Frases sobre Crianças

335 resultados
Frases de crianças escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.

Nós teremos a paz com os árabes quando eles amarem as crianças deles mais do que eles nos odeiam.

Achar que a vida não provem do amor, é como achar que crianças nascem da explosão de um banco de esperma…

E a gente canta, a gente dança, a gente não se cansa de ser criança; a gente brinca na nossa velha infância…

Crianças, ficção é a verdade dentro da mentira, e a verdade desta ficção é bastante simples: a magia existe.

Da mesma maneira que a criança deve viver de acordo com as ordens do seu mestre, a nossa faculdade de desejar deve conformar-se às prescrições da razão.

A civilização se tornou complicada, que ficou tão frágil como um computador. Se uma criança descobrir o calcanhar de Aquiles, com um só palito pára o motor.

É assim tão longínqua a felicidade? No tempo, refiro-me à sua distância no tempo; em termos de perspetiva, não está longe nem perto, a felicidade é algo por que se espera, que se procura, e quando começas a cansar-te de esperar, o dono do local onde marcaste encontro com ela tem pressa em fechar o estabelecimento (espere, espere, não me empurre, por favor, deixe-me acabar esse copo). À tua frente, a porta em direção à qual ele te empurra, e lá fora estende-se a noite que terás de enfrentar sozinho, a escuridão que assusta a criança, e não queres mergulhar nesse negrume.

Estudai como nas crianças se desenvolve o sentimento da justiça, e podereis ter a imagem fiel do modo como, através do tempo, ele se desenvolve nos povos perfectíveis.

As crianças nunca são muito boas para escutar os mais velhos, mas elas nunca falham em imitá-los.

Quem mais sofre na guerra é quem não tem serviço de matar. As crianças e as mulheres: essas são quem carrega mais desgraça.

As exagerações são quase sempre estados infantis da inteligência, e bastará atentar nas crianças e nos selvagens para nos convencermos disso.

Somos vulgares, incultos e analfabetos; e, em relação a isso, confesso que não faço maiores distinções entre o analfabetismo de meus concidadãos que não aprenderam a ler e o que aprendeu a ler somente aquilo que se destinam às crianças e aos intelectos medíocres.

Sou um homem que um dia, ao abrir a janela, descobriu esta coisa importantíssima: que a natureza existe. Verifiquei que as árvores, os rios, as pedras são coisas que verdadeiramente existem. Nunca ninguém tinha pensado nisto. Não pretendo ser mais que o maior poeta do mundo. Fiz a maior descoberta que nenhum antes fez e ao pé da qual todas as outras descobertas são entretimentos de crianças estúpidas. Dei pelo universo. Os gregos, com toda a sua nitidez visual, não fizeram tanto.