Passagens sobre Cortejos

26 resultados
Frases sobre cortejos, poemas sobre cortejos e outras passagens sobre cortejos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A uma Mulher

Pra vós são estes versos, pla consoladora
Graça dos olhos onde chora e ri um sonho
Doce, pla vossa alma pura e sempre boa,
Versos do fundo desta aflição opressora.

Porque, ai! o pesadelo hediondo que me assombra
Não dá tréguas e, louco, furioso, ciumento,
Multiplica-se como um cortejo de lobos
E enforca-se com o meu destino que ensanguenta!

Ah! sofro horrivelmente, ao ponto de o gemido
Desse primeiro homem expulso do Paraíso
Não passar de uma écloga à vista do meu!

E os cuidados que vós podeis ter são apenas
Andorinhas voando à tarde pelo céu
‚ÄĒ Querida ‚ÄĒ num belo dia de um Setembro ameno.

Tradução de Fernando Pinto do Amaral

Adagas Cujas Jóias Velhas Galas

Adagas cujas j√≥ias velhas galas…
Opalesci amar-me entre m√£os raras,
E fluido a febres entre um lembrar de aras,
O conv√©s sem ningu√©m cheio de malas…

O íntimo silêncio das opalas
Conduz orientes até jóias caras,
E o meu anseio vai nas rotas claras
De um grande sonho cheio de √≥cio e salas…

Passa o cortejo imperial, e ao longe
O povo só pelo cessar das lanças
Sabe que passa o seu tirano, e estruge

Sua ovação, e erguem as crianças
Mas o teclado as tuas m√£os pararam
E indefinidamente repousaram…

Musa Impassível II

√ď Musa, cujo olhar de pedra, que n√£o chora,
Gela o sorriso ao l√°bio e as l√°grimas estanca!
D√°-me que eu v√° contigo, em liberdade franca,
Por esse grande espaço onde o impassível mora.

Leva-me longe, ó Musa impassível e branca!
Longe, acima do mundo, imensidade em fora,
Onde, chamas lançando ao cortejo da aurora,
O √°ureo plaustro do sol nas nuvens solavanca.

Transporta-me de vez, numa ascens√£o ardente,
À deliciosa paz dos Olímpicos-Lares
Onde os deuses pag√£os vivem eternamente,

E onde, num longo olhar, eu possa ver contigo
Passarem, através das brumas seculares,
Os Poetas e os Heróis do grande mundo antigo.

O Teu Olhar

Passam no teu olhar nobres cortejos,
Frotas, pend√Ķes ao vento sobranceiros,
Lindos versos de antigos romanceiros,
Céus do Oriente, em brasa, como beijos,

Mares onde n√£o cabem teus desejos;
Passam no teu olhar mundos inteiros,
Todo um povo de heróis e marinheiros,
Lan√ßas nuas em r√ļtilos lampejos;

Passam lendas e sonhos e milagres!
Passa a √ćndia, a vis√£o do Infante em Sagres,
Em centelhas de crença e de certeza!

E ao sentir-te t√£o grande, ao ver-te assim,
Amor, julgo trazer dentro de mim
Um pedaço da terra portuguesa!

√Č errado pensar que o amor vem do companheirismo de longo tempo ou do cortejo perseverante. O amor √© filho da afinidade espiritual e a menos que esta afinidade seja criada em um instante, ela n√£o ser√° criada em anos, ou mesmo em gera√ß√Ķes.

O Cortejo Ingénuo dos Nossos Sonhos

N√£o desenhamos uma imagem ilus√≥ria de n√≥s pr√≥prios, mas in√ļmeras imagens, das quais muitas s√£o apenas esbo√ßos, e que o esp√≠rito repele com embara√ßo, mesmo quando porventura haja colaborado, ele pr√≥prio, na sua forma√ß√£o. Qualquer livro, qualquer conversa podem faz√™-las surgir; renovadas por cada paix√£o nova, mudam com os nossos mais recentes prazeres e os nossos √ļltimos desgostos. S√£o, contudo, bastante fortes para deixarem, em n√≥s, lembran√ßas secretas que crescem at√© formarem um dos elementos mais importantes da nossa vida: a consci√™ncia que temos de n√≥s mesmos t√£o velada, t√£o oposta a toda a raz√£o, que o pr√≥prio esfor√ßo do esp√≠rito para a captar a faz anular-se.
Nada de definido, nem que nos permita definir-nos; uma esp√©cie de pot√™ncia latente… como se houvesse apenas faltado a ocasi√£o para cumprirmos no mundo real os gestos dos nossos sonhos, conservamos a impress√£o confusa, n√£o de os ter realizado, mas de termos sido capazes de os realizar. Sentimos esta pot√™ncia em n√≥s como o atleta conhece a sua for√ßa sem pensar nela. Actores miser√°veis que j√° n√£o querem deixar os seus pap√©is gloriosos, somos, para n√≥s mesmos, seres nos quais dorme, amalgamado, o cortejo ing√©nuo das possibilidades das nossas ac√ß√Ķes e dos nossos sonhos.

