Passagens sobre Terror

122 resultados
Frases sobre terror, poemas sobre terror e outras passagens sobre terror para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Verosimilhança não é Verdade

Quase sempre as suspeitas nos inquietam; somos sempre o joguete desses boatos de opini√£o, que tantas vezes p√Ķe em fuga um ex√©rcito, quanto mais um simples indiv√≠duo. (…) n√≥s rendemo-nos prontamente √† opini√£o. N√£o fazemos a cr√≠tica das raz√Ķes que nos levam ao temor, n√£o as esquadrinhamos. Perdemos todo o sangue-frio, batemos em retirada, como os soldados expulsos do seu campo √† vista da nuvem de poeira que levanta uma tropa a galope, ou tomados de terror colectivo por causa de um boato semeado sem garante.
Não sei como, mas as falsidades perturbam-nos desde logo. A verdade traz consigo a sua própria medida; tudo quanto se funda sobre uma incerteza, porém, fica entregue à conjectura e às fantasias de um espírito perturbado.
Eis porque, entre as mais diversas formas do medo, n√£o h√° outra mais desastrosa, mais incoerc√≠vel que o medo p√Ęnico. Nos casos ordin√°rios, a reflex√£o √© falha; nestes, a intelig√™ncia est√° ausente.
Interroguemos, pois, cuidadosamente a realidade. √Č veros√≠mil que uma desgra√ßa venha a produzir-se? Verosimilhan√ßa n√£o √© verdade. Quantos acontecimentos ocorreram sem que os esper√°ssemos! Quantos acontecimentos esperados que jamais ocorreram! Mesmo que venham a produzir-se, que √© que lucraremos em nos anteciparmos √† nossa dor?

Continue lendo…

Estou em grande terror de seu entendimento pelo qual você penetrar no meu mundo, e então eu fico revelou e tenho de partilhar o meu reino com você

Sonho

Numa casa de vidro te sonhei.
Numa casa de vidro me esperavas.
Num poço ou num cristal me debrucei.
Só no teu rosto a morte me alcançava.

De quem a morte, por terror de mim?
De quem o infinito que faltava?
Numa casa de vidro vi meu fim.
Numa casa de vidro me esperavas.

Numa casa de vidro as persianas
desciam lentamente e em seu lugar
a noite abria o escuro das entranhas
e o teu rosto morria devagar.

Numa casa de vidro te sonhei.
Numa casa de vidro me esperavas.
Fiz do teu corpo sonho e n√£o olhei
nas palavras a morte que guardavas.

Descemos devagar as persianas,
deix√°mos que o amor nos corroesse
o íntimo da casa e as estranhas
cerimónias do dia que adoece.

Numa casa de vidro. Num espelho.
Na memória, por vezes amargura,
por vezes riso falso de t√£o velho,
cantar da sombra sobre a selva escura.

Numa casa de vidro te sonhei.
No vazio dessa casa me esperavas.

Quem sabe o que é a verdadeira felicidade? Não a palavra convencional mas o terror manifesto. Para os solitários, usa máscara. A casta mais infeliz guarda alguma lembrança ou alguma ilusão.

Liberdade

Antes que a ideia de Deus esmagasse os homens, antes dos autos de f√©, das persegui√ß√Ķes religiosas da Inquisi√ß√£o e do fundamentalismo isl√Ęmico, o Mediterr√Ęneo inventou a arte de viver. Os homens viviam livres dos castigos de Deus e das amea√ßas dos Profetas: na barca da morte at√© √† outra vida, como acreditavam os eg√≠pcios. E os deuses eram, em vida dos homens, apenas a celebra√ß√£o de cada coisa: a ca√ßa, a pesca, o vinho, a agricultura, o amor. Os deuses encarnavam a festa e a alegria da vida e n√£o o terror da morte.

Antes da queda de Granada, antes das fogueiras da Inquisi√ß√£o, antes dos massacres da Arg√©lia, o Mediterr√Ęneo ergueu uma civiliza√ß√£o fundada na celebra√ß√£o da vida, na beleza de todas as coisas e na toler√Ęncia dos que sabem que, seja qual for o Deus que reclame a nossa vida morta, o resto √© nosso e pertence-nos ‚Äď por uma √ļnica, breve e intensa passagem. √Č a isso que chamamos liberdade ‚Äď a grande heran√ßa do mundo do Mediterr√Ęneo.

(…) Sabes, quem n√£o acredita em Deus, acredita nestas coisas, que tem como evidentes. Acredita na eternidade das pedras e n√£o na dos sentimentos;

Continue lendo…

A Musa Enferma

√ď minha musa, ent√£o! que tens tu, meu amor?
Que descorada est√°s! No teu olhar sombrio
Passam fulgura√ß√Ķes de loucura e terror;
Percorre-te a epiderme em fogo um suor frio.

