Cita√ß√Ķes sobre Cera

31 resultados
Frases sobre cera, poemas sobre cera e outras cita√ß√Ķes sobre cera para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Debaixo Do Tamarindo

No tempo de meu Pai, sob estes galhos,
Como uma vela f√ļnebre de cera,
Chorei bilh√Ķes de vezes com a canseira
De inexorabilíssimos trabalhos!

Hoje, esta √°rvore de amplos agasalhos
Guarda, como uma caixa derradeira,
O passado da flora brasileira
E a paleontologia dos Carvalhos!

Quando pararem todos os relógios
De minha vida, e a voz dos necrológios
Gritar nos notici√°rios que eu morri,

Voltando à pátria da homogeneidade,
Abraçada com a própria Eternidade,
A minha sombra h√° de ficar aqui!

Não Dês Esmola a Santinhos

MOTE

Não dês esmola a santinhos,
Se queres ser bom cidad√£o;
D√° antes aos pobrezinhos
Uma fatia de p√£o.

GLOSAS

Não dês, porque a padralhada
Pega nas tuas esmolinhas
E compra frangos e galinhas
Para comer de tomatada;
E os santos n√£o provam nada,
Nem o cheiro, coitadinhos…
Os padres bebem bons vinhos
Por ta√ßas finas, bonitas…
Se elas s√£o p’ra parasitas,
Não dês esmola a santinhos.

Missas n√£o mandes dizer,
Nem lhes faças mais promessas
E nem mandes armar essas
Se um dia alguém te morrer.
Não dês nada que fazer
Ao padre e ao sacrist√£o,
A ver para onde eles v√£o…
Trabalhar, n√£o, com certeza.
Dá sempre esmola à pobreza
Se queres ser bom cidad√£o.

Tu não vês que aquela gente
Chega até a fingir que chora,
Afirmando o que ignora,
Assim descaradamente!?…
Arranjam voz comovente
Para jludir os parvinhos
E fazem-se muito mansinhos,
Que é o seu modo de mamar;
Portanto, o que lhe h√°s-de dar,
D√° antes aos pobrezinhos.

Continue lendo…

A Disposição da Razão

N√£o s√£o apenas as febres, as beberagens e os grandes infort√ļnios que abatem o nosso julgamento; as menores coisas do mundo o transtornam. E n√£o se deve duvidar, ainda que n√£o o sent√≠ssemos, que, se a febre cont√≠nua pode arrasar a nossa alma, a ter√ß√£ tamb√©m lhe cause alguma altera√ß√£o de acordo com o seu ritmo e propor√ß√£o. Se a apoplexia entorpece e extingue totalmente a vis√£o da nossa intelig√™ncia, n√£o se deve duvidar que a coriza a ofusque; e consequentemente mal podemos encontrar uma √ļnica hora da vida em que o nosso julgamento esteja na sua devida disposi√ß√£o, estando o nosso corpo sujeito a tantas muta√ß√Ķes cont√≠nuas e guarnecido de tantos tipos de recursos que (acredito nos m√©dicos) √© muito dif√≠cil que n√£o haja sempre algum deles andando torto.
De resto, essa doença não se revela tão facilmente se não for totalmente extrema e irremediável, pois a razão segue sempre em frente, mesmo torta, mesmo manca, mesmo desancada, tanto com a mentira como com a verdade. Assim, é difícil descobrir-lhe o erro e o desarranjo. Chamo sempre de razão essa aparência de raciocínio que cada qual forja em si Рessa razão por cuja condição pode haver cem raciocínios contrários em torno de um mesmo assunto,

Continue lendo…

Conveniências de não Usar os Olhos, os Ouvidos e a Língua

Ouvir, ver e calar remédio era
nesse tempo em que os olhos e o ouvido
e a língua puderam ser sentido
e n√£o delito que ofender pudera.
Surdos, hoje, os remeiros com a cera,
um mar navegarei que (encanecido
de ossos, mas n√£o de espumas) com bramido
sepulta quem ouviu voz insincera.
Sem ser ouvido e sem ouvir, ociosos
olhos e orelhas, serei olvidado
pelo cenho dos homens poderosos.
Se é delito saber quem é culpado,
o vício que o indaguem os curiosos
e viva eu ignorante e ignorado.

Tradução de José Bento

Só no Pensamento Volta o Mundo

Só no pensamento volta o
mundo. Ao ruído da voz
apenas aspiro ‚ÄĒ que a alma
é o ser mais que a dor ou o
verde cinza do halo das
árvores na manhã íntima das
cores diurnas. Temi os
deuses pelo coração dos
homens, ao homem temo
que por metade vive o medo
divino. Resta, no espasmo
da terra, a m√°goa seca, a
ruína da água, a traição do
nada neste corpo de cera,
coroado do silêncio ferido.
Se não de amor é o dia
aberto quando as vísceras
róseas ouvem a respiração
do fogo derramado eros.
Que a estreita vida diz na
t√£o pouco breve humilde
erva a t√£o febril brisa, cio de
matinal b√ļzio ou rouca
flauta. Ent√£o me ergo e
ouso, vaso do vento, clamar
a queda. √ď esta humana e
divina pobreza de querer
sem fulgor, de tudo poder
sem desejo, alheio ou meu!
O que do futuro ignoro é
maior que o tempo que vivo,
é palavra de cega língua, em
mim calada por jamais lida.

