Sonetos sobre Certos

52 resultados
Sonetos de certos escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Meu Coração é um Enorme Estrado

Conclus√£o a sucata !… Fiz o c√°lculo,
Saiu-me certo, fui elogiado…
Meu coração é um enorme estrado
Onde se exp√Ķe um pequeno anim√°lculo…

A microsc√≥pio de desilus√Ķes
Findei, prolixo nas min√ļcias f√ļteis…
Minhas conclus√Ķes pr√°ticas, in√ļteis…
Minhas conclus√Ķes te√≥ricas, confus√Ķes…

Que teorias h√° para quem sente
O cérebro quebrar-se, como um dente
Dum pente de mendigo que emigrou ?

Fecho o caderno dos apontamentos
E faço riscos moles e cinzentos
Nas costas do envelope do que sou…

Que Farei quando Tudo Arde?

Desarrezoado amor, dentro em meu peito,
tem guerra com a raz√£o. Amor, que jaz
i j√° de muitos dias, manda e faz
tudo o que quer, a torto e a direito.

N√£o espera raz√Ķes, tudo √© despeito,
tudo soberba e força; faz, desfaz,
sem respeito nenhum; e quando em paz
cuidais que sois, então tudo é desfeito.

Doutra parte, a Raz√£o tempos espia,
espia ocasi√Ķes de tarde em tarde,
que ajunta o tempo; enfim vem o seu dia:

Ent√£o n√£o tem lugar certo onde aguarde
Amor; trata trai√ß√Ķes, que n√£o confia
nem dos seus. Que farei quando tudo arde?

P√°gina Vazia

Quem volta da região assustadora
De onde eu venho, revendo, inda na mente,
Muitas cenas do drama comovente
De guerra despiedada e aterradora.

Certo n√£o pode ter uma sonora
Estrofe ou canto ou ditirambo ardente
Que possa figurar dignamente
Em vosso √°lbum gentil, minha senhora.

E quando, com fidalga gentileza
Cedestes-me esta p√°gina, a nobreza
De nossa alma iludiu-vos, n√£o previstes

Que quem mais tarde, nesta folha lesse
Perguntaria: “Que autor √© esse
De uns versos t√£o mal feitos e t√£o tristes?”

√Āfrica

Na partilha das s√°faras conquistas
Desta Líbia de mouros rancorosos,
O Deserto foi dado aos Poderosos
E o Oásis, florido e mínimo, aos Artistas.

E os felizes, quais s√£o? Os mil sofistas
Da Ventura, a pedir, de olhos gulosos,
Terra e mais terra? Ou o que limita os gozos
E em sete palmos acomoda as vistas?

Certo, não sereis vós, ó Donatários
Do alvo Deserto, que velais, em guerra,
A √°urea carga dos vossos dromed√°rios.

Mas, tu, ó Poeta, que, por onde fores,
Teus sete palmos h√°s de achar na terra
Abrindo em trigo, rebentado em flores!

Bem Sei, Amor, que é Certo o que Receio

Bem sei, Amor, que é certo o que receio;
Mas tu, porque com isso mais te apuras,
De manhoso, mo negas, e mo juras
Nesse teu arco de ouro; e eu te creio.

A m√£o tenho metida no meu seio,
E não vejo os meus danos às escuras;
Porém porfias tanto e me asseguras,
Que me digo que minto, e que me enleio.

Nem somente consinto neste engano,
Mas inda to agradeço, e a mim me nego
Tudo o que vejo e sinto de meu dano.

Oh poderoso mal a que me entrego!
Que no meio do justo desengano
Me possa inda cegar um moço cego?

Soneto Da Hora Final

Ser√° assim, amiga: um certo dia
Estando nós a contemplar o poente
Sentiremos no rosto, de repente,
O beijo leve de uma aragem fria.

Tu me olhar√°s silenciosamente
E eu te olharei também, com nostalgia
E partiremos, tontos de poesia
Para a porta de trevas, aberta em frente.

Ao transpor as fronteiras do segredo
Eu, calmo, te direi: – N√£o tenhas medo
E tu, tranq√ľila, me dir√°s: – S√™ forte.

E como dois antigos namorados
Noturnamente tristes e enlaçados
Nós entraremos nos jardins da morte.

