Cita√ß√Ķes sobre Uvas

32 resultados
Frases sobre uvas, poemas sobre uvas e outras cita√ß√Ķes sobre uvas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Uma Cidade

Uma cidade pode ser
apenas um rio, uma torre, uma rua
com varandas de sal e ger√Ęnios
de espuma. Pode
ser um cacho
de uvas numa garrafa, uma bandeira
azul e branca, um cavalo
de crinas de algod√£o, esporas
de √°gua e flancos
de granito.
Uma cidade
pode ser o nome
dum país, dum cais, um porto, um barco
de andorinhas e gaivotas
ancoradas
na areia. E pode
ser
um arco-íris à janela, um manjerico
de sol, um beijo
de magnólias
ao crep√ļsculo, um bal√£o
aceso

numa noite
de junho.

Uma cidade pode ser
um coração,
um punho.

Campesinas II

De cabelos desmanchados,
Tu, teus olhos luminosos
Recordam-me uns saborosos
E raros frutos de prados.

Assim negros e quebrados,
Profundos, grandes, formosos,
Contêm fluidos vaporosos
S√£o como campos mondados.

Quando soltas os cabelos
Repletos de pesadelos
E de perfumes de ervagens;

Teus olhos, flor das violetas,
Lembram certas uvas pretas
Metidas entre folhagens.

Vae para um Convento!

Falhei na Vida. Zut! Ideaes caidos!
Torres por terra! As arvores sem ramos!
√ď meus amigos! todos n√≥s falhamos…
Nada nos resta. Somos uns perdidos.

Choremos, abracemo-nos, unidos!
Que fazer? Porque n√£o nos suicidamos?
Jezus! Jezus! Resigna√ß√£o… Formamos
No mundo, o Claustro-pleno dos Vencidos.

Troquemos o burel por esta capa!
Ao longe, os sinos mysticos da Trappa
Clamam por n√≥s, convidam-nos a entrar…

Vamos semear o p√£o, podar as uvas,
Pegae na enxada, descalçae as luvas,
Tendes bom corpo, Irm√£os! Vamos cavar…

Sobre um Poema

Um poema cresce inseguramente
na confus√£o da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as ra√≠zes min√ļsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
– a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustent√°vel, √ļnico,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

– Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
– E o poema faz-se contra o tempo e a carne.

As Balas

D√° o Outono as uvas e o vinho
Dos olivais o azeite nos é dado
D√° a cama e a mesa o verde pinho
As balas d√£o o sangue derramado

D√° a chuva o Inverno criador
As sementes da sulcos o arado
No lar a lenha em chama d√° calor
As balas d√£o o sangue derramado

D√° a Primavera o campo colorido
Glória e coroa do mundo renovado
Aos cora√ß√Ķes d√° amor renascido
As balas d√£o o sangue derramado

D√° o Sol as searas pelo Ver√£o
O fermento ao trigo amassado
No esbraseado forno d√° o p√£o
As balas d√£o o sangue derramado

D√° cada dia ao homem novo alento
De conquistar o bem que lhe é negado
D√° a conquista um puro sentimento
As balas d√£o o sangue derramado

Do meditar, concluir, ir e fazer
D√° sobre o mundo o homem atirado
À paz de um mundo novo de viver
As balas d√£o o sangue derramado

D√° a certeza o querer e o concluir
O que tanto nos nega o ódio armado
Que a vida construir é destruir
Balas que o sangue derramado

Que as balas só dão sangue derramado
Só roubo e fome e sangue derramado
Só ruína e peste e sangue derramado
Só crime e morte e sangue derramado.

Continue lendo…

Uma casa portuguesa

Numa casa portuguesa fica bem
p√£o e vinho sobre a mesa.
Quando à porta humildemente bate alguém,
senta-se √† mesa co’a gente.
Fica bem essa fraqueza, fica bem,
que o povo nunca a desmente.
A alegria da pobreza
est√° nesta grande riqueza
de dar, e ficar contente.

Quatro paredes caiadas,
um cheirinho a alecrim,
um cacho de uvas doiradas,
duas rosas num jardim,
um São José de azulejo
sob um sol de primavera,
uma promessa de beijos
dois bra√ßos √† minha espera…
√Č uma casa portuguesa, com certeza!
√Č, com certeza, uma casa portuguesa!

No conforto pobrezinho do meu lar,
h√° fartura de carinho.
A cortina da janela e o luar,
mais o sol que gosta dela…
Basta pouco, poucochinho p’ra alegrar
uma exist√©ncia singela…
√Č s√≥ amor, p√£o e vinho
e um caldo verde, verdinho
a fumegar na tijela.

