Cita√ß√Ķes sobre Debate

27 resultados
Frases sobre debate, poemas sobre debate e outras cita√ß√Ķes sobre debate para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Muitos dos debates que atravessam hoje o nosso espa√ßo p√ļblico s√£o curiosos. Por vezes eles resvalam para a agress√£o. Deixamos de discutir ideias para atacar pessoas. A necessidade de ter raz√£o, de ganhar a todo o custo, atropela os deveres do civismo que √© uma das raz√Ķes de estarmos aqui. Os debates deveriam servir para criarmos colectivamente conceitos produtivos, criarmos ideias que sejam construtoras.

Como Manipular um P√ļblico

Segundo uma lei conhecida, os homens, considerados colectivamente, s√£o mais est√ļpidos do que tomados individualmente. Numa conversa a dois, conv√©m que respeitemos o parceiro, mas essa regra de conduta j√° n√£o √© t√£o indispens√°vel num debate p√ļblico em que se trata de dispor as massas a nosso favor.

H√° uns anos, um pol√≠tico pagou a figurantes para o aplaudirem numa concentra√ß√£o. Como bom profissional, compreendera que uma claque, embora n√£o melhore o discurso, predisp√Ķe melhor os espectadores a descobrirem os seus m√©ritos. O mimetismo √© a mola principal para mover as massas no sentido do entusiasmo, do respeito ou do √≥dio. Mesmo perante um pequeno p√ļblico de trinta pessoas, h√° sempre algo de religioso que prov√©m da coagula√ß√£o dos sentimentos individuais em express√£o colectiva. No meio de um grupo, √© necess√°ria uma certa energia para pensar contra a maioria e coragem para exprimir abertamente essa opini√£o.
Os manipuladores de opinião ou, para utilizar uma palavra mais delicada, os comunicadores, sabem que, para conduzir mentalmente uma assembleia numa determinada direcção, é necessário começar por agir sobre os seus líderes. A primeira tarefa consiste em determinar quem são, apesar de eles próprios não o saberem. Um manipulador não tarda a distinguir o punhado de indivíduos em que pode apoiar-se para influenciar os outros.

Continue lendo…

O que é Portugal?

Que √©, ou quem √©, Portugal? Uma Cultura? Uma Hist√≥ria? Um Adormecido Inquieto? Por que √© que, quando se fala de Portugal, sempre h√£o-de ser invocadas a sua hist√≥ria e a sua cultura? Se estivermos a falar de outro pa√≠s, a hist√≥ria e a cultura dele s√≥ ser√£o chamadas √† conversa se forem esses os temas em debate. Talvez que esta necessidade de apelarmos constantemente para a hist√≥ria e para a cultura portuguesas provenha de um certo car√°cter inconclusivo (n√£o no sentido que sempre ser√° o de um qualquer processo cont√≠nuo, mas no sentido de uma permanente ¬ęsuspens√£o¬Ľ) que ambas parecem apresentar. Da hist√≥ria de Portugal sempre nos d√° vontade de perguntar: porqu√™? Da cultura portuguesa: para qu√™? De Portugal, ele pr√≥prio: para quando? Ou: at√© quando? Se estas interroga√ß√Ķes n√£o s√£o gratuitas, se, pelo contr√°rio, exprimem, como creio, um sentimento de perplexidade nacional, ent√£o os nossos problemas s√£o muito s√©rios.

Identidade

Matei a lua e o luar difuso.
Quero os versos de ferro e de cimento.
E em vez de rimas, uso
As conson√Ęncias que h√° no sofrimento.

Universal e aberto, o meu instinto acode
A todo o coração que se debate aflito.
E luta como sabe e como pode:
D√° beleza e sentido a cada grito.

Mas como as inscri√ß√Ķes nas penedias
Têm maior duração,
Gasto as horas e os dias
A endurecer a forma da emoção.

A Construção da Personalidade Criadora

A harmonia do comportamento social requer, todos o sabemos, tanto o isolamento como o convívio. Excessiva comunicação, debates exagerados de assuntos que requerem meditação e peso moral, avesso muitas vezes à cordialidade natural das afinidades electivas, não enriquecem o património de uma sociedade. Antes embotam e alteram o terreno imparcial da sabedoria.
A solidão favorece a intensidade do pensamento; por outro lado, torna de certo modo celerado o homem que lida com a força material, com a técnica, com os outros homens. O impulso é a força que actualiza estas duas atitudes. Os ricos de impulso que se prontificam a uma reacção agressiva ou escandalosa, esses são associais especialmente difíceis. Todo o revolucionário é associal, se o impulso for nele um desvio da vida instintiva, e não uma atitude de homem capaz de obedecer e mandar a si próprio.
¬ęA felicidade m√°xima do filho da terra h√°-de ser a personalidade¬Ľ – disse Goethe. Personalidade criadora, obtida √† custa do ajustamento das nossas pr√≥prias leis interiores, que n√£o ser√£o mais, no futuro, for√ßas repelidas ou encobertas, mas sim valiosas contribui√ß√Ķes para o tempo do homem. Quando tudo for analisado e conhecido, s√≥ o justo h√°-de prevalecer.

