Cita√ß√Ķes sobre Capitalismo

30 resultados
Frases sobre capitalismo, poemas sobre capitalismo e outras cita√ß√Ķes sobre capitalismo para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Desejo de Discutir

Se as discuss√Ķes pol√≠ticas se tornam facilmente in√ļteis, √© porque quando se fala de um pa√≠s se pensa tanto no seu governo como na sua popula√ß√£o, tanto no Estado como na no√ß√£o de Estado enquanto tal. Pois o Estado como no√ß√£o √© uma coisa diferente da popula√ß√£o que o comp√Ķe, igualmente diferente do governo que o dirige. √Č qualquer coisa a meio caminho entre o f√≠sico e o metaf√≠sico, entre a realidade e a ideia.
√ą a esse g√©nero de estirilidade que est√£o geralmente condenadas, tal como acontece com as discuss√Ķes pol√≠ticas, as que incidem sobre a religi√£o, pois a religi√£o pode ser sin√≥nima de dogmas, ou de ritual, ou referir-se a posi√ß√Ķes pessoais do indiv√≠duo sobre quest√Ķes ditas eternas, o infinito e a eternidade, problemas do livre arb√≠trio e da responsabilidade ou, como se diz tamb√©m: Deus.
E o mesmo acontece com as discuss√Ķes que t√™m a ver com a maior parte dos assuntos abstractos, sobretudo a √©tica e os temas filos√≥ficos, mas tamb√©m com campos de an√°lise mais restritos, incidindo sobre os problemas mais imediatos, como por exemplo o socialismo, o capitalismo, a aristocracia, a democracia, etc…, em que as no√ß√Ķes s√£o tomadas tanto no sentido amplo como no restrito,

Continue lendo…

A nossa escolha n√£o tem por que ser feita entre socialismos que foram pervertidos e capitalismos perversos de origem, mas entre a humanidade que o socialismo pode ser e a inumanidade que o capitalismo sempre foi.

A Essência do Fanatismo

A ess√™ncia do fanatismo consiste em considerar determinado problema como t√£o importante que ultrapasse qualquer outro. Os bizantinos, nos dias que precederam a conquista turca, entendiam ser mais importante evitar o uso do p√£o √°zimo na comunh√£o do que salvar Constantinopla para a cristandade. Muitos habitantes da pen√≠nsula indiana est√£o dispostos a precipitar o seu pa√≠s na ru√≠na por divergirem numa quest√£o importante: saber se o pecado mais detest√°vel consiste em comer carne de porco ou de vaca. Os reaccion√°rios amercianos prefiririam perder a pr√≥xima guerra do que empregar nas investiga√ß√Ķes at√≥micas qualquer indiv√≠duo cujo primo em segundo grau tivesse encontrado um comunista nalguma regi√£o. Durante a Primeira Guerra Mundial, os escoceses sabat√°rios, a despeito da escassez de v√≠veres provocada pela actividade dos submarinos alem√£es, protestavam contra a planta√ß√£o de batatas ao domingo e diziam que a c√≥lera divina, devido a esse pecado, explicava os nossos malogros militares. Os que op√Ķem objec√ß√Ķes teol√≥gicas √† limita√ß√£o dos nascimentos, consentem que a fome, a mis√©ria e a guerra persistam at√© ao fim dos tempos porque n√£o podem esquecer um texto, mal interpretado, do G√©nese. Os partid√°rios entusiastas do comunismo, tal como os seus maiores inimigos, preferem ver a ra√ßa humana exterminada pela radioactividade do que chegar a um compromisso com o mal –

Continue lendo…

A cadeira pretende ensinar que o capitalismo tem uma base moral e legal e que não é simplesmente a lei da selva.

O humano √© o que temos de preservar e defender em todas as circunst√Ęncias: o capitalismo j√° sabemos que n√£o o far√°.

Perante o que já avançaram ciência e técnica e, em cada um, o ideal de humanidade, são o capitalismo e o socialismo duas formas idênticas e por isso concorrentes de estupidez.

O economismo irritante de um capitalismo insensato implantou o desassossego nas sociedades, acirrou o √≥dio entre oper√°rios e patr√Ķes e recrudesceu nestes o ego√≠smo.

Com F√ļria e Raiva

Com f√ļria e raiva acuso o demagogo
E o seu capitalismo das palavras

Pois é preciso saber que a palavra é sagrada
Que de longe muito longe um povo a trouxe
E nela p√īs sua alma confiada

De longe muito longe desde o início
O homem soube de si pela palavra
E nomeou a pedra a flor a √°gua
E tudo emergiu porque ele disse

Com f√ļria e raiva acuso o demagogo
Que se promove à sombra da palavra
E da palavra faz poder e jogo
E transforma as palavras em moeda
Como se fez com o trigo e com a terra

Desde o colapaso do socialismo, o capitalismo ficou sem rival. Esta situação anormal desencadeou o seu ganancioso e Рacima de tudo Рo seu poder suicida. Agora a crença é que tudo Рe todos Рestão num jogo justo.

