Cita√ß√Ķes sobre Ex√©rcito

65 resultados
Frases sobre ex√©rcito, poemas sobre ex√©rcito e outras cita√ß√Ķes sobre ex√©rcito para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Não existe exército que resista à força de uma idéia que a seu tempo tenha chegado.

A Trágica Necessidade de Conquista e de Mudança

Em todos os tempos os homens, por algum pedaço de terra de mais ou de menos, combinaram entre si despojarem-se, queimarem-se, trucidarem-se, esganarem-se uns aos outros; e para fazê-lo mais engenhosamente e com maior segurança, inventaram belas regras às quais se deu o nome de arte militar; ligaram à prática dessas regras a glória, ou a mais sólida reputação; e depois ultrapassaram-se uns aos outros na maneira de se destruirem mutuamente.
Da injusti√ßa dos primeiros homens, como da sua origem comum, veio a guerra, assim como a necessidade em que se acharam de adoptar senhores que fixassem os seus direitos e pretens√Ķes. Se, contente com o que se tinha, se tivesse podido abster-se dos bens dos vizinhos, ter-se-ia para sempre paz e liberdade.
O povo tranquilo nos lares, nas famílias e no seio de uma grande cidade onde nada tem a temer para os seus bens nem para a vida, anseia por fogo e sangue, ocupa-se de guerras, ruínas, braseiros e matanças, suporta impacientemente que os exércitos que mantêm a campanha não tenham recontros, ou se já se encontraram e não sustentem combate, ou se enfrentam e não seja sangrento o combate, e haja menos de dez mil homens no local.

Continue lendo…

Existe uma coisa mais poderosa que todos os exércitos: uma idéia cujo tempo é chegado.

Ame. Tenha dentro de si o amor. Mesmo desarmado, as mais incríveis guerras do planeta serão vencidas, posto que o amor é a força mais espetacular que existe, capaz de dizimar os mais temíveis exércitos!

Ser Turista é Fugir da Responsabilidade

Ser turista √© fugir da responsabilidade. Os erros e os defeitos n√£o se colam em n√≥s como em casa. Somos capazes de vaguear por continentes e l√≠nguas, suspendendo a actividade do pensamento l√≥gico. O turismo √© a marcha da imbecilidade. Contam que sejamos imbecis. Todo o mecanismo do pa√≠s hospedeiro est√° adaptado aos viajantes que se comportam de um modo imbecil. Andamos √†s voltas, aturdidos, olhando de esguelha para mapas desdobrados. N√£o sabemos falar com as pessoas, ir a lado nenhum, quanto vale o dinheiro, que horas s√£o, o que comer ou como o comer. Ser-se imbecil √© o padr√£o, o n√≠vel e a norma. Podemos continuar a viver nestas condi√ß√Ķes durante semanas e meses, sem censuras nem consequ√™ncias terr√≠veis. Tal como a outros milhares, s√£o-nos concedidas imunidades e amplas liberdades. Somos um ex√©rcito de loucos, usando roupas de poliester de cores vivas, montando camelos, tirando fotografias uns aos outros, fatigados, desint√©ricos, sedentos. N√£o temos mais nada em que pensar sen√£o no pr√≥ximo acontecimento informe.

O chamado deus dos exércitos está sempre do lado da nação que tem a melhor artilharia, os melhores generais.

Regras Gerais da Arte da Guerra

Estou consciente de vos ter falado de muitas coisas que por vós mesmos haveis podido aprender e ponderar. Não obstante, fi-lo, como ainda hoje vos disse, para melhor vos poder mostrar, através delas, os aspectos formais desta matéria,e, ainda, para satisfazer aqueles Рse fosse esse o caso Рque não tivessem tido, como vós, a oportunidade de sobre elas tomar conhecimento. Parece-me que, agora, já só me resta falar-vos de algumas regras gerais, com as quais deveis estar perfeitamente identificados. São as seguintes:
– Tudo o que √© √ļtil ao inimigo √© prejudicial para ti, e, tudo o que te √© √ļtil prejudica o inimigo.
– Aquele que, na guerra, for mais vigilante a observar as inten√ß√Ķes do inimigo e mais empenho puser na prepara√ß√£o do seu ex√©rcito, menos perigos correr√° e mais poder√° aspirar √† vit√≥ria.
– Nunca leves os teus soldados para o campo de batalha sem, previamente, estares seguro do seu √Ęnimo e sem teres a certeza de que n√£o t√™m medo e est√£o disciplinados e convictos de que v√£o vencer.
– √Č prefer√≠vel vencer o inimigo pela fome do que pelas armas. A vit√≥ria pelas armas depende muito mais da fortuna do que da virtude.

