Textos sobre Espectadores

29 resultados
Textos de espectadores escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Os Momentos Decisivos

Tendemos a pensar que a verdade das pessoas emerge nos momentos decisivos, no fio da navalha, quando se testam os limites. A hora dos santos e dos her√≥is. Ora bem, nesses momentos o comportamento humano n√£o costuma ser nem exemplar nem animador. A chusma que se acotovela para chegar primeiro √† bilheteira da sala de concertos; os espectadores que se atropelam ao fugir de um teatro em chamas, espezinhando os mais fracos sem se aperceberem deles, a crian√ßa, as cansadas carnes do anci√£o, calcadas pelos tac√Ķes das jovens mulheres que se aperaltaram para a sa√≠da noturna; os honrados cidad√£os, incluindo as senhoras ‚ÄĒ de boas fam√≠lias, ou de fam√≠lias humildes, nisso n√£o h√° distin√ß√Ķes ‚ÄĒ, que golpeiam furiosamente com os remos as cabe√ßas dos n√°ufragos que tentam subir para o bote salva-vidas superlotado. Salve-se quem puder.

Como Manipular um P√ļblico

Segundo uma lei conhecida, os homens, considerados colectivamente, s√£o mais est√ļpidos do que tomados individualmente. Numa conversa a dois, conv√©m que respeitemos o parceiro, mas essa regra de conduta j√° n√£o √© t√£o indispens√°vel num debate p√ļblico em que se trata de dispor as massas a nosso favor.

H√° uns anos, um pol√≠tico pagou a figurantes para o aplaudirem numa concentra√ß√£o. Como bom profissional, compreendera que uma claque, embora n√£o melhore o discurso, predisp√Ķe melhor os espectadores a descobrirem os seus m√©ritos. O mimetismo √© a mola principal para mover as massas no sentido do entusiasmo, do respeito ou do √≥dio. Mesmo perante um pequeno p√ļblico de trinta pessoas, h√° sempre algo de religioso que prov√©m da coagula√ß√£o dos sentimentos individuais em express√£o colectiva. No meio de um grupo, √© necess√°ria uma certa energia para pensar contra a maioria e coragem para exprimir abertamente essa opini√£o.
Os manipuladores de opinião ou, para utilizar uma palavra mais delicada, os comunicadores, sabem que, para conduzir mentalmente uma assembleia numa determinada direcção, é necessário começar por agir sobre os seus líderes. A primeira tarefa consiste em determinar quem são, apesar de eles próprios não o saberem. Um manipulador não tarda a distinguir o punhado de indivíduos em que pode apoiar-se para influenciar os outros.

Continue lendo…

Combater é uma Diminuição

Combater √©, em termos absolutos, uma diminui√ß√£o. O homem, quer defenda a p√°tria, quer defenda as ideias, desde que passa os dias aos tiros ao vizinho, mesmo que o vizinho seja o monstro dos monstros, est√° a perder grandeza. Sempre que por qualquer motivo a raz√£o passou a servir a paix√£o, houve um apoucamento do espirito, e √© dif√≠cil que o esp√≠rito se salve num processo onde ele entra diminu√≠do. Mas quando numa comunidade algu√©m endoidece e desata a ferir a torto e a direito, √© preciso dominar o possesso de qualquer forma, e a guerra √© fatal. Ent√£o, embora sabendo que vai empobrecer a sua alma, o homem normal come√ßa a lutar, e s√≥ a morte ou o triunfo o podem fazer parar. √Č tr√°gico, mas √© natural. O que √© contra todas as leis da vida √© ficar ao lado da contenda como espectador. Sendo uma diminui√ß√£o combater, √© uma trai√ß√£o sem nome lavar as m√£os do conflito, e passar as horas de bin√≥culo assestado a contemplar a desgra√ßa do alto dum monte. Assim √© que nada se salva. Fica-se homem sem qualquer sentido, manequim vestido de gente, coisa que n√£o tem personalidade. Porque nem se representa a intelig√™ncia,

