Cita√ß√Ķes sobre Receio

133 resultados
Frases sobre receio, poemas sobre receio e outras cita√ß√Ķes sobre receio para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Amor e o Dinheiro

No amor, quando se divide o dinheiro, aumenta-se o amor; quando se d√° dinheiro, mata-se o amor.
Afasta-se a infelicidade actual e o odioso receio de vir a necessitar no futuro, ou então faz-se nascer a política e o sentimento de ser dois, e mata-se a simpatia.

Os homens sentem uma grande atracção pela esperança e pelo receio, e uma religião sem inferno nem paraíso não poderia agradar-lhes de modo algum.

Tango do Vi√ļvo

Tive dificuldades na minha vida privada. A doce Josie Bliss foi-se convencendo e apaixonando at√© adoecer de ci√ļmes. Se n√£o fosse isso, talvez tivesse continuado indefinidamente ao lado dela. Enterneciam-me os seus p√©s nus, as brancas flores que lhe brilhavam na cabeleira negra. Mas o seu temperamento levava-a at√© paroxismos selvagens. Tinha ci√ļmes e avers√£o √†s cartas que me chegavam de longe; escondia-me os telegramas sem os abrir, olhava com rancor o ar que eu respirava.

Por vezes acordava-me uma luz, um fantasma que se movia por detr√°s da rede do mosquiteiro. Era ela, vestida de branco, brandindo o seu longo e afiado punhal ind√≠gena. Era ela, rondando-me a cama horas inteiras sem se decidir a matar-me. ¬ęQuando morreres, acabar√£o os meus receios¬Ľ, dizia-me. No dia seguinte realizava misteriosos ritos para garantir a minha fidelidade.

Acabaria por me matar. Por sorte, recebi uma mensagem oficial participando-me que fora transferido para Ceilão. Preparei a minha viagem em segredo e um dia, abandonando a minha roupa e os meus livros, saí de casa como de costume e entrei no barco que me levaria para longe.

Deixava Josie Bliss, espécie de pantera birmanesa, na maior dor. Mal o barco começou a mover-se sobre as ondas do golfo de Bengala,

Continue lendo…

Abandonaríamos muitas coisas, Se não tivéssemos o receio de que os outros as recolhessem.

Soneto II

Quanto cuido, senhora, quanto escrevo,
Tudo em vossos fermosos olhos leio,
Neles, ante quem tudo é escuro e feio,
Aprendo e vejo como amar-vos devo.

Vejo que ao vosso amor todo me devo,
Mas n√£o vos sei amar, e assi me enleio
Que n√£o sei se vos amo ou se o receio,
E a julgar em mim isto n√£o me atrevo.

Em vós cuido, em vós falo o dia e ora,
Mouro por ver-vos, ir-vos ver n√£o ouso,
Por n√£o ver quanto mais devo do que amo;

√ď sol e √≥. sombra o vosso nome chamo,
Fora destes cuidados n√£o repouso;
Se isto é amor, vós o julgai, senhora!

O romancista pode empreender sem receio o seu longo trabalho. Que a inteligência encete a tarefa, no seu caminho surgirão os desgostos que se encarregarão de a terminar.

N√£o te deixes derrubar pela insignific√Ęncia dos pequenos movimentos e ser√°s homem para os grandes; se jamais te faltar a coragem para afrontar os dias em que nada se passa, poder√°s sem receio esperar os tempos em que o mundo se vira.

A verdadeira humildade é audaciosa e não encolhida, é generosa e não cobarde. Os humildes não são os tímidos, mas os artífices das grandes obras, precisamente porque sabem pouca coisa e, por isso, são capazes de aprender e de arriscar, sem receio da opinião alheia ou do fracasso.

Se n√£o conheceres a pessoa que est√° do outro lado do mundo, ama-a de qualquer forma porque √© uma pessoa igual a ti. Tem os mesmos sonhos, as mesmas esperan√ßas e os mesmos receios. √Č um √ļnico mundo, p√°. Somos todos vizinhos.

Bem Sei, Amor, que é Certo o que Receio

Bem sei, Amor, que é certo o que receio;
Mas tu, porque com isso mais te apuras,
De manhoso, mo negas, e mo juras
Nesse teu arco de ouro; e eu te creio.

A m√£o tenho metida no meu seio,
E não vejo os meus danos às escuras;
Porém porfias tanto e me asseguras,
Que me digo que minto, e que me enleio.

Nem somente consinto neste engano,
Mas inda to agradeço, e a mim me nego
Tudo o que vejo e sinto de meu dano.

Oh poderoso mal a que me entrego!
Que no meio do justo desengano
Me possa inda cegar um moço cego?

O desejo da gl√≥ria, o receio da vergonha, a ambi√ß√£o de fazer fortuna, o desejo de tornar a nossa vida c√≥moda e agrad√°vel e a √Ęnsia de rebaixar os outros, s√£o frequentemente as causas deste valor t√£o c√©lebre entre os homens.

Que Bem Sabe o Amor Constante

Até no carro te canto,
Fala a fala, seio a seio,
Espantado de um encanto
Que mais parece receio

De te perder à partida
Pra te ganhar à chegada,
Pois tu és a minha vida
Na ida e volta arriscada.