Continue lendo…

Pode-se resistir à invasão de exércitos, não à invasão de ideias.

Para cada mulher, a popula√ß√£o feminina √© um ex√©rcito de rivais. Os homens s√£o mais cobardes ‚Äď n√£o aguentam mais do que quatro ou cinco rivais. As mulheres podem com a terra toda.

O Homem Corrige Deus

N√≥s encontramos o soldado em v√°rias esp√©cies inferiores. A formiga tem ex√©rcitos e creio que pol√≠cia civil. Qualquer obscuro passarinho √© um aut√™ntico Bleriot. N√£o h√° industrial alem√£o que se aproxime da abelha. O canto do galo e os versos da Il√≠ada. Jo√£o de Deus e o rouxinol, o castor e o arquitecto, a sub-marinha e os tubar√Ķes, representam cousas e criaturas que se confundem…
Mas o Fil√≥sofo revela-se apenas no homem. A Filosofia √© o sinal luminoso que o destaca da mesquinha escuridade ambiente… S√≥ o homem √© suscept√≠vel de magicar, de refazer a Cria√ß√£o √† sua imagem… O homem corrige Deus.

S√≥ a arte √© √ļtil. Cren√ßas, ex√©rcitos, imp√©rios, atitudes – tudo isso passa. S√≥ a arte fica, por isso s√≥ a arte se v√™, porque dura.

Um Século de Discursos sem Resultados

O eterno ¬ędeficit¬Ľ; o mist√©rio tenebroso das contas e da d√≠vida p√ļblica; o espectro da bancarrota; a quebra da moeda; o ¬ędeficit¬Ľ da balan√ßa comercial; a insufici√™ncia econ√≥mica; a mis√©ria agr√≠cola; a irriga√ß√£o do Alentejo; o repovoamento florestal; as estradas; os portos; o analfabetismo; o abandono das popula√ß√Ķes rurais; a pesca; a marinha mercante ; a administra√ß√£o colonial; a instru√ß√£o e rearmamento do Ex√©rcito; a reconstru√ß√£o da marinha de guerra; a viciosa educa√ß√£o da gente portuguesa; a emigra√ß√£o; o quadro das nossas rela√ß√Ķes internacionais; a quest√£o religiosa ‚ÄĒ tudo isto absorveu literalmente um s√©culo de discursos, toneladas de artigos e n√£o deu um passo, salvo sempre o respeito pelos esfor√ßos honestos e realiza√ß√Ķes parciais √ļteis, entre as quais se destacam o fomento das comunica√ß√Ķes e a ocupa√ß√£o colonial.

Este m√™s, em dia que n√£o conseguimos confirmar, no ano 453 a.C., verificou-se terr√≠vel encontro entre os aguerridos ex√©rcitos da Be√≥cia e de Creta. Segundo relatam as cr√īnicas, venceram os cretinos, que at√© agora se encontram no governo.

Um ex√©rcito de cervos comandado por um le√£o √© muito mais tem√≠vel que um ex√©rcito de le√Ķes comandado por um cervo.

A Nossa Senhora Da Madre De Deus Indo L√° O Poeta

Venho, Madre de Deus, ao Vosso monte
E reverente em vosso altar sagrado,
Vendo o Menino em berço argenteado
O sol vejo nascer desse Horizonte.

Oh quanto o verdadeiro Faetonte
Lusbel, e seu exército danado
Se irrita, de que um braço limitado
Exceda na soltura a Alcidemonte.

Quem vossa devoção não enriquece?
A virtude, Senhora, é muito rica,
E a virtude sem vós tudo empobrece.

N√£o me espanto, que quem vos sacrifica
Essa hóstia do altar, que vos ofrece,
Que vós o enriqueçais, se a vós a aplica.

