Passagens sobre Nebulosas

28 resultados
Frases sobre nebulosas, poemas sobre nebulosas e outras passagens sobre nebulosas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Deus Precisa de Companhia

A minha proposi√ß√£o inicial, que me atrevo a considerar indiscut√≠vel, √© de que Deus criou o universo porque ¬ęse sentia¬Ľ s√≥. Em todo o tempo antes, isto √©, desde que a eternidade come√ßara, ¬ętinha estado¬Ľ s√≥, mas, como n√£o ¬ęse sentia¬Ľ s√≥, n√£o necessitava inventar uma coisa t√£o complicada como √© o universo. Com o que Deus n√£o contara √© que, mesmo perante o espect√°culo magn√≠fico das nebulosas e dos buracos negros, o tal sentimento de solid√£o persistisse em atorment√°-lo. Pensou, pensou, e ao cabo de muito pensar fez a mulher, ¬ęque n√£o era √† sua imagem e semelhan√ßa¬Ľ. Logo, tendo-a feito, viu que era bom. Mais tarde, quando compreendeu que s√≥ se curaria definitivamente do mal de estar s√≥ deitando-se com ela, verificou que era ainda melhor. At√© aqui tudo muito pr√≥prio e natural, nem era preciso ser-se Deus para chegar a esta conclus√£o. Passado algum tempo, e sem que seja poss√≠vel saber se a previs√£o do acidente biol√≥gico j√° estava na mente divina, nasceu um menino, esse sim, ¬ę√† imagem e semelhan√ßa de Deus¬Ľ. O menino cresceu, fez-se rapaz e homem. Ora, como a Deus n√£o lhe passou pela cabe√ßa a simples ideia de criar outra mulher para a dar ao jovem,

Continue lendo…

Agradar a Todos e a Ninguém

Aqueles que procuram agradar andam muito enganados. Para agradar, tornam-se male√°veis e d√ļcteis, apressam-se a corresponder a todos os desejos. E acabam por trair em todas as coisas, para serem como os desejam. Que hei-de eu fazer dessas alforrecas que n√£o t√™m ossos nem forma? Vomito-os e restituo-os √†s suas nebulosas: vinde ver-me quando estiverdes constru√≠dos.
As pr√≥prias mulheres se cansam quando algu√©m, para lhes demonstrar amor, aceita fazer-se eco e espelho, porque ningu√©m tem necessidade da sua pr√≥pria imagem. Mas eu tenho necessidade de ti. Est√°s constru√≠do como fortaleza e eu bem sinto o teu n√ļcleo. Senta-te ali, porque tu existes.
A mulher desposa e torna-se serva daquele que é de um império.

A Quimera da Felicidade

(…) do alto de uma montanha, inclinei os olhos a uma das vertentes, e contemplei, durante um tempo largo, ao longe, atrav√©s de um nevoeiro, uma cousa √ļnica. Imagina tu, leitor, uma redu√ß√£o dos s√©culos, e um desfilar de todos eles, as ra√ßas todas, todas as paix√Ķes, o tumulto dos imp√©rios, a guerra dos apetites e dos √≥dios, a destrui√ß√£o rec√≠proca dos seres e das cousas. Tal era o espect√°culo, acerbo e curioso espect√°culo. A hist√≥ria do homem e da terra tinha assim uma intensidade que n√£o lhe podiam dar nem a imagina√ß√£o nem a ci√™ncia, porque a ci√™ncia √© mais lenta e a imagina√ß√£o mais vaga, enquanto que o que eu ali via era a condensa√ß√£o viva de todos os tempos. Para descrev√™-la seria preciso fixar o rel√Ęmpago. Os s√©culos desfilavam num turbilh√£o, e, n√£o obstante, porque os olhos do del√≠rio s√£o outros, eu via tudo o que passava diante de mim, – flagelos e del√≠cias, – desde essa cousa que se chama gl√≥ria at√© essa outra que se chama mis√©ria, e via o amor multiplicando a mis√©ria, e via a mis√©ria agravando a debilidade. A√≠ vinham a cobi√ßa que devora, a c√≥lera que inflama, a inveja que baba,

Continue lendo…

Toda Palavra

Toda palavra voa nebulosa
até chegar latente ao nosso chão.
Pousa sem pressa ou prece em mansa prosa
caída chuva breve de verão.

