Cita√ß√Ķes sobre Encantamento

32 resultados
Frases sobre encantamento, poemas sobre encantamento e outras cita√ß√Ķes sobre encantamento para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Quando se faz amor assim, de paixão total, fica-se longe das palavras. O encantamento é uma casa que tem o silêncio por tecto.

N√ļpcias Pag√£s

Bra√ßos dados, n√≥s dois, vamos sozinhos…
O teu olhar de encantamento espraias
pelas curvas e sombras dos caminhos
debruados de jasmins e samambaias

H√° queixumes de amor na alma dos ninhos
e as nuvens lembram dan√ßas de cambraias…
– na minha m√£o ansiosa de carinhos
tonta de amor, a tua m√£o, desmaias…

Andamos sobre painas… entre alfombras…
E à luz frouxa da tarde em desalento
misturam-se no ch√£o as nossas sombras

– Aqui… H√° rosas soltas, desfolhadas…
Nada receies, meu amor Рé o vento
em marcha nupcial pelas ramadas!

O que me move é a vocação divina da palavra, que não apenas nomeia mas que inventa e produz encantamento.

Viver!

Viver!… E o que √© a Vida?…
‚Äď Atento, escuto
A primitiva e alta profecia…
E a escut√°-la, a sonhar, vou resoluto,
Por caminhos de Amor, com alegria!
E vivo! E na minh’alma, a uma a uma,
Como num quebra mar de encantamentos,
Sinto as ondas bater, ‚Äď ondas de espuma,
…Evoca√ß√Ķes, memorias, sentimentos…

Amo! ‚Äď No meu Amor vivo a infinita,
A suprema Beleza, ‚Äď sou amado!…
E, pelo Sol que no meu peito habita,
Luto! Sinto o Futuro à nossa espera,
Vivo, na minha luta, o meu Amor!…
E sinto bem que a eterna Primavéra
A alcançaremos só por nossa Dor!
S√īfro! E no meu sofrer, nesta anciedade
Com que os meus olhos fitam o nascente,
Em devoção, em pranto, em claridade,
‚Äď Sonha o meu cora√ß√£o de combatente…

Sofrer, lutar, amar ‚Äď , vida completa,
Piedosa, humilde e s√≥ de Amor ungida ‚Äď
‚Äď Meu cora√ß√£o de amante e de Poeta
‚Äď Sente em si mesmo o cora√ß√£o da Vida!…
Sonho exaltado e puro, Amor t√£o grande,
Que me domina todo e me levanta
√Äs regi√Ķes em que o sentir se expande,

Continue lendo…

Todo o Presente Espera pelo Passado para nos Comover

H√° v√°ria gente que n√£o gosta de evocar o passado. Uns por energia, disciplina pr√°tica e arremesso. Outros por ideologia progressista, visto que todo o passado √© reaccion√°rio. Outros por superficialidade ou secura de pau. Outros por falta de tempo, que todo ele √© preciso para acudir ao presente e o que sobra, ao futuro. Como eu tenho pena deles todos. Porque o passado √© a ternura e a legenda, o absoluto e a m√ļsica, a irrealidade sem nada a acotovelar-nos. E um aceno doce de melancolia a fazer-nos sinais por sobre tudo. Tanta hora tenho gasto na simples evoca√ß√£o. Todo o presente espera pelo passado para nos comover. H√° a filtragem do tempo para purificar esse presente at√© √† fluidez imposs√≠vel, √† sublima√ß√£o do encantamento, √† incorrupt√≠vel verdade que nele se oculta e √© a sua √ļnica raz√£o de ser. O presente √© cheio de urg√™ncias mas ele que espere. Ha tanto que ser feliz na impossibilidade de ser feliz. Sobretudo quando ao futuro j√° se lhe toca com a m√£o. H√° tanto que ter vida ainda, quando j√° se a n√£o tem…

O homem domina a natureza n√£o pela for√ßa, mas pela compreens√£o. √Č por isto que a ci√™ncia teve sucesso onde a magia fracassou: porque ela n√£o buscou um encantamento para lan√ßar sobre a natureza

Meditação

Às vezes, quando a noite vem caindo,
Tranquilamente, sossegadamente,
Encosto-me à janela e vou seguindo
A curva melancólica do Poente.

N√£o quero a luz acesa. Na penumbra,
Pensa-se mais e pensa-se melhor.
A luz magoa os olhos e deslumbra,
E eu quero ver em mim, ó meu amor!

Para fazer exame de consciência
Quero silêncio, paz, recolhimento
Pois só assim, durante a tua ausência,
Consigo libertar o pensamento.

Procuro ent√£o aniquilar em mim,
A nefasta influência que domina
Os meus nervos cansados; mas por fim,
Reconheço que amar-te é minha sina.

