Cita√ß√Ķes sobre Piadas

28 resultados
Frases sobre piadas, poemas sobre piadas e outras cita√ß√Ķes sobre piadas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A vida dura enquanto alguém nos espera e o resto é já sobrevivência, embora sobreviver não deixe de ter também a sua piada e a sua beleza.

O humor √© um sentido como o olfacto. Assim como quase tudo tem um cheiro, quase tudo tem a sua gra√ßa. Mesmo as maiores desgra√ßas. Pode dizer-se que a gra√ßa que elas t√™m √© cruel ou de mau gosto ou ‚Äď pior ainda ‚Äď que n√£o t√™m piada nenhuma. Mas n√£o h√° desgra√ßa que n√£o tenha a sua gra√ßa.

À Noite Vou Cantar à Namorada

À noite vou cantar à namorada
can√ß√Ķes que a Lua canta na altura de namorar
ela acha ela acha muita piada
quando eu à noite as vou cantar

Can√ß√Ķes que a Lua canta na altura de namorar
à noite eu vou cantar à namorada
ela assoma ela assoma com a continuação era notada
quando eu à noite as vou as vou cantar

E ela acha ela acha a isso muita piada
e eu l√° as vou eu l√° as vou cantar
que ela à noite ela assoma com a continuação era notada
e a continuação era notada não é para desperdiçar

Assim quando alta noite a Lua é já luar
e ela aparece toda amarrotada
eu imagino-a nua a se deitar
a das can√ß√Ķes √† noite namorada.

Escrever um livro tem a mesma dose de ansiedade que contar uma anedota e ter que esperar v√°rios anos para saber se teve ou n√£o piada.

Eu não conheço piadas, eu apenas presto atenção no Governo e conto os fatos que vi

A Monstruosa Am√°lgama da Identidade Europeia

O mal do totalitarismo é ser uniformizador e impositivo. Há sempre um modelo de perfeição, que os povos mais atrasados terão de seguir e com o qual terão de se comparar. Há sempre uma identidade superior, uma ideologia acima da realidade, um futuro comum aos mais diversos interesses. O totalitarismo é o grande inimigo da diferença e a própria democracia liberal, ao impor e exigir certas igualdades menos naturais, tem aspectos totalitários.
√Č com horror que assisto √† constru√ß√£o da chamada ¬ęidentidade¬Ľ europeia, uma monstruosa am√°lgama beneluxiana que reduz todos os ingredientes nacionais a uma pasta amorfa de argamassa processada. Quando temo pela resist√™ncia da nossa diferen√ßa √† uniformiza√ß√£o europeia, n√£o temo a nossa domina√ß√£o de todas as nacionalidades ‚ÄĒ temo √© a domina√ß√£o de todas as nacionalidades por um euro-h√≠brido que n√£o seja escolhido ou amado por nenhuma delas. A verdade √© que a It√°lia est√° menos italiana, a Alemanha est√° menos alem√£, a Inglaterra est√° menos inglesa e Portugal est√° menos portugu√™s. E nem por isso est√£o mais parecidos com outra nacionalidade qualquer. O que perderam em car√°cter n√£o ganharam em mais nada. As na√ß√Ķes europeias est√£o cada vez mais iguais, mais incaracter√≠sticas, mais chatas. Qualquer dia deixa de ter piada viajar.

Continue lendo…

O Provincianismo Português (I)

Se, por um daqueles artifícios cómodos, pelos quais simplificamos a realidade com o fito de a compreender, quisermos resumir num síndroma o mal superior português, diremos que esse mal consiste no provincianismo. O facto é triste, mas não nos é peculiar. De igual doença enfermam muitos outros países, que se consideram civilizantes com orgulho e erro.
O provincianismo consiste em pertencer a uma civiliza√ß√£o sem tomar parte no desenvolvimento superior dela ‚ÄĒ em segui-la pois mimeticamente, com uma subordina√ß√£o inconsciente e feliz. O s√≠ndroma provinciano compreende, pelo menos, tr√™s sintomas flagrantes: o entusiasmo e admira√ß√£o pelos grandes meios e pelas grandes cidades; o entusiasmo e admira√ß√£o pelo progresso e pela modernidade; e, na esfera mental superior, a incapacidade de ironia.
Se h√° caracter√≠stico que imediatamente distinga o provinciano, √© a admira√ß√£o pelos grandes meios. Um parisiense n√£o admira Paris; gosta de Paris. Como h√°-de admirar aquilo que √© parte dele? Ningu√©m se admira a si mesmo, salvo um paran√≥ico com o del√≠rio das grandezas. Recordo-me de que uma vez, nos tempos do “Orpheu”, disse a M√°rio de S√°-Carneiro: “V. √© europeu e civilizado, salvo em uma coisa, e nessa V. √© v√≠tima da educa√ß√£o portuguesa. V. admira Paris,