Continue lendo…

Da Ideia do Belo em Geral

I РChamamos ao belo ideia do belo. Este deve ser concebido como ideia e, ao mesmo tempo, como a ideia sob forma particular; quer dizer, como ideal. O belo, já o dissemos, é a ideia; não a ideia abstracta, anterior à sua manifestação, não realizada, mas a ideia concreta ou realizada, inseparável da forma, como esta o é do principio que nela aparece. Ainda menos devemos ver na ideia uma pura generalidade ou uma colecção de qualidades abstraídas dos objectos reais. A ideia é o fundo, a própria essência de toda a existência, o tipo, unidade real e viva da qual os objectos visíveis não são mais que a realização exterior. Assim, a verdadeira ideia, a ideia concreta, é a que resume a totalidade dos elementos desenvolvidos e manifestados pelo conjunto dos seres. Numa palavra, a ideia é um todo, a harmoniosa unidade deste conjunto universal que se processa eternamente na natureza e no mundo moral ou do espírito.
Só deste modo a ideia é verdade, e verdade total.
Tudo quanto existe, portanto, só é verdadeiro na medida em que é a ideia em estado de existência; pois a ideia é a verdadeira e absoluta realidade. Nada do que aparece como real aos sentidos e à consciência é verdadeiro por ser real,

Continue lendo…

Todas as Nossas Paix√Ķes se Justificam a Si Pr√≥prias

Existem duas ocasi√Ķes distintas em que examinamos a nossa pr√≥pria conduta e buscamos v√™-la sob a luz em que o espectador imparcial a veria: primeiro, quando estamos prestes a agir; e, segundo, depois que agimos. Em ambos os casos os nossos ju√≠zos tendem a ser bastante parciais, mas eles tendem a tornar-se ainda mais parciais quando seria da maior import√Ęncia que n√£o fossem. Quando estamos prestes a agir, a veem√™ncia da paix√£o raramente nos permitir√° consider√°-la com a isen√ß√£o de uma pessoa neutra. As violentas emo√ß√Ķes que nesse momento nos agitam distorcem os nossos ju√≠zos sobre as coisas, mesmo quando buscamos colocar-nos na situa√ß√£o de outra pessoa. (…) Por essa raz√£o, como diz Malebranche, todas as nossas paix√Ķes se justificam a si pr√≥prias, e parecem razo√°veis e proporcionais aos seus objectos enquanto n√≥s estivermos a senti-las. (… ) A opini√£o que cultivamos do nosso pr√≥prio car√°cter depende inteiramente dos nossos ju√≠zos acerca da nossa conduta passada. Mas √© t√£o desagrad√°vel pensarmos mal de n√≥s mesmos que ami√ļde afastamos propositadamente o nosso olhar das circunst√Ęncias que poderiam tornar o julgamento desfavor√°vel. (…) Esse auto-engano, essa fraqueza fatal dos homens, √© a fonte de metade das desordens da vida humana. Se pud√©ssemos ver-nos como os outros nos v√™em,

Continue lendo…

A Maior Intensidade de Vida do Artista

Embora o artista em todos os per√≠odos da sua vida permane√ßa mais pr√≥ximo da inf√Ęncia, para n√£o dizer mais fiel do que o homem especializado na realidade pr√°tica, muito embora se possa afirmar que ele, ao contr√°rio deste √ļltimo se mant√©m continuamente no estado sonhador e puramente humano da crian√ßa brincalhona, o caminho que transp√Ķe a partir dos prim√≥rdios intactos at√© √†s fases tardias, jamais imaginadas do seu devir, √© infinitamente mais longo, mais aventuroso, mais emocionante para o espectador, do que o do homem burgu√™s, para o qual a reminisc√™ncia de tamb√©m ter sido crian√ßa em outros tempos nunca fica t√£o prenhe de l√°grimas.

Escrever é Triste

Escrever é triste. Impede a conjugação de tantos outros verbos. Os dedos sobre o teclado, as letras se reunindo com maior ou menor velocidade, mas com igual indiferença pelo que vão dizendo, enquanto lá fora a vida estoura não só em bombas como também em dádivas de toda natureza, inclusive a simples claridade da hora, vedada a você, que está de olho na maquininha. O mundo deixa de ser realidade quente para se reduzir a marginália, puré de palavras, reflexos no espelho (infiel) do dicionário.
O que voc√™ perde em viver, escrevinhando sobre a vida. N√£o apenas o sol, mas tudo que ele ilumina. Tudo que se faz sem voc√™, porque com voc√™ n√£o √© poss√≠vel contar. Voc√™ esperando que os outros vivam, para depois coment√°-los com a maior cara-de-pau (“com isen√ß√£o de largo espectro”, como diria a bula, se seus escritos fossem produtos medicinais). Selecionando os retalhos de vida dos outros, para objeto de sua divaga√ß√£o descompromissada. Sereno. Superior. Divino. Sim, como se fosse deus, rei propriet√°rio do universo, que escolhe para o seu jantar de not√≠cias um terremoto, uma revolu√ß√£o, um adult√©rio grego ‚ÄĒ √†s vezes nem isso, porque no painel imenso voc√™ escolhe s√≥ um besouro em campanha para verrumar a madeira.