Continue lendo…

Primavera

Todo o amor que nos
prendera
como se fora de cera
se quebrava e desfazia
ai funesta primavera
quem me dera, quem nos dera
ter morrido nesse dia

E condenaram-me a tanto
viver comigo meu pranto
viver, viver e sem ti
vivendo sem no entanto
eu me esquecer desse encanto
que nesse dia perdi

P√£o duro da solid√£o
é somente o que nos dão
o que nos d√£o a comer
que importa que o coração
diga que sim ou que n√£o
se continua a viver

Todo o amor que nos
prendera
se quebrara e desfizera
em pavor se convertia
ninguém fale em primavera
quem me dera, quem nos dera
ter morrido nesse dia

Uma abelha que não fizesse nem mel nem cera, uma andorinha que não construísse o ninho, uma galinha que nunca pusesse, romperiam a sua lei natural, que é o instinto. Os homens insociáveis corrompem o instinto da natureza humana.

L√°grimas de Cera

Passou; viu a porta aberta.
Entrou; queria rezar.
A vela ardia no altar.
A igreja estava deserta.

Ajoelhou-se defronte
Para fazer a oração;
Curvou a p√°lida fronte
E p√īs os olhos no ch√£o.

Vinha trêmula e sentida.
Cometera um erro. A Cruz
√Č a √Ęncora da vida,
A esperança, a força, a luz.

Que rezou? N√£o sei. Benzeu-se
Rapidamente. Ajustou
O véu de rendas. Ergueu-se
E à pia se encaminhou.

Da vela benta que ardera,
Como tranq√ľilo fanal,
Umas l√°grimas de cera
Caíam no castiçal.

Ela porém não vertia
Uma l√°grima sequer.
Tinha a f√©, ‚ÄĒ a chama a arder, ‚ÄĒ
Chorar é que não podia.

Assim como a cera, naturalmente dura e rígida, torna-se, com um pouco de calor tão moldável que se pode levá-la a tomar a forma que se desejar, também se pode, com um pouco de cortesia e amabilidade, conquistar os obstinados e os hostis.

Prudência é o Saber Acomodar

Espa√ßosa esfera √© a do entendimento para discorrer por todos os objectos, e contudo tem seus intervalos em que acha comodidades o corpo: n√£o descansa este no sil√™ncio da noite, sem que aquele se esconda no mais interior da alma. Ainda o discorrer demasiado, dando voltas ao entendimento, √© arriscar a que d√™ o entendimento uma volta; e como √© arriscado o discorrer sem termo, n√£o √© o menos perigoso o luzir sem pausa. Seus intervalos h√£o-de ter os luzimentos grandes, e nem por isso deixar√£o de ser l√ļcidos intervalos, quando o saber acomodar √© para melhor luzir; por isso o Sol √© o melhor dos planetas, porque sabe acomodar suas luzes √† dureza do diamante, como √† brandura da cera; e os mesmos raios que infundem a dureza no bronze, se acomodam aos melindres de uma flor. Prud√™ncia √© o saber acomodar, para melhor luzir e viver.
Brilhar com demasiado luzimento nas ac√ß√Ķes, mais estorva os aplausos do que os granjeia; porque, na opini√£o de S√©neca, n√£o sabem os homens aplaudir sen√£o aquilo que s√≥ podem imitar. Com ser a luz do Sol o mais agrad√°vel objecto √† vista, contudo, se √© grande o excesso de seus ardores,

Continue lendo…

Soneto IV

Sobre mu cuidado triste me desfaço,
Como ó sol neve, como névoa ó vento,
E como cera ao fogo; e assi em v√£o tento
Quanto cuido e ordeno, e quanto faço.

Nele mil vezes mouro e mil renaço,
E ando de pensamento em pensamento
Provando se acharei contentamento
Que me erga das tristezas em que faço.

Mas em v√£o o desejo, em v√£o o espero!
Que vós, senhora, tendes já tomado
Todo remédio que alegrar-me possa.

Mas n√£o me tirareis este cuidado,
Que inda que é triste, é vosso, e assi o quero;
Mas ai, que desta pena a culpa é vossa!

A Paz Causa as Impaciências do Desejo

Jantar alegremente numa horta, debaixo das parreiras, vendo correr a √°gua das regas – chorar com os melodramas que rugiam entre os bastidores do Salitre, alumiados a cera, eram contentamentos que bastavam √† burguesia cautelosa. Al√©m disso, os tempos eram confusos e revolucion√°rios: e nada torna o homem recolhido, aconchegado √† lareira, simples e facilmente feliz – como a guerra. √Č a paz que, dando os vagares da imagina√ß√£o – causa as impaci√™ncias do desejo.

