Cita√ß√Ķes sobre Desenhos

39 resultados
Frases sobre desenhos, poemas sobre desenhos e outras cita√ß√Ķes sobre desenhos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

V – A Vida E O Barco

Andar e mais andar é a vida a bordo;
Mal estudo, e apenas eu vou lendo;
A noite com a m√ļsica entretendo;
Deito-me cedo, e mais cedo acordo.

Saudosíssimo a pátria eu recordo,
E, pra consolo versos lhe fazendo,
Desenho terras só aquela vendo,
E para n√£o chorar os l√°bios mordo.

Enfim h√° de chegar, eu bem o sei,
Que o Brasil eu reveja jubiloso;
E, se outrora eu servi-lo só pensei,

Muito mais forte e muito mais zeloso,
Para ainda mais servi-lo, voltarei
T√© que nele encontre o √ļltimo repouso.

Nem eu nem tu compreendemos o medo. Nunca consegui entender a razão por que, nos filmes e nos desenhos animados, está implícito o medo de fantasmas que apenas pairam e que, às vezes, fazem buu. Compreendo o susto, não compreendo o medo.

O Deus Mal Informado

No caminho onde pisou um deus
h√° tanto tenpo que o tempo n√£o lembra
resta o sonho dos pés
sem peso
sem desenho.

Quem passe ali, na fracção de segundo,
em deus se erige, insciente, deus faminto,
saudoso de existência.

Vai seguindo em demanda de seu rastro,
é um tremor radioso, uma opulência
de impossíveis, casulos do possível.

Mas a estrada se parte, se milparte,
a seta n√£o aponta
a destino algum, e o traço ausente
ao homem torna homem, novamente.

Se Te Pertenço

Se te pertenço, separo-me de mim.
Perco meu passo nos caminhos de terra
E de Dionísio sigo a carne, a ebriedade.
Se te pertenço perco a luz e o nome
E a nitidez do olhar de todos os começos:
O que me parecia um desenho no eterno
Se te pertenço é um acorde ilusório no silêncio.

E por isso, por perder o mundo
Separo-me de mim. Pelo Absurdo.

Lisboa √© a nitidez atrav√©s do ar. Lisboa √© a cor manchada dos muros. Lisboa √© o musgo novo a nascer sobre o musgo seco. Lisboa √© o desenho de fendas, como rel√Ęmpagos, a escorrerem pela superf√≠cie dos muros. Lisboa √© a imperfei√ß√£o criteriosa. Lisboa √© o c√©u reflectido.

Balada de Lisboa

Em cada esquina te vais
Em cada esquina te vejo
Esta é a cidade que tem
Teu nome escrito no cais
A cidade onde desenho
Teu rosto com sol e Tejo

Caravelas te levaram
Caravelas te perderam
Esta é a cidade onde chegas
Nas manhãs de tua ausência
T√£o perto de mim t√£o longe
T√£o fora de seres presente

Esta e a cidade onde est√°s
Como quem n√£o volta mais
T√£o dentro de mim t√£o que
Nunca ninguém por ninguém
Em cada dia regressas
Em cada dia te vais

Em cada rua me foges
Em cada rua te vejo
T√£o doente da viagem
Teu rosto de sol e Tejo
Esta é a cidade onde moras
Como quem est√° de passagem

Às vezes pergunto se
Às vezes pergunto quem
Esta é a cidade onde estás
Com quem nunca mais vem
T√£o longe de mim t√£o perto
Ninguém assim por ninguém

O Auto-Retrato

No retrato que me faço
– tra√ßo a tra√ßo –
às vezes me pinto nuvem,
√†s vezes me pinto √°rvore…

às vezes me pinto coisas
de que nem h√° mais lembran√ßa…
ou coisas que n√£o existem
mas que um dia existir√£o…

e, desta lida, em que busco
– pouco a pouco –
minha eterna semelhança,

no final, que restar√°?
Um desenho de crian√ßa…
Corrigido por um louco!

Largo do Espírito Santo

Nem mais, nem menos: tudo tal e qual
o sonho desmedido que mantinhas.
Só não sonharas estas andorinhas
que temos no beiral.

