Passagens sobre Comunidade

88 resultados
Frases sobre comunidade, poemas sobre comunidade e outras passagens sobre comunidade para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Dominar ou Morrer

Uma esp√©cie nasce, um tipo fixa-se e torna-se forte sob a longa luta com condi√ß√Ķes desfavor√°veis essencialmente constantes. Inversamente, sabe-se pelas experi√™ncias dos criadores de gado que as esp√©cies que foram superalimentadas e, de um modo geral, tiveram demasiada protec√ß√£o e cuidados, logo tendem marcadamente para a varia√ß√£o de tipos e abundam em prod√≠gios e monstruosidades (tamb√©m em v√≠cios monstruosos). Considere-se agora uma comunidade aristocr√°tica, por exemplo uma antiga polis grega ou Veneza como institui√ß√£o volunt√°ria ou involunt√°ria, destinada √† selec√ß√£o: h√° ali homens convivendo dependentes uns dos outros e que querem impor a sua esp√©cie, em geral porque se t√™m que impor ou de contr√°rio correm o terr√≠vel risco de serem exterminados.

Os Fortes Aspiram a Separar-se e os Fracos a Unir-se

O crescimento da comunidade frutifica no indiv√≠duo um interesse novo que o aparta da sua pena pessoal, da sua avers√£o √† sua pr√≥pria pessoa. Todos os doentes aspiram instintivamente a organizar-se em rebanhos, o sacerdote asc√©tico adivinha este instinto e alenta-os onde quer que haja rebanhos, o instinto de fraqueza forma-os, a habilidade do sacerdote organiza-os. N√£o nos enganemos: os fortes aspiram a separar-se e os fracos a unir-se; se os primeiros se re√ļnem, √© para uma ac√ß√£o agressiva comum, que repugna muito √† consci√™ncia de cada qual; pelo contr√°rio, os √ļltimos unem-se pelo prazer que acham em unir-se; porque isto satisfaz o seu instinto, assim como irrita o instinto dos fortes. Toda a oligarquia envolve o desejo da tirania; treme continuamente por causa do esfor√ßo que cada um dos indiv√≠duos tem que fazer para dominar este desejo.

Os crimes e as m√°s vidas d√£o-nos a medida do fracasso de um Estado. Todos os crimes s√£o, afinal, o crime de uma comunidade.

As crianças de hoje são os líderes de amanhã, e a educação é uma arma muito importante para as preparar para os seus futuros papéis, enquanto líderes da comunidade.

Nunca esqueci os dias da minha inf√Ęncia em que costum√°vamos juntar-nos √† roda dos mais velhos da comunidade para escutar o tesouro da sua sabedoria e experi√™ncia.

O Homem Foi Sempre Mau

O homem foi sempre mau; ser√° mau at√© ao fim. A sociedade parece melhor do que foi, olhada colectivamente: √© parte nisto a lei, e, grande parte o c√°lculo. Cada indiv√≠duo se constrange e enfreia no pacto social para auferir as vantagens de o n√£o romper; por√©m, o instinto de cada homem, em comunidade de homens, est√° de cont√≠nuo repuxando para a desorganiza√ß√£o. Eu aceito, como puros, os cora√ß√Ķes formados na solid√£o, a n√£o se dar a segunda hip√≥tese do prov√©rbio, que disse: homem sozinho, das duas uma: ou Deus ou bruto.

Sou um Verdadeiro Solit√°rio

O meu sentido ardente de justi√ßa social e de dever social estiveram sempre em estranho desacordo com uma marcada car√™ncia de necessidade directa de liga√ß√£o com os homens e com as comunidades humanas. Sou um verdadeiro solit√°rio (¬ęEinsp√§nner¬Ľ), que nunca pertenceu inteiramente e de todo o cora√ß√£o ao Estado, √† P√°tria, ao c√≠rculo dos amigos ou at√© mesmo √† fam√≠lia mais chegada, mas antes pelo contr√°rio experimentou sempre, em rela√ß√£o a todas essas liga√ß√Ķes, um sentimento indom√°vel de estranheza e de √Ęnsia de isolamento, um sentimento que com a idade mais se intensifica. Apercebemo-nos nitidamente, mas sem o lamentarmos, que nos √© limitada a conviv√™ncia em sociedade com outros seres humanos. Um homem desta natureza perde, de certo modo, uma parte da sua maneira de ser inocente e despreocupada mas ganha em se sentir largamente independente das opini√Ķes, dos h√°bitos e ju√≠zos dos homens, e n√£o cai na tenta√ß√£o de estabelecer o seu equil√≠brio numa base t√£o pouco s√≥lida.