Quatro paredes caiadas,
um cheirinho a alecrim,
um cacho de uvas doiradas,
duas rosas num jardim,
um São José de azulejo
sob um sol de primavera,

Continue lendo…

Prosema I

Com a devida vénia me reparto junto do tampo de mármore meu secretário tão certo. Desde quando deixara eu de ouvir esta palavra? Logrei substituí-la numa manhã óptima mas não esta em que a mola salta reprimida sabe-se lá donde, algures na hipófise.
Na confraria dos reclusos outras quimeras se aventam como Sol, M√£e, Amada, at√© que o tempo nosso inimigo se distancie e nos abandone por instantes. Na laje j√° sobre a qual o papel branco me obedece sem que o habitem outros sinais, pequeninos veios avolumam-se em √°reas mais densas, configurando p√°ssaros de porcelana chinesa. Afundo-me neste fundo para descobrir-lhes um sentido, branco, amarelo, de novo branco, cada cent√≠metro um fuso de seres min√ļsculos, buscando reorganizar-se, perder-se, reagrupar-se.
De anacoreta nada tenho, s√≥ de multid√Ķes entre Cacilhas, Piedade e o Barreiro. E Campo de Ourique, que digo! A minha m√£o move-se, o pensamento p√°ra, descubro as uvas pendentes como se fora Ver√£o e o Sol ferisse como se o olhara de frente. Nem o ru√≠do dos p√°ssaros habituais junto √† janela nos veio dar os bons dias, o funcion√°rio impreter√≠vel vir√° √† hora impreter√≠vel. Muito longe fora de portas um galo ou a sua aus√™ncia. Tenho uma toalha,

Continue lendo…

A Taça

Uma taça cheia, bem lavrada,
Segurava e apertava nas m√£os ambas,
√Āvido sorvia do seu bordo doce vinho
Para, a um tempo, afogar m√°goa e cuidado.

Entrou o Amor e achou-me sentado,
E sorriu discreto e s√°bio,
Como que lamentando o insensato:

¬ęAmigo, eu conhe√ßo um vaso inda mais belo,
Digno de nele mergulhar a alma toda;
Que prometes, se eu to conceder
E to encher de outro n√©ctar?¬Ľ

E com que amizade ele cumpriu a palavra!
Pois ele, Lida, com suave vénia
Te concedeu a mim, h√° tanto desejoso.

Quando estreito o teu amado corpo
E provo dos teus lábios fidelíssimos
O b√°lsamo de amor longo tempo guardado,
Feliz digo eu então ao meu espírito:

N√£o, um vaso tal, a n√£o ser o Amor,
Nenhum deus o formou ou possuiu!
Formas assim n√£o as forja Vulcano
Cos martelos finos e sensíveis!
Pode Lieu em frondosos outeiros
P’los seus faunos mais velhos e sagazes
Fazer pisar as uvas escolhidas
E ele mesmo presidir ao fermentar secreto:
Bebida assim não há desvelo que lha dê!

Continue lendo…

Uva, Pedra, Cavalo, Sol e Pensamento

O rio continua a passar na minha ausência.
Eu n√£o sei o que o p√°ssaro pensa da chuva.

A terra tem o gosto agridoce de uma uva.
Tudo em que ponho o olhar tem mágica inocência.

Magra como uma vara de anzol pode ser a mulher.
Gorda como a cara do sol pode ser a laranja.

Ligeiro, o cavalinho. Trem-de-ferro qualquer,
apitando, tudo é bondade que a vida arranja.

Os anos que a pedra vive no seio das √°guas.
Os anos que o coração bate no peito do homem.

Os pés e as pernas unidos na mesma faina.
As m√°goas que se consomem iguais aos ventos.

Uva, pedra, cavalo, sol e pensamento.

O Amor Bate na Porta

Cantiga do amor sem eira
nem beira,
vira o mundo de cabeça
para baixo,
suspende a saia das mulheres,
tira os óculos dos homens,
o amor, seja como for,
é o amor.

Meu bem, n√£o chores,
hoje tem filme de Carlito!

O amor bate na porta
o amor bate na aorta,
fui abrir e me constipei.
Cardíaco e melancólico,
o amor ronca na horta
entre pés de laranjeira
entre uvas meio verdes
e desejos j√° maduros.

Entre uvas meio verdes,
meu amor, n√£o te atormentes.
Certos ácidos adoçam
a boca murcha dos velhos
e quando os dentes n√£o mordem
e quando os braços não prendem
o amor faz uma cócega
o amor desenha uma curva
prop√Ķe uma geometria.

