Textos sobre Retos

27 resultados
Textos de retos escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

O Engano da Bondade

Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra.
Endure√ßamos a nossa bondade, amigos. J√° n√£o h√° pusil√Ęnime de olhos aguados e palavras brandas, j√° n√£o h√° cretino de inten√ß√£o subterr√Ęnea e gesto condescendente que n√£o leve a bondade, por v√≥s outorgada, como uma porta fechada a toda a penetra√ß√£o do nosso exame. Reparai que necessitamos que se chamem bons aos de cora√ß√£o recto, e aos n√£o flex√≠veis e submissos.
Reparai que a palavra se vai tornando acolhedora das mais vis cumplicidades, e confessai que a bondade das vossas palavras foi sempre Рou quase sempre Рmentirosa. Alguma vez temos de deixar de mentir, porque, no fim de contas, só de nós dependemos, e mortificamo-nos constantemente a sós com a nossa falsidade, vivendo assim encerrados em nós próprios entre as paredes da nossa estuta estupidez.
Os bons serão os que mais depressa se libertarem desta mentira pavorosa e souberem dizer a sua bondade endurecida contra todo aquele que a merecer. Bondade que se move, não com alguém, mas contra alguém. Bondade que não agride nem lambe,

Continue lendo…

Sobre a Diferença dos Espíritos

Apesar de todas as qualidades do espírito se poderem encontrar num grande espírito, algumas há, no entanto, que lhe são próprias e específicas: as suas luzes não têm limites, actua sempre de igual modo e com a mesma actividade, distingue os objectos afastados como se estivessem presentes, compreende e imagina as coisas mais grandiosas, vê e conhece as mais pequenas; os seus pensamentos são elevados, extensos, justos e intelegíveis; nada escapa à sua perspicácia, que o leva sempre a descobrir a verdade, através das obscuridades que a escondem dos outros. Mas, todas estas grandes qualidades não impedem por vezes que o espírito pareça pequeno e fraco, quando o humor o domina.
Um belo esp√≠rito pensa sempre nobremente; produz com facilidade coisas claras, agrad√°veis e naturais; torna vis√≠veis os seus aspectos mais favor√°veis, e enfeita-os com os ornamentos que melhor lhes conv√™m; compreende o gosto dos outros e suprime dos seus pensamentos tudo o que √© in√ļtil ou lhe possa desagradar. Um esp√≠rito recto, f√°cil e insinuante sabe evitar e ultrapassar as dificuldades; adapta-se facilmente a tudo o que quer; sabe conhecer e acompanhar o espirito e o humor daqueles com quem priva e ao preocupar-se com os interesses dos amigos,

Continue lendo…

Prazer com Virtude

Que dizer do facto de tanto os homens bons como os maus terem prazer, e de os homens infames terem tanto gosto em cometer actos vergonhosos como os homens honestos t√™m nas suas ac√ß√Ķes excelentes? √Č por isso que os antigos prescreveram que se procurasse a vida melhor, n√£o a mais agrad√°vel, de forma a que o prazer fosse, n√£o o guia, mas um companheiro da vontade recta e boa. Na verdade, a natureza deve ser o nosso guia: a raz√£o observa-a e consulta-a. Por isso, viver feliz √© o mesmo que viver de acordo com a natureza. Passo a explicar o que quer isto dizer: se conservarmos os nossos dons corporais e as nossas aptid√Ķes naturais com dilig√™ncia, mas tamb√©m com impavidez, tomando-os como bens ef√©meros e fugazes; se n√£o nos tornarmos servos deles, nem nos submetermos a coisas exteriores; se as coisas que s√£o circunstanciais e agrad√°veis ao corpo forem para n√≥s como auxiliares e tropas ligeiras num castro (que obedecem, n√£o comandam); nesta medida, todas estas coisas ser√£o √ļteis √† mente.
N√£o se deixe o homem corromper pelas coisas externas e inalcan√ß√°veis, e admire-se apenas a si pr√≥prio, confiando no seu √Ęnimo e mantendo-se preparado para tudo,

Continue lendo…

A Vida Oblíqua

S√≥ agora pressenti o obl√≠quo da vida. Antes s√≥ via atrav√©s de cortes retos e paralelos. N√£o percebia o sonso tra√ßo enviesado. Agora adivinho que a vida √© outra. Que viver n√£o √© s√≥ desenrolar sentimentos grossos ‚ÄĒ √© algo mais sortil√©gico e mais gr√°cil, sem por isso perder o seu fino vigor animal. Sobre essa vida insolitamente enviesada tenho posto minha pata que pesa, fazendo assim com que a exist√™ncia fene√ßa no que tem de obl√≠quo e fortuito e no entanto ao mesmo tempo sutilmente fatal. Compreendi a fatalidade do acaso e n√£o existe nisso contradi√ß√£o.