Continue lendo…

Génio, Talento e Celebridade

Pode-se supor que a presen√ßa no mesmo homem de mais de um elemento intelectual facilitaria a sua imediata celebridade. At√© certo limite √© assim, mas o √© at√© um limite menor do que se poderia conjecturar na ociosidade da hip√≥tese. Um homem dotado ao mesmo tempo de grande g√©nio e de grande intelig√™ncia (como Shakespeare), ou de grande g√©nio e grande talento (como Milton), n√£o acumula na sua √©poca ou na seguinte os resultados do g√©nio e os resultados de outra qualidade. √Č que estes diferentes elementos intelectuais est√£o misturados por coexistirem no homem, e derrama-se na subst√Ęncia da intelig√™ncia ou do talento o sagrado veneno do g√©nio; a bebida √© amarga, embora retenha algo do seu gosto comum. Os antigos misturavam mel com vinho e achavam isso gostoso; mas o n√©ctar n√£o pode fazer qualquer vinho gostoso ao paladar da gente comum.
Um homem que pudesse ter em si pr√≥prio, em certo grau, g√©nio, talento e intelig√™ncia, estaria preparado para produzir impacto no seu tempo pela sua intelig√™ncia, na sua √©poca pelo seu talento e na generalidade dos futuros tempos e √©pocas pelo seu g√©nio. Mas como o seu g√©nio afectaria o seu talento e o seu talento e o seu g√©nio a sua intelig√™ncia –

Continue lendo…

Num ambiente de trabalho não trate os subalternos com piadas ou insolência. Seja profissional. Tenha conduta respeitosa. Assim sua moral será enaltecida e sua autoridade não será questionada.

Rimos francamente, se a piada vem de um tipo do nosso n√≠vel. Rimos com defer√™ncia, se de um n√≠vel superior. E s√≥ por condescend√™ncia sorrimos, se vem de um tipo de n√≠vel inferior. √Č que o riso √© uma concess√£o e n√≥s somos muito ciosos da nossa import√Ęncia.

Amigos para Sempre

Os amigos cada vez mais se vêem menos. Parece que era só quando éramos novos, trabalhávamos e bebíamos juntos que nos víamos as vezes que queríamos, sempre diariamente. E, no maior luxo de todos, há muito perdido: porque não tínhamos mais nada para fazer.
Nesta semana, tenho almo√ßado com amigos meus grandes, que, pela primeira vez nas nossas vidas, n√£o vejo h√° muitos anos. Cada um come√ßa a falar comigo como se n√£o tiv√©ssemos passado um √ļnico dia sem nos vermos.
Nada falha. Tudo dispara como se nos estivera ‚Äď e est√° ‚Äď na massa do sangue: a excita√ß√£o de contar coisas e partilhar ninharias; as risotas por piadas de h√° muito repetidas; as promessas de esperan√ßas que est√£o h√° que d√©cadas por realizar.
H√° grandes amigos que tenho a sorte de ter que insistem na import√Ęncia da Presen√ßa com letra grande. At√© agora nunca concordei, achando que a saudade faz pouco do tempo e que o cora√ß√£o √© mais sens√≠vel √† lembran√ßa do que √† repeti√ß√£o. Enganei-me. O melhor que os amigos e as amigas t√™m a fazer √© verem-se cada vez que podem. √Č verdade que, mesmo tendo passado dez anos, sente-se o prazer inencontr√°vel de reencontrar quem se pensava nunca mais encontrar.

Continue lendo…

Tem piada. Deus n√£o tem moral nenhuma. O ¬ętu deves¬Ľ instaura uma dist√Ęncia entre o absoluto do dever e a finitude de quem √© obrigado. Deus n√£o pode ter dist√Ęncia de nada. E √© porque ele √© a-moral que n√≥s n√£o podemos julg√°-lo imoral e pedir-lhe portanto satisfa√ß√Ķes.

