Textos sobre Nove

17 resultados
Textos de nove escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Emoção e Poesia

Quem quer que seja de algum modo um poeta sabe muito bem qu√£o mais f√°cil √© escrever um bom poema (se os bons poemas se acham ao alcance do homem) a respeito de uma mulher que lhe interessa muito do que a respeito de uma mulher pela qual est√° profundamente apaixonado. A melhor esp√©cie de poema de amor √©, em geral, escrita a respeito de uma mulher abstracta. Uma grande emo√ß√£o √© por demais ego√≠sta; absorve em si pr√≥pria todo o sangue do esp√≠rito, e a congest√£o deixa as m√£os demasiado frias para escrever. Tr√™s esp√©cies de emo√ß√Ķes produzem grande poesia – emo√ß√Ķes fortes, por√©m r√°pidas, captadas para a arte t√£o logo passaram; emo√ß√Ķes fortes e profundas ao serem lembradas muito tempo depois; e emo√ß√Ķes falsas, isto √©, emo√ß√Ķes sentidas no intelecto. N√£o a insinceridade, mas sim, uma sinceridade traduzida, √© a base de toda a arte.
O grande general que pretende ganhar uma batalha para o império do seu país e para a história do seu povo não deseja Рnão pode desejar ter muitos dos seus soldados assassinados (mortos). Contudo, uma vez que tenha penetrado na contemplação da sua estratégia, escolherá (sem um pensamento para os seus homens) o golpe melhor,

Continue lendo…

Boa e M√° Literatura

O que acontece na literatura n√£o √© diferente do que acontece na vida: para onde quer que se volte, depara-se imediatamente com a incorrig√≠vel plebe da humanidade, que se encontra por toda a parte em legi√Ķes, preenchendo todos os espa√ßos e sujando tudo, como as moscas no ver√£o.
Eis a raz√£o do n√ļmero incalcul√°vel de livros maus, essa erva daninha da literatura que tudo invade, que tira o alimento do trigo e o sufoca. De facto, eles arrancam tempo, dinheiro e aten√ß√£o do p√ļblico – coisas que, por direito, pertencem aos bons livros e aos seus nobres fins – e s√£o escritos com a √ļnica inten√ß√£o de proporcionar algum lucro ou emprego. Portanto, n√£o s√£o apenas in√ļteis, mas tamb√©m positivamente prejudiciais. Nove d√©cimos de toda a nossa literatura actual n√£o possui outro objectivo sen√£o o de extrair alguns t√°leres do bolso do p√ļblico: para isso, autores, editores e recenseadores conjuraram firmemente.
Um golpe astuto e maldoso, porém notável, é o que teve êxito junto aos literatos, aos escrevinhadores que buscam o pão de cada dia e aos polígrafos de pouca conta, contra o bom gosto e a verdadeira educação da época, uma vez que eles conseguiram dominar todo o mundo elegante,

Continue lendo…

Sonhos Prometedores

Tenho mais pena dos que sonham o prov√°vel, o leg√≠timo e o pr√≥ximo, do que dos que devaneiam sobre o long√≠nquo e o estranho. Os que sonham grandemente, ou s√£o doidos e acreditam no que sonham e s√£o felizes, ou s√£o devaneadores simples, para quem o devaneio √© uma m√ļsica da alma, que os embala sem lhes dizer nada. Mas o que sonha o poss√≠vel tem a possibilidade real da verdadeira desilus√£o. N√£o me pode pesar muito o ter deixado de ser imperador romano, mas pode doer-me o nunca ter sequer falado √† costureira que, cerca da nove horas, volta sempre a esquina da direita. O sonho que nos promete o imposs√≠vel j√° nisso nos priva dele, mas o sonho que nos promete o poss√≠vel intromete-se com a pr√≥pria vida e delega nela a sua solu√ß√£o. Um vive exclusivo e independente; o outro submisso das conting√™ncias do que acontece.

Dizer Mal dos Outros, Ouvir Falar Mal de Nós

Uma das formas mais universais de irracionalidade é a atitude tomada por quase toda a gente em relação às conversas maldizentes. Muito poucas pessoas sabem resistir à tentação de dizer mal dos seus conhecimentos e mesmo, se a ocasião se proporciona, dos seus amigos; no entanto, quando sabem que alguma coisa foi dita em seu desabono, enchem-se de espanto e indignação. Certamente nunca lhes ocorreu ao espírito que da mesma forma que dizem mal de não importa quem, alguém possa dizer mal deles. Esta é uma forma atenuada da atitude que, quando exagerada, conduz à mania da perseguição.
Exigimos de toda a gente o mesmo sentimento de amor e de profundo respeito que sentimos por nós próprios. Nunca nos ocorre que não devemos exigir que os outros pensem melhor de nós do que nós pensamos a respeito deles e não nos ocorre porque aos nossos olhos os méritos são grandes e evidentes ao passo que os dos outros, se na realidade existem, só são reconhecidos com certa benevolência. Quando o leitor ouve dizer que alguém disse qualquer coisa desprimorosa a seu respeito, lembra-se logo das noventa e nove vezes que reprimiu o desejo de exprimir, sobre esse alguém, a crítica que considerava justa e merecida,

