Cita√ß√Ķes sobre Xadrez

19 resultados
Frases sobre xadrez, poemas sobre xadrez e outras cita√ß√Ķes sobre xadrez para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Das qualidades necessárias ao jogo de xadrez, duas essenciais: vista pronta e paciência beneditina, qualidades preciosas na vida que também é um xadrez, com seus problemas e partidas, umas ganhas, outras perdidas, outras nulas.

A Inutilidade de Guerras e Revolu√ß√Ķes

As guerras e as revolu√ß√Ķes – h√° sempre uma ou outra em curso – chegam, na leitura dos seus efeitos, a causar n√£o horror mas t√©dio. N√£o √© a crueldade de todos aqueles mortos e feridos, o sacrif√≠cio de todos os que morrem batendo-se, ou s√£o mortos sem que se batam, que pesa duramente na alma: √© a estupidez que sacrifica vidas e haveres a qualquer coisa inevitavelmente in√ļtil.
Todos os ideais e todas as ambi√ß√Ķes s√£o um desvairo de comadres homens. N√£o h√° imp√©rio que valha que por ele se parta uma boneca de crian√ßa. N√£o h√° ideal que mere√ßa o sacrif√≠cio de um comboio de lata. Que imp√©rio √© √ļtil ou que ideal prof√≠cuo?
Tudo é humanidade, e a humanidade é sempre a mesma Рvariável mas inaperfeiçoável, oscilante mas improgressiva. Perante o curso inimplorável das coisas, a vida que tivemos sem saber como e perderemos sem saber quando, o jogo de mil xadrezes que é a vida em comum e luta, o tédio de contemplar sem utilidade o que se não realiza nunca Рque pode fazer o sábio senão pedir o repouso, o não ter que pensar em viver, pois basta ter que viver,

Continue lendo…

Sou um exibicionista que adora pintar quadros daquilo que não vê. Um marido, um pai, amigo dos pobres, às vezes dos ricos. Um ativista vendedor ambulante de idéias. Jogador de xadrez, estrela de rock em part-time, cantor de ópera no grupo pop mais barulhento do mundo. Que tal?

Do que Nada se Sabe

A lua ignora que é tranquila e clara
E não pode sequer saber que é lua;
A areia, que é a areia. Não há uma
Coisa que saiba que sua forma é rara.

As peças de marfim são tão alheias
Ao abstracto xadrez como essa m√£o
Que as rege. Talvez o destino humano,
Breve alegria e longas odisseias,

Seja instrumento de Outro. Ignoramos;
Dar-lhe o nome de Deus n√£o nos conforta.
Em v√£o tamb√©m o medo, a ang√ļstia, a absorta

E truncada oração que iniciamos.
Que arco terá então lançado a seta
Que eu sou? Que cume pode ser a meta?

Os Grandes Indiferentes

Ouvi contar que outrora, quando a Pérsia
Tinha n√£o sei qual guerra,
Quando a invas√£o ardia na cidade
E as mulheres gritavam,
Dois jogadores de xadrez jogavam
O seu jogo contínuo.

À sombra de ampla árvore fitavam
O tabuleiro antigo,
E, ao lado de cada um, esperando os seus
Momentos mais folgados,
Quando havia movido a pedra, e agora
Esperava o advers√°rio.
Um p√ļcaro com vinho refrescava
Sobriamente a sua sede.

Ardiam casas, saqueadas eram
As arcas e as paredes,
Violadas, as mulheres eram postas
Contra os muros caídos,
Traspassadas de lanças, as crianças
Eram sangue nas ruas…
Mas onde estavam, perto da cidade,
E longe do seu ruído,
Os jogadores de xadrez jogavam
O jogo de xadrez.

Inda que nas mensagens do ermo vento
Lhes viessem os gritos,
E, ao refletir, soubessem desde a alma
Que por certo as mulheres
E as tenras filhas violadas eram
Nessa dist√Ęncia pr√≥xima,
Inda que, no momento que o pensavam,
Uma sombra ligeira
Lhes passasse na fronte alheada e vaga,

Continue lendo…

Vai!, e grita ao mundo que você está certo, você aprendeu tudo enquanto estava mudo, agora é necessário gritar e cantar Rock e demonstrar o teorema da vida e os macetes do xadrez.