Homo

Nenhum de vós ao certo me conhece,
Astros do espaço, ramos do arvoredo,
Nenhum adivinhou o meu segredo,
Nenhum interpretou a minha prece…

Ningu√©m sabe quem sou… e mais, parece
Que h√° dez mil anos j√°, neste degredo,
Me vê passar o mar, vê-me o rochedo
E me contempla a aurora que alvorece…

Sou um parto da Terra monstruoso;
Do h√ļmus primitivo e tenebroso
Gera√ß√£o casual, sem pai nem m√£e…

Misto infeliz de trevas e de brilho,
Sou talvez Satan√°s; ‚ÄĒ talvez um filho
Bastardo de Jeov√°; ‚ÄĒ talvez ningu√©m!

A Visita

Hontem dormia à noute Рe, eis que desperto
Sacudido d’um vento agudo e forte,
Como um homem tocado pela Morte,
Ou varrido d’um vento do deserto.

Accordei – era Deus, que de mim perto,
Me dizia: Alma sceptica e sem norte!
√Č preciso que creias e te importe
Adorar o Deus Uno, Eterno, e Certo!

√Č preciso que a f√© cres√ßa em tua alma
Como no inutil saibro a verde palma,
Verme! filho da Duvida–Eis-me aqui!

Eu sou a Espada o Antigo, o Omnipotente!
Crê barro vil! РMas eu, descortezmente,
Voltei-me do outro lado e adormeci.

Mundo Incerto

Eis aqui mil caminhos: Porventura
Qual destes leva a gente ao povoado?
Todos vão sós: só este vai trilhado;
Mas se, por ser trilhado, me assegura?

N√£o: que desd’o princ√≠pio h√° que lhe dura
Do erro este costume, ao mundo dado;
Ser aquele caminho mais errado,
O que é de mais passage e fermosura.

Em fim n√£o passarei, temendo a sorte?
Também, tanto temor é desconcerto:
A quem passar avante, assi lhe importe.

Que farei logo, incerto em mundo incerto? –
Buscar nos Céus o verdadeiro Norte,
Pois na terra n√£o h√° caminho certo.

O Monge Maldito

Os devotos painéis dos antigos conventos,
Reproduzindo a santa imagem da Verdade,
Davam certo conforto aos sóbrios monumentos,
Tornavam menos fria aquela austeridade.

Olhos fitos em Deus, nos santos mandamentos,
Mais de um monge alcançou palma de santidade,
A’ Morte consagrando obras e pensamentos
Numa vida de paz, de labor, de humildade.

Minh’alma √© um coval onde, monge maldito,
Desde que existe o mundo, aborrecido, habito,
Sem ter um s√≥ painel que possa contemplar…

‚ÄĒ O’ monge mandri√£o! se quer’s viver, contente,
uma vida de paz, n√£o seja indolente;
Caleja-me essas m√£os, trabalha! vai cavar!

Tradução de Delfim Guimarães

Suave Mari Magno

Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de ver√£o,
Envenenado morria
Um pobre c√£o.

Arfava, espumava e ria,
De um riso esp√ļrio e buf√£o,
Ventre e pernas sacudia
Na convuls√£o.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao c√£o que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.

Santos √ďleos

Com os santos óleos de que vens ungido
Podes andar no mundo sem receio.
Quem veio para a Luz, por certo veio
Para ser valoroso e ser temido.

Que tudo é embalde, tudo em vão, perdido
Quando se traz esse divino anseio,
Esse doce tranporte ou doce enleio
Que deixa tudo e tudo confundido.

A Alma que comop a vela chega ao porto
Sente o melhor, consolador conforto
E a asa nas asas dos Arcanjos toca…

Os santos óleos são a luz guiadora
Que vigia por ti na pecadora
Terra e o teu mundo celestial evoca

Fui Gostar De Você

“Fui Gostar de Voc√™”
III
Fui gostar de voc√™… Eu, que dizia:
Рjamais hei de gostar! Gostar é crer,
e crer é quase amar Рe amar é a via
mais curta entre o bom senso e o enlouquecer.. .

Fui gostar de voc√™… Certo a ironia
da sorte nos obriga a desdizer…
Ontem, zombava de quem chora, e ria;
Рhoje, inverso afinal é o meu viver. ..

Fui gostar de você Рvocê no entanto
j√° tendo um grande amor, fez-me o veneno
do despeito tragar no amargo pranto…

E no fim disto tudo. . . Рninguém crê. . .
– Infeliz, muito embora eu me condeno
eu ainda defendo o que me fez voc√™!…

Se me vem tanta glória só de olhar-te

Se me vem tanta glória só de olhar-te,
√Č pena desigual deixar de ver-te;
Se presumo com obras merecer-te,
Grão paga de um engano é desejar-te.