Os Portugueses e o Amor Livre

Tipicamente, os Portugueses deixaram arrastar não a revolução socialista, não a revolução interior, não a revolução cultural, mas a revolução sexual. Foi como se tivessem pena de se desfazer dela. Em 89, sem ligar nenhuma à libertação feminina e à SIDA, Portugal, sexualmente falando, continua em 69.
Tanto porfiaram os Portugueses e as Portuguesas nas pr√°ticas e no√ß√Ķes do ¬ęamor livre¬Ľ que se tornaram nos peritos internacionais das ¬ęrela√ß√Ķes modernas¬Ľ. Cada um ¬ęsabe de si¬Ľ e assobia ¬ęl am Free¬Ľ. Ningu√©m ¬ęinvade o espa√ßo¬Ľ de ningu√©m. Hoje √© sempre ¬ęo primeiro dia do resto da tua vida¬Ľ. As pessoas vivem ¬ępara o momento¬Ľ. Isto √©, ¬ęcurtem¬Ľ umas com as outras. O lema √© ¬ęN√£o te prendas¬Ľ, e a filosofia, na sua express√£o mais completa, √© ¬ęEnquanto der, deu ‚ÄĒ quando j√° n√£o der, j√° n√£o d√°¬Ľ.

Tudo isto √© alegre e tem a sua gra√ßa. A conjun√ß√£o, no portugu√™s, de um feitio ciumento e possessivo (palavras portuguesas) com uma apar√™ncia, ¬ęcool¬Ľ e ¬ęnon-chalant¬Ľ (palavras estrangeiras) at√© tem piada. E atraente. Numa situa√ß√£o de ci√ļme ou de brusca afirma√ß√£o de independ√™ncia do outro, o portugu√™s (sobretudo o homem, por ser mais est√ļpido) encolhe os ombros e diz que ¬ęOK,

Continue lendo…

Medo de Casar

Resumo de todos os argumentos a favor e contra o meu casamento:
1. Incapacidade de suportar a vida sozinho, o que n√£o implica incapacidade de viver, pelo contr√°rio; at√© √© improv√°vel que eu saiba viver com algu√©m, mas sozinho n√£o consigo aguentar o assalto da minha pr√≥pria vida, as exig√™ncias da minha pessoa, os ataques do tempo e da idade, a vaga press√£o do desejo de escrever, a ins√≥nia, a proximidade da loucura ‚ÄĒ n√£o consigo aguentar isto s√≥. √Č claro que junto ¬ętalvez¬Ľ a tudo isto. A rela√ß√£o com F. vai dar √† minha exist√™ncia mais for√ßa para resistir.
2. Tudo me faz imediatamente pensar. Todas as piadas no jornal humor√≠stico, o que me lembro de Flaubert e de Grillparzer, as camisas de noite nas camas dos meus pais, ali postas para a noite, o casamento de Max. Ontem a minha irm√£ disse: ¬ęTodas as pessoas casadas (as pessoas que conhecemos) s√£o felizes. N√£o percebo¬Ľ, esta afirma√ß√£o tamb√©m me fez pensar, fiquei outra vez com medo.
3. Tenho de estar só muito tempo. O que consegui fazer foi apenas o resultado de estar só.
4. Odeio tudo o que n√£o se relacione com a literatura,

Continue lendo…

Saber Aconselhar

Quando queres dar a entender a algu√©m que est√° errado, come√ßa por falar-lhe doutras coisas, acabando por chegar, como por acaso, aos actos que merecem reprova√ß√£o. Descreve-os, ent√£o, de modo caricatural, diz todo o mal que pensas deles, mas f√°-los acompanhar de circunst√Ęncias diferentes, de modo a que a pessoa que queres aconselhar n√£o se sinta directamente atingida. Procura que te escute de boa vontade, sem zangar-se; alegra a conversa com algumas piadas e, se de s√ļbito o vires fazer m√° cara, mostra um ar c√Ęndido e interroga-o nesse sentido. Finalmente, misturando-as com considera√ß√Ķes diversas, aborda as soulu√ß√Ķes a considerar num caso como o que te preocupa.

Se começássemos a dizer claramente que a democracia é uma piada, um engano, uma fachada, uma falácia e uma mentira, talvez pudéssemos nos entender melhor.