A vida oblíqua é muito íntima. Não digo mais sobre essa intimidade para não ferir o pensar-sentir com palavras secas. Para deixar esse oblíquo na sua independência desenvolta.
E conheço também um modo de vida que é suave orgulho, graça de movimentos, frustração leve e contínua, de uma habilidade de esquivança que vem de longo caminho antigo. Como sinal de revolta apenas uma ironia sem peso e excêntrica. Tem um lado da vida que é como no inverno tomar café num terraço dentro da friagem e aconchegada na lã.
Conheço um modo de vida que é sombra leve desfraldada ao vento e balançando leve no chão: vida que é sombra flutuante,

Continue lendo…

A Vida é uma Montanha Russa

A vida n√£o √© uma linha reta em que algu√©m conquistado ou algo adquirido √© uma seguran√ßa para todo o sempre; a vida √© uma montanha russa e, de vez em quando, sim, √© preciso ficares de pernas para o ar. Tudo passa, tu ficas. Sou t√£o assertivo relativamente a este tema porque sei que √© a depend√™ncia que gera o apego, ou seja, se as pessoas forem independentes √© imposs√≠vel serem apegadas. √Č o ego que as vincula √† ideia de que n√£o s√£o suficientemente boas para dependerem de si mesmas e √© contra esta terr√≠vel armadilha que √© preciso lutar.

Uma m√£e que dependa do bem–estar do filho e que viva para ele √© uma mulher que n√£o encontrar√° for√ßas para lhe esticar o bra√ßo quando ele cair e precisar de uma verdadeira m√£e, pois ser√£o sempre dois a sofrer da mesma epidemia, da mesma dor, da mesma frustra√ß√£o ou desilus√£o; um homem que use e abuse da estabilidade profissional e financeira que conquistou e que dependa disso para, pensa ele, ser o que √©, √© algu√©m que mais tarde ou mais cedo, e num daqueles loopings da vida em que o que era j√° n√£o √©,

Continue lendo…

A Voz que Ouço quando Leio

Quando leio, h√° uma voz que l√™ dentro de mim. Paro o olhar sobre o texto impresso, mas n√£o acredito que seja o meu olhar que l√™. O meu olhar fica embaciado. √Č essa voz que l√™. Quando √© s√©ria, ou√ßo-a falar-me de assuntos s√©rios. √Äs vezes, sussurra-me. √Äs vezes, grita-me. Essa voz n√£o √© a minha voz. N√£o √© a voz que, em filmagens de festas de anos e de natais, vejo sair da minha boca, do movimento dos meus l√°bios, a voz que estranho por, num rosto parecido com o meu, n√£o me parecer minha. A voz que ou√ßo quando leio existe dentro de mim, mas n√£o √© minha. N√£o √© a voz dos meus pensamentos. A voz que ou√ßo quando leio existe dentro de mim, mas √© exterior a mim. √Č diferente de mim. Ainda assim, n√£o acredito que algu√©m possa ter uma voz que l√™ igual √† minha, por isso √© minha mas n√£o √© minha. Mas, claro, n√£o posso ter a certeza absoluta. N√£o s√≥ porque uma voz √© indescrit√≠vel, mas tamb√©m porque nunca ningu√©m me tentou descrever a voz que ouve quando l√™ e porque eu nunca falei com ningu√©m da voz que ou√ßo quando leio.

Continue lendo…

A Morte Est√° atr√°s do Teu Beijo

A morte est√° atr√°s do teu beijo,
e n√£o me interessa nada que n√£o me possa matar.

