Passagens sobre Costas

154 resultados
Frases sobre costas, poemas sobre costas e outras passagens sobre costas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Rua Dos Cataventos – XI – Para Ant√īnio Nobre, √Ä Maneira Do Mesmo

Contigo fiz, ainda menininho,
Todo o meu Curso d’Alma… e desce cedo
Aprendi a sofrer devagarinho,
A guardar meu amor como um segredo…

Nas minhas chagas vinhas p√īr o dedo
E eu era o Triste, o Doido, o Pobrezinho!
Amava, à noite, as Luas de bruxedo,
Chamava o P√īr de Sol de Meu Padrinho…

Anto querido, esse teu livro “S√≥”
Encheu de luar a minha inf√Ęncia triste!
E ninguém mais há de ficar tão só:

Sofreste a nossa dor, como Jesus…
E nesta Costa d’√Āfrica surgiste
Para ajudar-nos a levar a Cruz!…

Inf√Ęncia

Passa lento o tempo da escola e a sua ang√ļstia
com esperas, com infinitas e monótonas matérias.
Oh solid√£o, oh perda de tempo t√£o pesada…
E então, à saída, as ruas cintilam e ressoam
e nas praças as fontes jorram,
e nos jardins √© t√£o vasto o mundo ‚ÄĒ.
E atravessar tudo isto em cal√ß√Ķes,
diferente de como os outros v√£o e foram ‚ÄĒ:
Oh tempo estranho, oh perda de tempo,
oh solid√£o.

E olhar tudo isto √† dist√Ęncia:
homens e mulheres; homens, homens, mulheres
e crian√ßas, t√£o diferentes e coloridas ‚ÄĒ;
e ent√£o uma casa, e de vez em quando um c√£o
e o medo surdo trocando-se pela confiança:
Oh tristeza sem sentido, oh sonho, oh medo,
Oh infind√°vel abismo.

E então jogar: à bola e ao arco,
num jardim que manso se desvanece
e por vezes tropeçar nos crescidos,
cego e embrutecido na pressa de correr e agarrar,
mas ao entardecer, com pequenos passos tímidos,
voltar silencioso a casa, a m√£o agarrada com for√ßa ‚ÄĒ:
Oh compreens√£o cada vez mais fugaz,
Oh ang√ļstia,

Continue lendo…

Saber Sair na Hora Certa

N√£o esperar at√© ser sol poente. √Č m√°xima do cordo deixar as coisas antes que elas o deixem. Que se saiba converter em triunfo o pr√≥prio fenecer, pois √†s vezes mesmo o sol, ainda brilhante, costuma retirar-se numa nuvem para que n√£o o vejamos cair, e nos deixa suspensos, n√£o sabendo se ele se p√īs ou n√£o. Furte-se aos ocasos para n√£o rebentar de desdouros; n√£o espere que lhe voltem as costas, porque o sepultar√£o vivo para o sentimento e morto para a estima. O atilado dispensa a tempo o cavalo em que corre, e n√£o espera que, caindo, fa√ßa erguer-se o riso no meio da corrida; que a beleza quebre o espelho com tempo e com ast√ļcia, e n√£o com impaci√™ncia depois, ao ver o seu desengano.

Recordação

E tu esperas, aguardas a √ļnica coisa
que aumentaria infinitamente a tua vida;
o poderoso, o extraordin√°rio,
o despertar das pedras,
os abismos com que te deparas.

Nas estantes brilham
os volumes em castanho e ouro;
e tu pensas em países viajados,
em quadros, nas vestes
de mulheres encontradas e j√° perdidas.

E ent√£o de s√ļbito sabes: era isso.
Ergues-te e diante de ti est√£o
ang√ļstia e forma e ora√ß√£o
de certo ano que passou.

Tradução de Maria João Costa Pereira

N√£o Estou Pensando em Nada

N√£o estou pensando em nada
E essa coisa central, que é coisa nenhuma,
√Č-me agrad√°vel como o ar da noite,
Fresco em contraste com o ver√£o quente do dia,

N√£o estou pensando em nada, e que bom!