Continue lendo…

Da Poesia e da Tragédia

Parece que a poesia tem inteiramente a sua origem em duas causas, ambas naturais. Porque a imita√ß√£o √© natural ao homem desde a inf√Ęncia, e nisto difere dos outros animais, pois que ele √© o mais imitador de todos, aprende as primeiras coisas por meio da imita√ß√£o, e todos se deleitam com as imita√ß√Ķes. √Č prova disto o que acontece a respeito dos art√≠fices, porque n√≥s contemplamos com prazer as imagens mais exactas daqueles mesmos objectos para que olhamos com repugn√Ęncia; por exemplo, a representa√ß√£o de animais feroc√≠ssimos e de cad√°veres. E a raz√£o disto √© porque o aprender √© coisa que muito apraz n√£o s√≥ aos fil√≥sofos, mas tamb√©m igualmente aos demais homens, posto que estes sejam menos instru√≠dos. Por isso se alegram de ver as imagens, pois que, olhando para elas, podem aprender e discorrer o que uma delas √© e dizer, por exemplo: isto √© tal; porque, se suceder que algu√©m n√£o tenha visto o original, n√£o recebe ent√£o prazer da imita√ß√£o, mas ou da beleza da obra, ou das cores, ou de outro algum motivo semelhante.
Sendo, pois, própria da nossa natureza a imitação, também o é a harmonia e o ritmo (porque é claro que os metros são parte do ritmo).

Continue lendo…

O Embuste dos Artistas e Escritores

Estamos habituados, perante tudo o que √© perfeito, a omitir a quest√£o do seu processo evolutivo, regozijando-nos antes com a sua presen√ßa, como se ele tivesse sa√≠do do ch√£o por artes m√°gicas. Provavelmente, estamos ainda, neste caso, sob o efeito residual de um antiqu√≠ssimo sentimento mitol√≥gico. Quase nos sentimos ainda (por exemplo, num templo grego como o de Pesto) como se, numa manh√£, um deus, brincando, tivesse constru√≠do a sua morada com t√£o gigantescos fardos. Outras vezes, como se um esp√≠rito tivesse subitamente sido metido por encanto dentro duma pedra e quisesse, agora, falar atrav√©s dela. O artista sabe que a sua obra s√≥ produz pleno efeito, se fizer crer numa improvisa√ß√£o, numa miraculosa instantaneidade da sua cria√ß√£o; e, assim, ele ajuda mesmo a essa ilus√£o, introduzindo na arte, ao come√ßo da sua cria√ß√£o, aqueles elementos de entusi√°stica inquieta√ß√£o, de desordem que tacteia √†s cegas, de sonho atento, como forma de iludir, a fim de dispor o esp√≠rito do espectador ou do ouvinte de modo a que ele creia no s√ļbito brotar da perfei√ß√£o.
A ci√™ncia da arte, como √© evidente, tem de contradizer essa ilus√£o da maneira mais determinada e apontar as conclus√Ķes err√≥neas e os maus h√°bitos do intelecto,

Continue lendo…

O Rigor e a Duração do Castigo

O rigor do castigo causa menos efeito sobre o esp√≠rito humano do que a dura√ß√£o da pena, porque a nossa sensibilidade √© mais f√°cil e mais constantemente afectada por uma impress√£o ligeira, mas frequente, do que por um abalo violento, mas passageiro. Todo o ser sens√≠vel est√° submetido ao imp√©rio do h√°bito; e, como √© este que ensina o homem a falar, a andar, a satisfazer as suas necessidades, √© tamb√©m ele que grava no cora√ß√£o do homem as ideias de moral por impress√Ķes repetidas.
O espect√°culo atroz, mas moment√Ęneo, da morte de um criminoso, √© para o crime um freio menos poderoso do que o longo e cont√≠nuo exemplo de um homem privado da sua liberdade, tornado at√© certo ponto uma besta de carga e que repara com trabalhos penosos o dano que causou √† sociedade. Este retorno
frequente do espectador a si mesmo: ¬ęSe eu cometesse um crime, estaria a reduzir toda a minha vida a essa miser√°vel condi√ß√£o¬Ľ, – essa ideia terr√≠vel assombraria mais fortemente os esp√≠ritos do que o medo da morte, que se v√™ apenas um instante numa obscura dist√Ęncia que lhe enfraquece o horror.