Toda palavra se abre generosa
para abrigar segredos num por√£o
l√° onde sobram sombras sinuosas
levantando a poeira no perd√£o.

Toda palavra veste-se vistosa
para fazer afagos na paix√£o
uma pantera em paz, porém tinhosa.

Toda palavra enfim é explosão
que o mundo só é mundo por osmose
pois há um outro ser no coração

O Bem e o Mal

Quando os acontecimentos nos colocam em oposi√ß√£o ao meio envolvente, todos desenvolvemos as for√ßas de que dispomos, ao passo que nas situa√ß√Ķes em que apenas fazemos o nosso dever nos comportamos, compreensivelmente, como quem paga os seus impostos. Daqui se conclui que tudo o que √© mau se pratica com mais ou menos imagina√ß√£o e paix√£o, enquanto o bem se caracteriza por uma inconfund√≠vel pobreza de afecto e mesquinhez.
(…) Se abstrairmos daquela grande fatia central do mundo e da vida ocupada por pessoas em cujo pensamento as palavras bem e mal deixaram de ter lugar desde que largaram as saias da m√£e, ent√£o as margens, onde ainda h√° prop√≥sitos morais deliberados, ficam hoje reservadas √†quelas pessoas boas-m√°s ou m√°s-boas, das quais algumas nunca viram o bem voar nem o ouviram cantar e por isso exigem de todas as outras que se extasiem com elas diante de uma natureza da moral com p√°ssaros empalhados pousados em √°rvores mortas; o segundo grupo, por seu lado, os mortais maus-bons, espica√ßados pelos seus rivais, manifestam, pelo menos em pensamento, uma tend√™ncia para o mal, como se estivessem convencidos de que √© apenas nas m√°s ac√ß√Ķes, menos desgastadas do que as boas, que ainda pulsa alguma vida moral.

Continue lendo…

A Dança Da Psiquê

A dança dos encéfalos acesos
Começa. A carne é fogo. A alma arde. A espaços
As cabeças, as mãos, os pés e os braços
Tombara, cedendo à ação de ignotos pesos!

√Č ent√£o que a vaga dos instintos presos
– M√£e de esterilidades e cansa√ßos –
Atira os pensamentos mais devassos
Contra os ossos cranianos indefesos.

Subitamente a cerebral coréa
Pára. O cosmos sintético da Idéa
Surge. Emo√ß√Ķes extraordin√°rias sinto…

Arranco do meu cr√Ęnio as nebulosas.
E acho um feixe de forças prodigiosas
Sustentando dois monstros: a alma e o instinto!

√Č belo ignorar. Sobretudo quando a ignor√Ęncia nos torna humildes e nos encaminha para a bondade, que √© uma luz. Tamb√©m das nebulosas nascem os astros.

O Sentido da Vida Está em Cada um de Nós

‘Vejamos, que vem a ser isto que me perturba?’, perguntou Levine a si pr√≥prio, sentindo, no fundo da sua alma, a solu√ß√£o para as suas d√ļvidas, embora ainda n√£o soubesse qual fosse. ‘Sim, a √ļnica manifesta√ß√£o evidente e indiscut√≠vel da divindade est√° nas leis do bem, expostas ao mundo pela revela√ß√£o que sinto dentro de mim e me identifica, quer queira quer n√£o, com todos aqueles que como eu as reconhecem. √Č esta congrega√ß√£o de criaturas humanas comungando na mesma cren√ßa que se chama Igreja. Mas o judeus, os mu√ßulmanos, os budistas, os confuccionistas?’, disse para si mesmo, repisando o ponto delicado. ‘Estar√£o eles entre milh√Ķes de homens privados do maior de todos os benef√≠cios, do √ļnico que d√° sentido √† vida?… Ora vejamos’, continuou, ap√≥s alguns instantes de reflex√£o, ‘qual √© o problema que eu a mim mesmo estou a p√īr? O das rela√ß√Ķes das diversas cren√ßas da humanidade com a Divindade? √Č a revela√ß√£o de Deus no Universo, com os seus astros e as suas nebulosas, que eu pretendo sondar. E √© no momento em que me √© revelado um saber certo inacess√≠vel √† raz√£o que eu me obstino em recorrer √† l√≥gica!