Se aspiro por quem és a celebrar-te,
Sei certo por quem sou que hei-de ofender-te;
Se mal me quero a mim por bem querer-te,
Que prémio querer posso mais que amar-te?

Porque um t√£o raro amor n√£o me socorre?
√ď humano tesouro! √ď doce gl√≥ria!
Ditoso quem à morte por ti corre!

Sempre escrita estarás nesta memória;
E esta alma viver√°, pois por ti morre,
Porque ao fim da batalha é a vitória.

Soneto V

Lançado ao pé de um monte, onde rebenta
Um rio, que ao mais alto vai correndo,
Um estrago de fogo estava vendo
Que quasi morto em cinzas se sustenta.

Eis quando ua Ave chega, e t√£o isenta
As asas sobre as cinzas vem batendo,
Que acende o fogo e vai o monte ardendo;
Mas cadavez o rio se acrecenta.

Despois de ter o mal e o dano certo,
Voando para mi, li-lhe no bico
“Em quanto vento houver vivir√° a fr√°goa.”

Desejei de a tomar vendo-a t√£o perto,
Estendo a m√£o, mas com as penas fico,
Fugiu, e eu ca√≠ no fogo e n’√°gua.

Soneto XXVIII

Dizeis que alcançastes e perdestes
Um bem, que muito tempo procurastes,
Se entre todos os males, mal achastes,
Que comparação possa ter com estes?

Dizeis que entre outros males que tivestes,
Nenhum mal t√£o cruel experimentastes
Como perder um bem, que j√° lograstes,
Pois ent√£o mais que nunca lhe quisestes.

E se é mais grave o mal, quanto é mais raro
O bem, que se perdeu; julgai qual seja
Meu mal, pois que meu bem n√£o teve igual.

Isto faz que duvide o que deseja
Alcançar, pois enfim custa tão caro,
Inda que é certo o bem, e incerto o mal.

Deusa Serena

Espiritualizante Formosura
Gerada nas Estrelas impassíveis,
Deusa de formas bíblicas, flexíveis,
Dos efl√ļvios da gra√ßa e da ternura.

Açucena dos vales da Escritura,
Da alvura das magnólias marcessíveis,
Branca Via-Láctea das indefiníveis
Brancuras, fonte da imortal brancura.

Não veio, é certo, dos pauis da terra
Tanta beleza que o teu corpo encerra,
Tanta luz de luar e paz saudosa…

Vem das constela√ß√Ķes, do Azul do Oriente,
Para triunfar maravilhosamente
Da beleza mortal e dolorosa!

Lydia

A Esther

Feliz de quem se vai na tua idade,
Murmura aquele que não crê na vida,
E n√£o pensa sequer na m√£e querida
Que te contempla cheia de saudade.

Pobre inocente! Se alegrar quem h√°-de
Com tua sorte, rosa empalidecida!
Branca açucena inda em botão, caída,
O que ir√°s tu fazer na eternidade?

Foges da terra em busca de venturas?
Mas, meu amor, se conseguires tê-las,
De certo, n√£o ser√° nas sepulturas.

Fica entre nós, irmã das andorinhas:
Deus fez do Céu a pátria das estrelas,
Do olhar das mães o Céu das criancinhas.

D. Quixote

Assim √† aldeia¬†volta o da “triste figura”
Ao tardo caminhar do Rocinante lento:
No arcaboiço dobrado Рum grande desalento,
No entristecido olhar – uns laivos de loucura…

Sonhos, a glória, o amor, a alcantilada altura
Do ideal e da Fé, tudo isto num momento
A rolar, a rolar, num desmoronamento,
Entre os risos boçais do Bacharel e o Cura.

Mas, certo, ó D. Quixote, ainda foi clemente
Contigo a sorte, ao p√īr nesse teu c√©rebro oco
O brilho da Ilusão do espírito doente;

Porque há cousa pior: é o ir-se a pouco e pouco
Perdendo, qual perdeste, um ideal ardente
E ardentes ilus√Ķes – e n√£o se ficar louco!

Divina

Eu n√£o busco saber o inevit√°vel
Das espirais da tua vi matéria.
Não quero cogitar da paz funérea
Que envolve todo o ser inconsol√°vel.

Bem sei que no teu circulo male√°vel
De vida transitória e mágoa seria
H√° manchas dessa org√Ęnica mis√©ria
Do mundo contingente , imponder√°vel .

Mas o que eu amo no teu ser obscuro
E o evangélico mistério puro
Do sacrifício que te torna heroína.

S√£o certos raios da tu’alma ansiosa
E certa luz misericordiosa,
E certa auréola que te fez divina!