Continue lendo…

Raz√£o afectada pelo Desejo

O homem que deseja agir de certa forma se persuadirá que, assim procedendo, alcançará algum propósito que considera bom, mesmo que não vise motivo algum para pensar dessa forma, se não tivesse tal desejo. E julgará os factos e probabilidades de maneira muito diferente daquela adoptada por um homem com desejos opostos. Como todos sabem, os jogadores estão cheios de crenças irracionais relativas a sistemas que devem, no fim, fazê-los ganhar. Os que se interessam pela política persuadem-se de que os líderes do seu partido jamais praticariam as patifarias cometidas pelos adversários. Os homens que gostam de administrar acham que é bom para o povo ser tratado como um rebanho de ovelhas, os que gostam do fumo dizem que acalma os nervos, e os que apreciam o álcool afirmam que aguça o tino. A parcialidade assim criada falsifica o julgamento dos homens em relação aos factos, de modo muito difícil de evitar.
At√© mesmo um erudito artigo cient√≠fico sobre os efeitos do √°lcool no sistema nervoso em geral trai, por sintomas internos, o facto de o autor ser ou n√£o abst√©mio; em ambos os casos tende a ver os factos de maneira que justifique a sua atitude. Em pol√≠tica e religi√£o tais considera√ß√Ķes tornam-se muito importantes.

Continue lendo…

Como Amo

Como? Mas como √© que eu escrevi nove livros e em nenhum deles eu vos disse: Eu vos amo? Eu amo quem tem paci√™ncia de esperar por mim e pela minha voz que sai atrav√©s da palavra escrita. Sinto-me de repente t√£o respons√°vel. Porque se sempre eu soube usar a palavra ‚ÄĒ embora √†s vezes gaguejando ‚ÄĒ ent√£o sou uma criminosa se n√£o disser, mesmo de um modo sem jeito, o que quereis ouvir de mim. O que ser√° que querem ouvir de mim? Tenho o instrumento na m√£o e n√£o sei toc√°-lo, eis a quest√£o. Que nunca ser√° resolvida. Por falta de coragem? Devo por conten√ß√£o ao meu amor, devo fingir que n√£o sinto o que sinto: amor pelos outros?
Para salvar esta madrugada de lua cheia eu vos digo: eu vos amo.
N√£o dou p√£o a ningu√©m, s√≥ sei dar umas palavras. E d√≥i ser t√£o pobre. Estava no meio da noite sentada na sala de minha casa, fui ao terra√ßo e vi a lua cheia ‚ÄĒ sou muito mais lunar que solar. √Č uma solid√£o t√£o maior que o ser humano pode suportar, esta solid√£o me toma se eu n√£o escrever: eu vos amo. Como explicar que me sinto m√£e do mundo?

Continue lendo…

Plano de Vida

Um plano geral para a vida deve implicar, antes de mais, alcan√ßar-se qualquer forma de estabilidade financeira. Marquei como limite para essa coisa humilde a que chamo estabilidade financeira cerca de sessenta d√≥lares‚ÄĒquarenta para o necess√°rio, e vinte para as coisas sup√©rfluas da vida. A forma de o alcan√ßar √© adicionar aos trinta e um d√≥lares dos dois escrit√≥rios (P & FF) vinte e nove d√≥lares de proveni√™ncia a determinar. Em rigor, para viver apenas, cinquenta d√≥lares bastariam, pois, tomando trinta e cinco como base necess√°ria, quinze j√° davam para o resto.

A coisa essencial que vem logo a seguir √© residir numa casa com bastante espa√ßo, espa√ßo quanto a divis√Ķes e divis√Ķes com os requisitos necess√°rios, para arrumar todos os meus pap√©is e livros na devida ordem; e tudo isto sem grande possibilidade de me mudar dentro de pouco tempo. Parece que o mais f√°cil seria alugar eu pr√≥prio uma casa ‚ÄĒ √† base de, suponhamos, oito ou, quando muito, nove d√≥lares ‚ÄĒ e viver l√° √† vontade, combinando que me levassem o jantar (e o pequeno-almo√ßo) todos os dias, ou coisa parecida. Mas seria este sistema absolutamente conveniente?