A felicidade consiste numa certa maneira de viver, no meio que circunda o homem,nos costumes e nas institui√ß√Ķes adotadas pela comunidade √† qual pertence…

O Amor Social

√Č necess√°rio voltar a sentir que precisamos uns dos outros, que temos uma responsabilidade para com os outros e o mundo, que vale a pena sermos bons e honestos. Vivemos j√° muito tempo na degrada√ß√£o moral, baldando-nos √† √©tica, √† bondade, √† f√©, √† honestidade; chegou o momento de reconhecer que esta alegre superficialidade de pouco nos serviu. Uma tal destrui√ß√£o de todo o fundamento da vida social acaba por nos colocar uns contra os outros, na defesa dos pr√≥prios interesses, provoca o despertar de novas formas de viol√™ncia e crueldade e impede o desenvolvimento de uma verdadeira cultura do cuidado do meio ambiente.

O exemplo de Santa Teresa de Lisieux convida-nos a p√īr em pr√°tica o pequeno caminho do amor, a n√£o perder a oportunidade de uma palavra gentil, de um sorriso, de qualquer pequeno gesto que semeie paz e amizade. Uma ecologia integral √© feita tamb√©m de simples gestos quotidianos, pelos quais quebramos a l√≥gica da viol√™ncia, da explora√ß√£o, do ego√≠smo. Pelo contr√°rio, o mundo do consumo exacerbado √©, simultaneamente, o mundo que maltrata a vida em todas as suas formas.

O amor, cheio de pequenos gestos de cuidado m√ļtuo, √© tamb√©m civil e pol√≠tico,

Continue lendo…

A Política ao Sabor dos Humores Pessoais e Colectivos

Bem quero, mas n√£o consigo alhear-me da com√©dia democr√°tica que substituiu a trag√©dia autocr√°tica no palco do pa√≠s. S√≥ n√≥s! D√° vontade de chorar, ver tanta irreflex√£o. N√£o aprendemos nenhuma li√ß√£o pol√≠tica, por mais eloquente que seja. Cinquenta anos a suspirar sem gl√≥ria pelo fim de um jugo humilhante, e quando temos a oportunidade de ser verdadeiramente livres escravizamo-nos √†s nossas obsess√Ķes. Ningu√©m aqui entende outra voz que n√£o seja a dos seus humores.

√Č humoralmente que elegemos, que legislamos, que governamos. E somos uma comunidade de solid√Ķes impulsivas a todos os n√≠veis da cidadania. Com oitocentos anos de Hist√≥ria, parecemos crian√ßas sociais. Jogamos √†s escondidas nos corredores das institui√ß√Ķes.

A TV Como Instrumento Redutor

Porque √© que a TV foi essa ¬ęcaixinha que revolucionou o mundo¬Ľ? Fa√ßo a pergunta e as respostas v√™m em turbilh√£o. Fez de tudo um espect√°culo, fez do longe o mais perto, promoveu o analfabetismo e o atraso mental. De um modo geral, desnaturou o homem. E sobretudo miniturizou-o, fazendo de tudo um pormenor, isturado ao quotidiano dom√©stico. Porque mesmo um filme ou pe√ßa de teatro ou at√© um espect√°culo desportivo perdem a grandeza e metaf√≠sica de um largo espa√ßo de uma comunidade humana.

J√° um acto religioso √© muito diferente ao ar livre ou no interior de uma catedral. Mas a TV √© algo de min√ļsculo e trivial como o sof√° donde a presenciamos. Diremos assim e em resumo que a TV √© um instrumento redutor. Porque tudo o que passa por l√° chega at√© n√≥s diminu√≠do e desvalorizado no que lhe √© essencial. E a maior raz√£o disso n√£o est√° nas reduzidas dimens√Ķes do ecr√£, mas no facto de a ¬ęcaixa revolucionadora¬Ľ ser um objecto entre os objectos de uma sala.

Mas por sobre todos os males que nos infligiu, ergue-se o da promoção do analfabetismo. Ser é um acto difícil e olhar o boneco não dá trabalho nenhum.