Amor é bicho instruído.
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na √°rvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem,
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

Continue lendo…

Estes Homens

estes homens
abrem as portas
do sol nascente

conhecem os íntimos latejos
da cal as soltas √°guas
os fermentos as uvas
os cílios discretos do pão

amam as urzes e as fontes
o suor dos fenos
a febre moira de um corpo
de mulher

estes homens
partem a pedra
com martelos de solid√£o
(os olhos abismados
nos goivos
da lonjura)

erguem as paredes
as janelas crepusculares
as asfaimadas antenas das cidades:
céu de cimento; baba remota
do cansaço

estes homens
tamisam cores: viajam nos navios
pescam no cisco das pérolas
do vidro
s√£o garimpeiros
de uma esponja
de coral

moldam nas forjas
as sílabas secretas
do ferro
afeiçoam os seixos e o linho
o bafo marítimo
das palavras

estes homens
dizem casa com dezembro
nas veias
ternura com a sede de uma seara
gr√°vida
assobiam comovidos contra as sombras
trazem na algibeira
o trevo rugoso das cantigas

estes homens:
guardadores de cabras
e de m√°goas
de espantos e revoltas
servos emigrantes
contrabandistas
soldados andarilhos do mar
carabineiros da m√° sorte
trepadores das sete colinas
oper√°rios
azeitoneiros
ratinhos
levantam por maio
os cantis do lume: voz de musgo
concha entreaberta
estes homens
(p√°tria viva;

Continue lendo…

Poema para a Catarina

Hei-de levar-te filha a conhecer a neve
tu que sabes do sol e das marés
mas nunca repousaste os teus pequenos pés
na alvura que só longe e em ti houve

Tinha estado na morte e n√£o pudera
aguentar tamanha solid√£o
mas depois tive a companhia do nev√£o
e tu h√°s-de vir filha com a primavera

E o deslumbrante resplendor da alegria
tua fidelidade eterna à vida
j√° n√£o permitir√£o tua partida
quando raiar fatal o novo dia

As barcas carregadas com as rosas
vir√£o perto daquela pura voz
abandonada pelos meus longínquos avós
em lagoas profundas perigosas

Não me afecta o mínimo cuidado
sinto-me vertical sinto-me forte
embora leve em mim até à morte
a cabeça de um príncipe coitado

Naquelas madrugadas primitivas
eu segregava um secreto pranto
vizinho da alegria enquanto
pelos dias tu ias de m√£os vivas
O costume da minha solid√£o
é ver pela janela as oliveiras
que de todas as √°rvores foram as primeiras
que tocaram meu jovem coração

Purificado pelo tempo estou
um tempo de feroz esquecimento
vem minha filha vem neste momento
em que eu liberto ao teu encontro vou

Recordo-me do teu cabelo de chuva
quando tu caminhavas √°gil e ladina
pelos desfiladeiros da neblina
nessa distante regi√£o da uva

Minha paix√£o viril serena pelos ritos
deseja que na minha companhia
tu sejas imolada à alegria
na surda regi√£o alheia aos gritos

N√£o olhes o meu rosto devastado pela idade
a vida para mim é como se chovesse
mas se viesses seria como se me acontecesse
cantar contigo a perene mocidade

O tempo em que viesses sim seria
um tempo vertebrado um tempo inteiro
e n√£o meras palavras arrancadas ao tinteiro
e alinhadas em fugaz caligrafia

Viesses tu que a tua vinda afastaria
todos os meus cuidados transumantes
e para sempre alegre viveria
os meus dias infantes j√° distantes

A solução da solidão compartilhada
onde vejo o meu mais profundo mundo
seria a solução ampla e sem fundo
oposta sem resposta ao meu país do nada

Com a voracidade do olvido
seria só tu vires e lutares
e por mim de olhos enormes e crepusculares
serias ente querido recebido

Volta com os primeiros anjos de dezembro
num vasto laranjal eu quero amar-te
e ent√£o a tua vida h√°-de ser a minha arte
e o teu vulto a √ļnica coisa que relembro

O passado é mentira digo eu
sensível ao esplendor do meio-dia
e sob a √°rvore plena da alegria
o mínimo cuidado esmoreceu

Ao grande peso de tanto passado
com a ins√≥nia da d√ļvida na testa
basta a tua presença que protesta
e todo eu me sinto renovado

Certa vez tomei a atitude política mais firme da minha vida: passei 24 horas sem comer uvas.