Mandar e Ensinar Através do Exemplo

N√£o h√° modo de mandar, ou ensinar mais forte, e suave, do que o exemplo: persuade sem ret√≥rica, impele sem viol√™ncia, reduz sem porfia, convence sem debate, todas as d√ļvidas desata, e corta caladamente todas as desculpas. Pelo contr√°rio, fazer uma coisa, e mandar, ou aconselhar outra, √© querer endireitar a sombra da vara torcida.

Só se Pode Ser Feliz Simplificando

Só se pode ser feliz simplificando, simplificando sempre, arrancando, diminuindo, esmagando, reduzindo; e a inteligência cria em volta de nós um mar imenso de ondas, de espumas, de destroços, no meio do qual somos depois o náufrago que se revolta, que se debate em vão, que não quer desaparecer sem estreitar de encontro ao peito qualquer coisa que anda longe: raio de sol em reflexo de estrelas. E todos os astros moram lá no alto.

Hino à Solidão

Diz-se que a solid√£o torna a vida um deserto;
Mas quem sabe viver com a sua alma nunca
Se encontra só; a Alma é um mundo, um mundo
[aberto
Cujo átrio, a nossos pés, de pétalas se junca.

Mundo vasto que mil existências povoam:
Imagens, concep√ß√Ķes, formas do sentimento,
‚ÄĒ Sonhos puros que nele em beleza revoam
E ficam a brilhar, sóis do seu firmamento.

Dia a dia, hora a hora, o Pensamento lavra
Esse fecundo ch√£o onde se esconde e medra
A semente que vai germinar na Palavra,
Cantar no Som, flores na Cor, sorrir na Pedra!

Basta que certa luz de seus raios aqueça
A semente que jaz na sua leiva escondida,
Para que ela, a sorrir, desabroche e floresça,
De perfumes enchendo as estradas da Vida.

Sei que embora essa luz nem para todos tenha
O mesmo brilho, o mesmo impulso criador,
Da Glória, sempre vã, todo o asceta desdenha,
Vivendo como um deus no seu mundo interior.

E que mundo sublime, esse em que ele se agita!
Mundo que de si mesmo e em si mesmo criou,

Continue lendo…

Ira Induzida

O melhor remédio para a ira é fazer uma pausa. Pede-a não para perdoares, mas para reflectires: os primeiros impulsos da ira são os mais graves; ela desaparece se tiver que esperar. Não tentes afastá-la por inteiro: conseguirás vencê-la por completo se a arrancares por partes.
Entre os actos que nos ofendem, uns s√£o-nos narrados, outros s√£o vistos ou ouvidos por n√≥s mesmos. N√£o devemos acreditar prontamente naqueles que nos s√£o narrados: muitos homens mentem para enganar, outros tantos mentem porque foram enganados; outros ganham favores com incrimina√ß√Ķes e inventam uma ofensa para se mostrarem indignados; outro √© um homem maldoso e quer destruir amizades s√≥lidas; outro n√£o merece confian√ßa e gosta de observar ao longe e em seguran√ßa as desaven√ßas que cria.
Quando tens que emitir um juízo sobre um qualquer assunto, não poderás admitir os factos sem que deles haja uma testemunha, e a testemunha não tem validade se não houver um juramento; darás a palavra às duas partes, farás um intervalo, não as ouvirás uma vez apenas (a verdade manifesta-se àquele que mais vezes a toma em mãos): e condenas prontamente um amigo? Ficas irado antes de o ouvir, antes de interrogares, antes de permitires-lhe conhecer o acusador ou o crime?

Continue lendo…

S√≥ existe liberdade de escolha e debate cr√≠tico das alternativas num clima de paz social, o qual sup√Ķe um m√≠nimo de estabilidade econ√≥mica.

Com a mania francesa e burguesa de reduzir todas as regi√Ķes e todas as ra√ßas ao mesmo tipo de civiliza√ß√£o, o mundo ia tornar-se numa monotonia abomin√°vel. Dentro em breve um touriste faria enormes sacrif√≠cios, despesas sem fim, para ir a Tumbuctu – para qu√™? Para encontrar l√° pretos de chap√©u alto, a ler o Jornal dos Debates.

Versos Curtos e Compridos

Como poeta actuante, combati o meu pr√≥prio ensimesmamento. Por isso, o debate entre o real e o subjectivo se decidiu dentro do meu pr√≥prio ser. Sem pretens√Ķes de aconselhar ningu√©m, os resultados podem auxiliar as minhas experi√™ncias Vejamo-los de relance.
√Č natural que a minha poesia esteja exposta tanto √† opini√£o da cr√≠tica elevada como submetida √† paix√£o do libelo. Isto faz parte do jogo. Sobre este aspecto da discuss√£o n√£o tenho voz, mas tenho voto. Para a cr√≠tica essencial, o meu voto s√£o os meus livros, a minha poesia inteira. Para o libelo inamistoso, tenho tamb√©m direito de voto ‚ÄĒ e este tamb√©m √© constitu√≠do pela minha pr√≥pria e constante cria√ß√£o.
Se soa a vaidade o que digo, pode ser que tenham razão. No meu caso, trata-se da vaidade do artesão que exerceu um oficio por muitos anos com amor indelével.
Mas há uma coisa com que estou satisfeito: de uma maneira ou outra, fiz respeitar, pelo menos na minha pátria, o ofício de poeta, a profissão da poesia.