‘Eu bem sei que as estrelas n√£o caminham’,

Continue lendo…

M√ļsica Da Morte

A musica da Morte, a nebulosa,
Estranha, imensa musica sombria,
Passa a tremer pela minh’alma e fria
Gela, fica a tremer, maravilhosa…

Onda nervosa e atroz, onda nervosa,
Letes sinistro e torvo da agonia,
Recresce a lancinante sinfonia,
Sobe, numa vol√ļpia dolorosa…

Sobe, recresce, tumultuando e amarga,
Tremenda, absurda, imponderada e larga,
De pavores e trevas alucina…

E alucinando e em trevas delirando,
Como um √ďpio letal, vertiginando,
Os meus nervos, let√°rgica, fascina…

Ecos D’alma

Oh! madrugada de ilus√Ķes, sant√≠ssima,
Sombra perdida l√° do meu Passado,
Vinde entornar a cl√Ęmide pur√≠ssima
Da luz que fulge no ideal sagrado!

Longe das tristes noutes tumulares
Quem me dera viver entre quimeras,
Por entre o resplandor das Primaveras
Oh! madrugada azul dos meus sonhares;

Mas quando vibrar a √ļltima balada
Da tarde e se calar a passarada
Na bruma sepulcral que o céu embaça,

Quem me dera morrer ent√£o risonho,
Fitando a nebulosa do meu Sonho
E a Via-L√°ctea da Ilus√£o que passa!

San Gabriel II

Vem conduzir as naus, as caravelas,
Outra vez, pela noite, na ardentia,
Avivada das quilhas. Dir-se-ia
Irmos arando em um mont√£o de estrelas.

Outra vez vamos! C√īncavas as velas,
Cuja brancura, r√ļtila de dia,
O luar dulcifica. Feeria
Do luar não mais deixes de envolvê-las!

Vem guiar-nos, Arcanjo, à nebulosa
Que do além mar vapora, luminosa,
E à noite lactescendo, onde, quietas,

Fulgem as velhas almas namoradas…
– Almas tristes, severas, resignadas,
De guerreiros, de santos, de poetas.

Noites Amadas

√ď noites claras de lua cheia!
Em vosso seio, noites chorosas,
Minh’alma canta como a sereia,
Vive cantando n’um mar de rosas;

Noites queridas que Deus prateia
Com a luz dos sonhos das nebulosas,
√ď noites claras de lua cheia,
Como eu vos amo, noites formosas!

Vós sois um rio de luz sagrada
Onde, sonhando, passa embalada
Minha Esperan√ßa de m√°goas nua…

√ď noites claras de lua plena
Que encheis a terra de paz serena,
Como eu vos amo, noites de lua!

O Artista é Maior que Deus

Como √© bom escrever ao apelo incerto do que nos faz sinais. Como √© fascinante escrever para saber o que √©. Indeciso apelo, motivo que o n√£o √©, at√© se saber o que √©. Traz√™-lo √† vida da sua nebulosa, capt√°-la na err√Ęncia de uma inquieta procura. Obedecer ao impulso que sobe em n√≥s em energia e movimenta√ß√£o, na necessidade de o realizar e ele coalhar em escrita, no irreal da sua realiza√ß√£o. Estremecer ao aviso, persegui-lo at√© onde n√£o sabemos o seu tudo, depois da surpresa do que l√° estava.
Escrever é não saber para saber. Mas o que se sabe é frágil e há que procurá-lo até à eternidade. Porque o que se encontra é ainda a procura, o além de todo o aquém. E é porque nunca se encontra, que a arte continua. Assim o artista é maior do que Deus. Porque ele já tinha criado, antes de criar, e assim não teve surpresas. E quem escreve só no infinito realiza a sua criação e só aí as não terá.