Continue lendo…

Carnal E Místico

Pelas regi√Ķes tenu√≠ssimas da bruma
Vagam as Virgens e as Estrelas raras…
Como que o leve aroma das searas
Todo o horizonte em derredor perfume.

N’uma evapora√ß√£o de branca espuma
V√£o diluindo as perspectives claras…
Com brilhos crus e f√ļlgidos de tiaras
As Estrelas apagam-se uma a uma.

E então, na treva, em místicas dormências
Desfila, com sidéreas lactescências,
Das Virgens o son√Ęmbulo cortejo…

√ď Formas vagas, nebulosidades!
Essência das eternas virgindades!
√ď intensas quimeras do Desejo…

l√Ęmpada votiva

1. teve longa agonia a minha m√£e

teve longa agonia a minha m√£e:
seu ser tornou-se um puro sofrimento
e a sua voz apenas um lamento
sombrio e lancinante, mas ninguém

podia fazer nada, era novembro,
levou-a o sol da tarde quando a face
lhe serenou, foi como se acordasse
outra espessura dela em mim. relembro

sombras e risos, coisas pequenas, nadas,
e horas graves da inf√Ęncia e idade adulta
que este silêncio oculta e desoculta
nessas pobres fei√ß√Ķes desfiguradas.

quanta canção perdida se procura,
quanta encontrada em l√°grimas murmura.

2. e n√£o queria ser vista e foi envolta

e n√£o queria ser vista e foi envolta
num lençol branco em suas dobras leves,
pus junto dela algumas rosas breves
e a lembrança represa ficou solta

e foi à desfilada. De repente,
a minha m√£e j√° n√£o estava morta:
era o vulto que à noite se recorta
na luz do corredor, se est√° doente

algum de nós, a mão que pousa e traz
algum sossego à fronte,

Continue lendo…

Expectativa: estado ou condi√ß√£o mental que, no cortejo das emo√ß√Ķes humanas, √© precedido pela esperan√ßa e seguido pelo desespero.

Noturno

Pesa o silêncio sobre a terra. Por extenso
Caminho, passo a passo, o cortejo funéreo
Se arrasta em dire√ß√£o ao negro cemit√©rio…
À frente, um vulto agita a caçoula do incenso.

E o cortejo caminha. Os cantos do saltério
Ouvem-se. O morto vai numa rede suspenso;
Uma mulher enxuga as lágrimas ao lenço;
Chora no ar o rumor de misticismo aéreo.

Uma ave canta; o vento acorda. A ampla mortalha
Da noite se ilumina ao resplendor da lua…
Uma estrige soluça; a folhagem farfalha.

E enquanto paira no ar esse rumor das calmas
Noites, acima dele em silêncio, flutua
O lausperene mudo e s√ļplice das almas.

Sidera√ß√Ķes

Para as Estrelas de cristais gelados
As √Ęnsias e os desejos v√£o subindo,
Galgando azuis e siderais noivados
De nuvens brancas a amplid√£o vestindo…

Num cortejo de c√Ęnticos alados
Os arcanjos, as cítaras ferindo,
Passam, das vestes nos troféus prateados,
As asas de ouro finamente abrindo…

Dos etéreos turíbulos de neve
Claro incenso aromal, límpido e leve,
Ondas nevoentas de Vis√Ķes levanta…

E as √Ęnsias e os desejos infinitos
V√£o com os arcanjos formulando ritos
Da Eternidade que nos Astros canta…

Silêncios

Largos Silêncios interpretativos,
Adoçados por funda nostalgia,
Balada de consolo e simpatia
Que os sentimentos meus torna cativos.

Harmonia de doces lenitivos,
Sombra, segredo, l√°grima, harmonia
Da alma serena, da alma fugidia
Nos seus vagos espasmos sugestivos.

√ď Sil√™ncios! √≥ c√Ęndidos desmaios,
V√°cuos fecundos de celestes raios
De sonhos, no mais l√≠mpido cortejo…

Eu vos sinto os mistérios insondáveis,
Como de estranhos anjos inef√°veis
O glorioso esplendor de um grande beijo!

Amor Verdadeiro

Tua frieza aumenta o meu desejo:
fecho os meus olhos para te esquecer,
mas quanto mais procuro n√£o te ver,
quanto mais fecho os olhos mais te vejo.

Humildemente atr√°s de ti rastejo,
humildemente, sem te convencer,
enquanto sinto para mim crescer
dos teus desdéns o frígido cortejo.

Sei que jamais hei de possuir-te, sei
que outro feliz, ditoso como um rei
enlaçará teu virgem corpo em flor.

Meu coração no entanto não se cansa:
amam metade os que amam com espr’an√ßa,
amar sem espr’an√ßa √© o verdadeiro amor.

Funeral: um cortejo atrav√©s do qual demonstramos o nosso respeito para com os mortos, enriquecendo o cangalheiro, e refor√ßamos a nossa dor com uma despesa que torna mais pungentes as nossas lam√ļrias e mais abundantes as nossas l√°grimas.