Havia na Manch√ļria um batalh√£o do ex√©rcito chin√™s formado somente por adeptos de certa seita religiosa. Eles usavam preso ao abd√īmen um talism√£ e possu√≠am a seguinte f√© inabal√°vel: ‚ÄėAs balas n√£o atingem; mesmo que me atinjam, n√£o morrerei; mesmo que eu morra, ressuscitarei‚Äô. Esses soldados investiam destemidamente contra os inimigos, causando-lhes s√©rios danos. Nem as rajadas de metralhadoras conseguiam det√™-los. Mesmo recebendo duas ou tr√™s balas no corpo, eles n√£o esmoreciam; quando ca√≠am, levantavam-se e avan√ßavam de novo. Por isso, quando se enfrentava esse batalh√£o, era inevit√°vel acabar em luta corpo-a-corpo, com baionetas. Consta que, ao final da luta, examinando-se os corpos de alguns desses soldados, que jaziam mortos, podia-se constatar em cada um deles dezenas de perfura√ß√Ķes √† bala, o que significava que, apesar desses ferimentos, eles continuaram avan√ßando e finalmente foram mortos a baionetadas. Como √© grande o poder da f√©! Aquele que se apavora porque teve hemoptise algumas vezes, deve envergonhar-se diante do exemplo desses soldados chineses. Aquele que n√£o consegue reerguer-se porque fracassou algumas vezes na vida deve envergonhar-se de sua fraqueza. Fracassar e cair n√£o √© vergonha; vergonhoso √© perder a coragem para se reerguer. Quando se faz limpeza no po√ßo, este parece secar temporariamente,

Continue lendo…

O Efeito Nefasto da Afirmação e Repetição

A afirma√ß√£o e a repeti√ß√£o s√£o agentes muito poderosos pelos quais s√£o criadas e propagadas as opini√Ķes. A educa√ß√£o √©, em parte, baseada neles. Os pol√≠ticos e os agitadores de toda a natureza fazem disso um uso quotidiano. Afirmar, depois repetir, representa mesmo o fundo principal dos seus discursos.
A afirmação não precisa de se apoiar numa prova racional qualquer: deve, simplesmente, ser curta e enérgica, e cumpre que impressione. Pode-se considerar como tipo dessas três qualidades o manifesto seguinte, recentemente reproduzido em vários jornais:

Quem produziu o trigo, isto é, o pão para todos? O camponês!

Quem faz brotar a aveia, a cevada, todos os cereais? O camponês!

Quem cria o gado para dar a carne? O camponês!

Quem cria o carneiro para proporcionar a lã? O camponês!

Quem produz o vinho, a cidra, etc.? O camponês!

Quem nutre a caça? O camponês!

E, entretanto, quem come o melhor p√£o, a melhor carne?

Quem usa as mais belas roupas?

Quem bebe o bordeaux e o champagne?

Quem se aproveita da caça?

O burguês!!

Quem se diverte e repousa à vontade?

Continue lendo…

O Verdadeiro e o Falso Ci√ļme

O ci√ļme √© uma esp√©cie de temor, que se relaciona com o desejo de conservarmos a posse de algum bem; e n√£o prov√©m tanto da for√ßa das raz√Ķes que levam a julgar que podemos perd√™-lo, como da grande estima que temos por ele, a qual nos leva a examinar at√© os menores motivos de suspeita e a tom√°-los por raz√Ķes muito dignas de considera√ß√£o.
E como devemos empenhar-nos mais em conservar os bens que s√£o muito grandes do que os que s√£o menores, em algumas ocasi√Ķes essa paix√£o pode ser justa e honesta. Assim, por exemplo, um chefe de ex√©rcito que defende uma pra√ßa de grande import√£ncia tem o direito de ser zeloso dela, isto √©, de suspeitar de todos os meios pelos quais ela poderia ser assaltada de surpresa; e uma mulher honesta n√£o √© censurada por ser zelosa de sua honra, isto √©, por n√£o apenas abster-se de agir mal como tamb√©m evitar at√© os menores motivos de maledic√™ncia.
Mas zombamos de um avarento quando ele é ciumento do seu tesouro, isto é, quando o devora com os olhos e nunca quer afastar-se dele, com medo que ele lhe seja furtado; pois o dinheiro não vale o trabalho de ser guardado com tanto cuidado.

Continue lendo…