Passagens sobre Certeza

454 resultados
Frases sobre certeza, poemas sobre certeza e outras passagens sobre certeza para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Realidade é um Bocado de Sol Simples

√Č preciso criar abismos, para a humanidade que os n√£o sabe saltar se engolfar neles para sempre.
Criar todos os prazeres, os mais artificiais poss√≠vel, os mais est√ļpidos poss√≠vel, para que a chama atraia e queime.
O problema da sobrepovoa√ß√£o, o problema da sobreprodu√ß√£o eliminam-se criando-se focos de elimina√ß√£o humana (por meio de todos os v√≠cios), criando focos de in√©rcia humana (por meio de todas as sedu√ß√Ķes). Fazer suicidas, eis a grande solu√ß√£o sociol√≥gica.
√Č facil ouvir de qualquer megera limpa que ¬ęn√£o cr√™ na Lei de Cristo¬Ľ, √© anim√°-la em seguir a n√£o-lei de Cristo. Em tr√™s anos est√° gasta e finda, e ent√£o descobre que o pior de n√£o seguir a lei de Cristo √© que os outros a n√£o seguem tamb√©m. E o caixote do lixo recebe-a como √†s teorias dos mestres a quem ela ensinou.
√Č nosso dever de soci√≥logos untar o ch√£o, ainda que seja com l√°grimas, para que escorreguem nele os que dan√ßam.
E comunistas, batonnières dos beiços, humanitários, cultos do internacionalismo Рtudo isso colabora ardentemente na eliminação deles mesmos que se precisa. Depois, dos recantos das províncias, onde tomam chá com a família, ou lavram as terras sem teorias nem desejos,

Continue lendo…

Ningu√©m, com toda certeza, √© capaz de assumir a lideran√ßa em todos os campos, pois para um homem os deuses concederam as proezas da guerra, a outro, a dan√ßa, para um outro, a m√ļsica e o canto, e, num outro, o todo poderoso Zeus colocou uma boa cabe√ßa.

Pronto para Receber a Felicidade

Estava tudo pronto para receber a felicidade,
e tu n√£o vinhas.

Amei-te muito antes de te amar. √Čramos o que
os amantes eram e nem precis√°vamos de
corpo para isso, porque o que dizíamos nos
satisfazia, e sempre que a vida acontecia era um
ao outro que tínhamos de falar. Se há coisa que
temo no mundo é o teu fim. Passo horas a sentir-me
indestrutível, a ter a certeza de que nada me
toca, de que nada me poder√° doer o suficiente para
me fazer recuar, e depois vens tu. Tu e a tua imagem
a perder de vista, os teus olhos quando me olhas, a
tua boca quando me falas, e é então que percebo
que sou finito, pobre humano, e desato a chorar à
procura do telefone e de uma palavra tua que
me conven√ßa de que ainda existes. √Č na possibilidade
do teu fim que encontro a humildade.

Era o dia mais lindo de sempre na terra onde eu estava,
e tu n√£o vinhas.

N√£o se sabe onde acaba o mundo mas eu sei que
a vida acaba no fundo dos teus l√°bios.

Continue lendo…

Carta (Esboço)

Lembro-me agora que tenho de marcar um
encontro contigo, num sítio em que ambos
nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma
das ocorrências da vida venha
interferir no que temos para nos dizer. Muitas
vezes me lembrei de que esse sítio podia
ser, até, um lugar sem nada de especial,
como um canto de café, em frente de um espelho
que poderia servir de pretexto
para reflectir a alma, a impress√£o da tarde,
o √ļltimo estertor do dia antes de nos despedirmos,
quando é preciso encontrar uma fórmula que
disfarce o que, afinal, n√£o conseguimos dizer. √Č
que o amor nem sempre é uma palavra de uso,
aquela que permite a passagem à comunicação ;
mais exacta de dois seres, a n√£o ser que nos fale,
de s√ļbito, o sentido da despedida, e que cada um de n√≥s
leve, consigo, o outro, deixando atrás de si o próprio
ser, como se uma troca de almas fosse possível
neste mundo. Então, é natural que voltes atrás e
me pe√ßas: ¬ęVem comigo!¬Ľ, e devo dizer-te que muitas
vezes pensei em fazer isso mesmo,

