Passagens sobre √Ātomos

35 resultados
Frases sobre √°tomos, poemas sobre √°tomos e outras passagens sobre √°tomos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Melhor Maneira de Viajar é Sentir

Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir.
Sentir tudo de todas as maneiras.
Sentir tudo excessivamente,
Porque todas as coisas s√£o, em verdade, excessivas
E toda a realidade é um excesso, uma violência,
Uma alucinação extraordinariamente nítida
Que vivemos todos em comum com a f√ļria das almas,
O centro para onde tendem as estranhas forças centrífugas
Que s√£o as psiques humanas no seu acordo de sentidos.

Quanto mais eu sinta, quanto mais eu sinta como v√°rias pessoas,
Quanto mais personalidade eu tiver,
Quanto mais intensamente, estridentemente as tiver,
Quanto mais simultaneamente sentir com todas elas,
Quanto mais unificadamente diverso, dispersadamente atento,
Estiver, sentir, viver, for,
Mais possuirei a existência total do universo,
Mais completo serei pelo espaço inteiro fora.
Mais an√°logo serei a Deus, seja ele quem for,
Porque, seja ele quem for, com certeza que é Tudo,
E fora d’Ele h√° s√≥ Ele, e Tudo para Ele √© pouco.

Cada alma é uma escada para Deus,
Cada alma é um corredor-Universo para Deus,
Cada alma é um rio correndo por margens de Externo
Para Deus e em Deus com um sussurro soturno.

Continue lendo…

Sinto que preciso sair em busca de um objetivo que desconheço. Quando eu atingí-lo, quando me tornar desnecessário, um átomo será suficiente para me destruir. Até então, nem todas as forças da humanidade poderão contra mim.

Hino À Dor

Dor, sa√ļde dos seres que se fanam,
Riqueza da alma, psíquico tesouro,
Alegria das gl√Ęndulas do choro
De onde todas as l√°grimas emanam..

√Čs suprema! Os meus √°tomos se ufanam
De pertencer-te, oh! Dor, ancoradouro
Dos desgraçados, sol do cérebro, ouro
De que as próprias desgraças se engalanam!

Sou teu amante! Ardo em teu corpo abstrato.
Com os corp√ļsculos m√°gicos do tacto
Prendo a orquestra de chamas que executas…

E, assim, sem convuls√£o que me alvorece,
Minha maior ventura é estar de posse
De tuas claridades absolutas!

Alarga os Teus Horizontes

Por que é que combateis? Dir-se-á, ao ver-vos,
Que o Universo acaba aonde chegam
Os muros da cidade, e nem h√° vida
Além da órbita onde as vossas giram,
E além do Fórum já não há mais mundo!

Tal é o vosso ardor! tão cegos tendes
Os olhos de mirar a própria sombra,
Que dir-se-á, vendo a força, as energias
Da vossa vida toda, acumuladas

Sobre um s√≥ ponto, e a √Ęnsia, o ardente v√≥rtice,
Com que girais em torno de vós mesmos,
Que limitais a terra √† vossa sombra…
Ou que a sombra vos torna a terra toda!
Dir-se-√° que o oceano imenso e fundo e eterno,
Que Deus h√° dado aos homens, por que banhem
O corpo todo, e nadem à vontade,
E vaguem a sabor, com todo o rumo,
Com todo o norte e vento, v√£o e percam-se
De vista, no horizonte sem limites…
Dir-se-√° que o mar da vida √© gota d’√°gua
Escassa, que nas mãos vos há caído,
De avara nuvem que fugiu, largando-a…
Tamanho é o ódio com que a uns e a outros
A disputais,

Continue lendo…

Os qu√≠micos, observando uma mesa de madeira, consideram as cadeias de √°tomos que a constituem, e pensam: ela tem tantos √°tomos de carbono, ligados a tantos √°tomos de hidrog√™nio, etc. Os bot√Ęnicos classificam as mesas segundo a esp√©cie de madeira usada, como por exemplo: mesa de carvalho, de keyaki, de s√Ęndalo, etc. Mas a Seicho-No-Ie v√™ o Amor e a Vida at√© mesmo numa mesa, que √© aparentemente um objeto inanimado, e a reverencia.

Louvor A Unidade

“Escafandros, arp√Ķes, sondas e agulhas
“Debalde aplicas aos heterog√™neos
“Fen√īmenos, e, h√° in√ļmeros mil√™nios,
“Num pluralismo hediondo o olhar mergulhas!

“Une, pois, a irmanar diamantes e hulhas,
“Com essa intui√ß√£o mon√≠stica dos g√™nios,
“√Ä hirta forma falaz do are perennius
“A transitoriedade das fagulhas!”

– Era a estrangula√ß√£o, sem retumb√Ęncia,
Da multimilen√°ria disson√Ęncia
Que as harmonias siderais invade…

Era, numa alta aclamação, sem gritos,
O regresso dos √°tomos aflitos
Ao descanso perpétuo da Unidade!

O Meu Coração Desce

O meu coração desce,
Um bal√£o apagado…
_ Melhor fora que ardesse,
Nas trevas, incendiado.
Na bruma fastidienta.
Como um caix√£o √† cova…
_ Porque antes n√£o rebenta
De dor violenta e nova?!
Que apego ainda o sustém?
√Ātomo miserando…
_ Se o esmagasse o trem
Dum comboio arquejando!…

O inane, vil despojo
Da alma egoísta e fraca!
Trouxesse-o o mar de rojo,
Levasse-o a ressaca.

(…) e n√£o esquecer que a estrutura do √°tomo n√£o √© vista mas sabe-se dela. Sei de muita coisa que n√£o vi.

Ao Luar

Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tactil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!

Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha m√£o, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!

Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinit√©simo e o Indeterminado…

Transponho ousadamente o √°tomo rude
E, transmudado em rutil√Ęncia fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

Peso do Mundo

A poesia não é, nunca foi
uma enumeração ou composto
de exuber√Ęncia, bondade,
altitude, nem arado
ou d√°diva sobre ch√£o
prenhe de mortos.

Nem o arrependimento
de Deus por ter criado o homem
com o rosto da sua memória,
ao lado dos seus vermes.

T√£o-pouco f√īlego dos que amam
abrindo a porta límpida
do corpo e chovendo sobre a terra,
ou carregam como tartarugas
o peso do mundo.

Nem reverência por um tigre,
pela leveza maligna de todas as patas,
pela sonolência junto à estirpe
aprisionada também
na dureza de ser tigre.

√Č o milagre de uma arma
total, de uma só palavra
reduzindo o átomo à completa inocência.

Eu Sou Nost√°lgica Demais

De s√ļbito a estranheza. Estranho-me como se uma c√Ęmera de cinema estivesse filmando meus passos e parasse de s√ļbito, deixando-me im√≥vel no meio de um gesto: presa em flagrante. Eu? Eu sou aquela que sou eu? Mas isto √© um doido faltar de sentido! Parte de mim √© mec√Ęnica e autom√°tica ‚ÄĒ √© neurovegetativa, √© o equil√≠brio entre n√£o querer e o querer, do n√£o poder e de poder, tudo isso deslizando em plena rotina do mecanicismo. A c√Ęmera fotogr√°fica singularizou o instante. E eis que automaticamente sa√≠ de mim para me captar tonta de meu enigma, diante de mim, que √© ins√≥lito e estarrecedor por ser extremamente verdadeiro, profundamente vida nua amalgamada na minha identidade. E esse encontro da vida com a minha identidade forma um min√ļsculo diamante inquebr√°vel e radioso indivis√≠vel, um √ļnico √°tomo e eu toda sinto o corpo dormente como quando se fica muito tempo na mesma posi√ß√£o e a perna de repente fica ¬ęesquecida¬Ľ.
Eu sou nostálgica demais, pareço ter perdido uma coisa não se sabe onde e quando.

Aos Vindouros, se os Houver…

Vós, que trabalhais só duas horas
a ver trabalhar a cibernética,
que n√£o deixais o √°tomo a desoras
na gandaia, pois tendes uma ética;

que do amor sabeis o ponto e a vírgula
e vos engalfinhais livres de medo,
sem peçários, calendários, Pílula,
jaculatórias fora, tarde ou cedo;

computai, computai a nossa falha
sem perfurar demais vossa memória,
que nós fomos pràqui uma gentalha
a fazer passamanes com a história;

que nós fomos (fatal necessidade!)
quadr√ļmanos da vossa humanidade.

Tu √Čs uma Mulher Rara

Minha Anuska, onde foste buscar a ideia de que és uma mulher como outra qualquer? Tu és uma mulher rara, e, além do mais, a melhor de todas as mulheres. Tu própria não sonhas as qualidades que tens. Não só diriges a casa e as minhas coisas, como a nós todos, caprichosos e enervantes, a começar por mim e a acabar no Aléxis. Nos meus trabalhos desces ao mais pequeno pormenor, não dormes o suficiente, ocupada com a venda dos meus livros e com a administração do jornal. Contudo, conseguimos apenas economizar alguns copeques Рquanto aos rublos, onde estão eles?

Mas a teu lado nada disso tem import√Ęncia. Devias ser coroada rainha, e teres um reino para governar: juro-te que o farias melhor que ningu√©m. N√£o te falta intelig√™ncia, bom senso, sentido da ordem e, at√©… cora√ß√£o. Perguntas como posso eu amar uma mulher t√£o velha e feia como tu A√≠, sim, mentes. Para mim √©s um encanto, n√£o tens igual, e qualquer homem de sentimentos e bom gosto to dir√°, se atentar em ti. Por isso √© que √†s vezes sinto ci√ļmes. Tu pr√≥pria nem sabes a maravilha que s√£o os teus olhos, o sorriso e a anima√ß√£o que p√Ķes na conversa.

Continue lendo…

Poema da Eterna Presença

Estou, nesta noite c√°lida, deliciadamente estendido sobre a relva,
de olhos postos no céu, e reparo, com alegria,
que as dimens√Ķes do infinito n√£o me perturbam.
(O infinito!
Essa incomensur√°vel dist√Ęncia de meio metro
que vai desde o meu cérebro aos dedos com que escrevo!)

O que me perturba é que o todo possa caber na parte,
que o tridimensional caiba no dimensional, e n√£o o esgote.

O que me perturba é que tudo caiba dentro de mim,
de mim, pobre de mim, que sou parte do todo.
E em mim continuaria a caber se me cortassem braços e pernas
porque eu não sou braço nem sou perna.

Se eu tivesse a memória das pedras
que logo entram em queda assim que se largam no espaço
sem que nunca nenhuma se tivesse esquecido de cair;
se eu tivesse a memória da luz
que mal começa, na sua origem, logo se propaga,
sem que nenhuma se esquecesse de propagar;
os meus olhos reviveriam os dinoss√°urios que caminharam sobre a Terra,
os meus ouvidos lembrar-se-iam dos rugidos dos oceanos que engoliram
continentes,

Continue lendo…

Pedra Filosofal

Eles n√£o sabem que o sonho
é uma constante da vida
t√£o concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles n√£o sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho √°lacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles n√£o sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pin√°culo de catedral,
contraponto, sinfonia,
m√°scara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
p√°ra-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cis√£o do √°tomo, radar,
ultra-som, televis√£o,
desembarque em foguet√£o
na superfície lunar.

Continue lendo…