Cita√ß√Ķes sobre Desabafo

7 resultados
Frases sobre desabafo, poemas sobre desabafo e outras cita√ß√Ķes sobre desabafo para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

As Melhores Coisas da Vida São à Borla

As melhores coisas da vida são à borla.

Vivemos em abund√Ęncia.

N√£o parece, pois h√° muito tempo que se d√° mais valor √† mat√©ria, aos bens que possu√≠mos e √†s contas que temos no banco do que √†quilo que verdadeiramente importa, mas √© um facto. A terra d√°-nos tudo. √Č t√£o generosa que mesmo ap√≥s tanta destrui√ß√£o continua a regenerar-se e a alimentar-nos a alma e o corpo. Os melhores alimentos v√™m do solo que pisamos. As praias encontram-se o ano todo no mesmo lugar. 0 mar e a areia n√£o desaparecem. Existem desde sempre e para sempre e est√£o √† tua disposi√ß√£o sempre que entenderes senti-los. As florestas, os bosques e os jardins, a mesma coisa. A ess√™ncia do verde, apesar de amarelar no outono e cair no inverno, mant√©m-se intacta, dispon√≠vel para a respirares e te entregares sempre que precisares de te curar. O vento sopra todos os dias. O sol intercala com a chuva para poderes sentir sempre algo novo quando vais √† janela ou sais √† rua. O c√©u est√° sempre estrelado ou cheio de formas para que possas agradecer ou dar asas √† tua criatividade. Mas h√° mais. Os nossos amigos s√£o de gra√ßa.

Continue lendo…

√Āgua

O líquido delgado e transparente
Com que o barro amassou o Autor sob’rano,
Da insigne construção do corpo humano,
Que temperas do home o fogo ardente!

Quando a chama se ateia em continente
Tu corres a sustar o nosso dano:
Tu desabafo és do mal tirano,
Que ataca o coração, soltando a enchente.

Quando tu pelos poros és filtrada,
√Āgua que o fogo aquece, a calma fica
Da m√°quina acendida, refrescada.

Porém, quando o suor gela na bica,
Quando o frio te torna condensada,
Nossa queda final se verifica.

Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria. Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão

A Desventura Máxima é a Solidão

A desventura m√°xima √© a solid√£o. √Č t√£o verdade que o reconforto supremo – a religi√£o – consiste em encontrar uma companhia que nunca falhe – Deus. A ora√ß√£o √© um desabafo, como com um amigo. A obra equivale √† ora√ß√£o, porque nos p√Ķe em contacto com os que dela tirar√£o proveito. O problema da vida √©, portanto, o seguinte: como romper a nossa solid√£o, como comunicar com os outros. Assim se explica a exist√™ncia do matrim√≥nio, da paternidade, das amizades. Mas que a felicidade resida nisto, balelas! Porque se deva estar melhor comunicando com os outros do que s√≥, √© estranho. √Č talvez apenas uma ilus√£o: a maior parte do tempo, estamos muit√≠ssimo bem s√≥s. √Č agrad√°vel ter, de tempos a tempos, um odre em que nos possamos despejar e, em seguida, bebermo-nos a n√≥s pr√≥prios: dado que pedimos aos outros apenas aquilo que j√° temos em n√≥s. √Č um mist√©rio o motivo por que n√£o basta perscrutar e beber em n√≥s pr√≥prios e seja preciso reavermo-nos por interm√©dio dos outros. (O sexo √© um incidente: o que recebemos √© moment√Ęneo e casual; pretendemos algo de mais secreto e misterioso de que o sexo √© apenas um sinal, um s√≠mbolo).

Continue lendo…

A Maravilha da Vida é Tudo Nela Ter Justificação

Desabafo dum amigo, que n√£o encontra justifica√ß√£o para o seu pecado mortal, que √© viver. Viver ao sol, gratuitamente, como um lagarto. Respondi-lhe que a maravilha da vida √© tudo nela ter justifica√ß√£o. √Č, da mais rasteira erva ao mais nojento bicho, n√£o haver presen√ßa no mundo que n√£o seja necess√°ria e insubstitu√≠vel. Que, do contr√°rio, era faltar na terra esta admir√°vel plurival√™ncia, que faz de uma tarde de sol, de trigo e de cigarras o mais assombroso espect√°culo que se pode ver. O medir depois a dist√Ęncia que vai da formiga ao le√£o, da urtiga ao castanheiro, de Nero a S. Francisco de Assis, √© uma casu√≠stica que n√£o tem nada que ver com a torrente de seiva que inunda o mundo de p√≥lo a p√≥lo.
Foi-se, e à tarde apareceu-me com um belo poema.

Embirração

(A Machado de Assis)

A balda alexandrina é poço imenso e fundo,
Onde poetas mil, flagelo deste mundo,
Patinham sem parar, chamando l√° por mim.
N√£o morrer√£o, se um verso, estiradinho assim,
Da beira for do poço, extenso como ele é,
Levar-lhes grosso anzol; então eu tenho fé
Que volte um afogado, à luz da mocidade,
A ver no mundo seco a seca realidade.

Por eles, e por mim, receio, caro amigo;
Permite o desabafo aqui, a sós contigo,
Que à moda fazer guerra, eu sei quanto é fatal;
Nem vence o positivo o frívolo ideal;
Despótica em seu mando, é sempre fátua e vã,
E até da vã loucura a moda é prima-irmã:
Mas quando venha o senso erguer-lhe os densos véus,
Do verso alexandrino h√° de livrar-nos Deus.

Deus quando abre ao poeta as portas desta vida,

Não lhe depara o gozo e a glória apetecida;
E o triste, se morreu, deixando mal escritas
Em verso alexandrino histórias infinitas,
Vai ter lá noutra vida insípido desterro,
Se Deus, por compaix√£o, n√£o d√° perd√£o ao erro;

Continue lendo…

Os Amigos Nunca S√£o para as Ocasi√Ķes

Os amigos nunca s√£o para as ocasi√Ķes. S√£o para sempre. A ideia utilit√°ria da amizade, como entreajuda, pronto-socorro m√ļtuo, troca de favores, dep√≥sito de confian√ßa, sociedade de desabafos, mete nojo. A amizade √© puro prazer. N√£o se pode contaminar com favores e ajudas, leia-se d√≠vidas. Pede-se, d√°-se, recebe-se, esquece-se e n√£o se fala mais nisso.

A decad√™ncia da amizade entre n√≥s deve-se √† instrumentaliza√ß√£o que tem vindo a sofrer. Transformou-se numa esp√©cie de ma√ßonaria, uma central de cunhas, palavrinhas, cumplicidades e compadrios. √Č por isso que as amizades se fazem e desfazem como se fossem la√ßos pol√≠ticos ou comerciais. Se algu√©m ¬ęfalta¬Ľ ou ¬ęn√£o corresponde¬Ľ, se n√£o cumpre as obriga√ß√Ķes contratuais, √© logo condenado como ¬ęmau¬Ľ amigo e sumariamente proscrito. Est√° tudo doido. S√≥ uma mis√©ria destas obriga a dizer o √≥bvio: os amigos s√£o as pessoas de que n√≥s gostamos e com quem estamos de vez em quando. Podemos nem sequer darmo-nos muito, ou bem, com elas. Ou gostar mais delas do que elas de n√≥s. N√£o interessa. A amizade √© um gosto ego√≠sta, ou inevitabilidade, o caminho de um cora√ß√£o em roda-livre.

Os amigos t√™m de ser in√ļteis. Isto √©, bastarem s√≥ por existir e,

Continue lendo…