Substituir, no tocante à ordem dos papéis,

Continue lendo…

Estudo, Criatividade, e Sabedoria Humilde

Descobrir√°s que n√£o √©s a primeira pessoa a quem o comportamento humano alguma vez perturbou, assustou ou mesmo enojou. N√£o est√°s de modo nenhum sozinho nesse ponto, e isso deve servir-te de incitamento e de est√≠mulo. Muitos, muitos homens se sentiram t√£o perturbados, moralmente e espiritualmente, como tu est√°s agora. Felizmente, alguns deles deixaram mem√≥rias dessa perturba√ß√£o. H√°s-de aprender com eles… se quiseres aprender. Tal como um dia, se tiveres alguma coisa para dar, algu√©m h√°-de aprender contigo. √Č um belo tratado de reciprocidade. E isto n√£o √© instru√ß√£o. √Č hist√≥ria. √Č poesia.
(…) N√£o estou a tentar dizer-te que s√≥ os homens instru√≠dos e com estudos est√£o preparados para dar alguma coisa ao mundo. N√£o √© verdade. Mas afirmo que os homens instru√≠dos e com estudos, se, para come√ßar, forem inteligentes e criativos, o que infelizmente, raramente acontece, tendem a deixar atr√°s deles mem√≥rias mais valiosas do que os homens simplesmente brilhantes e criativos. Tendem a exprimir-se mais claramente, e normalmente t√™m a paix√£o de seguir os seus pr√≥prios pensamentos at√© ao fim. E, o que √© mais importante, nove em cada dez vezes s√£o mais humildes do que os pensadores sem estudos.

J.D.

Confiss√£o

Trinta e nove anos. Meia vida passada, se isto se for aguentando, tomba daqui, tomba dali. E tudo por fazer! Comecei tarde, sem nenhuma prepara√ß√£o, e com defeitos horr√≠veis, que tenho ido limando pouco a pouco, mas que resistem como fortalezas. Nasci afirmativo demais, puritano demais, uno demais, apesar duma timidez confrangedora, duma aceita√ß√£o natural da vol√ļpia e duma dispers√£o aflitiva a cada instante. Tenho medo dum pol√≠cia e sou capaz de enfrentar um ex√©rcito; passo a vida a praticar virtudes que pro√≠bo terminantemente aos outros; escrevo um poema, a dar uma consulta. De maneira que nunca consegui encontrar aquele equil√≠brio criador onde julgo existir o pomar das grandes obras. Debato-me entre for√ßas contradit√≥rias, e ao cabo de cada livro sinto-me insatisfeito e culpado como um pecador que n√£o cumpriu bem a sua penit√™ncia. N√£o tenho ambi√ß√Ķes fora da arte, e, dentro dela, s√≥ desejo conquistar a gl√≥ria de a ter servido humilde e totalmente; mas n√£o consegui ainda dar-lhe tudo, jogar a vida e a morte por ela. Para isso era preciso calcar aos p√©s o homem civil que sou, e n√£o posso. Necessito de ter as minhas contas em dia como qualquer mortal honrado, e afligem-me os assuntos do mundo como casos pessoais.

Continue lendo…

Abrir as Portas da Felicidade

A For√ßa √© a chave que abre as portas da felicidade, pois sem ela nenhuma das outras nove portas √© aberta. Se desejamos ser felizes, temos de apelar √† nossa for√ßa interior e mental para mudar o que est√° mal em n√≥s. A For√ßa distingue-nos da norma, pois obriga-nos a lutar pela diferen√ßa de tentarmos ser felizes, d√°-nos a capacidade de optar consecutivamente por um ¬ęsim¬Ľ ou um ¬ęn√£o¬Ľ.

A For√ßa abre-nos fronteiras, cria passagens por mundos desconhecidos e torna-nos corajosos. A For√ßa destr√≥i os medos e combate a indiferen√ßa e a frustra√ß√£o. A For√ßa √© um desvio de dire√ß√£o quando nos aproximamos do abismo, √© um acordar repentino quando apenas temos um precip√≠cio pela frente. A For√ßa √© compreender um aviso, um sinal. √Č derrotar definitivamente os dias tristes.
Sou feliz porque tenho Força para mudar o que não está bem.