E moramos num largo… E o nome lindo
que o nosso largo tem!
Com isto não contáramos também.
(√Čramos dois sonhando e exigindo.)

Da nossa casa o Alentejo é verde.
√Č atirar os olhos: S√£o searas,
s√£o olivais, s√£o hortas… E pensaras
que haviam nossos olhos de ter sede!

E o p√£o da nossa mesa!… E o pucarinho
que nos d√° de beber!… E os mil desenhos
da nossa loiça: flores, peixes castanhos,
dois p√°ssaros cantando sobre um ninho…

E o nosso quarto? Agora podes dar-me
teu corpo sem receio ou amargura.
Olha como a Senhora da moldura
sorri à nossa alma e à nossa carne.

Em tudo, ó Companheira,
a nossa casa é bem a nossa casa.
Até nas flores. Até no azinho em brasa
que geme na lareira.

Deus quis. E nós ao sonho erguemos muros,
rasguei janelas eu e tu bordaste
as cortinas.

Continue lendo…

Apresentação

Aqui est√° minha vida ‚ÄĒ esta areia t√£o clara
com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui est√° minha voz ‚ÄĒ esta concha vazia,
sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui est√° minha dor ‚ÄĒ este coral quebrado,
sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui est√° minha heran√ßa ‚ÄĒ este mar solit√°rio,
que de um lado era amor e, do outro, esquecimento.

Gaivota

Se uma gaivota viesse
trazer-me o céu de Lisboa
no desenho que fizesse,
nesse céu onde o olhar
é uma asa que não voa,
esmorece e cai no mar.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua m√£o,
nessa m√£o onde cabia
perfeito o meu coração.

Se um português marinheiro,
dos sete mares andarilho,
fosse quem sabe o primeiro
a contar-me o que inventasse,
se um olhar de novo brilho
no meu olhar se enlaçasse.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua m√£o,
nessa m√£o onde cabia
perfeito o meu coração.

Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro.

Que perfeito coração
morreria no meu peito morreria,
meu amor na tua m√£o,
nessa m√£o onde perfeito
bateu o meu coração.

Inf√Ęncia

Uma seta pregada na memória.
Dava-se à vida força, à vida tudo.
Que era o amor nesse tempo? E nós dois
nos am√°vamos? Que importa hoje o que foi
hoje o caminho é andado.
Que forma hoje o que foi?
Forma um desenho vago
onde nós dois, nós dois
andamos desolados.
Que porta é que se foi?
Abria de que lado?
Decerto só no instante
em que nós não chorávamos.

E se fechou, agora.

E estamos separados.

A Vida não Está por Ordem Alfabética

A vida n√£o est√° por ordem alfab√©tica como h√° quem julgue. Surge… ora aqui, ora ali, como muito bem entende, s√£o miga¬≠lhas, o problema depois √© junt√°-las, √© esse montinho de areia, e este gr√£o que gr√£o sust√©m? Por vezes, aquele que est√° mesmo no cimo e parece sustentado por todo o montinho, √© precisamente esse que mant√©m unidos todos os outros, porque esse montinho n√£o obedece √†s leis da f√≠sica, retira o gr√£o que aparentemente n√£o sustentava nada e esboroa-se tudo, a areia desliza, espalma-se e resta-te apenas tra√ßar uns rabiscos com o dedo, contradan√ßas, caminhos que n√£o levam a lado nenhum, e continuas √† nora, insistes no vaiv√©m, que √© feito daquele aben√ßoado gr√£o que mantinha tudo ligado… at√© que um dia o dedo resolve parar, farto de tanta garatuja, deixaste na areia um tra√ßado estranho, um desenho sem jeito nem l√≥gica, e come√ßas a desconfiar que o sentido de tudo aquilo eram as garatujas.

Noite Apressada

Era uma noite apressada
depois de um dia t√£o lento.
Era uma rosa encarnada
aberta nesse momento.
Era uma boca fechada
sob a mordaça de um lenço.
Era afinal quase nada,
e tudo parecia imenso!