A Lua de Londres

√Č noite; o astro saudoso
Rompe a custo um pl√ļmbeo c√©u,
Tolda-lhe o rosto formoso
Alvacento, h√ļmido v√©u:
Traz perdida a cor de prata,
Nas √°guas n√£o se retrata,
N√£o beija no campo a flor,
N√£o traz cortejo de estrelas,
N√£o fala d’amor √†s belas,
N√£o fala aos homens d’amor.

Meiga lua! os teus segredos
Onde os deixaste ficar?
Deixaste-os nos arvoredos
Das praias d’al√©m do mar?
Foi na terra tua amada,
Nessa terra t√£o banhada
Por teu límpido clarão?
Foi na terra dos verdores,
Na p√°tria dos meus amores,
Pátria do meu coração?

Oh! que foi!… deixaste o brilho
Nos montes de Portugal,
L√° onde nasce o tomilho,
Onde h√° fontes de cristal;
L√° onde viceja a rosa,
Onde a leve mariposa
Se espaneja à luz do sol;
L√° onde Deus concedera
Que em noites de Primavera
Se escutasse o rouxinol.

Tu vens, ó lua, tu deixas
Talvez há pouco o país,
Onde do bosque as madeixas
Já têm um flóreo matiz;
Amaste do ar a doçura,

Continue lendo…

Aos Vencedores

Visto que tudo passa e as épicas memorias
Dos fortes, dos heroes, se v√£o cada vez mais,
Que tudo é luto e pó! ó vós que triumphaes
N√£o turbeis a raz√£o nos vinhos das v√£as glorias!

Não ergais alto a taça, á hora dos gemidos,
Esquecidos talvez nos gosos, nos regallos;
E não façaes jámais pastar vossos cavallos
Na herva que cobrir os ossos dos vencidos!

N√£o celebreis j√°mais as festas dos noivados,
N√£o encontreis na volta os lugubres cortejos!
– E se amardes, olhae que ao som dos vossos beijos
Não respondam da praça os ais dos fusilados!

Sim! – se venceste emfim, folgae todas as horas,
Mas deixae lastimar-se os orph√£os, as amantes,
Nem façaes, junto a nós, altivos, triumphantes,
Pelas ruas demais tinir vossas esporas!

Pois toda a gloria √© p√≥! toda a fortuna v√£! –
РE nós lassos emfim dos prantos dolorosos,
Reg√°mos j√° demais a terra–√≥ gloriosos
Vencedores! talvez, – vencidos d’amanh√£!

Tristissima

N’um paiz longe, secreto,
Lendaria ilha affastada,
Jaz todo o dia sentada
N’um throno de marmor preto.

No seu palacio esculpido
N√£o entram constella√ß√Ķes;
Os tectos dos seus sall√Ķes
S√£o todos d’ouro polido!

Nas largas escadarias
Sobem vassallos ao cento,
De noute suluça o vento
N’aquellas tape√ßarias.

E pelas largas janellas
Fechadas, sempre corridas,
Ha flores desconhecidas
Que n√£o olham as estrellas.

Na dextra segura um calix,
– Calix da D√īr e da Magoa!
Onde est√° contida a agoa
E o sangue dos nossos males!

Pelas florestas sosinhas
Escuras, sem rouxinoes,
Erram chorando os Heroes,
E as desgraçadas Rainhas.

Seguida, √° noute, de servas,
Caminha, em cortejo mudo,
Rojando o negro velludo
De seu cabello nas hervas.

Sómente ao vel-a passar
Ficam as almas surprezas;
– Ha todo um mar de tristezas
No abismo do seu olhar!

Certa Velhinha

1

Além, na tapada das Quatorze Cruzes,
Que triste velhinha que vae a passar!
N√£o leva candeia; hoje, o c√©u n√£o tem luzes…
Cautella, velhinha, não vás tropeçar!

Os ventos entoam cantigas funestas,
Relampagos tingem de vermelho o Azul!
Aonde ir√° ella, n’uma noite d’estas,
Com vento da Barra puxado do sul?

Aonde ir√° ella, pastores! boieiras!
Aonde ir√° ella, n’uma noite assim?
Se for un phantasma, fazei-lhe fogueiras,
Se for uma bruxa, queimae-lhe alecrim!

Contava-me aquella que a tumba j√° cerra,
Que Nossa Senhora, quando a chama alguem,
Escolhe estas noites p’ra descer √° Terra,
Porque em noites d’estas n√£o anda ninguem…

Além, na tapada das Quatorze Cruzes,
Que linda velhinha que vem a passar!
E que olhos aquelles que parecem luzes!
Quaes velas accezas que a v√™m a guiar…

Que pobre capinha que leva de rastros,
T√£o velha, t√£o r√īta! Que triste viuvez!
Mas se lhe d√° vento, meu Deus! tantos astros!
√Č o c√©u estrellado vestido do envez…

Seu alvo cabello, molhado das chuvas,
Parece uma vinha de luar em flor…

Continue lendo…