Esverdeado gnomo ou duende tentador,
Em teu corpo infiltrou, acaso, um amavio?
Foi algum sonho mau, vis√£o cheia de terror,
Que assim te magoou o teu olhar macio?

Eu quisera que tu, saud√°vel e contente.
Só nobres idéias abrigasses na mente,
E que o sangue crist√£o, ritmado, te pulsara

Como do silab√°lirio antigo os sons variados,
Onde reinam, o par, os deuses decantados;
Febo ‚ÄĒ pai das can√ß√Ķes, e P√£ ‚ÄĒ senhor da seara!

Tradução de Delfim Guimarães

Escravizados ao Além

Acabar com a morte como agonia di√°ria da humanidade √© talvez o maior bem que se pode fazer hoje ao homem. O cristianismo transformou a vida numa cruz, porque lhe p√īs a consci√™ncia da morte √† cabeceira. E crentes e ateus vivem no mesmo terror. Ora a ideia terr√≠fica do fim n√£o √© uma condi√ß√£o fisiol√≥gica, nem mesmo intelectual do homem. Nem os Gregos, nem os Romanos, por exemplo, sentiam a morte com a irrepar√°vel ang√ļstia que nos r√≥i. √Č for√ßoso, pois, que se arranquem as ra√≠zes desta dor, custe o que custar. Escravizados ao al√©m, os nossos dias aqui n√£o podem ter liberdade nem alegria. Qualquer doutrina que nega ao homem o direito de ser pleno na sua f√≠sica dura√ß√£o, √© uma doutrina de castra√ß√£o e de aniquilamento. Ir buscar ao post-mortem as leis que devem limitar a expans√£o abusiva da personalidade, √© o artif√≠cio mais desgra√ßado que se podia inventar. Pregue-se e exija-se do indiv√≠duo medida e disciplina, mas que nas√ßam da sua pr√≥pria harmonia. Institua-se uma √©tica com ra√≠zes no mesmo ch√£o onde o homem caminha.

Voc√™s perguntam: ‘Qual √© a nossa meta?’ Posso responder numa √ļnica palavra: ‘Vit√≥ria!’ Vit√≥ria a todo custo, vit√≥ria apesar de todo o terror, vit√≥ria por mais longo e dif√≠cil que o caminho possa ser, pois sem vit√≥ria n√£o h√° sobreviv√™ncia.

Este é o Verdadeiro Amor de que Tanto se Fala

Estranho e inexplic√°vel sentimento este! Que quando sinto transbordar-me do cora√ß√£o toda esta imensa ventura, acomete-me ent√£o um terror grande – parece-me que √© imposs√≠vel ser t√£o feliz – que o Mundo n√£o comporta esta ventura celeste, e que chegado ao √°pice de todas as felicidades j√° ser√° for√ßoso declinar. (…) Sucede-te isto tamb√©m a ti, esposa querida do meu cora√ß√£o? Conheces tu tamb√©m este tormento, anjo divino?
Ai, Rosa, minha doce Rosa, este que n√≥s sentimos, este √© o verdadeiro amor de que tanto se fala, e t√£o pouco se sabe o que √©. S√£o regi√Ķes pouco conhecidas em que a cada passo se encontram belezas nunca sonhadas, terrores inexplic√°veis, felicidades sem par e tristezas que n√£o t√™m nome.

(…) Oh! Como se riria de mim quem lesse esta carta, Rosa! – De mim que eles julgam um incr√©dulo, um c√©ptico, e cujas palavras sarc√°sticas no Mundo n√£o significam sen√£o a mais perfeita indiferen√ßa por tudo! H√° dois homens em mim, vida desta alma; um √© o que v√™em todos, o que fez a experi√™ncia, a sociedade e o conhecimento de suas mis√©rias e nulidades – o outro √© o que tu fizeste, √© a cria√ß√£o do teu amor,

Continue lendo…

O terror tem sido, algumas vezes, o mais avisado conselheiro nas ang√ļstias. Muitas vit√≥rias, que a hist√≥ria atri¬≠bui ao denodo dos generais, foi o √≠mpeto da resolu√ß√£o extrema do medo que lhas deu.

A Saturação da Servidão

Hoje est√£o em causa, n√£o as paradas, que √© tudo em que as multid√Ķes s√£o adestradas, ou a guerra, a que se convidam; est√° em causa toda uma din√Ęmica nova para criar o habitat duma humanidade que atingiu a satura√ß√£o da servid√£o, depois de h√° mil√©nios ter dado o passo da reflex√£o. As pessoas interrogam-se em tudo quanto vivem. A satura√ß√£o da servid√£o n√£o √© uma revolta; √© um sentimento de desapego imenso quanto aos princ√≠pios que amaram, os deuses a que se curvaram, os homens que exaltaram. (…) Mas foi crescendo a satura√ß√£o da servid√£o, porque a alma humana cresceu tamb√©m, tornou-se capaz de ser amada espontaneamente; tudo o que servimos era o intermedi√°rio do nosso amor pelo que em absoluto n√≥s somos. Serviram-se valores porque neles se representava a apar√™ncia duma qualidade, como a beleza, o saber, a for√ßa; esses valores est√£o agora saturados, demolidos pela revela√ß√£o da verdade de que tudo √© concedido ao corpo moral da humanidade e n√£o ao seu executor.
Um grande terror sucede à saturação da servidão. Receamos essa motivação nova que é a nossa vontade, a nossa fé sem justificação a não ser estarmos presentes num imenso espaço que não é povoado pela mitologia de coisa alguma.