Pensar em nada
√Č ter a alma pr√≥pria e inteira.
Pensar em nada
√Č viver intimamente
O fluxo e o refluxo da vida…
N√£o estou pensando em nada.
E como se me tivesse encostado mal.
Uma dor nas costas, ou num lado das costas,
H√° um amargo de boca na minha alma:
√Č que, no fim de contas,
N√£o estou pensando em nada,
Mas realmente em nada,
Em nada…

Ode Triunfal

√Ä dolorosa luz das grandes l√Ęmpadas el√©ctricas da f√°brica
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,
Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.

√ď rodas, √≥ engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em f√ļria!
Em f√ļria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De vos ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De express√£o de todas as minhas sensa√ß√Ķes,
Com um excesso contempor√Ęneo de v√≥s, √≥ m√°quinas!

Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical –
Grandes tr√≥picos humanos de ferro e fogo e for√ßa –
Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro,
Porque o presente é todo o passado e todo o futuro
E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas
Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão,
E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta,

Continue lendo…

N√£o aspire ser centro de nada. A import√Ęncia aqui √© muito mortal. Veja, por exemplo, essas avezitas que pousam no dorso dos hipop√≥tamos. Sua grandeza √© o seu tamanho m√≠nimo. √Č essa a nossa arte, nossa maneira de nos fazermos maiores: catando nas costas dos poderosos.

Esplêndida

Ei-la! Como vai bela! Os esplendores
Do l√ļbrico Versailles do Rei-Sol!
Aumenta-os com retoques sedutores.
√Č como o refulgir dum arrebol
Em sedas multicores.

Deita-se com langor no azul celeste
Do seu landau forrado de cetim;
E os seus negros corcéis que a espuma veste,
Sobem a trote a rua do Alecrim,
Velozes como a peste.

√Č fidalga e soberba. As incensadas
Dubarry, Montespan e Maintenon
Se a vissem ficariam ofuscadas
Tem a altivez magnética e o bem-tom
Das cortes depravadas.

√Č clara como os p√≥s √† marechala,
E as m√£os, que o Jock Club embalsamou,
Entre peles de tigres as regala;
De tigres que por ela apunhalou,
Um amante, em Bengala.

√Č ducalmente espl√™ndida! A carruagem
Vai agora subindo devagar;
Ela, no brilhantismo da equipagem,
Ela, de olhos cerrados, a cismar
Atrai como a voragem!

Os lacaios v√£o firmes na almofada;
E a doce brisa dá-lhes de través
Nas capas de borracha esbranquiçada,
Nos chapéus com reseta, e nas librés
De forma aprimorada.

E eu vou acompanhando-a,

Continue lendo…

Pastor do Monte, T√£o Longe de Mim

Pastor do monte, t√£o longe de mim com as tuas ovelhas
Que felicidade √© essa que pareces ter ‚ÄĒ a tua ou a minha?
A paz que sinto quando te vejo, pertence-me, ou pertence-te?
N√£o, nem a ti nem a mim, pastor.
Pertence só à felicidade e à paz.
Nem tu a tens, porque n√£o sabes que a tens.
Nem eu a tenho, porque sei que a tenho.
Ela é ela só, e cai sobre nós como o sol,
Que te bate nas costas e te aquece, e tu pensas
noutra cousa indiferentemente,
E me bate na cara e me ofusca. e eu só penso no sol.

O Maestro Sacode a Batuta

O maestro sacode a batuta,
A l√Ęnguida e triste a m√ļsica rompe …

Lembra-me a minha inf√Ęncia, aquele dia
Em que eu brincava ao pé dum muro de quintal
Atirando-lhe com, uma bola que tinha dum lado
O deslizar dum c√£o verde, e do outro lado
Um cavalo azul a correr com um jockey amarelo …

Prossegue a m√ļsica, e eis na minha inf√Ęncia
De repente entre mim e o maestro, muro branco,
Vai e vem a bola, ora um c√£o verde,
Ora um cavalo azul com um jockey amarelo…

Todo o teatro √© o meu quintal, a minha inf√Ęncia
Est√° em todos os lugares e a bola vem a tocar m√ļsica,
Uma m√ļsica triste e vaga que passeia no meu quintal
Vestida de c√£o verde tornando-se jockey amarelo…
(T√£o r√°pida gira a bola entre mim e os m√ļsicos…)