Vai o Godinho ao volante
Com seu ar de conde antigo
Que bem sabe o amor constante
Que me aparelha contigo.

Poupado na gasolina,
Discreto na confidência,
Navegador à bolina
Dos rumos da nossa ausência.

Leva-me à Embaixada, ao almoço:
Travou, mas n√£o sei que tenho:
Um resto de ardor de moço
Contigo no meu canhenho.

Receio dizer que n√£o gosto do trabalho de Paulo Coelho. Tamb√©m n√£o gosto de ‘O C√≥digo Da Vinci’, mas parece que o livro vende muito bem. Ou tenho mau gosto ou as outras pessoas t√™m. H√° livros facilmente consum√≠veis e que d√£o um conforto simples √†s pessoas. N√£o √© o meu neg√≥cio.

Se aquilo que ocasiona prazer aos libertos eliminasse os receios do esp√≠rito, dos fen√≥menos da natureza, da morte e das dores, e se ainda ensinasse o conhecimento da limita√ß√£o das √Ęnsias, nada ter√≠amos a desaprovar nessas pessoas.

Só Sente Ansiedade pelo Futuro aquele cujo Presente é Vazio

O principal defeito da vida √© ela estar sempre por completar, haver sempre algo a prolongar. Quem, todavia, quotidianamente der √† pr√≥pria vida “os √ļltimos retoques” nunca se queixar√° de falta de tempo; em contrapartida, √© da falta de tempo que prov√©m o temor e o desejo do futuro, o que s√≥ serve para corroer a alma. N√£o h√° mais miser√°vel situa√ß√£o do que vir a esta vida sem se saber qual o rumo a seguir nela; o esp√≠rito inquieto debate-se com o inelut√°vel receio de saber quanto e como ainda nos resta para viver. Qual o modo de escapar a uma tal ansiedade? H√° um apenas: que a nossa vida n√£o se projecte para o futuro, mas se concentre em si mesma. S√≥ sente ansiedade pelo futuro aquele cujo presente √© vazio. Quando eu tiver pago tudo quanto devo a mim mesmo, quando o meu esp√≠rito, em perfeito equil√≠brio, souber que me √© indiferente viver um dia ou viver um s√©culo, ent√£o poderei olhar sobranceiramente todos os dias, todos os acontecimentos que me sobrevierem e pensar sorridentemente na longa passagem do tempo! Que esp√©cie de perturba√ß√£o nos poder√° causar a variedade e instabilidade da vida humana se n√≥s estivermos firmes perante a instabilidade?

Continue lendo…

Receio que os animais considerem o homem como um ser da sua espécie, mas que perdeu da maneira mais perigosa a sã razão animal, receio que eles o considerem como o animal absurdo, como o animal que ri e chora, como o animal desastroso.

O Cuidado pela Posteridade é Maior naqueles que não Deixam Posteridade

As alegrias dos pais s√£o secretas, como tamb√©m o s√£o os desgostos e os receios: n√£o sabem exprimir as primeiras, n√£o querem exprimir os segundos. As crian√ßas tornam mais suaves os nossos trabalhos, mas tornam amargas as nossas desgra√ßas; acrescem os cuidados da vida, mas mitigam a lembran√ßa da morte. A perpetuidade pela gera√ß√£o √© comum aos animais; mas a gl√≥ria, o m√©rito, e os nobres feitos s√£o pr√≥prios do homem. E certamente observar-se-√° que as obras e as institui√ß√Ķes mais nobres prov√™m de homens sem filhos, homens que transmitiram as imagens do seu esp√≠rito, j√° que n√£o transmitiram as dos seu corpo. Assim o cuidado pela posteridade √© maior naqueles que n√£o deixam posteridade.

Envolvê-la nos Meus Braços

Tr√™s minutos depois de voc√™ ter partido. N√£o, n√£o consigo reprimi-lo. Digo-lhe o que j√° sabe: amo-a. √Č isto que destru√≠ vezes sem conta. Em Dijon, escrevi-lhe cartas longas e apaixonadas (se voc√™ tivesse permanecido na Su√≠√ßa ter-lhas-ia enviado), mas como posso eu envi√°-las para Louveciennes?

Anais, n√£o posso dizer muito agora – encontro-me demasiado alterado. Quase n√£o consegui conversar consigo, porque estava continuamente prestes a levantar-me e a envolv√™-la nos meus bra√ßos. Tinha esperan√ßas de que voc√™ n√£o tivesse de ir jantar a casa… De que pud√©ssemos ir a algum lado jantar e dan√ßar. Voc√™ dan√ßa… J√° sonhei com isso vezes sem conta… Eu a dan√ßar consigo, ou voc√™ a dan√ßar sozinha com a cabe√ßa inclinada para tr√°s e os olhos semicerrados. Algum dia tem de dan√ßar para mim dessa maneira. Esse √© o seu Eu espanhol, o tal sangue andaluz destilado.

Estou sentado no seu lugar e j√° levei aos l√°bios o copo onde voc√™ bebeu. Mas n√£o sei o que dizer. O que voc√™ me leu p√īs-me a cabe√ßa √†s voltas. A sua linguagem √© ainda mais avassaladora do que a minha. Comparado consigo, n√£o passo de um petiz… porque, quando o √ļtero que h√° em si fala,

Continue lendo…