As Causas

Todas as gera√ß√Ķes e os poentes.
Os dias e nenhum foi o primeiro.
A frescura da √°gua na garganta
De Adão. O ordenado Paraíso.
O olho decifrando a maior treva.
O amor dos lobos ao raiar da alba.
A palavra. O hex√Ęmetro. Os espelhos.
A Torre de Babel e a soberba.
A lua que os Caldeus observaram.
As areias in√ļmeras do Ganges.
Chuang Tzu e a borboleta que o sonhou.
As maçãs feitas de ouro que há nas ilhas.
Os passos do errante labirinto.
O infinito linho de Penélope.
O tempo circular, o dos estóicos.
A moeda na boca de quem morre.
O peso de uma espada na balança.
Cada v√£ gota de √°gua na clepsidra.
As √°guias e os fastos, as legi√Ķes.
Na manh√£ de Fars√°lia J√ļlio C√©sar.
A penumbra das cruzes sobre a terra.
O xadrez e a √°lgebra dos Persas.
Os vest√≠gios das longas migra√ß√Ķes.
A conquista de reinos pela espada.
A b√ļssola incessante. O mar aberto.
O eco do relógio na memória.
O rei que pelo gume é justiçado.
O incalculável pó que foi exércitos.

Continue lendo…

As mulheres manejam os homens como os bons jogadores de xadrez manejam os pe√Ķes; n√£o tocam num sem terem a vista fixa noutro, que pode dar melhor resultado.

Num Bairro Moderno

Dez horas da manh√£; os transparentes
Matizam uma casa apalaçada;
Pelos jardins estancam-se as nascentes,
E fere a vista, com brancuras quentes,
A larga rua macadamizada.

Rez-de-chaussée repousam sossegados,
Abriram-se, nalguns, as persianas,
E dum ou doutro, em quartos estucados,
Ou entre a rama do papéis pintados,
Reluzem, num almoço, as porcelanas.

Como é saudável ter o seu conchego,
E a sua vida f√°cil! Eu descia,
Sem muita pressa, para o meu emprego,
Aonde agora quase sempre chego
Com as tonturas duma apoplexia.

E rota, pequenina, azafamada,
Notei de costas uma rapariga,
Que no xadrez marmóreo duma escada,
Como um retalho da horta aglomerada
Pousara, ajoelhando, a sua giga.

E eu, apesar do sol, examinei-a.
P√īs-se de p√©, ressoam-lhe os tamancos;
E abre-se-lhe o algod√£o azul da meia,
Se ela se curva, esguelhada, feia,
E pendurando os seus bracinhos brancos.

Do patamar responde-lhe um criado:
“Se te conv√©m, despacha; n√£o converses.
Eu n√£o dou mais.” √ą muito descansado,
Atira um cobre lívido, oxidado,
Que vem bater nas faces duns alperces.

Continue lendo…

Encostei-me

Encostei-me para trás na cadeira de convés e fechei os olhos,
E o meu destino apareceu-me na alma como um precipício.
A minha vida passada misturou-se com a futura,
E houve no meio um ruído do salão de fumo,
Onde, aos meus ouvidos, acabara a partida de xadrez.

Ah, balouçado
Na sensação das ondas,
Ah, embalado
Na idéia tão confortável de hoje ainda não ser amanhã,
De pelo menos neste momento n√£o ter responsabilidades nenhumas,
De n√£o ter personalidade propriamente, mas sentir-me ali,
Em cima da cadeira como um livro que a sueca ali deixasse.

Ah, afundado
Num torpor da imagina√ß√£o, sem d√ļvida um pouco sono,
Irrequieto t√£o sossegadamente,
Tão análogo de repente à criança que fui outrora
Quando brincava na quinta e n√£o sabia √°lgebra,
Nem as outras √°lgebras com x e y’s de sentimento.

Ah, todo eu anseio
Por esse momento sem import√Ęncia nenhuma
Na minha vida,
Ah, todo eu anseio por esse momento, como por outros an√°logos ‚ÄĒ
Aqueles momentos em que n√£o tive import√Ęncia nenhuma,
Aqueles em que compreendi todo o vácuo da existência sem inteligência para o
compreender
E havia luar e mar e a solid√£o,

Continue lendo…

Os Justos

Um homem que cultiva o seu jardim, como queria Voltaire.
O que agradece que na terra haja m√ļsica.
O que descobre com prazer uma etimologia.
Dois empregados que num café do Sul jogam um silencioso xadrez.
O ceramista que premedita uma cor e uma forma.
O tip√≥grafo que comp√Ķe bem esta p√°gina, que talvez n√£o lhe agrade.
Uma mulher e um homem que lêem os tercetos finais de certo canto.
O que acarinha um animal adormecido.
O que justifica ou quer justificar um mal que lhe fizeram.
O que agradece que na terra haja Stevenson.
O que prefere que os outros tenham raz√£o.
Essas pessoas, que se ignoram, est√£o a salvar o mundo.

Tradução de Fernando Pinto do Amaral