O Pressuposto Indispens√°vel para se Ser um Grande-Escritor

O pressuposto indispens√°vel para se ser um grande-escritor √©, ent√£o, o de escrever livros e pe√ßas de teatro que sirvam para todos os n√≠veis, do mais alto ao mais baixo. Antes de produzir algum bom efeito, √© preciso primeiro produzir efeito: este princ√≠pio √© a base de toda a exist√™ncia como grande-escritor. √Č um princ√≠pio miraculoso, eficaz contra todas as tenta√ß√Ķes da solid√£o, por excel√™ncia o princ√≠pio goethiano do sucesso: se nos movermos apenas num mundo que nos √© prop√≠cio, tudo o resto vir√° por si. Pois quando um escritor come√ßa a ter sucesso d√°-se logo uma transforma√ß√£o significativa na sua vida. O seu editor p√°ra de se lamentar e de dizer que um comerciante que se torna editor se parece com um idealista tr√°gico, porque faria muito mais dinheiro negociando com tecidos ou papel virgem. A cr√≠tica descobre nele um objecto digno da sua actividade, porque os cr√≠ticos muitas vezes at√© nem s√£o m√°s pessoas, mas, dadas as circunst√Ęncias epocais pouco prop√≠cias, ex-poetas que precisam de um apoio do cora√ß√£o para poderem p√īr c√° fora os seus sentimentos;s√£o poetas do amor ou da guerra, consoante o capital interior que t√™m de aplicar com proveito, e por isso √© perfeitamente compreens√≠vel que escolham o livro de um grande-escritor e n√£o o de um comum escritor.

Continue lendo…

O Homem Honroso

O homem honroso d√° aten√ß√£o especial a nove coisas. Dedica-se a ver bem o que olha, a ouvir bem o que escuta; cuida para ter uma apar√™ncia af√°vel, para ter uma atitude deferente, para ser sincero nas suas palavras, para ser diligente nas suas ac√ß√Ķes; no meio das suas d√ļvidas, tem o cuidado de interrogar; quando est√° descontente, pensa nas consequ√™ncias desastrosas da c√≥lera; frente a um bem a obter, lembra-se da justi√ßa.
(…) Buscar o bem, como se tem√™ssemos n√£o conseguir alcan√ß√°-lo; evitar o mal, como se tiv√©ssemos enfiado a m√£o na √°gua fervente; √© um princ√≠pio que eu vi ser posto em pr√°tica e que aprendi. Viver isolado na busca do seu ideal, praticar a justi√ßa, a fim de realizar a sua Via, √© um princ√≠pio que aprendi, mas ainda n√£o vi ningu√©m segui-lo.

Um Amor Verdadeiro

Admitamos: o amor é um assunto que já foi falado e voltado a falar, trivializado e dramatizado ao ponto de as pessoas não saberem já o que é e o que não é. A maioria de nós não consegue vê-lo porque temos as nossas ideias preconcebidas sobre o que é (é suposto ser mais forte do que nós e arrebatar-nos) e como aparece (num embrulho alto, magro, bem-humorado e charmoso). Por isso, se o amor não aparecer envolvido na nossa fantasia, não o conseguimos reconhecer.

Mas tenho a certeza do seguinte: o amor est√° em todo o lado. √Č poss√≠vel amar e ser amado independentemente do s√≠tio onde estamos. O amor existe sob todas as formas. √Äs vezes vou at√© ao jardim da minha casa e sinto o amor a vibrar em todas as minhas √°rvores. Est√° sempre dispon√≠vel.

J√° vi tantas mulheres (incluindo eu) confundidas pela ideia de um romance, acreditando que s√≥ ser√£o pessoas completas se encontrarem algu√©m que complete as suas vidas. Se pensarmos bem, n√£o √© uma ideia maluca? Voc√™, sozinho, tem de preencher com amor esses espa√ßos vazios e destru√≠dos. Como diz Ralph Waldo Emerson: ¬ęNada lhe poder√° dar paz a n√£o ser voc√™ mesmo.¬Ľ

Nunca esquecerei o momento em que estava a limpar uma gaveta e me deparei com doze p√°ginas que me obrigaram a parar.