Longe de ti atrevo-me a pensar
Nesse estranho rigor que me acorrenta:
E tenho a sensação do alto mar,
Numa noite selvagem de tormenta.

Tens no olhar magias de profeta
Que sabe ler no c√©u, no mar, nas brasas…
Adivinhas… Serei a borboleta
Que vendo a luz deixa queimar as asas.

No entanto ‚ÄĒ v√™ l√° tu!‚ÄĒ Eu n√£o lamento
Esta vontade que se imp√Ķe √† minha…
Nem me revolto… cedo ao encantamento…
‚ÄĒ Escrava que n√£o soube ser Rainha!

Continue lendo…

No Seu Tumulo

Sobre o seu frio berço sepulcral,
Meu espirito resa ajoelhado;
E sente-se perfeito e virginal
Na sua d√īr divina concentrado.

Caí, gotas de orvalho matinal!
Astros, caí do céu todo estrelado!
S√™cas fl√īres do z√©firo outomnal,
Vinde enfeitar-lhe o tumulo sagrado!

√ď luar da meia noite, encantamento
De sombra, vem cobri-lo! √ď doido Vento,
Dorme com ele, em paz religiosa…

Sobre ele, ó terra, sê brandura apenas;
Faze-te luz, toma o calor das pennas;
S√™ M√£e perfeita, b√īa e carinhosa.

Outonal

Caem as folhas mortas sobre o lago!
Na penumbra outonal, n√£o sei quem tece
As rendas do sil√™ncio…Olha, anoitece!
— Brumas long√≠nquas do Pa√≠s Vago…

Veludos a ondear…Mist√©rio mago…
Encantamento…A hora que n√£o esquece,
A luz que a pouco e pouco desfalece,
Que lan√ßa em mim a b√™n√ß√£o dum afago…

Outono dos crep√ļsculos doirados,
De p√ļrpuras, damascos e brocados!
— Vestes a Terra inteira de esplendor!

Outono das tardinhas silenciosas,
Das magníficas noites voluptuosas
Em que solu√ßo a delirar de amor…

Lucidez sem Ignor√Ęncia nem Sobranceria

Possivelmente n√£o √© sem raz√£o que atribu√≠mos √† ingenuidade e ignor√Ęncia a facilidade de crer e de se deixar persuadir: pois parece-me haver aprendido outrora que a cren√ßa era como uma impress√£o que se fazia na nossa alma; e, na medida em que esta se encontrava mais mole e com menor resist√™ncia, era mais f√°cil imprimir-lhe algo. Assim como, necessariamente, os pesos que nele colocamos fazem pender o prato da balan√ßa, assim a evid√™ncia arrasta a mente (C√≠cero). Quanto mais vazia e sem contrapeso est√° a alma, mais facilmente ela cede sob a carga da primeira persuas√£o. Eis porque as crian√ßas, o vulgo, (…) e os doentes est√£o mais sujeitos a ser conduzidos pelas orelhas (ou seja, pelo que ouvem). Mas tamb√©m, por outro lado, √© uma tola presun√ß√£o ir desdenhando e condenando como falso o que n√£o nos parece veross√≠mil; esse √© um v√≠cio habitual nos que pensam ter algum discernimento al√©m do comum. Outrora eu agia assim, e, se ouvia falar de esp√≠ritos que retornam, ou do progn√≥stico das coisas futuras, de encantamentos, de feiti√ßarias, ou contarem alguma outra hist√≥ria que eu n√£o conseguisse compreender, vinha-me compaix√£o pelo pobre povo logrado por essas loucuras. Mas actualmente acho que eu pr√≥prio era no m√≠nimo igualmente digno de pena;

Continue lendo…

Que Amor Sigo?

Que amor sigo? Que busco? Que desejo?
Que enleo é este vão da fantasia?
Que tive? Que perdi? Quem me queria?
Quem me faz guerra? Contra quem pelejo?

Foi por encantamento o meu desejo,
e por sombra passou minha alegria;
mostrou-me Amor, dormindo, o que n√£o via,
e eu ceguei do que vi, pois j√° n√£o vejo.

Fez à sua medida o pensamento
aquela estranha e nova fermosura
e aquele parecer quase divino.

Ou imaginação, sombra ou figura,
é certo e verdadeiro meu tormento:
Eu morro do que vi, do que imagino.

Adeus!

Adeus! para sempre adeus!
Vai-te, oh! vai-te, que nesta hora
Sinto a justiça dos céus
Esmagar-me a alma que chora.
Choro porque n√£o te amei,
Choro o amor que me tiveste;
O que eu perco, bem no sei,
Mas tu… tu nada perdeste;
Que este mau coração meu
Nos secretos escaninhos
Tem venenos t√£o daninhos
Que o seu poder só sei eu.