Continue lendo…

Regina Martyrum

Lírio do Céu, sagrada criatura,
Mãe das crianças e dos pecadores,
Alma divina como a luz e as flores
Das virgens castas a mais casta e pura;

Do Azul imenso, d’essa imensa altura
Para onde voam nossas grandes dores,
Desce os teus olhos cheios de fulgores
Sobre os meus olhos cheios de amargura!

Na dor sem termo pela negra estrada
Vou caminhando a sós, desatinada,
– Ai! pobre cega sem amparo ou guia! –

S√™ tu a m√£o que me conduza ao porto…
√ď doce m√£e da luz e do conforto,
Ilumina o terror d’esta agonia!

Isto poder√° parecer estranho, mas as artes t√™m entre si uma profunda alma t√£o unida que as fei√ß√Ķes caracterizadoras duma s√£o, por vezes, intimamente compar√°veis √†s fei√ß√Ķes caracterizadoras da outra: nada mais parecido com a m√ļsica de Mozart do que a pintura de Rafael; nada mais parecido com a poesia de Dante que a escultura de Miguel √āngelo. E porque n√£o? Todas as fei√ß√Ķes se parecem a exprimir o amor, a curiosidade, o terror: as artes s√£o apenas as fei√ß√Ķes do belo ideal.

Porque é Tão Ansiosamente que Espero por Ti?

Porque é tão ansiosamente que espero por ti?
Sabias ocultar entre os teus menores movimentos
a lembran√ßa de um corpo e de um ardor sem m√ļsica
nem esquecimento possível. Quantas cidades
atravess√°mos, quantos ¬ęgrandes s√£o os desertos e tudo √© deserto¬Ľ,
quanto alimento para os cães da memória! Deixa-os,
consente o esquecimento, solta com raiva das tuas veias
a m√ļsica, regressa ao lugar donde partiste. Pe√ßo-te,
regressa. Nós nunca acordamos conformes,
nenhuma cifra nos devolver√° o n√ļmero m√°gico,
vestimo-nos sem convicção e pedimos emprestadas
fórmulas antigas. Da nossa idade
guard√°mos alguns emblemas, alguns maneirismos.
Acredita-me: é o momento de nos abandonarmos
à necessidade, de açularmos os cães, de sermos nós mesmos
um inquietante rosnido entre as frestas do muro.
Regressemos, n√£o h√° √ćtaca poss√≠vel, os corpos desfizemo-los
na mesma eros√£o do seu m√°gico movimento.
Porque é tão ansiosamente que espero por ti
se nenhuma luz mais cabe no terror de mim?

Olvido

Desce por fim sobre o meu coração
O olvido. Irrevoc√°vel. Absoluto.
Envolve-o grave como véu de luto.
Podes, corpo, ir dormir no teu caix√£o.

A fronte j√° sem rugas, distendidas
As fei√ß√Ķes, na imortal serenidade,
Dorme enfim sem desejo e sem saudade
Das coisas n√£o logradas ou perdidas.

O barro que em quimera modelaste
Quebrou-se-te nas m√£os. Vi√ßa uma flor…
P√Ķes-lhe o dedo, ei-la murcha sobre a haste…

Ias andar, sempre fugia o ch√£o,
Até que desvairavas, do terror.
Corria-te um suor, de inquieta√ß√£o…

Saint-Just

Quando à tribuna ele se ergueu, rugindo,
– Ao forte impulso das paix√Ķes audazes
Ardente o lábio de terríveis frases
E a luz do gênio em seu olhar fulgindo,

A tirania estremeceu nas bases,
De um rei na fronte ressumou, pungindo,
Um suor de morte e um terror infindo
Gelou o seio aos cortes√£os sequazes –

Uma alma nova ergueu-se em cada peito,
Brotou em cada peito uma esperança,
De um sono acordou, firme, o Direito –

E a Europa – o mundo – mais que o mundo, a Fran√ßa –
Sentiu numa hora sob o verbo seu
As como√ß√Ķes que em s√©culos n√£o sofreu!

At√© agora eu ignorava o que fosse o terror: mas j√° sei. √Č como se uma m√£o de gelo agarrasse o cora√ß√£o. √Č como se o cora√ß√£o palpitasse, at√© arrebentar, num abismo vazio.