N√£o quero trajectos sem calhaus, pessoas sem problemas, muito menos gl√≥rias sem l√°grimas. N√£o quero o t√©dio de s√≥ continuar, a obriga√ß√£o de suportar, andar na rotina s√≥ por andar. N√£o quero o vai-se andando, o √© a vida, o tem de ser, nada que n√£o me ponha a gemer. N√£o quero o prato sempre saud√°vel, a saladinha impoluta, a cama casta, o sexo virgem. N√£o quero o sol o dia todo, a recta sem a m√≠nima curva, n√£o quero o preto liso nem o branco imaculado, n√£o quero o poema perfeito nem a ortografia ilesa. N√£o quero aprender apenas com o professor, a palmadinha nas costas, o v√° l√° que isso passa, a microssatisfa√ß√£o, a min√ļscula euforia. N√£o quero os l√°bios sem l√≠ngua, a l√≠ngua sem prazer, fugir do que mete medo, e at√© acomodar-me ao que me faz doer. Quero o que n√£o cabe no regular, o que n√£o se entende nos manuais, o que n√£o acontece nos gui√Ķes. Quero a ruga esquisita, a m√£o descuidada, a estrada arriscada, a chuva, o vento, as unhas cravadas, o animal do instante.

Continue lendo…

Educação Permanente

A educa√ß√£o prolonga-se por toda a vida. Defino-a da seguinte maneira: a matura√ß√£o da nossa alma e do nosso esp√≠rito gra√ßas aos nossos cuidados e √†s circunst√Ęncias exteriores. Do conv√≠vio com pessoas m√°s ou com pessoas respeit√°veis √© que resulta a m√° ou boa educa√ß√£o de toda a vida. O esp√≠rito fortifica-se no conv√≠vio com os esp√≠ritos rectos; sucede o mesmo com a alma. Endurece-se no conv√≠vio com pessoas duras e frias.

Curar o Intelecto

Deve excogitar-se o modo de curar o intelecto e purific√°-lo tanto quanto poss√≠vel desde o come√ßo, a fim de que entenda tudo felizmente sem erro e da melhor maneira. Donde se poder√° j√° deduzir que quero encaminhar todas as ci√™ncias para um s√≥ fim e escopo, a saber, chegar √† suma perfei√ß√£o humana de que falamos; e assim tudo o que nas ci√™ncias n√£o nos leva ao nosso fim precisa de ser rejeitado como in√ļtil; isto √©, para usar uma s√≥ palavra, todas as nossas ac√ß√Ķes, assim como os pensamentos, h√£o-de ser dirigidos para esse fim. Mas visto que √© necess√°rio viver enquanto cuidamos de o conseguir e nos esfor√ßamos por colocar o intelecto no caminho recto, somos obrigados antes de tudo a supor como boas algumas regras de vida, a saber:

I. Falar ao alcance do vulgo e fazer tudo o que não traz nenhum impedimento para atingirmos o nosso escopo. Com efeito, disso podemos tirar não pequeno proveito, contanto que nos adaptemos, na medida do possível, à sua capacidade; acresce que desse modo oferecerão ouvidos prontos para a verdade.

II. Dos prazeres somente gozar quanto basta para a consecu√ß√£o da sa√ļde.

III.

Continue lendo…

A Gratidão não é Coisa de Pouca Monta

Ningu√©m poder√° ser grato se n√£o desprezar tudo aquilo que excita a aten√ß√£o do vulgo: se quiseres, de facto, retri¬≠buir um favor ter√°s que estar disposto a enfrentar o ex√≠lio, a derramar o teu sangue, a resignar-te √† indig√™ncia, a con¬≠sentir mesmo que a tua inoc√™ncia seja posta em causa e se sujeite a infames boatos. Um homem grato n√£o √© coisa de pouca monta. Habitualmente, a nada se d√° mais valor do que a um benef√≠cio enquanto o solicitamos, mas a nada se d√° menos valor depois de obt√™-lo. Sabes o que ocasiona em n√≥s o esquecimento dos favores recebidos? √Č o desejo daqueles que procuramos obter! N√£o pensamos no que j√° conseguimos, mas s√≥ no que ainda procuramos alcan√ßar. Somos desviados do caminho recto pelas riquezas, as hon¬≠ras, o poder e outras coisas mais que a opini√£o comum considera valiosas mas que em si mesmas nada valem.