A Alegoria da Caverna

– Imagina agora o estado da natureza humana com respeito √† ci√™ncia e √† ignor√Ęncia, conforme o quadro que dele vou esbo√ßar. Imagina uma caverna subterr√Ęnea que tem a toda a sua largura uma abertura por onde entra livremente a luz e, nessa caverna, homens agrilhoados desde a inf√Ęncia, de tal modo que n√£o possam mudar de lugar nem volver a cabe√ßa devido √†s cadeias que lhes prendem as pernas e o tronco, podendo t√£o-s√≥ ver aquilo que se encontra diante deles. Nas suas costas, a certa dist√Ęncia e a certa altura, existe um fogo cujo fulgor os ilumina, e entre esse fogo e os prisioneiros depara-se um caminho dificilmente acess√≠vel. Ao lado desse caminho, imagina uma parede semelhante a esses tapumes que os charlat√£es de feita colocam entre si e os espectadores para esconder destes o jogo e os truques secretos das maravilhas que exibem.
– Estou a imaginar tudo isso.
РImagina homens que passem para além da parede, carregando objectos de todas as espécies ou pedra, figuras de homens e animais de madeira ou de pedra, de tal modo que tudo isso apareça por cima do muro. Os que tal transportam, ou falam uns com os outros,

Continue lendo…

Para a Minha Mulher

Desde que a Maria João casou (oficialmente) comigo há treze anos, damos por nós a casarmo-nos um com o outro, voluntária ou involuntariamente, várias vezes por dia.
Vou contar s√≥ uma. Esta semana, quando volt√°vamos da praia, a Maria Jo√£o estava a pentear-se e deu-me uns cabelos soltos para eu deitar pela janela do carro. Tive ci√ļmes que algu√©m pudesse apanhar os lindos cabelos dela e disse-lhe. Dei-lhes um beijinho e atirei-os ao vento. E a Maria Jo√£o disse: ¬ęAgora tenho eu ci√ļmes que algu√©m apanhe o cabelo com beijinhos teus¬Ľ.

Cas√°mos um com o outro nesse momento. J√° t√≠nhamos casado cinco vezes na praia. Casar √© o que acontece quando duas pessoas descobrem que, por estarem a fazer ou terem feito uma coisa grande ou pequena, s√£o as duas √ļnicas pessoas no mundo. Todas as outras pessoas n√£o podem fazer parte daquele prazer. Aquele prazer s√≥ √© poss√≠vel para duas pessoas concretas: ela e eu.

À nossa volta casavam-se muitas outras pessoas, casando-se mais por nós estarmos de fora, juntamente com todas as outras. Às vezes somos nós os espectadores. Vemos outras pessoas a casarem-se: um homem a rir-se leva uma mulher a rir-se nos braços pelo mar adentro e não a deixa cair até ela pedir.

Continue lendo…

Moralidade e Êxito

N√£o s√£o s√≥ os espectadores de um acto que, ami√ļde, medem o que √© moral ou imoral no mesmo, consoante o √™xito: n√£o, o pr√≥prio autor tamb√©m o faz. Pois os motivos e as inten√ß√Ķes raramente s√£o suficientemente claros e simples, e, √†s vezes, a pr√≥pria mem√≥ria parece perturbada pelo efeito do acto, de modo que a pessoa atribui ao seu pr√≥prio acto motivos falsos ou trata como essenciais os motivos secund√°rios. O √™xito d√°, muitas vezes, a um acto todo o honesto brilho da boa consci√™ncia, um malogro coloca a sombra do remorso sobre a ac√ß√£o mais respeit√°vel. Da√≠ resulta a conhecida pr√°tica do pol√≠tico, que pensa: ¬ęDai-me simplesmente o √™xito! Com ele, tamb√©m terei posto do meu lado todas as almas honestas… e ter-me-ei tornado honesto, perante mim pr√≥prio¬Ľ. De maneira an√°loga, o √™xito √© suposto substituir a melhor fundamenta√ß√£o.