Atiro-a de encontra √† minha inf√Ęncia e ela
Atravessa o teatro todo que está aos meus pés
A brincar com um jockey amarelo e um c√£o verde
E um cavalo azul que aparece por cima do muro
Do meu quintal…

Continue lendo…

Eu Gosto da Paisagem

Eu gosto da paisagem. Mas amo-a duma maneira casta, comovida, sem poder macular a sua intimidade em descri√ß√Ķes a vint√©m por palavra. Chego a uma terra e n√£o resisto: tenho de me meter pelos campos fora, pelas serras, pelos montes, saber das culturas, beber o vinho e provar o p√£o. E quando anoitece volto, como agora, cheio do enigma que fez cada regi√£o do seu feitio, tal e qual como p√īs nas costas do dromed√°rio aquela incr√≠vel marreca, e no pesco√ßo do le√£o aquela fant√°stica juba.

Marketing

Aqui a meu lado o bom cidad√£o
escolheu Sagres
que é tudo tudo cerveja
a pausa que refresca
a longa pausa de um longo cigarro King Size.
atenção ao marketing.
Eu n√£o gosto de cerveja
mas tenho de gostar que os outros gostem de cerveja
sobretudo da Sagres
para n√£o contrariar os fabricantes de cerveja.
atenção ao marketing.
ninguém contraria os fabricantes da Opel e da Super
[Silver
nem os fabricantes de alcatifas para panaceias
nem as panaceias nem os códigos e os édredons macios
nem as mensagens de natal dos estadistas
nem os negociantes de armas da Suiça
nem o homem da capa negra que virou costas ao
[Palmolive.

[…]
Sagres é uma boa cerveja
e eu acabarei por gostar da Sagres
como gosto do Rexina.
Sagres é a pausa que refresca e tem vitaminas
todas as bebidas da televisão têm vitaminas
mesmo as do programa literário que é detergente
e eu uso-as e sou um cidad√£o perfeito
e até já consigo adormecer sem hipnóticos
depois de tomar o Tofa descafeínado
e no Ver√£o visto cal√ß√Ķes de banho de fibras sint√©ticas
para me banhar na Torralta
cidad√£o perfeito perfeitamente bronzeado com o Ambre
[Solaire.

Continue lendo…

O Homem que Lê

Eu lia h√° muito. Desde que esta tarde
com o seu ruído de chuva chegou às janelas.
Abstraí-me do vento lá fora:
o meu livro era difícil.
Olhei as suas p√°ginas como rostos
que se ensombram pela profunda reflex√£o
e em redor da minha leitura parava o tempo. ‚ÄĒ
De repente sobre as páginas lançou-se uma luz
e em vez da tímida confusão de palavras
estava: tarde, tarde… em todas elas.
N√£o olho ainda para fora, mas rasgam-se j√°
as longas linhas, e as palavras rolam
dos seus fios, para onde elas querem.
Ent√£o sei: sobre os jardins
transbordantes, radiantes, abriram-se os céus;
o sol deve ter surgido de novo. ‚ÄĒ
E agora cai a noite de Verão, até onde a vista alcança:
o que est√° disperso ordena-se em poucos grupos,
obscuramente, pelos longos caminhos v√£o pessoas
e estranhamente longe, como se significasse algo mais,
ouve-se o pouco que ainda acontece.

E quando agora levantar os olhos deste livro,
nada ser√° estranho, tudo grande.
Aí fora existe o que vivo dentro de mim
e aqui e mais além nada tem fronteiras;

Continue lendo…

Eu vou virar artista Ficar famosa, falar inglês Autografar com as unhas Eu vou, nas costas do meu freguês

Alma Humana, Formada de Coisa Nenhuma

Anjo:

Alma humana, formada
de nenh√ľa cousa, feita
mui preciosa,
de corrupção separada,
e esmaltada
naquela fr√°goa perfeita,
gloriosa;
planta neste vale posta
pera dar celestes flores
olorosas,
e pera serdes tresposta
em a alta costa
onde se criam primores
mais que rosas;

planta sois e caminheira,
que ainda que estais, vos is
donde viestes.
Vossa p√°tria verdadeira
é ser herdeira
da glória que conseguis:
andai prestes.
Alma bem-aventurada,
dos anjos tanto querida,
n√£o durmais;
um ponto n√£o esteis parada,
que a jornada
muito em breve é fenecida,
se atentais.

