Cita√ß√Ķes sobre Sensatez

25 resultados
Frases sobre sensatez, poemas sobre sensatez e outras cita√ß√Ķes sobre sensatez para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Incomodidade da Grandeza

J√° que n√£o a podemos alcan√ßar, vinguemo-nos falando mal dela. No entanto, n√£o √© inteiramente falar mal de alguma coisa encontrar-lhe defeitos; estes encontram-se em todas as coisas, por belas e desej√°veis que sejam. Em geral, ela possui esta vantagem evidente de se rebaixar quando lhe apraz, e de mais ou menos ter a op√ß√£o entre uma situa√ß√£o e a outra; pois n√£o se cai de todas as alturas; s√£o mais numerosas aquelas das quais se pode descer sem cair. Bem me parece que a valorizamos demais, e valorizamos demais tamb√©m a decis√£o dos que vimos ou ouvimos dizer que a menosprezaram ou que renunciaram a ela por sua pr√≥pria inten√ß√£o. A sua ess√™ncia n√£o √© t√£o evidentemente c√≥moda que n√£o a possamos rejeitar sem milagre. Acho muito dif√≠cil o esfor√ßo de suportar os males; mas em contentar-se com uma medida mediana de fortuna e em fugir da grandeza acho pouca dificuldade. √Č uma virtude, parece-me, a que eu, que n√£o passo de um patinho, chegaria sem muito esfor√ßo. Que devem fazer aqueles que ainda levassem em considera√ß√£o a gl√≥ria que acompanha tal rejei√ß√£o, na qual pode caber mais ambi√ß√£o do que no pr√≥prio desejo e gozo da grandeza, porquanto a ambi√ß√£o nunca se conduz mais √† vontade do que por um caminho desgarrado e inusitado?

Continue lendo…

Um Silêncio Cauto e Prudente é o Cofre da Sensatez

– (…) V√≥s quereis tentar a sorte na grande cidade, e sabeis bem que √© l√° que deveis gastar essa aura de valentia que a longa inac√ß√£o dentro destas muralhas vos houver concedido. Procurareis tamb√©m a fortuna, e devereis ser h√°bil a obt√™-la. Se aqui aprendeste a escapar √† bala de um mosquete, l√° deveis aprender a saber escapar √† inveja, ao ci√ļme, √† rapacidade, batendo-vos com armas iguais com os vossos advers√°rios, ou seja, com todos. E portanto escutai-me. H√° meia hora que me interrompeis dizendo o que pensais, e com o ar de interrogar quereis mostrar-me que me engano. Nunca mais o fa√ßais, especialmente com os poderosos. √Äs vezes a confian√ßa na vossa arg√ļcia e o sentimento de dever testemunhar a verdade poderiam impelir-vos a dar um bom conselho a quem √© mais do que v√≥s. Nunca o fa√ßais. Toda a vit√≥ria produz √≥dio no vencido, e se se obtiver sobre o nosso pr√≥prio senhor, ou √© est√ļpida ou √© prejudicial. Os pr√≠ncipes desejam ser ajudados mas n√£o superados.
Mas sede prudente também com os vossos iguais. Não humilheis com as vossas virtudes. Nunca falei de vós mesmos: ou vos gabaríeis, que é vaidade, ou vos vituperaríeis,

Continue lendo…

O Homem Irracional

Cubram-no de todos os bens terrenos, mergulhem-no na felicidade com a cabeça imersa de modo a só umas bolhas rebentarem à superfície; dêem-lhe uma prosperidade económica tal que não tenha mais nada que fazer senão dormir, comer doces e tratar da continuidade ininterrupta da história universal Рentão ele, o homem, mesmo assim, só por ingratidão, por maldade, far-vos-á uma pulhice qualquer. Arriscará até os doces e desejará propositadamente o mais prejudicial dos absurdos, o mais antieconómico disparate, unicamente para misturar com toda essa sensatez positiva o seu nocivo elemento fantástico. Desejará conservar precisamente os seus sonhos fantásticos, a sua estupidez mais ordinária, unicamente para confirmar a si mesmo (como se fosse assim tão indispensável) que as pessoas continuam a ser pessoas e não teclas de piano em que sejam as próprias leis da natureza a tocar, mas prometendo tocar a tal ponto que se tornará já impossível desejar qualquer coisa para além do calendário.
Mais ainda: mesmo que o homem se tornasse realmente uma tecla de piano, mesmo que tal facto lhe fosse provado por meio das ciências naturais e da matemática, não ganharia juízo, mas faria, de propósito, qualquer coisa contra, apenas por ingratidão; só para continuar na sua!

Continue lendo…

Embora possamos ser sábios do saber alheio, sensatos só poderíamos sê-lo graças à nossa própria sensatez.