A Medida da Fé

Tão mais opressiva que a convicção implacável do nosso presente estado pecaminoso é a mais frágil convicção da antiga, eterna justificação da nossa existência temporal. Só a capacidade de suportar desta segunda convicção, que na sua pureza abrange completamente a primeira, é a medida da fé.
Muitos consideram que, ao lado da grande fraude primitiva, existe em cada caso particular uma pequena fraude especial, encenada em proveito pr√≥prio, do mesmo modo como, por exemplo, numa intriga amorosa, representada no palco, a actriz, al√©m do falso sorriso para o seu amante, tem ainda outro, particularmente p√©rfido, dirigido a um espectador determinado na √ļltima fileira da galeria. Isso significa ir longe demais.

N√£o Tenho Rancores nem √ďdios

Perten√ßo a uma gera√ß√£o que ainda est√° por vir, cuja alma n√£o conhece j√°, realmente, a sinceridade e os sentimentos sociais. Por isso n√£o compreendo como √© que uma criatura fica desqualificada, nem como √© que ela o sente. √Č oca de sentido, para mim, toda essa (…) das conveni√™ncias sociais. N√£o sinto o que √© honra, vergonha, dignidade. S√£o para mim, como para os do meu alto n√≠vel nervoso, palavras de uma l√≠ngua estrangeira, como um som an√≥nimo apenas.
Ao dizerem que me desqualificaram, eu não percebo senão que se fala de mim, mas o sentido da frase escapa-me. Assisto ao que me acontece, de longe, desprendidamente, sorrindo ligeiramente das coisas que acontecem na vida. Hoje, ainda ninguém sente isto; mas um dia virá quem o possa perceber.
Procurei sempre ser espectador da vida, sem me misturar nela. Assim, a isto que se passa comigo, eu assisto como um estranho; salvo que tiro dos pobres acontecimentos que me cercam a vol√ļpia suave de (…).

Não tenho rancor nenhum a quem provocou isto. Eu não tenho rancores nem ódios. Esses sentimentos pertencem àqueles que têm uma opinião, ou uma profissão ou um objectivo na vida. Eu não tenho nada dessas coisas.

Continue lendo…

A Beleza da Tragédia

√Č frequente desencadearem-se as verdadeiras trag√©dias da vida de uma maneira t√£o pouco art√≠stica que nos magoam com a sua crua viol√™ncia, a sua tremenda incoer√™ncia, carecendo absolutamente de sentido, sem o m√≠nimo estilo. Afectam-nos do mesmo modo que a vulgaridade. Causam-nos uma impress√£o de pura for√ßa bruta contra a qual nos revoltamos. Por vezes, por√©m, cruzamo-nos nas nossas vidas com uma trag√©dia repassada de elementos de beleza art√≠stica. Se esses elementos est√©ticos s√£o aut√™nticos, todo o epis√≥dio apela √† nossa aprecia√ß√£o do efeito dram√°tico. De repente deixamos de ser actores e passamos a espectadores da pe√ßa. Ou antes, somos ambas as coisas. Observamo-nos, e todo o encanto do espect√°culo nos arrebata.

A Arte da Retórica Floresce nas Sociedades Decadentes

Um ret√≥rico do passado dizia que o seu of√≠cio era fazer que as coisas pequenas parecessem grandes e como tais fossem julgadas. Dir-se-ia um sapateiro que, para cal√ßar p√©s pequenos, sabe fazer sapatos grandes. Em Esparta ter-lhe-iam dado a experimentar o azorrague por professar uma arte trapaceira e mentirosa. E creio que Arquidamo, que foi seu rei, n√£o ter√° ouvido sem espanto a resposta de Tuc√≠dides, ao qual perguntara quem era mais forte na luta, se P√©ricles, se ele: ¬ęIsso ser√° dif√≠cil de verificar, pois quando o deito por terra, ele convence os espectadores que n√£o caiu, e ganha¬Ľ. Os que, com cosm√©ticos, caracterizam e pintam as mulheres fazem menos mal, pois √© coisa de pouca perda n√£o as ver ao natural, ao passo que estoutros fazem ten√ß√£o de enganar, n√£o j√° os olhos, mas o nosso ju√≠zo, e de abastardar e corromper a ess√™ncia das coisas. Os Estados que longamente se mantiveram em boa ordem e bem governados, como o cretense e o lacedem√≥nio, n√£o tinham em grande conta os oradores.
Aríston definiu sabiamente a retórica como a ciência de persuadir o povo; Sócrates e Platão, como a arte de enganar e lisonjear; e aqueles que isto negam na sua definição genérica,