Prazer n√£o Significa Felicidade

Aqueles que disseram ser o prazer o sumo bem, viram bem a posição vergonhosa em que o colocaram. Negam eles também que a virtude possa ser separada do prazer e dizem que ninguém pode viver honestamente sem viver agradavelmente, tal como ninguém pode viver agradavelmente sem viver honestamente. Não vejo como elementos tão diversos podem ser postos lado a lado. Porque não se poderá, pergunto-vos, separar a virtude do prazer? Visto que o princípio de todo o bem é a virtude, será ela também a raiz de tudo o que vós amais e desejais? Todavia, se a virtude e o prazer não fossem coisas distintas, não se compreenderia por que razão há umas coisas que são agradáveis, mas desonestas, e outras que são honestíssimas, mas penosas e causadoras de sofrimento.
Acrescenta ainda que, enquanto o prazer se coaduna com uma vida vergonhosa, a virtude n√£o admite uma m√° vida, e quantos h√° que s√£o infelizes n√£o por n√£o terem prazer, mas precisamente por causa do prazer, o que n√£o aconteceria se conjugassem o prazer com a virtude, a qual existe muitas vezes sem ele, sem nunca precisar dele para existir.
Porquê confundir coisas tão diversas ou mesmo opostas?

Continue lendo…

Conduta Apropriada

A maior parte das pessoas deixa-se irritar e exasperar pelos actos de neglig√™ncia, n√£o apenas de parentes e amigos como, inclusive, dos inimigos. Os ralhos, a irascibilidade, a inveja, a malevol√™ncia e o ci√ļme maligno s√£o pr√≥prios, t√£o-somente, das pessoas infectadas por tais pestil√™ncias, que afligem e oprimem gente insensata; brigas de vizinhos, apatia de amigos, mau procedimento de funcion√°rios no desempenho das suas obriga√ß√Ķes, s√£o inst√Ęncias disso. Coloca-te em lugar de destaque na lista das pessoas que abominam semelhante conduta; como os doutores em S√≥focles, que ¬ębile amarga com rem√©dio amargo purgam¬Ľ, exibes indigna√ß√£o e exaspera√ß√£o para fazer parelha com as suas paix√Ķes e destemperos. Isto √© il√≥gico. O neg√≥cio confiado √† tua administra√ß√£o √© realizado, em boa parte, n√£o por pessoas de car√°cter recto e direito, como instrumentos apropriados √† execu√ß√£o de um trabalho, mas por ferramentas tortas e defraudadas. N√£o imagines que seja de tua responsabilidade corrigi-las, ou que tal seja f√°cil de fazer. Mas se as usares de conformidade com o que s√£o, do mesmo modo por que os m√©dicos usam botic√Ķes ou pin√ßas cir√ļrgicas, revestindo-te da calma e da modera√ß√£o exigidas pela situa√ß√£o, o prazer que experimentar√°s com a tua s√°bia conduta ser√° maior do que o teu vexame pela crueza e deprava√ß√£o dos outros.

Continue lendo…

A Ignor√Ęncia leva ao Impulso sem Sentido

A ignor√Ęncia √© uma coisa vil, abjecta, indigna, servil, sujeita a in√ļmeras e violent√≠ssimas paix√Ķes. Destes insuport√°veis tiranos que s√£o as paix√Ķes – e que por ora nos governam alternadamente, ora em conjunto – te libertar√° a sabedoria, a √ļnica liberdade aut√™ntica. Para chegar √† sabedoria, um s√≥ caminho e em linha recta; n√£o h√° que errar, avan√ßa em passo firme e constante. Se queres que tudo te esteja sujeito, sujeita-te tu √† raz√£o; dirigir√°s muitos outros, se a ti te dirigir a raz√£o. Ela te dir√° o que deves empreender, e que maneira; assim n√£o ser√°s surpreendido pelos acontecimentos. Tu n√£o podes apontar-me algu√©m que saiba de que modo come√ßou a querer aquilo que quer. E porqu√™? Porque o comum das pessoas n√£o √© levada pela reflex√£o, mas arrastada por impulsos. A fortuna cai sobre n√≥s n√£o menos vezes do que n√≥s caimos sobre ela.