Oh! vai… para sempre adeus!
Vai, que há justiça nos céus.
Sinto gerar na peçonha
Do ulcerado coração
Essa víbora medonha
Que por seu fatal cond√£o
H√°-de rasg√°-lo ao nascer:
H√°-de sim, ser√°s vingada,
E o meu castigo h√°-de ser
Ci√ļme de ver-te amada,
Remorso de te perder.

Vai-te, oh! vai-te, longe, embora,
Que sou eu capaz agora
De te amar – Ai! se eu te amasse!
Vê se no árido pragal
Deste peito se ateasse
De amor o incêndio fatal!
Mais negro e feio no inferno
N√£o chameia o fogo eterno.
Que sim? Que antes isso? – Ai, triste!
N√£o sabes o que pediste.

Continue lendo…

Dorme Enquanto Eu Velo…

Dorme enquanto eu velo…
Deixa-me sonhar…
Nada em mim é risonho.
Quero-te para sonho,
N√£o para te amar.

A tua carne calma
√Č fria em meu querer.
Os meus desejos são cansaços.
Nem quero ter nos braços
Meu sonho do teu ser.

Dorme, dorme, dorme,
Vaga em teu sorrir…
Sonho-te t√£o atento
Que o sonho é encantamento
E eu sonho sem sentir.

Dizei, Senhora, Da Beleza Ideia:

Dizei, Senhora, da Beleza ideia:
para fazerdes esse √°ureo crino,
onde fostes buscar esse ouro fino?
de que escondida mina ou de que veia?

Dos vossos olhos essa luz Febeia,
esse respeito, de um império dino?
Se o alcançastes com saber divino,
se com encantamentos de Medeia?

De que escondidas conchas escolhestes
as perlas preciosas orientais
que, falando, mostrais no doce riso?

Pois vos formastes tal, como quisestes,
vigiai-vos de vós, não vos vejais,
fugi das fontes: lembre-vos Narciso.

As Etapas da Nossa Vida

Consoante percorremos cada etapa na nossa vida, reconhecendo-a como mais uma que ficou para trás de nós, a próxima etapa depara-se logo à nossa frente. Quando tivermos aprendido tudo, lentamente vamos percebendo as coisas. E enquanto vamos percebendo tudo gradualmente, não ficamos parados, já estamos a atender às necessidades das próximas etapas: vivemos, agimos, movemo-nos, vamos preenchendo os requisitos para cumprir as exigências da próxima etapa do nosso desenvolvimento. Se, por outro lado, não houve um plano, nenhum encantamento gradual, se todo o conhecimento cai em cima de uma pessoa de uma vez só, é possível que nem o seu cérebro nem o seu coração o possa suportar.

O Que Procuro na Literatura

Que √© que eu procuro na literatura? Que √© que me arrasta para este combate intermin√°vel e sempre votado ao fracasso? Como √© imbecil pensar-se que se escreve para se ¬ęter nome¬Ľ e as vantagens que nisso v√™m. Espera-se decerto sempre fazer melhor, mas s√≥ porque sempre se falhou. Assim se sabe tamb√©m que se vai falhar de novo. N√£o se escreve para ningu√©m, o problema decide-se apenas entre n√≥s e n√≥s. Mas h√° um lugar inating√≠vel e cada nova tentativa √© uma tentativa para o alcan√ßar.
O desejo que nos anima é o de fixar, segurar pela palavra o que entrevemos e se nos furta. Julgamos às vezes que o atingimos, mas logo se sabe que não. Miragem perene de uma presença luminosa, de um absoluto de estarmos inundados dessa evidência, encantamento que nos deslumbra no instante e nesse instante se dissolve.
O que me arrasta nesta luta sem fim é o aceno de uma plenitude de ser, a integração perfeita do que sou no milagre que me entreluz, a transfiguração de mim e do mundo no que fulgura e vai morrer.
Recaído de cada vez no mais baixo, na grossa naturalidade de que sou feito,

Continue lendo…

O escritor n√£o √© apenas aquele que escreve. √Č aquele que produz pensamento, aquele que √© capaz de engravidar os outros de sentimento e de encantamento.

Soneto do Cativo

Se √© sem d√ļvida Amor esta explos√£o
de tantas sensa√ß√Ķes contradit√≥rias;
a sórdida mistura das memórias,
tão longe da verdade e da invenção;

o espelho deformante; a profus√£o
de frases insensatas, incensórias;
a c√ļmplice partilha nas hist√≥rias
do que os outros dir√£o ou n√£o dir√£o;

se √© sem d√ļvida Amor a cobardia
de buscar nos lençóis a mais sombria
raz√£o de encantamento e de desprezo;

n√£o h√° d√ļvida, Amor, que te n√£o fujo
e que, por ti, t√£o cego, surdo e sujo,
tenho vivido eternamente preso!