Continue lendo…

A Glória Mais Genuína

A glória mais genuína, a póstera, nunca é ouvida por quem é seu objecto e, no entanto, ele é tido por feliz. Assim, a sua felicidade consistiu propriamente nas grandes qualidades que lhe conferiram a sua glória e no facto de que encontrou oportunidade para desenvolvê-las; logo, foi-lhe permitido agir como era adequado, ou praticar aquilo que praticava com prazer e amor. Pois só as obras assim nascidas alcançam glória póstera. A sua felicidade consistiu, pois, no grande coração, ou também na riqueza de um espírito cuja estampa, nas suas obras, recebe a admiração dos séculos vindouros. Tal felicidade consistiu nos seus próprios pensamentos, cuja meditação será a ocupação e o gozo dos espíritos mais nobres de um imenso futuro. O valor da glória póstera reside, portanto, em merecê-la, e isso é a sua recompensa verdadeira.
Se chegou a haver obras que adquiriram gl√≥ria na posteridade e que tamb√©m a obtiveram entre os seus contempr√Ęneos, tratam-se de circunst√Ęncias fortuitas, sem grande import√Ęncia. Pois, como os homens, via de regra, s√£o privados de ju√≠zo pr√≥prio e, sobretudo, n√£o t√™m capacidade alguma para apreciar as realiza√ß√Ķes elevadas e dif√≠ceis, acabam sempre por seguir nesse dom√≠nio a autoridade alheia, e a gl√≥ria de g√©nero superior,

Continue lendo…

N√£o Deixes Que Metam o Nariz na Tua Vida

Quando falas ou simulas falar de ti pr√≥prio e amalgamas passado, presente, futuro, h√° sempre os que perguntam se o que contaste √© verdade ou n√£o. Nunca indagam se vai ser verdade. O que lhes interessa √© saber, com a curiosidade dos intriguistas, se o que se passou (ou parece ter-se passado) se passou mesmo contigo. √Č um erro de gente vulgar. Parasit√°rios ou n√£o, qualquer inven√ß√£o ou patranha, qualquer ¬ęmentir verdadeiro¬Ľ √© acepipe biogr√°fico, √© pretexto para te enfileirarem na nulidade biogr√°fica que √© a deles pr√≥prios e tecerem incansavelmente hist√≥rias a teu respeito.
Não te deixes seduzir pelo gosto da conversa. Essa pequena gente não merece a mais pequena atenção, nem tu precisas de espectadores para o salutar exercício diário de falar por falar.
(…) N√£o deixes que metam o nariz na tua vida. Caso contr√°rio, vais ficar cheio de gente, com a sua vida escassamente interessante. O tombo da vida vulgar j√° foi feito por escritores como Camilo. E tenho a impress√£o de que, no essencial, a vida vulgar continua a mesma.
Desunha-te a escrever (olha que já tens pouco tempo!), mas fá-lo com a discrição e a reserva de quem não se dá às primeiras.

Continue lendo…

O Amor-Próprio como Fonte de Todos os Males

√Č preciso n√£o confundir o amor-pr√≥prio e o amor de si mesmo, duas paix√Ķes muito diferentes pela sua natureza e pelos seus efeitos. O amor de si mesmo √© um sentimento natural que leva todo o animal a velar pela sua pr√≥pria conserva√ß√£o, e que, dirigido no homem pela raz√£o e modificado pela piedade, produz a humanidade e a virtude. O amor-pr√≥prio √© apenas um sentimento relativo, fact√≠cio e nascido na sociedade, que leva cada indiv√≠duo a fazer mais caso de si do que de qualquer outro, que inspira aos homens todos os males que se fazem mutuamente, e que √© a verdadeira fonte da honra.
Bem entendido isso, repito que, no nosso estado primitivo, no verdadeiro estado de natureza, o amor-pr√≥prio n√£o existe; porque, cada homem em particular olhando a si mesmo como o √ļnico espectador que o observa, como o √ļnico ser no universo que toma interesse por ele, como o √ļnico juiz do seu pr√≥prio m√©rito, n√£o √© poss√≠vel que um sentimento que teve origem em compara√ß√Ķes que ele n√£o √© capaz de fazer possa germinar na sua alma.
Pela mesma raz√£o, esse homem n√£o poderia ter √≥dio nem desejo de vingan√ßa, paix√Ķes que s√≥ podem nascer da opini√£o de alguma ofensa recebida.

Continue lendo…