Cita√ß√Ķes sobre Analfabetismo

9 resultados
Frases sobre analfabetismo, poemas sobre analfabetismo e outras cita√ß√Ķes sobre analfabetismo para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Somos vulgares, incultos e analfabetos; e, em rela√ß√£o a isso, confesso que n√£o fa√ßo maiores distin√ß√Ķes entre o analfabetismo de meus concidad√£os que n√£o aprenderam a ler e o que aprendeu a ler somente aquilo que se destinam √†s crian√ßas e aos intelectos med√≠ocres.

Precisamos olhar para a espiritualidade como uma arte integral de ser. Observamos muitas vezes em n√≥s pr√≥prios um analfabetismo perante as express√Ķes fundamentais da vida. At√© temos certezas, at√© praticamos, at√© sabemos, mas h√° momentos da vida que nos deixam sem palavras, que nos fazem sentir sem apoio: uma doen√ßa, um incidente, uma crise, ou ent√£o uma grande alegria, um grande encontro…

Uma das causas principais do analfabetismo das massas é o facto de que, hoje, quase todo o mundo sabe ler e escrever.

Um Século de Discursos sem Resultados

O eterno ¬ędeficit¬Ľ; o mist√©rio tenebroso das contas e da d√≠vida p√ļblica; o espectro da bancarrota; a quebra da moeda; o ¬ędeficit¬Ľ da balan√ßa comercial; a insufici√™ncia econ√≥mica; a mis√©ria agr√≠cola; a irriga√ß√£o do Alentejo; o repovoamento florestal; as estradas; os portos; o analfabetismo; o abandono das popula√ß√Ķes rurais; a pesca; a marinha mercante ; a administra√ß√£o colonial; a instru√ß√£o e rearmamento do Ex√©rcito; a reconstru√ß√£o da marinha de guerra; a viciosa educa√ß√£o da gente portuguesa; a emigra√ß√£o; o quadro das nossas rela√ß√Ķes internacionais; a quest√£o religiosa ‚ÄĒ tudo isto absorveu literalmente um s√©culo de discursos, toneladas de artigos e n√£o deu um passo, salvo sempre o respeito pelos esfor√ßos honestos e realiza√ß√Ķes parciais √ļteis, entre as quais se destacam o fomento das comunica√ß√Ķes e a ocupa√ß√£o colonial.

Sou contra a educa√ß√£o como processo exclusivo de forma√ß√£o de uma elite, mantendo a grande maioria da popula√ß√£o em estado de analfabetismo e ignor√Ęncia.

Fala-se muito contra o analfabetismo e ele é porventura um grande mal; mas não se repara em que há outros analfabetismos ainda mais graves: o de um especialista de determinada matéria que nada conhece do que os outros estudam ou o dos que vão morrer inconscientes do espectáculo em que Deus os jogou.

A TV Como Instrumento Redutor

Porque √© que a TV foi essa ¬ęcaixinha que revolucionou o mundo¬Ľ? Fa√ßo a pergunta e as respostas v√™m em turbilh√£o. Fez de tudo um espect√°culo, fez do longe o mais perto, promoveu o analfabetismo e o atraso mental. De um modo geral, desnaturou o homem. E sobretudo miniturizou-o, fazendo de tudo um pormenor, isturado ao quotidiano dom√©stico. Porque mesmo um filme ou pe√ßa de teatro ou at√© um espect√°culo desportivo perdem a grandeza e metaf√≠sica de um largo espa√ßo de uma comunidade humana.

J√° um acto religioso √© muito diferente ao ar livre ou no interior de uma catedral. Mas a TV √© algo de min√ļsculo e trivial como o sof√° donde a presenciamos. Diremos assim e em resumo que a TV √© um instrumento redutor. Porque tudo o que passa por l√° chega at√© n√≥s diminu√≠do e desvalorizado no que lhe √© essencial. E a maior raz√£o disso n√£o est√° nas reduzidas dimens√Ķes do ecr√£, mas no facto de a ¬ęcaixa revolucionadora¬Ľ ser um objecto entre os objectos de uma sala.

Mas por sobre todos os males que nos infligiu, ergue-se o da promoção do analfabetismo. Ser é um acto difícil e olhar o boneco não dá trabalho nenhum.

Continue lendo…