A Imprensa Privada

Eu n√£o tenho nada contra a imprensa privada. Venha ela, √≥ptimo! Simplesmente, o capitalismo portugu√™s que alimenta a imprensa privada, √© o capitalismo que gosta que lhe publiquem o dia dos anos no jornal e a sua pose num ¬ęcocktail¬Ľ… Isto √© um exemplo aned√≥tico. N√£o √© capaz daquela simulada isen√ß√£o, de dizer: se for preciso critiquem-me para disfar√ßar. Temos uma imprensa privada um pouco provinciana, de elogio velado ou mesmo aberto √†s fontes econ√≥micas que a sustentam. Assinalam-se excep√ß√Ķes, naturalmente.
Temos uma imprensa privada um pouco provinciana, de elogio velado ou mesmo aberto √†s fontes econ√≥micas que a sustentam. Assinalam-se excep√ß√Ķes, naturalmente.

O Ideal Português como Ideal para o Mundo

Tr√™s pontos, segundo Cam√Ķes, sobre os quais temos que meditar, e ver como √©. Ponto n√ļmero 1: √© preciso que os corpos se apaziguem para que a cabe√ßa possa estar livre para entender o mundo √† volta. Enquanto n√≥s estamos perturbados com existir um corpo que temos que alimentar, temos que fartar, que temos de tratar o melhor poss√≠vel, cometendo para isso muitas coisas extremamente dif√≠ceis, nessa altura, quando a nossa cabe√ßa estiver inteiramente livre e l√≠mpida, n√≥s podemos ouvir aquilo que Cam√Ķes chama ¬ęa voz da deusa¬Ľ. E que faz a voz da deusa? Arranca √†queles marinheiros as limita√ß√Ķes do tempo e as limita√ß√Ķes do espa√ßo. Arranca-os √†s limita√ß√Ķes do tempo o que faz que eles saibam qual vai ser o futuro de Portugal. E arranca-os √†s limita√ß√Ķes do espa√ßo porque eles v√™em todo o mundo ao longe, o universo que est√° ao longe, a deusa lho mostra, embora com o sistema errado, digamos assim, ou imperfeito, de Ptolomeu, e eles est√£o portanto inteiramente fora do espa√ßo. Aquilo que foi o ideal dos gregos, e que os gregos nunca conseguiram realizar. Ent√£o o que √© que aconteceu? Aconteceu que um dia houve outro portugu√™s que tinha ido para o Brasil,

Continue lendo…

Cheg√°mos a este momento, ao problema econ√≥mico do capitalismo e dos bancos. √Č um obst√°culo da vida e da sociedade mundial. Um obst√°culo bastante alto mas devemos dar o pulo e saltar para o outro lado.

A desvantagem do capitalismo é a desigual distribuição das riquezas; a vantagem do socialismo é a igual distribuição das misérias.

O Compromisso Estraga o Escritor

Gosto mais dos homens que tomam um partido do que das literaturas que tomam partido. Coragem na vida e talento nas obras já não é nada mau. E, depois, o escritor só é comprometido quando quer. O seu mérito é o movimento. E se isso deve passar a ser uma lei, um ofício ou um terror, onde está então o mérito?
Parece que escrever hoje um poema sobre a Primavera é servir o capitalismo. Não sou poeta, mas fruiria sem rebuço uma semelhante obra se ela fosse bela. E se o homem tem necessidade de pão e de justiça, e se é preciso fazer o necessário para satisfazer essa necessidade, não se deve esquecer que ele precisa também de beleza pura, que é o pão do seu coração. O resto não é sério.
Sim, eu desej√°-los-ia menos comprometidos nas suas obras e um pouco mais na sua vida de todos os dias.

Do meu ponto de vista, a globalização económica é a nova forma adoptada pelo totalitarismo. O chamado neoliberalismo é um capitalismo totalitário.

N√£o estou na moda do p√≥ker. Joguei nas f√©rias da minha juventude, mas como n√£o tinha dinheiro, perdia sempre. √Č como o capitalismo – n√£o nos podemos meter em cavalarias se n√£o temos dinheiro para isso.

O Mercado Pode Tornar-se uma Ditadura

A diferen√ßa (entre a ditadura e o capitalismo) √© que n√£o √© a ditadura como n√≥s conhecemos. √Č o que eu chamo de ¬ęcapitalismo autorit√°rio¬Ľ. A ditadura tinha cara, e n√≥s diz√≠amos √© aquela, ou aqueles militares, o Hitler, o Franco, o Pinochet, mas agora n√£o tem cara. E como n√£o tem cara n√£o sabemos contra quem lutar. N√£o h√° contra quem lutar. O mercado n√£o tem cara, s√≥ tem nome. Est√° em toda a parte e n√£o podemos identific√°-lo, dizer ¬ę√©s tu¬Ľ. Mesmo as pessoas que lutaram contra a ditadura, entrando na democracia acham que n√£o t√™m mais que lutar. E os problemas est√£o todos a√≠. O mercado pode tornar-se uma ditadura.

Da mesma forma que a religião não pode viver sem a morte, também o capitalismo não só vive da pobreza como a multiplica.

O vício inerente ao capitalismo é a distribuição desigual de benesses; o do socialismo é a distribuição por igual das misérias.