A Import√Ęncia dos Princ√≠pios

Entre os homens, alguns h√° que possuem naturalmente um excelente car√°cter e que assimilam sem necessidade de longa instru√ß√£o os princ√≠pios tradicionais, que abra√ßam a via da moralidade desde o primeiro momento em que dela ouvem falar; do meio destes √© que surgem aqueles g√©nios que concitam em si toda a gama de virtudes, que produzem eles mesmos virtudes. Mas aos outros, √†queles que t√™m o esp√≠rito embotado, obtuso ou dominado por tradi√ß√Ķes err√≥neas, a esses h√° que raspar a ferrugem que t√™m na alma. Mais ainda: se transmitirmos os preceitos b√°sicos da filosofia aos primeiros, rapidamente eles atingir√£o o mais alto n√≠vel, pois est√£o naturalmente inclinados ao bem; se o fizermos aos outros, os de natureza mais fraca, ajud√°-los-emos a libertarem-se das suas convic√ß√Ķes erradas. Por aqui podes ver como s√£o necess√°rios os princ√≠pios b√°sicos. Temos instintos em n√≥s que nos fazem indolentes ante certas coisas, e atrevidos perante outras; ora, nem este atrevimento nem aquela indol√™ncia podem ser eliminados se primeiro n√£o removermos as respectivas causas, ou seja, a admira√ß√£o infundada ou o receio infundado.
Enquanto tivermos em n√≥s esses instintos, bem poder√°s dizer: “estes s√£o os teus deveres para com teu pai, ou para com os filhos,

Continue lendo…

Nós Queimaremos o Mundo, Querida

Diz a Madame de Stael que os primeiros amores n√£o s√£o os mais fortes porque nascem simplesmente da necessidade de amar. Assim √© comigo; mas, al√©m dessa, h√° uma raz√£o capital, e √© que tu n√£o te pareces nada com as mulheres vulgares que tenho conhecido. Esp√≠rito e cora√ß√£o como o teu s√£o prendas raras; alma t√£o boa e t√£o elevada, sensibilidade t√£o melindrosa, raz√£o t√£o recta n√£o s√£o bens que a natureza espalhasse √†s m√£os cheias (…). Tu pertences ao pequeno n√ļmero de mulheres que ainda sabem amar, sentir, e pensar. Como te n√£o amaria eu? Al√©m disso tens para mim um dote que real√ßa os mais: sofreste. √Č minha ambi√ß√£o dizer √† tua grande alma desanimada: ¬ęlevanta-te, cr√™ e ama: aqui est√° uma alma que te compreende e te ama tamb√©m¬Ľ.
A responsabilidade de fazer-te feliz é decerto melindrosa; mas eu aceito-a com alegria, e estou certo que saberei desempenhar este agradável encargo. Olha, querida; também eu tenho pressentimento acerca da minha felicidade; mas que é isto senão o justo receio de quem não foi ainda completamente feliz?
Obrigado pela flor que mandaste; dei-lhe dois beijos como se fosse a ti mesma, pois que apesar de seca e sem perfume,

Continue lendo…

Nada é Certo

Ningu√©m avan√ßa pela vida em linha recta. Muitas vezes, n√£o paramos nas esta√ß√Ķes indicadas no hor√°rio. Por vezes, sa√≠mos dos trilhos. Por vezes, perdemo-nos, ou levantamos voo e desaparecemos como p√≥. As viagens mais incr√≠veis fazem-se √†s vezes sem se sair do mesmo lugar. No espa√ßo de alguns minutos, certos indiv√≠duos vivem aquilo que um mortal comum levaria toda a sua vida a viver. Alguns gastam um sem n√ļmero de vidas no decurso da sua estadia c√° em baixo. Alguns crescem como cogumelos, enquanto outros ficam inelut√°velmente para tr√°s, atolados no caminho. Aquilo que, momento a momento, se passa na vida de um homem √© para sempre insond√°vel. √Č absolutamente imposs√≠vel que algu√©m conte a hist√≥ria toda, por muito limitado que seja o fragmento da nossa vida que decidamos tratar.

A Dor e o Prazer

A natureza colocou o género humano sob o domínio de dois senhores soberanos: a dor e o prazer. Somente a eles compete apontar o que devemos fazer, bem como determinar o que na realidade faremos. Ao trono desses dois senhores está vinculada, por uma parte, a norma que distingue o que é recto do que é errado, e, por outra, a cadeia das causas e dos efeitos.
Os dois senhores de que falamos governam-nos em tudo o que fazemos, em tudo o que dizemos, em tudo o que pensamos, sendo que qualquer tentativa que façamos para sacudir esse senhorio outra coisa não faz senão demonstrá-lo e confirmá-lo. Através das suas palavras, o homem pode pretender abjurar tal domínio, porém na realidade permanecerá sujeito a ele em todos os momentos da sua vida.