Cita√ß√Ķes sobre Part√≠culas

7 resultados
Frases sobre part√≠culas, poemas sobre part√≠culas e outras cita√ß√Ķes sobre part√≠culas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Sem outra Palavra para Mantimento

Sem outra palavra para mantimento
Sem outra força onde gerar a voz
Escada entre o poço que cavaste em mim e a sede
Que cavaste no meu canto, amo-te
Sou cítara para tocar as tuas mãos.
Podes dizer-me de um f√īlego
Frase em silêncio
Homem que visitas
√ď seiva aspergindo as part√≠culas do fogo
O lume em toda a casa e na paisagem
Fora da casa
Pedra do edifício aonde encontro
A porta para entrar
Candelabro que me vens cegando.
Sol
Que quando és nocturno ando
Com a noite em minhas m√£os para ter luz.

O Que H√° de Mais Belo na Nossa Vida

O que h√° de mais belo na nossa vida √© o sentimento do mist√©rio. √Č este o sentimento fundamental que se det√©m junto ao ber√ßo da verdadeira arte e da ci√™ncia. Quem nunca o experimentou nem sabe j√° admirar-se ou espantar-se. Pode considerar-se como morto, sem luz, totalmente cego! A viv√™ncia do mist√©rio ‚ÄĒ embora com laivos de temor ‚ÄĒ criou tamb√©m a religi√£o. A consci√™ncia da exist√™ncia de tudo quanto para n√≥s √© impenetr√°vel, de tudo quanto √© manifesta√ß√£o da mais profunda raz√£o e da mais deslumbrante beleza e, que s√≥ √© acess√≠vel √† nossa raz√£o nas suas formas mais primitivas, essa consci√™ncia, esse sentimento, constituem a verdadeira religiosidade. Nesse sentido, e em mais nenhum, perten√ßo √† classe dos homens profundamente religiosos. N√£o posso conceber um Deus que recompense e castigue os objectos da sua cria√ß√£o, ou que tenha vontade pr√≥pria, de puro arb√≠trio no g√©nero da que n√≥s sentimos dentro de n√≥s. Nem t√£o-pouco consigo imaginar um indiv√≠duo que sobreviva √† sua morte corporal; as almas fracas que alimentem tais pensamentos fazem-no por medo ou por ego√≠smo rid√≠culo. A mim basta-me o mist√©rio da eternidade da vida, a consci√™ncia e o pressentimento da admir√°vel elabora√ß√£o do ser, assim como o humilde esfor√ßo para compreender uma part√≠cula,

Continue lendo…

Grande coisa √© haver recebido do c√©u uma part√≠cula da sabedoria, o dom de achar as rela√ß√Ķes das coisas, a faculdade de as comparar e o talento de concluir!

O Presente n√£o Existe

Não é extraordinário pensar que dos três tempos em que dividimos o tempo Рo passado, o presente e o futuro -, o mais difícil, o mais inapreensível, seja o presente? O presente é tão incompreensível como o ponto, pois, se o imaginarmos em extensão, não existe; temos que imaginar que o presente aparente viria a ser um pouco o passado e um pouco o futuro. Ou seja, sentimos a passagem do tempo. Quando me refiro à passagem do tempo, falo de uma coisa que todos nós sentimos. Se falo do presente, pelo contrário, estarei falando de uma entidade abstracta. O presente não é um dado imediato da consciência.
Sentimo-nos deslizar pelo tempo, isto √©, podemos pensar que passamos do futuro para o passado, ou do passado para o futuro, mas n√£o h√° um momento em que possamos dizer ao tempo: ¬ęDet√©m-te! √Čs t√£o belo…!¬Ľ, como dizia Goethe. O presente n√£o se det√©m. N√£o poder√≠amos imaginar um presente puro; seria nulo. O presente cont√©m sempre uma part√≠cula de passado e uma part√≠cula de futuro, e parece que isso √© necess√°rio ao tempo.

O Homem n√£o Foge da Dor

Não é verdade que o homem procure o prazer e fuja da dor. São de tomar em conta os preconceitos contra os quais invisto. O prazer e a dor são consequências, fenómenos concomitantes. O que o homem quer, o que a menor partícula de um organismo vivo quer, é o aumento de poder: é em consequência do esforço em consegui-lo que o prazer e a dor se efectivam; é por causa dessa mesma vontade que a resistência a ela é procurada, o que indica a busca de alguma coisa que manifeste oposição.
A dor, sendo entrave √† vontade de poder do homem, √© portanto um acontecimento normal – a componente normal de qualquer fen√≥meno org√Ęnico. E o homem n√£o procura evit√°-la, pois tem necessidade dela, j√° que qualquer vit√≥ria implica uma resist√™ncia vencida.
Tome-se como exemplo o mais simples dos casos, o da nutrição de um organismo primário; quando o protoplasma estende os pseudópodes para encontrar resistências, não é impulsionado pela fome, mas pela vontade de poder; acima de tudo, ele intenta vencer, apropriar-se do vencido, incorporá-lo a si. O que se designa por nutrição é pois um fenómeno consecutivo, uma aplicação da vontade original de devir mais forte.

Continue lendo…

Decadência

Iguais às linhas perpendiculares
Caíram, como cruéis e hórridas hastas,
Nas suas 33 vértebras gastas
Quase todas as pedras tumulares!

A frialdade dos círculos polares,
Em sucessivas atua√ß√Ķes nefastas,
Penetrara-lhe os próprios neuroplastas,
Estragara-lhe os centros medulares!

Como quem quebra o objeto mais querido
E começa a apanhar piedosamente
Todas as microscópicas partículas,

Ele hoje vê que, após tudo perdido,
S√≥ lhe restam agora o √ļltimo dente
E a armação funerária das clavículas!

Mostro a todos vós o mundo pleno de vida, onde toda partícula de Pó exala o alento de sua alegria