Impress√Ķes mal Fundamentadas

S√≥crates- Quando a cera que est√° na alma de algu√©m √© n√£o apenas densa, mas abundante e lisa, com a consist√™ncia adequada, o que vem atrav√©s das percep√ß√Ķes grava-se neste ¬ęcora√ß√£o¬Ľ da alma. Como Homero lhe chama de modo enigm√°tico, referindo-se √† semelhan√ßa com a cera. Nesse momento, os sinais tornam-se puros nestas pessoas e t√™m suficiente densidade para chegarem a ser duradouros. Quantos s√£o desse tipo t√™m, em primeiro lugar, facilidade em aprender, em segundo, boa mem√≥ria, e, em terceiro, n√£o desviam os sinais das suas percep√ß√Ķes, mas t√™m opini√Ķes verdadeiras. Com efeito, dado que os sinais s√£o claros e bem espa√ßados, distribuem-nos rapidamente em cada uma das impress√Ķes, √†s quais sem d√ļvida se chama coisas que s√£o. E estas pessoas s√£o chamadas s√°bias. Ou n√£o te parece?
Teeteto- Sem d√ļvida. A explica√ß√£o √© maravilhosamente convincente.
Sócrates- Ora bem, vejamos o que sucede quando o coração de uma pessoa é hirsuto Рcoisa que o poeta elogiou, na sua enorme sabedoria Рou, quando a cera está suja e é impura, ou quando é extremamente líquida ou dura: aqueles cuja cera é líquida têm facilidade para aprender, mas tornam-se esquecidos, enquanto, com aqueles cuja cera é dura,

Continue lendo…

Vos Foi Beijar na Parte Onde se Via

O fogo que na branda cera ardia,
Vendo o rosto gentil, que eu na alma vejo,
Se acendeu de outro fogo do desejo
Por alcançar a luz que vence o dia.

Como de dois ardores se incendia,
Da grande impaciência fez despejo,
E, remetendo com furor sobejo,
Vos foi beijar na parte onde se via.

Ditosa aquela flama que se atreve
A apagar seus ardores e tormentos
Na vista a quem o sol temores deve!

Namoram-se, Senhora, os Elementos
De vós, e queima o fogo aquela neve
Que queima cora√ß√Ķes e pensamentos.

Os Sinos

1

Os sinos tocam a noivado,
No Ar lavado!
Os sinos tocam, no Ar lavado,
A noivado!

Que linda criança que assoma na rua!
Que linda, a andar!
Em extasi, o povo commenta que é a Lua,
Que vem a andar…

Tambem, algum dia, o povo na rua,
Quando eu cazar,
Ao ver minha noiva, dirá que é a Lua
Que vae cazar…

2

E o sino toca a baptizado
Que lindo fado?
E o sino toca um lindo fado,
A baptizado!

E banham o anjinho na agoa de neve,
Para o lavar,
E banham o anjinho na agoa de neve,
Para o sujar.

√ď boa madrinha, que o enxugas de leve,
Tem d√≥ d’esses gritos! Comprehende esses ais:
Antes o enxugue a Velha! antes Deus t’o leve!
N√£o soffre mais…

3

Os sinos dobram por anjinho,
Coitadinho!
Os sinos dobram, coitadinho…
Pelo anjinho!

Que aceiada que vae p’ra cova!
Olhae! olhae!
Sapatinhos de sola nova,
Olhae!

Continue lendo…

Polidez é Inteligência

A polidez √© uma conven√ß√£o t√°cita para ignorarmos a m√≠sera condi√ß√£o moral e intelectual do ser humano e assim evitarmos acus√°-la mutuamente; desse modo, ela vem menos a lume, para proveito de todos. Polidez √© intelig√™ncia; consequentemente, impolidez √© parvo√≠ce. Criar inimigos por impolidez, de maneira desnecess√°ria e caprichosa, √© t√£o demente quanto pegar fogo √† pr√≥pria casa. Pois a polidez, como as fichas de jogo, √© notoriamente uma moeda falsa: economiz√°-la √© prova de insensatez. Pelo contr√°rio, gast√°-la em profus√£o √© prova de sensatez. Todas as na√ß√Ķes concluem as suas cartas com ¬ęseu mui obediente servidor¬Ľ. S√≥ os alem√£es suprimem o ¬ęservidor¬Ľ porque, segundo dizem, n√£o √© verdadeiro! Quem, pelo contr√°rio, leva a polidez at√© ao sacrif√≠cio dos interesses reais, assemelha-se √†quele que, em lugar das fichas de jogo, desse aut√™nticas moedas de ouro. Do mesmo modo que a cera, dura e quebradi√ßa, torna-se male√°vel com um pouco de calor, assumindo qualquer forma desejada, tamb√©m se pode, com alguma polidez e amabilidade, tornar flex√≠veis e d√≥ceis os homens recalcitrantes e hostis. A polidez, portanto, √© para o homem o que o calor √© para a cera.

Economia sem Sentimentos

A economia que despreza as considera√ß√Ķes morais e sentimentais √© semelhante √†s figuras de cera que, parecendo vivas, carecem da vida proporcionada pela carne. Em todos os momentos cruciais, estas novas leis econ√≥micas ca√≠ram ao serem colocadas em pr√°tica. E as na√ß√Ķes ou os indiv√≠duos que as aceitarem como guia ir√£o perecer.