Na época em que comecei a escrever, o poeta era de dois géneros. Uns, eram poetas grandes senhores que se faziam respeitar pelo seu dinheiro,

Continue lendo…

Moral e Guerra

As leis da moral s√£o uma inven√ß√£o da humanidade para privar dos seus direitos os mais poderosos em favor dos fracos. As leis da hist√≥ria subvertem as leis da moral a cada passo. A validade de uma perspectiva moral nunca pode ser confirmada ou infirmada por um qualquer exame definitivo. Quando um homem cai morto num duelo, isso n√£o demonstra que as suas ideias eram erradas. O facto de ele se ter envolvido numa tal prova apenas atesta uma nova e mais vasta perspectiva. A vontade dos duelistas de renunciar a quaisquer novas discuss√Ķes, reconhecendo o car√°cter trivial de todo e qualquer debate, e de apelar directamente √†s inst√£ncias do absoluto hist√≥rico indica claramente a pouca import√Ęncia de que se revestem as opini√Ķes e a grande import√Ęncia das diverg√™ncias em torno dessas mesmas opini√Ķes. Pois a discuss√£o √© efectivamente trivial, mas o mesmo n√£o se pode dizer das vontades opostas que a discuss√£o p√īs em relevo.
A vaidade humana √© bem capaz de tocar as raias do infinito, mas o seu saber permanece imperfeito, e, por mais que ele acabe por valorizar os seus pr√≥prios ju√≠zos, em √ļltima an√°lise v√™-se obrigado a submet√™-los a um tribunal superior. Na guerra,

Continue lendo…

O maior empobrecimento provém da falta de ideias, da erosão da criatividade e da ausência de debate produtivo. Mais do que pobres, tornamo-nos inférteis.

O Encanto da Vida

Todas as noites acordado at√© desoras, √† espera da √ļltima cena de pancadaria num jogo de futebol, do √ļltimo insulto num debate parlamentar, do √ļltimo discurso demag√≥gico num com√≠cio eleitoral, da √ļltima pirueta dum cabotino entrevistado, da √ļltima farsa no palco internacional. Crucifica√ß√Ķes masoquistas, que a prud√™ncia desaconselha e a imprud√™ncia imp√Ķe. Vou deste mundo farto de o conhecer e faminto de o descobrir.

Mas n√£o h√° perspic√°cia, nem const√Ęncia de aten√ß√£o capazes de lhe prefigurar os imprevistos. O que acontece hoje excede sempre o que sucedeu ontem. A viol√™ncia, o facciosismo, a ambi√ß√£o de poder, a crueldade e o exibicionismo n√£o t√™m limites. Felizmente que a abnega√ß√£o, a generosidade e o altru√≠smo tamb√©m n√£o. E o encanto da vida √© precisamente esse: nenhum excesso nela ser previs√≠vel. Nem no mal nem no bem. E n√£o me canso de o verificar, de surpresa em surpresa, √† luz dos acontecimentos.

Quando julgo que estou devidamente informado sobre o amor, sobre o ódio, sobre a santidade, sobre a perfídia, sobre as virtudes e os defeitos humanos, acabo por concluir que soletro ainda o á-bê-cê da realidade. Cabeçudo como sou, teimo na aprendizagem. Hoje fizeram-me a revelação surpreendente de que um avarento meu conhecido,

Continue lendo…

A Decadência do Coração nos Tempos Modernos

Nestes ruins tempos de material e nauseante industrialismo, a fase do cora√ß√£o √© curta, o amor vem tempor√£o, e como que apodrece antes de sazonado. De toda a parte, aos ouvidos do mancebo vem a soada do martelar da ind√ļstria. A sociedade, aparelhada em oficina, n√£o d√° por ele, se o n√£o v√™ a labutar e mourejar no veio da riqueza. T√≠tulos, gl√≥ria, homenagens, regalos, as fei√ß√Ķes todas da festejada m√°scara, com que por aqui nos andamos entrudando uns aos outros, s√≥ pode ser afivelada com broches de ouro. Dislates do amor empecem o ir direito ao fim. O cora√ß√£o √© v√≠scera que derranca o sangue, se com as muitas vertigens o vascoleja demais. Faz-se mister abafar-lhe as v√°lvulas e exercitar o c√©rebro, onde demora a bossa do c√°lculo, da empresa, da sord√≠cia gananciosa, e outras muitas bossas filiadas ao est√īmago, o qual √©, sem debate, a v√≠scera por excel√™ncia, o luzeiro perene entre as trevas que ofuscam as almas.

Desnecess√°rio combater as opini√Ķes dos outros. √Äs vezes conseguimos derrotar o povo em um debate, para convenc√™-los para sempre. As opini√Ķes s√£o como os pregos; quanto mais se martelam, mais se enterram.