Cita√ß√Ķes sobre Incredulidade

12 resultados
Frases sobre incredulidade, poemas sobre incredulidade e outras cita√ß√Ķes sobre incredulidade para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Moralidade dos Homens Exaustos

Parte do conservantismo da idade madura decorre da intelig√™ncia, que afinal percebe a complexidade das institui√ß√Ķes e as imperfei√ß√Ķes do desejo; e parte vem do enfraquecimento das energias, o que explica a imaculada moralidade dos homens exaustos. A princ√≠pio com incredulidade, depois com desepero, vamos percebendo que o nosso reservat√≥rio de energia j√° n√£o se enche com a facilidade antiga; ou, como disse Schopenhauer, come√ßamos a consumir o capital em vez da renda do capital. Essa descoberta anuvia por alguns anos o homem maduro e indu-lo a deblaterar contra a brevidade da vida e a impossibilidade de realiza√ß√£o de grandes obras. Est√° ele j√° no alto da colina, de onde v√™, l√° no fundo, o fim inevit√°vel – a morte. At√© aquele momento n√£o admitia a morte, s√≥ pensando nela como um tema acad√©mico, de desinteresse para os cofres. Subitamente tudo muda e come√ßa a v√™-la de perto, e por mais que se esforce para n√£o descer a colina, h√° que desc√™-la. Os seus olhos voltam-se para o passado, para os dias em que tudo era ascens√£o descuidosa; e compraz-se na companhia dos mo√ßos e crian√ßas porque deles haure, passageira e incompletamente embora, um pouco do divino esquecimento da morte.

Continue lendo…

Meditação e Opinião

Em mat√©ria de arte, de amor ou de ideias creio serem pouco eficazes an√ļncios e programas. Pelo que toca √†s ideias, a raz√£o de uma tal incredulidade √© a seguinte: a medita√ß√£o sobre qualquer tema, quando √© positiva e aut√™ntica, afasta inevitavelmente o meditador da opini√£o recebida ou j√° a√≠ existente, do que com mais graves raz√Ķes que quanto agora suponham, merece chamar-se ¬ęopini√£o p√ļblica¬Ľ ou ¬ęvulgaridade¬Ľ. Todo o esfor√ßo intelectual que com rigor o seja afasta-nos solit√°rios da praia comum, e, por rotas rec√īnditas que precisamente o nosso esfor√ßo descobre, conduz-nos a lugares retirados, situa-nos sobre pensamentos ins√≥litos. S√£o estes o resultado da nossa medita√ß√£o. Pois bem: o an√ļncio ou programa reduz-se a antecipar esses resultados, deles arrancando previamente a via ao cabo da qual foram descobertos. (…) Um pensamento separado da rota mental que a ele conduz, insulano e escarpado, √© uma abstrac√ß√£o no pior sentido da palavra, e, por esse motivo, √© inintelig√≠vel.

Ao orar, tenha o cuidado, acima de tudo, de não limitar Deus, não só por incredulidade, mas por imaginar que ja sabe o que Ele pode fazer. Espere coisas inesperadas, além de tudo o que pedir ou pensar.

Tenho de proclamar a minha incredulidade. Para mim não há nada de mais elevado que a ideia da inexistência de Deus. O Homem inventou Deus para poder viver sem se matar.

Os Sábios Célebres

Todos vós, os sábios célebres, nunca fostes mais do que os servidores do povo e da superstição popular, e não os servidores da verdade. E é precisamente por isso que vos têm honrado.
E por isso também foi tolerada a vossa incredulidade, porque parecia uma brincadeira, um rodeio engenhoso que vos levava ao povo. Assim o amo dá maior liberdade aos seus escravos e regozija-se até com a sua presunção.
Mas aquele que o povo odeia, com o ódio do lobo pelos cães, é o espírito livre, inimigo das algemas, aquele que não adora, aquele que habita as florestas.
Persegui-lo at√© ao seu esconderijo, √© aquilo a que o povo, sempre chamou ter o ¬ęsentido de justi√ßa¬Ľ; e ainda por cima d√£o ca√ßa ao solit√°rio com os seus ferozes mastins.
‘Porque a verdade est√° onde o povo est√°! Ai daqueles que a procuram!’ – √© isto o que ecoa atrav√©s dos tempos.
Quer√≠eis assentar na raz√£o a piedade tradicional do vosso povo e √© a isso que chamais ¬ęa vontade de verdade¬Ľ, √≥ s√°bios c√©lebres!
E o vosso cora√ß√£o insiste em dizer para si pr√≥prio: ‘Eu vim do povo, foi tamb√©m do povo que me veio a voz de Deus.’

Continue lendo…

A infidelidade √©, na mulher, o que √© no padre a incredulidade – a √ļltima baliza das prevarica√ß√Ķes humanas.

Os que pela experiência do que têm visto crêem o que está prometido, vê-lo-ão, porque são dignos de o verem; os que não crêem, ou não querem crer, a sua mesma incredulidade será a sua sentença e já que o não creram, não o verão.