O √Ęmago cerebral antigo encarregar-se-ia da regula√ß√£o biol√≥gica b√°sica, na cave, enquanto nos andares de cima o neocortex deliberaria com sensatez e subtileza. Em cima, no c√≥rtex, encontrar-se-ia a raz√£o e a for√ßa de vontade, enquanto em baixo, no subcortex, se encontraria a emo√ß√£o e todas aquelas coisas fracas e carnais.

Polidez é Inteligência

A polidez √© uma conven√ß√£o t√°cita para ignorarmos a m√≠sera condi√ß√£o moral e intelectual do ser humano e assim evitarmos acus√°-la mutuamente; desse modo, ela vem menos a lume, para proveito de todos. Polidez √© intelig√™ncia; consequentemente, impolidez √© parvo√≠ce. Criar inimigos por impolidez, de maneira desnecess√°ria e caprichosa, √© t√£o demente quanto pegar fogo √† pr√≥pria casa. Pois a polidez, como as fichas de jogo, √© notoriamente uma moeda falsa: economiz√°-la √© prova de insensatez. Pelo contr√°rio, gast√°-la em profus√£o √© prova de sensatez. Todas as na√ß√Ķes concluem as suas cartas com ¬ęseu mui obediente servidor¬Ľ. S√≥ os alem√£es suprimem o ¬ęservidor¬Ľ porque, segundo dizem, n√£o √© verdadeiro! Quem, pelo contr√°rio, leva a polidez at√© ao sacrif√≠cio dos interesses reais, assemelha-se √†quele que, em lugar das fichas de jogo, desse aut√™nticas moedas de ouro. Do mesmo modo que a cera, dura e quebradi√ßa, torna-se male√°vel com um pouco de calor, assumindo qualquer forma desejada, tamb√©m se pode, com alguma polidez e amabilidade, tornar flex√≠veis e d√≥ceis os homens recalcitrantes e hostis. A polidez, portanto, √© para o homem o que o calor √© para a cera.

Irm√£o

Eu não fiz uma revolução.
Mas me fiz irm√£o de todas as revolu√ß√Ķes.
Eu fiquei irm√£o de muitas coisas no mundo.
Irm√£o de uma certa camisa.
Uma certa camisa que era de um gesto de céu
e com certo carinho me vestia, como se me
vestisse de √°rvore e de nuvens.
Eu fiquei irm√£o de uma vaca, como se ela
também sonhasse. Fiquei irmão de um vira-lata
com o brio com que ele também me abraçava.
Fiquei irmão de um riacho, que é nome
de rio pequeno, um pequeno que cabe
todo dentro de mim, me falando,
me beijando, me lambendo, me lembrando.
Brincava e me envolvia, certos dias eu
girava em torno do redemoinho do cachorro
e do riacho e da vaca, sem às vezes saber
se estava beijando o riacho, o cachorro
ou a vaca, com um grande céu
me entornando, com um grande céu
com a vaca no lombo e com o c√£o,
com o riacho rindo de nós todos.
Eu fiquei irm√£o de livros, de gentes.
Eu fiquei irm√£o de uma certa montanha.

Continue lendo…

Cada um Tem o Seu Conceito de Felicidade

Muita gente só é capaz de uma felicidade reduzida: o facto de a sua sensatez não poder proporcionar-lhes mais felicidade não constitui um argumento contra ela, não mais do que se deve ver um argumento contra a medicina no facto de serem algumas pessoas incuráveis e outras sempre doentias. Que cada um possa ter a hipótese de encontrar justamente a concepção da vida que lhe permita realizar o seu máximo de felicidade: isso não impede necessariamente que a sua vida permaneça lastimável e pouco invejável.

A sensatez n√£o conv√©m em todas as ocasi√Ķes; √†s vezes √© necess√°rio ser um pouco louco com os loucos.

S√≥ os homens sagazmente activos, que conhecem as suas aptid√Ķes e as usam com medida e sensatez, poder√£o fazer avan√ßar substancialmente o mundo.

A sensatez, pelo que respeita aos bens da fortuna, explica-se de quatro modos: em adquiri-los, em consider√°-los, em aument√°-los e deles usar convenientemente.

Invenção de Respostas Fáceis

As coisas familiares, t√£o redut√≠veis e manuse√°veis, imediatamente regressam ao indiz√≠vel e insond√°vel, se as mantivermos sob o fogo do ¬ęporqu√™¬Ľ. √Č um porqu√™ inocente e por isso as crian√ßas o conhecem. √Č uma interroga√ß√£o elementar e por isso ela √© a primeira. E o que responde a esse questionar n√£o √© a resposta – que a n√£o h√° – mas as m√ļltiplas formas da tranquilidade que identificamos com a sensatez. Essa a nossa virtude de adultos e que as crian√ßas aprendem na aprendizagem de adultos. E uma das formas da sensatez √© a integra√ß√£o no mundo da positividade do mundo que se lhe furta. √Ä interroga√ß√£o a que se n√£o responde inventamos uma resposta, condensando a interroga√ß√£o em pergunta.