Continue lendo…

Aptidão, Vontade, e Acção

No reino da Natureza dominam o movimento e o agir. No reino da liberdade dominam a aptid√£o e o querer. O movimento √© perp√©tuo e, sendo favor√°veis as circunst√Ęncias, manifesta-se necessariamente nos fen√≥menos. As aptid√Ķes, desenvolvendo-se embora em correspond√™ncia com a Natureza, t√™m contudo que ser postas em exerc√≠cio por parte da vontade para poderem elevar-se gradualmente. √Č por isso que nunca temos no exerc√≠cio livre da vontade a mesma certeza que temos na autonomia do agir natural; este √ļltimo √© qualquer coisa que se produz a si mesma enquanto que o primeiro √© produzido.
O exerc√≠cio da vontade, para ser perfeito e eficaz, tem que se adequar: no plano moral, √† consci√™ncia – a uma consci√™ncia sem erro -, e, no dom√≠nio das artes, √† regra – a uma regra que em nenhum lado est√° enunciada. A consci√™ncia n√£o precisa de nenhum patroc√≠nio, porque tem tudo o que lhe √© necess√°rio e porque s√≥ tem que ver com o mundo pessoal interior. O g√©nio tamb√©m n√£o precisaria de nenhuma regra, mas, uma vez que a sua efic√°cia se dirige para o exterior, est√° na depend√™ncia de m√ļltiplas conting√™ncias materiais e temporais, n√£o lhe sendo poss√≠vel escapar a erros que da√≠ decorrem.

Continue lendo…

Liberdade é uma possibilidade de ser melhor, enquanto que escravidão é a certeza de ser pior.

Sabemos que ninguém se pode considerar justo diante de Deus. Mas ninguém pode viver sem a certeza de encontrar o perdão!

A Igreja sempre viveu a passagem dram√°tica da morte √† luz da ressurrei√ß√£o de Jesus Cristo, que abriu o caminho para a certeza da vida futura. Temos um grande desafio em aceit√°-la, sobretudo na cultura contempor√Ęnea, que muitas vezes tende a banalizar a morte at√© a fazer tornar-se uma simples fic√ß√£o ou a escond√™-la.

Aspiração

Meus dias v√£o correndo vagarosos
Sem prazer e sem dor, e até parece
Que o foco interior j√° desfalece
E vacila com raios duvidosos.

√Č bela a vida e os anos s√£o formosos,
E nunca ao peito amante o amor falece…
Mas, se a beleza aqui nos aparece,
Logo outra lembra de mais puros gosos.

Minh’alma, √≥ Deus! a outros c√©us aspira:
Se um momento a prendeu mortal beleza,
√Č pela eterna p√°tria que suspira…

Porém do presentir dá-me a certeza.
D√°-ma! e sereno, embora a dor me fira,
Eu sempre bendirei esta tristeza!

Depois do Casamento

Tenho a certeza. Uma pessoa casa sem saber bem o que faz, a juventude, as ilus√Ķes, porque durante o namoro as pessoas s√≥ mostram o que t√™m de melhor, s√≥ a parte boa, e √†s vezes at√© fingem essa parte, com muita manha. S√≥ depois do casamento ficamos a conhecer realmente o outro. Mas isso at√© o sabem as velhas, que nos dizem que as coisas foram sempre assim e que n√≥s, raparigas novas, n√£o fazemos caso delas, ficamos cegas de amor e n√£o queremos ouvir a voz da experi√™ncia, pois somos tolas ao ponto de pensar que nunca ningu√©m se apaixonou como n√≥s, como se tiv√©ssemos sido n√≥s a inventar o amor.

Que deixa a Cruz em cada um de nós? Atentai, deixa um bem que ninguém nos pode dar: a certeza do amor fiel de Deus por nós. Um amor tão grande que penetra no nosso pecado e perdoa, penetra no nosso sofrimento e dá-nos a força de o suportar.

A firme certeza de ser amados por Deus está no centro da vossa vocação: ser para os outros um sinal tangível da presença do Reino de Deus, uma antecipação das alegrias eternas do Céu. Só se o nosso testemunho for alegre poderemos atrair homens e mulheres a Cristo.

Porque o amor de Cristo está em mim, posso dar-me plenamente ao outro, na certeza interior de que, mesmo que o outro haja de ferir-me, eu não morrerei; de contrário, deveria defender-me. Os mártires deram a própria vida devido exatamente a esta certeza da vitória de Cristo sobre a morte.