Cita√ß√Ķes sobre Palpita√ß√£o

9 resultados
Frases sobre palpita√ß√£o, poemas sobre palpita√ß√£o e outras cita√ß√Ķes sobre palpita√ß√£o para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Encarnação

Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais, sejam carnais tantos anseios,
Palpita√ß√Ķes e fr√™mitos e enleios,
Das harpas da emo√ß√£o tantos arpejos…

Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
A noite, ao luar, intumescer os seios
L√°cteos, de finos e azulados veios
De virgindade, de pudor, de pejos…

Sejam carnais todos os sonhos brumos
De estranhos, vagos, estrelados rumos
Onde as Vis√Ķes do amor dormem geladas…

Sonhos, palpita√ß√Ķes, desejos e √Ęnsias
Formem, com claridades e fragr√Ęncias,
A encarnação das lívidas Amadas!

Príncipe

Príncipe:
Era de noite quando eu bati à tua porta
e na escurid√£o da tua casa tu vieste abrir
e n√£o me conheceste.
Era de noite
s√£o mil e umas
as noites em que bato à tua porta
e tu vens abrir
e n√£o me reconheces
porque eu jamais bato à tua porta.
Contudo
quando eu batia à tua porta
e tu vieste abrir
os teus olhos de repente
viram-me
pela primeira vez
como sempre de cada vez é a primeira
a derradeira
inst√Ęncia do momento de eu surgir
e tu veres-me.
Era de noite quando eu bati à tua porta
e tu vieste abrir
e viste-me
como um n√°ufrago sussurrando qualquer coisa
que ninguém compreendeu.
Mas era de noite
e por isso
tu soubeste que era eu
e vieste abrir-te
na escurid√£o da tua casa.
Ah era de noite
e de s√ļbito tudo era apenas
lábios pálpebras intumescências
cobrindo o corpo de flutuantes volteios
de palpita√ß√Ķes tr√©mulas adejando pelo rosto.
Beijava os teus olhos por dentro
beijava os teus olhos pensados
beijava-te pensando
e estendia a m√£o sobre o meu pensamento
corria para ti
minha praia jamais alcançada
impossibilidade desejada
de apenas poder pensar-te.

Continue lendo…

Purinha

O Espirito, a Nuvem, a Sombra, a Chymera,
Que (aonde ainda n√£o sei) neste mundo me espera
Aquella que, um dia, mais leve que a bruma,
Toda cheia de véus, como uma Espuma,
O Sr. Padre me dar√° p’ra mim
E a seus pés me dirá, toda corada: Sim!
Ha-de ser alta como a Torre de David,
Magrinha como um choupo onde se enlaça a vide
E seu cabello em cachos, cachos d’uvas,
E negro como a capa das viuvas…
(√Ā maneira o trar√° das virgens de Belem
Que a Nossa Senhora ficava t√£o bem!)
E ser√° uma espada a sua m√£o,
E branca como a neve do Mar√£o,
E seus dedos ser√£o como punhaes,
Fuzos de prata onde fiarei meus ais!
E os seus seios ser√£o como dois ninhos,
E seus sonhos ser√£o os passarinhos,
E ser√° sua bocca uma rom√£,
Seus olhos duas Estrellinhas da Manh√£!
Seu corpo ligeiro, t√£o leve, t√£o leve,
Como um sonho, como a neve,
Que hei-de suppor estar a ver, ao vel-a,
Cabrinhas montezas da Serra da Estrella…
E ha-de ser natural como as hervas dos montes
E as rolas das serras e as agoas das fontes…

Continue lendo…

Os Pastores

Guardavam certos pastores
seus rebanhos, ao relento,
sobre os céus consoladores
pondo a vista e o pensamento.

Quando viram que descia,
cheio de glória fulgente,
um anjo do céu do Oriente,
que era mais claro que o dia.

Jamais os cegara assim
luz do meio-dia ou manh√£.
Dir-se-ia o audaz Serafim,
que um dia venceu Sat√£.

Cheios de assombro e terror,
rolaram na erva rasteira.
‚Äď Mas ele, com voz fagueira,
lhes diz, com suave amor:

¬ęErguei-vos, simples, da√≠,
humildes peitos da aldeia!
Nasceu o vosso Rabi,
que √© Cristo ‚Äď na Galileia!

Num berço, o filho real,
n√£o o vereis reclinado.
Vê-lo-eis pobre e enfaixado,
sobre as palhas de um curral!

Segui dos astros a esteira.
Levai pombas, ramos, palmas,
ao que traz uma joeira
das estrelas e das almas!¬Ľ

Foi-se o anjo: e nas neblinas,
ent√£o celestes legi√Ķes
soltam m√≠sticas can√ß√Ķes,
sobre violas divinas.