Voz Fugitiva

√Äs vezes na tu’alma que adormece
Tanto e t√£o fundo, alguma voz escuto
De timbre emocional, claro, impoluto
Que uma voz bem amiga me parece.

E fico mudo a ouvi-la como a prece
De um meigo coração que está de luto
E livre, j√°, de todo o mal corruto,
Mesmo as afrontas mais cruéis esquece.

Mas outras vezes, sempre em v√£o, procuro
Dessa voz singular o timbre puro,
As essências do céu maravilhosas.

Procuro ansioso, inquieto, alvoroçado,
Mas tudo na tu’alma est√° calado,
No silêncio fatal das nebulosas.

Aurora Morta, Foge! Eu Busco A Virgem Loura

Aurora morta, foge! Eu busco a virgem loura
Que fugiu-me do peito ao teu clar√£o de morte
E Ela era a minha estrela, o meu √ļnico Norte,
O grande Sol de afeto – o Sol que as almas doura!

Fugiu… e em si a Luz consoladora
Do amor – esse clar√£o eterno d’alma forte –
Astro da minha Paz, Sírius da minha Sorte
E da Noute da vida a Vênus Redentora.

Agora, oh! Minha M√°goa, agita as tuas asas,
Vem! Rasga deste peito as nebulosas gazas
E, num P√°lio auroral de Luz deslumbradora,

Ascende à Claridade. Adeus oh! Dia escuro,
Dia do meu Passado! Irrompe, meu Futuro;
Aurora morta, foge – eu busco a virgem loura!

Sem este objetivo firme e permanente [de conhecer o interior in√≥spito], a Amaz√īnia, mais cedo ou mais tarde, se destacar√° do Brasil, naturalmente e irresistivelmente, como se despega um mundo de uma nebulosa ‚ÄĒ pela expans√£o centr√≠fuga do seu pr√≥prio movimento.

Mais depressa o bronco pastor da serra surpreende, na poeira rutilante das nebulosas, um novo astro, do que o psicólogo de mais aguda sagacidade penetra a intenção de um olhar ou de um sorriso de mulher.

Vision√°rios

Armam batalhas pelo mundo adiante
Os que vagam no mundos vision√°rios,
Abrindo as √°ureas portas de sacr√°rios
Do Mistério soturno e palpitante.

O coração flameja a cada instante
Com brilho estranho, com fervores v√°rios,
Sente a febre dos bons mission√°rios
Da ardente catequese fecundante.

Os vision√°rios v√£o buscar frescura
De √°gua celeste na cisterna pura
Da Esperan√ßa, por horas nebulosas…

Buscam frescura, um outro novo encanto…
E livres, belos através do pranto,
Falam baixo com as almas misteriosas!

Disseste ou escreveste milh√Ķes ou muitos milhares de palavras. E deve haver nessa nebulosa uma estrela que seja a tua. N√£o a saber√°s nunca.

Neste Dia Meu Amor

Neste dia meu amor
os meus dedos s√£o o candelabro que te ilumina
o √ļnico existente.

E o homem
sua esfera perdida em m√£os alheias
é o objecto de malabarismo
o insecto
voltejando cega a luz que lhe irradiam
o límpido cristal corrompido
o defunto.

E este patíbulo onde o próprio carrasco se enforcará
eu o digo
será erguido como símbolo de todos os homens.

Aqui a hora vai sendo longínqua meu amor e solene.
O caminho é grande o tempo tão pouco
tenhamos muita esperança e muito ódio
e vítreas flores a ornar o teu cabelo
porque serei o homem para as transportar
e tu a √ļltima mulher que as aceitar√°.

E enquanto assim for
erguer-se-√° a nuvem de m√ļltiplas estrelas
a nebulosa
que dizem estar a milh√Ķes de anos-luz
mas n√£o acreditemos bem o sabes
porque em verdade a temos em nossas próprias mãos
oculta para a contemplarmos agora.