Continue lendo…

Os Velhos S√£o os Verdadeiros Rebeldes

Os velhos s√£o os verdadeiros rebeldes. Os jovens, por muiro rasgados que estejam os blus√Ķes de cabedal, querem sempre conformar-se com qualquer coisa. Querem fazer parte dum movimento. Querem fazer parte de uma revolu√ß√£o ou de uma comunidade. Os velhos s√≥ querem fazer partes. De prefer√™ncia gagas. Os velhos n√£o t√™m nada a perder. Podem dizer e fazer o que lhes apetece. √Č por isso que os velhos, mais do que os novos, dizem quase sempre a verdade. N√≥s √© que podemos n√£o querer ouvi-la. H√°-de reparar-se que aquilo que os velhos dizem √© que ¬ęa vida √© uma chatice¬Ľ. N√≥s dizemos que eles est√£o senis. Mas eles √© que t√™m raz√£o.

A mansidão na comunidade é uma virtude um pouco esquecida: ser mansos, dar lugar ao outro. Há muitos inimigos da mansidão, a começar pelo falatório; quando se prefere falar, falar sobre os outros, criticar um pouco os outros. São coisas do dia a dia que acontecem a todos, também a mim.

Cristo certamente n√£o esteve dividido. Mas devemos reconhecer sinceramente e com dor que as nossas comunidades continuam a viver divis√Ķes que s√£o escandalosas. As divis√Ķes entre crist√£os s√£o um esc√Ęndalo. N√£o h√° outra palavra: um esc√Ęndalo.

A mais bela das experiências é descobrir de quantos carismas diferentes e de quantos dons do seu Espírito o Pai colma a Sua Igreja! Isto não deve ser visto como um motivo de confusão, de mal-estar; são tudo dádivas que Deus concede à comunidade cristã, para que possa crescer em harmonia, na fé e no Seu amor, como um só corpo, o corpo de Cristo.

O perd√£o e a miseric√≥rdia n√£o t√™m muito espa√ßo no mundo que vimos construindo, na vida de todos os dias, nas rela√ß√Ķes entre pessoas, entre fam√≠lias, entre comunidades e povos diferentes. O Cristo da Cruz mostra-nos o cume humano do perd√£o: ¬ęPai, perdoa-lhes, porque n√£o sabem o que fazem¬Ľ (Lucas 23:34).

Na linguagem comum, quando falamos de ¬ęcarisma¬Ľ queremos muitas vezes dizer um talento, uma habilidade natural. Na perspetiva crist√£, por√©m, o carisma √© bem mais do que uma qualidade pessoal: √© uma gra√ßa, um dom dispensado por Deus Pai que √© dado a algu√©m n√£o porque seja melhor do que os outros, mas para que o ponha ao servi√ßo de toda a comunidade, para bem de todos.

Nenhuma comunidade cristã pode andar em frente sem o suporte de uma oração perseverante! Assim como na vida de qualquer um de nós é sempre preciso voltar a começar, levantar-se de novo, reencontrar o sentido da própria existência, assim também na grande família humana é necessário renovar o horizonte comum. O horizonte da esperança!

Liberdade com Limites

H√° muitas esp√©cies de liberdade. Umas tem o mundo de menos, outras tem o mundo de mais. Mas ao dizer que pode haver ¬ęde mais¬Ľ de uma certa esp√©cie de liberdade devo apressar-me a acrescentar que a √ļnica esp√©cie de liberdade que considero indesej√°vel √© aquela que permite diminuir a liberdade de outrem, por exemplo, a liberdade de fazer escravos.
O mundo n√£o pode garantir-se a maior quantidade poss√≠vel de liberdade instituindo, pura e simplesmente, a anarquia, pois nesse caso os mais fortes seriam capazes de privar da liberdade os mais fracos. Duvido de que qualquer institui√ß√£o social seja justific√°vel se contribui para diminuir o quantitativo total de liberdade existente no mundo, mas certas institui√ß√Ķes sociais s√£o justific√°veis apesar do facto de coarctarem a liberdade de um certo indiv√≠duo ou grupo de indiv√≠duos.
No seu sentido mais elementar, liberdade significa a ausência de controles externos sobre os actos de indivíduos ou grupos. Trata-se, portanto, de um conceito negativo, e a liberdade, por si só, não confere a uma comunidade qualquer alta valia.
Os Esquim√≥s, por exemplo, podem dispensar o Governo, a educa√ß√£o obrigat√≥ria, o c√≥digo das estradas, e at√© as complica√ß√Ķes incr√≠veis do c√≥digo comercial. A sua vida,

Continue lendo…