Erguem-se, enfim, os pastores
e vão caminhos dalém,
com palmas, rolas, e flores,

Continue lendo…

√öltima P√°gina

Primavera. Um sorriso aberto em tudo. Os ramos
Numa palpitação de flores e de ninhos.
Doirava o sol de outubro a areia dos caminhos
(Lembras-te, Rosa?) e ao sol de outubro nos amamos.

Verão. (Lembras-te Dulce?) À beira-mar, sozinhos,
Tentou-nos o pecado: olhaste-me… e pecamos;
E o outono desfolhava os roseirais vizinhos,
√ď Laura, a vez primeira em que nos abra√ßamos…

Veio o inverno. Porém, sentada em meus joelhos,
Nua, presos aos meus os teus l√°bios vermelhos,
(Lembras-te, Branca?) ardia a tua carne em flor…

Carne, que queres mais? Coração, que mais queres?
Passas as esta√ß√Ķes e passam as mulheres…
E eu tenho amado tanto! e não conheço o Amor!

Sacrilégio

Como a alma pura, que teu corpo encerra,
Podes, t√£o bela e sensual, conter?
Pura demais para viver na terra,
Bela demais para no céu viver.

Amo-te assim! – exulta, meu desejo!
√Č teu grande ideal que te aparece,
Oferecendo loucamente o beijo,
E castamente murmurando a prece!

Amo-te assim, à fronte conservando
A parra e o acanto, sob o alvor do véu,
E para a terra os olhos abaixando,
E levantando os braços para o céu.

Ainda quando, abraçados, nos enleva
O amor em que me abraso e em que te abrasas,
Vejo o teu resplandor arder na treva
E ouço a palpitação das tuas asas.

Em v√£o sorrindo, pl√°cidos, brilhantes,
Os céus se estendem pelo teu olhar,
E, dentro dele, os serafins errantes
Passam nos raios claros do luar:

Em v√£o! – descerras √ļmidos, e cheios
De promessas, os l√°bios sensuais,
E, à flor do peito, empinam-se-te os seios,
Ameaçadores como dois punhais.

Como é cheirosa a tua carne ardente!
Toco-a, e sinto-a ofegar, ansiosa e louca.

Continue lendo…

N√£o Julgues Segundo a Soma

N√£o h√°s-de julgar segundo a soma. Vens-me dizer que n√£o h√° nada a esperar daqueles acol√°. S√£o grosseria, gosto do lucro, ego√≠smo, aus√™ncia de coragem, fealdade. Mas se me podes falar assim das pedras, as quais s√£o rudeza, peso morno e espessura, j√° o n√£o podes daquilo que tiras das pedras: est√°tua ou templo. Quase nunca vi o ser comportar-se como o teriam feito prever as suas partes. Se pegares em vizinhos √† parte, vir√°s a concluir que cada um deles odeia a guerra e n√£o est√° disposto a abandonar o lar, porque ama os filhos e a esposa e as refei√ß√Ķes de anivers√°rio; nem a derramar o sangue, porque √© bom, d√° de comer ao c√£o e faz car√≠cias ao burro, nem a roubar outrem, pois tu bem v√™s que ele apenas preza a sua pr√≥pria casa e puxa o lustro √†s suas madeiras e manda pintar as paredes e perfuma o jardim de flores.
E dir-me-√°s: ¬ęEles representam no mundo o amor √† paz…¬Ľ No entanto, o imp√©rio deles n√£o passa de uma grande terrina onde se vai cozendo a guerra. E a bondade deles e a do√ßura deles pelo animal ferido e a emo√ß√£o deles √† vista de flores n√£o passam de ingrediente de uma magia que prepara o tilintar das armas,

Continue lendo…

A Única Crítica é a Gargalhada

A √ļnica cr√≠tica √© a gargalhada! N√≥s bem o sabemos: a gargalhada nem √© um racioc√≠nio, nem um sentimento; n√£o cria nada, destr√≥i tudo, n√£o responde por coisa alguma. E no entanto √© o √ļnico coment√°rio do mundo pol√≠tico em Portugal. Um Governo decreta? gargalhada. Reprime? gargalhada. Cai? gargalhada. E sempre esta pol√≠tica, liberal ou opressiva, ter√° em redor dela, sobre ela, envolvendo-a como a palpita√ß√£o de asas de uma ave monstruosa, sempre, perpetuamente, vibrante, e cruel ‚Äď a gargalhada! Pol√≠tica querida, s√™ o que quiseres, toma todas as atitudes, pensa, ensina, discute, oprime ‚Äď n√≥s riremos. A tua atmosfera √© de chala√ßa.

Sofria palpitação e tonteira, lembro dela caindo na beira do tanque, o vulto dobrado em arco, gente afobada em volta, cheiro de alcanfor.