Purinha

O Espirito, a Nuvem, a Sombra, a Chymera,
Que (aonde ainda n√£o sei) neste mundo me espera
Aquella que, um dia, mais leve que a bruma,
Toda cheia de véus, como uma Espuma,
O Sr. Padre me dar√° p’ra mim
E a seus pés me dirá, toda corada: Sim!
Ha-de ser alta como a Torre de David,
Magrinha como um choupo onde se enlaça a vide
E seu cabello em cachos, cachos d’uvas,
E negro como a capa das viuvas…
(√Ā maneira o trar√° das virgens de Belem
Que a Nossa Senhora ficava t√£o bem!)
E ser√° uma espada a sua m√£o,
E branca como a neve do Mar√£o,
E seus dedos ser√£o como punhaes,
Fuzos de prata onde fiarei meus ais!
E os seus seios ser√£o como dois ninhos,
E seus sonhos ser√£o os passarinhos,
E ser√° sua bocca uma rom√£,
Seus olhos duas Estrellinhas da Manh√£!
Seu corpo ligeiro, t√£o leve, t√£o leve,
Como um sonho, como a neve,
Que hei-de suppor estar a ver, ao vel-a,
Cabrinhas montezas da Serra da Estrella…
E ha-de ser natural como as hervas dos montes
E as rolas das serras e as agoas das fontes…

Continue lendo…

Pois Casei M√° Hora

Pois casei m√° hora, e nela,
e com tal marido, prima…
Comprarei c√° √ľa gamela,
par’√≤ ter debaixo dela,
e um gr√£o penedo em cima.
Porque vai-se-me às figueiras,
e come verde e maduro;
e quantas uvas penduro
jeita nas gorgomeleiras:
parece negro monturo.

Vai-se-me às ameixieiras,
antes que sejam maduras.
Ele quebra as cereijeiras,
ele vendima as parreiras,
e n√£o sei que faz das uvas.
Ele não vai à lavrada,
ele todo o dia come,
ele toda a noite dorme,
ele n√£o faz nunca nada,
e sempre me diz que h√° fome!

Jesu! Jesu! Posso-te dizer,
e jurar e tresjurar,
e provar e reprovar,
e andar e revolver,
que é milhor pera beber,
que n√£o pera maridar.
O demo que o fez marido!
Que assi seco como é
beberá a torre da Sé:
então arma um arruído
assi debaixo do p√©!…

Oh Mil Vezes Feliz

Oh mil vezes feliz o que encerrado
Entre baixas paredes
O tormentoso Inverno alegre passa;
Que de um pequeno campo,
Que ele mesmo cultiva, se alimenta
Apascentando as vacas,
Que da m√£o paternal somente herdou
C’os dourados novilhos.
Enquanto sobre a terra se reclina
Dormindo descansado
Ao som das frescas √°guas de um regato,
Horrorosos cuidados
O n√£o vem perturbar no brando sono;
A sórdida cobiça
Lhe n√£o faz conceber vastos projectos;
N√£o pensa, n√£o intenta
Atravessar o Cabo tormentoso,
Sofrer chuvas e ventos,
Ouvir roncar as denegridas ondas,
E ver na feia noite
Entre nuvens a Lua ir escondendo
O macilento rosto,
Por ir comerciar cos pardos índios
E Chinas engenhosos.
A sede insaci√°vel de riquezas
N√£o faz que exponha a vida
Nos desertos sert√Ķes √†s verdes cobras,
E aos remendados tigres.
Ah ilustre Soeiro, doce Amigo,
O ouro de que serve,
Se os anos v√£o correndo t√£o velozes!
Se a morte n√£o consente,
Que a enrugada e p√°lida velhice
Com passos vagarosos
Nos venha coroar de níveas cãs?

Continue lendo…

Certa Velhinha

1

Além, na tapada das Quatorze Cruzes,
Que triste velhinha que vae a passar!
N√£o leva candeia; hoje, o c√©u n√£o tem luzes…
Cautella, velhinha, não vás tropeçar!

Os ventos entoam cantigas funestas,
Relampagos tingem de vermelho o Azul!
Aonde ir√° ella, n’uma noite d’estas,
Com vento da Barra puxado do sul?

Aonde ir√° ella, pastores! boieiras!
Aonde ir√° ella, n’uma noite assim?
Se for un phantasma, fazei-lhe fogueiras,
Se for uma bruxa, queimae-lhe alecrim!

Contava-me aquella que a tumba j√° cerra,
Que Nossa Senhora, quando a chama alguem,
Escolhe estas noites p’ra descer √° Terra,
Porque em noites d’estas n√£o anda ninguem…

Além, na tapada das Quatorze Cruzes,
Que linda velhinha que vem a passar!
E que olhos aquelles que parecem luzes!
Quaes velas accezas que a v√™m a guiar…

Que pobre capinha que leva de rastros,
T√£o velha, t√£o r√īta! Que triste viuvez!
Mas se lhe d√° vento, meu Deus! tantos astros!
√Č o c√©u estrellado vestido do envez…

Seu alvo cabello, molhado das chuvas,
Parece uma vinha de luar em flor…

Continue lendo…