvores a teu passeio
de gazela: leve aragem
ao coração, meu anseio!

A Sesta De Nero

Fulge de luz banhado, esplĂȘndido e suntuoso,
O palĂĄcio imperial de pĂłrfiro luzente
E mĂĄrmor da LacĂŽnia. O teto caprichoso
Mostra, em prata incrustado, o nĂĄcar do Oriente.

Nero no toro ebĂșrneo estende-se indolente…
Gemas em profusĂŁo do estrĂĄgulo custoso
De ouro bordado vĂȘem-se. O olhar deslumbra, ardente,
Da pĂșrpura da TrĂĄcia o brilho esplendoroso.

Formosa ancila canta. A aurilavrada lira
Em suas mãos soluça. Os ares perfumando,
Arde a mirra da ArĂĄbia em recendente pira.

Formas quebram, dançando, escravas em coréia.
E Nero dorme e sonha, a fronte reclinando
Nos alvos seios nus da lĂșbrica PopĂ©ia.

N. H.

Tu nĂŁo Ă©s de Romeu a doce amante,
A triste Julieta, que suspira,
Solto o cabelo aos ventos ondeante,
Inquietas cordas de suspensa lira.

Não és Ofélia, a virgem lacrimante,
Que ao luar nos jardins vaga e delira,
E Ă© levada nas ĂĄguas flutuante,
Como em sonho de amor que cedo expira.

És a estátua de mármore de rosa;
Galatéia acordando voluptuosa
Do grego artista ao fogo de mil beijos…

És a lĂąnguida JĂșlia que desmaia,
És HaidĂ©ia nos cĂŽncavos da praia;
Fosse eu o Dom JoĂŁo dos teus desejos!…

Estio

SaĂ­ da Primavera, entrei no Estio
Das fogosas funçÔes da mocidade.
Nesta estação louçã da minha idade,
Entreguei-me às paixÔes, com desvario.

Qual cavalo rinchĂŁo, solto com cio,
Saltei desenfreado em liberdade:
Fui escravo da cega divindade
Que tem do cego mundo o senhorio.

Largos anos servi tĂŁo falso Nume;
Consagrei-lhe, servil, os sons da lira
Acesa em labaredas do seu lume.

Em cĂąmbio de o cantar, deu-me a Mentira,
O engano, a ingratidĂŁo, o vil ciĂșme:
Que paga de o servir o homem tira!

Carlos Gomes

Essa que plange, que soluça e pensa,
Amorosa e febril, tĂ­mida e casta,
Lira que raiva, lira que devasta,
E que dos prĂłprios sons vive suspensa.

Guarda nas costas uma escala imensa,
Que, quando rompe, espaço fora, arrasta
Ora do mar as queixas ora a vasta
Sussurração de uma floresta densa.

Ei-la muda, mas tal intensidade
Teve a mĂșsica enorme do seu choro
O dilĂșvio orquestral dos seus lamentos.

Que muda assim, rotas as cordas hĂĄ de
Para sempre vibrar o eco sonoro
Que sua alma lançou aos quatro ventos.