Passagens sobre Instrução

43 resultados
Frases sobre instru√ß√£o, poemas sobre instru√ß√£o e outras passagens sobre instru√ß√£o para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A todo instante e a toda hora vinha aquele ‚ÄĒ ‘porque, quando voc√™ se casar…’ ‚ÄĒ a menina foi se convencendo de que toda a exist√™ncia s√≥ tendia para o casamento. A instru√ß√£o, as satisfa√ß√Ķes √≠ntimas, a alegria, tudo isso era in√ļtil; a vida se resumia numa coisa: casar.

A Infelicidade da Juventude

O que faz da juventude um período infeliz é a caça à felicidade, na firme pressuposição de que ela tem de ser encontrada na existência. Disso resulta a esperança sempre malograda e, desta, o descontentamento. Imagens enganosas de uma vaga felicidade onírica pairam perante nós revestidas de formas caprichosamente escolhidas, fazendo-nos procurar em vão o seu original. Por isso, nos anos da juventude, estamos quase sempre descontentes com a nossa situação e o nosso ambiente, não importando quais sejam; porque lhes atribuímos o que na verdade pertence, em toda a parte, à vacuidade e à indigência da vida humana, com as quais só então travamos o primeiro conhecimento, após termos esperado coisas bem diversas. Ganhar-se-ia bastante se, pela instrução em tempo apropriado, fosse erradicada nos jovens a ilusão de que há muito a encontrar no mundo. Porém, é o contrário que acontece: na maioria das vezes, conhecemos a vida primeiro pela poesia, e depois pela realidade.
Na aurora da nossa juventude, as cenas descritas pela poesia resplandecem diante dos nossos olhos, e o anelo atormenta-nos para vê-las realizadas, a tocar o arco-íris. O jovem espera que o curso da sua vida se dê na forma de um romance interessante.

Continue lendo…

M√°ximas do Nosso Saber

O que sabemos, sabemo-lo afinal apenas para n√≥s mesmos. Se falo com algu√©m daquilo que julgo saber, acontece que imediatamente ele sup√Ķe saber o assunto melhor que eu, e sou obrigado a regressar a mim mesmo com o meu saber. O que sei bem, sei-o apenas para mim. Uma palavra pronunciada por outro raramente constitui um est√≠mulo. Na maior parte das vezes suscita contradi√ß√£o, paralisia ou indiferen√ßa.
Instruamo-nos primeiro a n√≥s pr√≥prios e seremos depois capazes de receber instru√ß√Ķes dos outros.
Em boa verdade aprendemos sempre em livros que n√£o somos capazes de avaliar. O autor de um livro que f√īssemos capazes de avaliar teria que aprender connosco.
Muitos h√° que t√™m orgulho no que sabem. Face ao que n√£o sabem costumam ser arrogantes. No fundo s√≥ se sabe quando se sabe pouco. √Ä medida que cresce o saber, crece igualmente a d√ļvida.

O respeito pelo passado Рeis o traço que distingue a instrução da barbárie; as tribos nómadas não possuem nem história, nem nobreza.

Quando observamos a quantidade e a variedade dos estabelecimentos de ensino e de aprendizado, assim como o grande n√ļmero de alunos e professores, √© poss√≠vel acreditar que a esp√©cie humana d√° muita import√Ęncia √† instru√ß√£o e √† verdade.

Deviam parar com a demagogia sobre as massas. As massas s√£o rudes, sem prepara√ß√£o, ignorantes, perniciosas em suas reivindica√ß√Ķes e influ√™ncias. N√£o precisam de lisonjas mas de instru√ß√£o.

A instrução é um esforço admirável. Mas as coisas mais importantes da vida não se aprendem, encontram-se.

A instrução não previne desperdício de tempo ou erros; e os erros por si próprios são geralmente os melhores professores de todos.