(…)

Adianta-se o Anjo, e vem o Diabo a ela [Alma], e diz o Diabo:

Tão depressa, ó delicada,
alva pomba, pera onde is?
Quem vos engana,
e vos leva t√£o cansada
por estrada,
que somente n√£o sentis
se sois humana?
N√£o cureis de vos matar,
que ainda estais em idade
de crecer.
Tempo h√° i pera folgar
e caminhar…
Vivei à vossa vontade,

Continue lendo…

A Idade da Derrota Aceite

Tenho sessenta anos. N√£o te iludas: n√£o estou ainda bastante fraco para ceder √†s imagina√ß√Ķes do medo, quase t√£o absurdas como as da esperan√ßa e seguramente muito mais penosas. Se fosse preciso enganar-me a mim mesmo, preferia que fosse no sentido da confian√ßa; n√£o perderia mais com isso e sofreria menos. Este fim t√£o pr√≥ximo n√£o √© necessariamente imediato; deito-me ainda, todas as noites, com a esperan√ßa de chegar √† manh√£ seguinte. Adentro dos limites intranspon√≠veis de que te falei h√° pouco, posso defender a minha posi√ß√£o passo a passo e recuperar mesmo algumas polegadas do terreno perdido. N√£o deixo por isso de ter chegado √† idade em que a vida se torna, para cada homem, uma derrota aceite. Dizer que os meus dias est√£o contados n√£o significa nada; sempre assim foi; √© assim para todos n√≥s. Mas a incerteza do lugar, do tempo e do modo, que nos impede de distinguir bem o fim para o qual avan√ßamos sem cessar, diminui para mim √† medida que a minha doen√ßa mortal progride. Qualquer pessoa pode morrer de um momento para o outro, mas o doente sabe que passados dez anos j√° n√£o ser√° vivo.
A minha margem de hesitação já não se alonga em anos,

Continue lendo…

Nenhum Amor é Menos Ridículo que Outro

Temos, pois, que ao amor corresponde o am√°vel, e que este √© inexplic√°vel. Concebe-se a coisa, mas dela n√£o se pode dar raz√£o; assim tamb√©m √© que de maneira incompreens√≠vel o amor se apodera da sua presa. Se, de tempos a tempos, os homens ca√≠ssem por terra e morressem subitamente, ou entrassem em convuls√Ķes violentas mas inexplic√°veis, quem √© que n√£o sofreria a ang√ļstia? No entanto, √© assim que o amor interv√©m na vida, com a diferen√ßa de que ningu√©m receia por isso, visto que os amantes encaram tal acontecimento como se esperassem a suprema felicidade. Ningu√©m receia por isso, toda a gente ri afinal, porque o tr√°gico e o c√≥mico est√£o em perp√©tua correspond√™ncia. Conversais hoje com um homem; parece-vos que ele se encontra em estado normal; mas amanh√£ ouvi-lo-eis falar uma linguagem metaf√≥rica, v√™-lo-eis exprimir-se com gestos muito singulares: √© sabido, est√° apaixonado. Se o amor tivesse por express√£o equivalente ¬ęamar qualquer pessoa, a primeira que se encontra¬Ľ, compreender-se-ia a impossibilidade de apresentar melhor defini√ß√£o; mas j√° que a f√≥rmula √© muito diferente, ¬ęamar uma s√≥ pessoa, a √ļnica no mundo¬Ľ, parece que tal acto de diferencia√ß√£o deve provir de motivos profundos.
Sim, deve necessariamente implicar uma dial√©tica de raz√Ķes,

Continue lendo…

O amor √© uma coisa, a vida √© outra. O amor n√£o √© para ser uma ajudinha. N√£o √© para ser o al√≠vio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso ¬ęd√° l√° um jeitinho¬Ľ sentimental.