Continue lendo…

Espero Curar-me em Tua Intenção

O que me eleva, o que em mim perdurar√°, √© a felicidade de ser amado por ti. Veneza, o Grande Canal, a Piazzetta, a Pra√ßa de S. Marcos – um mundo desvanecido. Tudo se torna objectivo como uma obra de arte. Instalei-me num imenso pal√°cio debru√ßado para o Grande Canal, de que neste momento sou o √ļnico habitante. Salas enormes, espa√ßosas, onde vagueio √† minha vontade. Tendo a minha instala√ß√£o uma import√Ęncia grande no aspecto t√©cnico e material do meu trabalho, nela ponho todo o meu cuidado. Escrevi logo para que me mandem o ¬ęErard¬Ľ. Soar√° admiravelmente nos sal√Ķes do meu pal√°cio. O singular sil√™ncio do Canal conv√©m-me √†s mil maravilhas. S√≥ deixo a casa pelas cinco horas, para ir comer. Depois passeio pelo jardim p√ļblico; breve paragem na Pra√ßa de S. Marcos, de um t√£o teatral efeito, por entre uma multid√£o que me √© completamente estranha e apenas me distrai a imagina√ß√£o. Pelas nove horas regresso de g√īndola, encontro o candeeiro aceso, e leio um pouco antes de adormecer…

Esta solid√£o, √ļnico alvo que procuro e que aqui se torna agrad√°vel, anima-me. Sim, espero curar-me em tua inten√ß√£o. Conservar-me para ti significa consagrar-me √† minha arte. Tornar-me tua consola√ß√£o,

Continue lendo…

O Animal que Pesa no Homem

N√£o se constr√≥i o mundo s√≥ com a parte min√ļscula do homem, que √© com que os pregadores do futuro julgam poder constru√≠-lo. H√° a outra parte, a interesseira, a comilona, e √© essa parte que v√≥s acenais para a ilus√£o. A parte grossa, a parte animal em disputa, a que d√° facadas por causa de uma sardinha, a que d√° tiros por causa de um olhar em desafio, a que d√° pontap√©s numa pedra s√≥ porque trope√ßou nela, ainda que fique ele pontapeado, a que rosna por causa de um osso, a que de todos os horizontes poss√≠veis s√≥ distingue o da gamela, a pesada e grossa, a gordurosa. Em nove d√©cimos do homem o que pesa √© o animal. E √© com o d√©cimo que resta que quereis reinvent√°-lo. Quereis? Mas √© da parte que negais nos outros que vos servis de engodo para a prega√ß√£o. Meu Deus.

Dói-me a Vida aos Poucos

Estou num daqueles dias em que nunca tive futuro. H√° s√≥ um presente im√≥vel com um muro de ang√ļstia em torno. A margem de l√° do rio nunca, enquanto √© a de l√°, √© a de c√°, e √© esta a raz√£o intima de todo o meu sofrimento. H√° barcos para muitos portos, mas nenhum para a vida n√£o doer, nem h√° desembarque onde se esque√ßa. Tudo isto aconteceu h√° muito tempo, mas a minha m√°goa √© mais antiga.
Em dias da alma como hoje eu sinto bem, em toda a consciência do meu corpo, que sou a criança triste em quem a vida bateu. Puseram-me a um canto de onde se ouve brincar. Sinto nas mãos o brinquedo partido que me deram por uma ironia de lata. Hoje, dia catorze de Março, às nove horas e dez da noite, a minha vida sabe a valer isto.
No jardim que entrevejo pelas janelas caladas do meu sequestro, atiraram com todos os balouços para cima dos ramos de onde pendem; estão enrolados muito alto, e assim nem a ideia de mim fugido pode, na minha imaginação, ter balouços para esquecer a hora.
Pouco mais ou menos isto, mas sem estilo,

Continue lendo…

Os Dias Bons

Os dias bons são os dias em que se acorda, tendo dormido oito, nove ou, melhor ainda, dez horas e, reflectindo naquela ronha de quem já não consegue dormir mais mas gosta de ficar na cama (porque a temperatura e a companhia são perfeitas), se lembra que não tem nada para fazer, senão tomar o pequeno-almoço, o almoço, o chá e o jantar. E, se quiser, entretanto, nalgum intervalo qualquer, trabalhar, tanto melhor. Mas não importa. Dias de domingos antigos: dias de prazer sem saber.
Os dias bons nunca acontecem. Acontecem, quando muito, cinco ou dez mil vezes numa vida. Três míseros anos já têm mais de mil. Domingo, daqui a uma semana, terei a sorte nunca tida de estar casado e feliz com a Maria João há 12 anos. Doze anos cheios de dias bons, impossíveis de contar.
O amor, para quem √© mais novo e n√£o sabe como fazer, n√£o √© uma t√©cnica ou uma t√°ctica. N√£o h√° segredo. N√£o h√° li√ß√Ķes. Ou se ama ou n√£o se ama. Ou se √© tamb√©m amado ou n√£o se √©. Esperar √© o melhor conselho. Experimentar √© o pior. O segredo n√£o √© ter paci√™ncia: √© conseguir manter a impaci√™ncia num estado de excelsitude.

Continue lendo…