Um Século de Discursos sem Resultados

O eterno ¬ędeficit¬Ľ; o mist√©rio tenebroso das contas e da d√≠vida p√ļblica; o espectro da bancarrota; a quebra da moeda; o ¬ędeficit¬Ľ da balan√ßa comercial; a insufici√™ncia econ√≥mica; a mis√©ria agr√≠cola; a irriga√ß√£o do Alentejo; o repovoamento florestal; as estradas; os portos; o analfabetismo; o abandono das popula√ß√Ķes rurais; a pesca; a marinha mercante ; a administra√ß√£o colonial; a instru√ß√£o e rearmamento do Ex√©rcito; a reconstru√ß√£o da marinha de guerra; a viciosa educa√ß√£o da gente portuguesa; a emigra√ß√£o; o quadro das nossas rela√ß√Ķes internacionais; a quest√£o religiosa ‚ÄĒ tudo isto absorveu literalmente um s√©culo de discursos, toneladas de artigos e n√£o deu um passo, salvo sempre o respeito pelos esfor√ßos honestos e realiza√ß√Ķes parciais √ļteis, entre as quais se destacam o fomento das comunica√ß√Ķes e a ocupa√ß√£o colonial.

Emiss√°rio de um Rei Desconhecido

Emiss√°rio de um rei desconhecido,
Eu cumpro informes instru√ß√Ķes de al√©m,
E as bruscas frases que aos meus lábios vêm
Soam-me a um outro e an√īmalo sentido…

Inconscientemente me divido
Entre mim e a miss√£o que o meu ser tem,
E a glória do meu Rei dá-me desdém
Por este humano povo entre quem lido…

N√£o sei se existe o Rei que me mandou.
Minha miss√£o ser√° eu a esquecer,
Meu orgulho o deserto em que em mim estou…

Mas h√°! Eu sinto-me altas tradi√ß√Ķes
De antes de tempo e espa√ßo e vida e ser…
J√° viram Deus as minhas sensa√ß√Ķes…

As Nossas Verdades

A aprendizagem transforma-nos, faz o mesmo que toda a alimenta√ß√£o que tamb√©m n√£o ¬ęconserva¬Ľ apenas -: como sabe o fisi√≥logo. Mas no fundo de n√≥s mesmos, muito ¬ęl√° no fundo¬Ľ, h√°, na verdade, qualquer coisa rebelde a toda a instru√ß√£o, um granito de fatum espiritual, de decis√Ķes predestinadas e de resposta a perguntas escolhidas e pr√©-formuladas. A cada problema fundamental ouve-se inevitavelmente dizer ¬ęisso sou eu¬Ľ; por exemplo, a respeito do homem e da mulher, um pensador n√£o pode aprender nada de novo mas apenas aprender at√© ao fim, – prosseguir at√© ao fim na descoberta do que, para ele, era ¬ęcoisa assente¬Ľ a esse respeito. Encontram-se por vezes certas solu√ß√Ķes de problemas que alimentam precisamente a nossa grande f√©; talvez de ora em diante lhes chamemos as nossas ¬ęconvic√ß√Ķes¬Ľ.

Mais tarde – s√≥ se ver√°, nessas convic√ß√Ķes, pegadas que conduzem ao autoconhecimento, indicadores que conduzem ao problema que n√≥s somos, – ou mais exactamente, √† grande estupidez que somos, ao nosso fatum espiritual, ao incorrig√≠vel, que se encontra totalmente ¬ęl√° no fundo¬Ľ. – Depois dessa atitude simp√°tica que acabo de assumir em rela√ß√£o a mim pr√≥prio, talvez me seja mais facilmente permitido dizer francamente algumas verdades sobre ¬ęa mulher em si¬Ľ: uma vez que agora j√° se sabe de antem√£o que s√£o apenas –

