Cita√ß√Ķes sobre Possessos

12 resultados
Frases sobre possessos, poemas sobre possessos e outras cita√ß√Ķes sobre possessos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Combater é uma Diminuição

Combater √©, em termos absolutos, uma diminui√ß√£o. O homem, quer defenda a p√°tria, quer defenda as ideias, desde que passa os dias aos tiros ao vizinho, mesmo que o vizinho seja o monstro dos monstros, est√° a perder grandeza. Sempre que por qualquer motivo a raz√£o passou a servir a paix√£o, houve um apoucamento do espirito, e √© dif√≠cil que o esp√≠rito se salve num processo onde ele entra diminu√≠do. Mas quando numa comunidade algu√©m endoidece e desata a ferir a torto e a direito, √© preciso dominar o possesso de qualquer forma, e a guerra √© fatal. Ent√£o, embora sabendo que vai empobrecer a sua alma, o homem normal come√ßa a lutar, e s√≥ a morte ou o triunfo o podem fazer parar. √Č tr√°gico, mas √© natural. O que √© contra todas as leis da vida √© ficar ao lado da contenda como espectador. Sendo uma diminui√ß√£o combater, √© uma trai√ß√£o sem nome lavar as m√£os do conflito, e passar as horas de bin√≥culo assestado a contemplar a desgra√ßa do alto dum monte. Assim √© que nada se salva. Fica-se homem sem qualquer sentido, manequim vestido de gente, coisa que n√£o tem personalidade. Porque nem se representa a intelig√™ncia,

Continue lendo…

O Adoçamento da Pílula Vocabular

√Č curioso verificar atrav√©s da l√≠ngua ‚ÄĒ espelho fiel de cada sociedade e de cada √©poca ‚ÄĒ como em certos aspectos essenciais da vida n√£o houve pr√°ticamente progresso nenhum, consistindo tudo quanto se fez num puro e vazio eufemismo de designa√ß√£o. Escravo, servo, criado, empregado, assalariado … ; demon√≠aco, possesso, maluco, doido, doente, nevrosado…

Desespero

N√£o eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os l√°bios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.

N√£o eram meus os dedos que tocaram
Tua falsa beleza, em que n√£o vi
Mais que os vícios que um dia me geraram
E me perseguem desde que nasci.

N√£o fui eu que te quis. E n√£o sou eu
Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
Possesso desta raiva que me deu

A grande solid√£o que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto
E o espermen que te dou, o desespero.

Livro de Horas

Aqui, diante de mim,
Eu, pecador, me confesso
De ser assim como sou.
Me confesso o bom e o mau
Que v√£o ao leme da nau
Nesta deriva em que vou.

Me confesso
Possesso
De virtudes teologais,
Que são três,
E dos pecados mortais,
Que s√£o sete,
Quando a terra n√£o repete
Que s√£o mais.

Me confesso
O dono das minhas horas.
O das facadas cegas e raivosas,
E o das ternuras l√ļcidas e mansas.
E de ser de qualquer modo
Andanças
Do mesmo todo.

Me confesso de ser charco
E luar de charco, à mistura.
De ser a corda do arco
Que atira setas acima
E abaixo da minha altura.

Me confesso de ser tudo
Que possa nascer em mim.
De ter raízes no chão
Desta minha condição.
Me confesso de Abel e de Caim.

Me confesso de ser Homem.
De ser um anjo caído
Do tal Céu que Deus governa;
De ser um monstro saído
Do buraco mais fundo da caverna.

Continue lendo…

Todo o caso de loucura é porque alguma coisa voltou. Os possessos, eles não são possuídos pelo que vem, mas pelo que volta.

O Bom Orador

Há pessoas a quem certas palavras dos outros lhes fazem morrer as próprias na garganta. Não podendo falar sentam-se do lado de cá do mar e olham a outra margem não podendo lá estar embora pudessem. Eis como os possessos de realidades violentas não podem sentar-se à mesa e discorrer simplesmente o que já seria imenso e excepcional.

A Import√Ęncia de Dostoievski na Literatura

Os dois grandes monumentos do romance que o século passado (XIX) nos legou, ou seja aqueles em que poderemos reconhecer-nos, foram os erguidos por Tolstoi e por Dostoievski. Mas se a lição do primeiro foi facilmente assimilada, a do segundo levou tempo Рe tanto, que só hoje acabámos de entendê-la bem. Significa isto que Tolstoi, com incidências menores de moralização, continua um Balzac, é bem do século XIX. E foi por se pretender à força ligar a esse século também um Dostoievski que ele só tarde se nos revelou, para dominar ainda hoje, diga-se o que se disser, todo o romance europeu. Para usar uma expressão que já usei, não com inteira originalidade, e a que a crítica me ligou, direi que Tolstoi continua o romance-espectáculo e que Dostoievski inaugura o romance-problema.

Dir-se-ia, e com razão, que todo o romance é problema e espectáculo, já que o espectáculo resiste num romance de Kafka ou Dostoievski, e o problema implicita-se numa qualquer narrativa, nem que seja o Amadis de Gaula. Mas é tão visível a deslocação do acento na obra de Dostoievski, que ela foi defendida, para existir, pelo que lhe é inessencial (como por um Brunetière e recentemente um Ernst Fischer,

Continue lendo…

Desespero

N√£o eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os l√°bios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.

N√£o eram meus os dedos que tocaram
Tua falsa beleza, em que n√£o vi
Mais que os vícios que um dia me geraram
E me perseguem desde que nasci.

N√£o fui eu que te quis. E n√£o sou eu
Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
Possesso desta raiva que me deu

A grande solid√£o que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto
E o esperma que te dou, o desespero.

Ars De Eros

Enquanto vias vi f√īrmas e formas
mas sabia que vinhas ver os versos
depois de veres v√°rias folhas mortas
desse outono jardim nosso em regressos.

N√£o adianta rosnar pantera morna
o tempo rasga sempre um vento espesso
embora n√£o queiramos ser da horta
estrume de um adubo t√£o perverso,

E n√£o me venha vi√ļva simbolista
reclamar dos poemas t√£o transgressos
pois te mostro a vis√£o livre e anarquista.

Se é para ver que venha então diverso
o modo de te amar mais tribalista
que morro nesse clímax dos possessos.

Os Namorados Lisboetas

Entre o olival e a vinha
o Tejo líquido jumento
sua solar viola afina
a todo o azul do seu comprimento

tendo por l√Ęnguida bainha
barcaças de bacia larga
que possessas de ócio animam
o sol a possuí-las de ilharga.

Sua lata de branca tinta
vai derramando um vapor
precisando a tela marinha
debuxada com os l√°pis de cor

da liberdade de sermos dois
a m√°quina de fazer p√ļrpura
que em todas as coisas fermenta
seu t√°cito sumo de uva.

Orfeu Rebelde

Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a f√ļria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade do meu sofrimento.

Outros, felizes, sejam os rouxin√≥is…
Eu ergo a voz assim, num desafio:
Que o céu e a terra, pedras conjugadas
Do moinho cruel que me tritura,
Saibam que h√° gritos como h√° nortadas,
Violências famintas de ternura.

Bicho instintivo que adivinha a morte
No corpo dum poeta que a recusa,
Canto como quem usa
Os versos em legítima defesa.
Canto, sem perguntar à Musa
Se o canto é de terror ou de beleza.