Imensa, a casa perdida
no meio do vendaval;
imensa, a linha da vida
no seu desenho mortal;
imensa, na despedida,
a certeza do final.

Era uma haste inclinada
sob o capricho do vento.
Era a minh’alma, dobrada,
dentro do teu pensamento.
Era uma igreja assaltada,
mas que cheirava a incenso.
Era afinal quase nada,
e tudo parecia imenso!

Imensa, a luz proibida
no centro da catedral;
imensa, a voz diluída
além do bem e do mal;
imensa, por toda a vida,
uma descrença total!

No ano passado, quando estava atravessando por uma crise, meu tio Benn (B. Crader, o famoso bot√Ęnico) mostrou-me um desenho humor√≠stico de Charles Addams.

Ver-te. Tocar-te

Ver-te. Tocar-te. Que fulgor de m√°scaras.
Que desenhos e rictus na tua cara
Como os frisos veementes dos tapetes antigos.
Que sombrio te tornas se repito
O sinuoso caminho que persigo: um desejo
Sem dono, um adorar-te vívidoo mas livre.
E que escura me faço se abocanhas de mim
Palavras e resíduos. Me vêm fomes
Agonias de grandes espessuras, embaçadas luas
Facas, tempestade. Ver-te. Tocar-te.
Cordura.
Crueldade.

Se o veneno, a paix√£o, o estupro, a punhalada N√£o bordaram ainda com desenhos finos A trama v√£ de nossos m√≠seros destinos, √Č que nossa alma arriscou pouco ou quase nada.

Vivência Limitada

A. impossibilidade de participar de todas as combina√ß√Ķes em desenvolvimento a qualquer instante numa grande cidade tem sido uma das dores de minha vida. Sofro como se sentisse em mim, como se houvesse em mim uma capacidade desmesurada de agir. Entretanto, na parte de a√ß√£o que a vida me reserva, muitas vezes me abstenho e outras me confundo. […] A ideia de que diariamente, a cada hora, a cada minuto e em cada lugar se realizam milhares de a√ß√Ķes que me teriam profundamente interessado, de que eu certamente deveria tomar conhecimento e que entretanto jamais me ser√£o comunicadas ‚ÄĒ basta para tirar o sabor a todas as perspectivas de a√ß√£o que encontro √† minha frente. O pouco que eu pudesse obter n√£o compensaria jamais esse infinito perdido. Nem me consola o pensamento de que, entrando na confronta√ß√£o simult√Ęnea de tantos acontecimentos, eu n√£o pudesse sequer registr√°-los, quanto mais dirigi-los √† minha maneira ou mesmo tomar de cada um o aspecto singular, o tom e o desenho pr√≥prios, uma por√ß√£o, m√≠nima que fosse, de sua peculiar subst√Ęncia.

A Cozinha do Escritor

Aquilo que eu mais amo na escrita √© o devaneio que a precede. A escrita em si, n√£o, n√£o √© muito agrad√°vel. Deve-se materializar o sonho na p√°gina, assim que se saia do devaneio. √Äs vezes penso, como √© que os outros fazem? Como esses outros autores que, como Flaubert o fazia no s√©culo XIX, escrevem e reescrevem, reformulam, reconstruem, e v√£o condensando a partir da primeira vers√£o at√© que n√£o reste finalmente quase nada na vers√£o final do livro? Isso soa-me muito assustador. Pessoalmente, contento-me em fazer as correc√ß√Ķes num primeiro esbo√ßo que se assemelha a um desenho que foi feito de uma vez s√≥. Estas correc√ß√Ķes s√£o numerosas e ligeiras, como uma acumula√ß√£o de actos de microcirurgia. Sim, √© preciso medidas dr√°sticas como faz um cirurgi√£o, ser frio o suficiente com o seu pr√≥prio texto de uma ponta √† outra, corrigindo, suprimindo, enfatizando. √Äs vezes basta riscar algumas palavras numa p√°gina para que tudo mude. Mas √© essa a cozinha do escritor, que √© suficientemente chato para os outros.

Ainda que te possa parecer estranha a comparação, os gestos, para mim, são mais do que gestos, são como desenhos feitos pelo corpo de um no corpo de outro.