Continue lendo…

Fatos empíricos:
Um: Todos nós somos capazes de sentir amor por outros seres humanos.
Dois: Impomos limita√ß√Ķes a esse amor.
Tr√™s: Podemos transcender a todas essas limita√ß√Ķes – se nos aprouver. (√Č uma quest√£o de observa√ß√£o que, quem quer que o deseje, poder√° vencer a repugn√Ęncia pessoal, o sentimento de classe, o √≥dio nacional, o preconceito de cor. N√£o √© coisa f√°cil; mas podemos conseguir, se tivermos vontade e soubermos p√īr em pr√°tica as nossas boas inten√ß√Ķes.)
Quatro: Amor que se manifesta em bom tratamento cria amor. √ďdio que se manifesta em mau tratamento cria √≥dio.
√Ä luz desses fatos √© √≥bvio quais deveriam ser os comportamentos pol√≠ticos entre pessoas, entre classes, entre na√ß√Ķes. Mas, ainda uma vez, o saber n√£o basta. Saber, todos n√≥s sabemos; onde quase todos n√≥s fracassamos √© em fazer. E a quest√£o est√°, habitualmente, em achar os melhores m√©todos de dar cumprimento √†s inten√ß√Ķes. Entre outras coisas, a propaganda da paz deve consistir numa s√©rie de instru√ß√Ķes para a arte de modificar o car√°ter.

A Tirania Individual e a Tirania Colectiva

As diverg√™ncias de opini√£o n√£o resultam, como por vezes supomos, das desigualdades de instru√ß√£o daqueles que as manifestam. Elas notam-se, com efeito, em indiv√≠duos dotados de intelig√™ncia e de instru√ß√£o equivalentes. Disso se convencer√° quem percorrer as respostas aos grandes inqu√©ritos colectivos destinados a elucidar certas quest√Ķes bem definidas.
Entre os in√ļmeros exemplos fornecidos pela leitura das suas actas, mencionarei apenas um, muito t√≠pico, publicado nos Anais de Psicologia do sr. Binet. Querendo informar-se quanto aos efeitos da redu√ß√£o do programa de hist√≥ria da filosofia nos liceus, enviou um question√°rio a todos os professores incumbidos desse ensino. As respostas foram nitidamente contradit√≥rias, pois uns declaravam desastroso o que os outros julgavam excelente. ¬ęN√£o se compreende¬Ľ, conclui o Sr. Binet com melancolia, ¬ęque uma reforma que consterna um professor, pare√ßa excelente a um dos seus colegas. Que li√ß√£o para eles sobre a relatividade das opini√Ķes humanas, mesmo entre pessoas competentes!¬Ľ.
Contradi√ß√Ķes da mesma esp√©cie invariavelmente se manifestaram em todos os assuntos e em todos os tempos. Para chegar √† ac√ß√£o, o homem teve, entretanto, de escolher entre essas opini√Ķes contr√°rias. Como operar tal escolha, sendo a raz√£o muito fraca para a determinar?
Somente dois m√©todos foram descobertos at√© hoje: aceitar a opini√£o da maioria ou a de um √ļnico,

Continue lendo…

Escrever é Triste

Escrever é triste. Impede a conjugação de tantos outros verbos. Os dedos sobre o teclado, as letras se reunindo com maior ou menor velocidade, mas com igual indiferença pelo que vão dizendo, enquanto lá fora a vida estoura não só em bombas como também em dádivas de toda natureza, inclusive a simples claridade da hora, vedada a você, que está de olho na maquininha. O mundo deixa de ser realidade quente para se reduzir a marginália, puré de palavras, reflexos no espelho (infiel) do dicionário.
O que voc√™ perde em viver, escrevinhando sobre a vida. N√£o apenas o sol, mas tudo que ele ilumina. Tudo que se faz sem voc√™, porque com voc√™ n√£o √© poss√≠vel contar. Voc√™ esperando que os outros vivam, para depois coment√°-los com a maior cara-de-pau (“com isen√ß√£o de largo espectro”, como diria a bula, se seus escritos fossem produtos medicinais). Selecionando os retalhos de vida dos outros, para objeto de sua divaga√ß√£o descompromissada. Sereno. Superior. Divino. Sim, como se fosse deus, rei propriet√°rio do universo, que escolhe para o seu jantar de not√≠cias um terremoto, uma revolu√ß√£o, um adult√©rio grego ‚ÄĒ √†s vezes nem isso, porque no painel imenso voc√™ escolhe s√≥ um besouro em campanha para verrumar a madeira.

Continue lendo…