Passagens sobre Desejos

1176 resultados
Frases sobre desejos, poemas sobre desejos e outras passagens sobre desejos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O per√≠odo da juventude √© aquele em que se esbo√ßa a grande riqueza afetiva presente nos vossos cora√ß√Ķes, o profundo desejo de um amor verdadeiro, belo e grande. Quanta for√ßa h√° nesta capacidade de amar e ser amado! N√£o permitais que este valor precioso seja falseado, destru√≠do ou deturpado.

N√£o!

Tenho-te muito amor,
E amas-me muito, creio:
Mas ouve-me, receio
Tomar-te desgraçada:
O homem, minha amada,
N√£o perde nada, goza;
Mas a mulher √© rosa…
Sim, a mulher é flor!

Ora e a flor, vê tu
No que ela se resume…
Faltando-lhe o perfume,
Que é a essência dela,
A mais viçosa e bela
V√™-a a gente e… basta.
Sê sempre, sempre, casta!
Ter√°s quanto possuo!

Ter√°s, enquanto a mim
Me alumiar teu rosto,
Uma alma toda gosto,
Enlevo, riso, encanto!
Depois ter√°s meu pranto
Nas praias solit√°rias…
Ondas tumultu√°rias
De l√°grimas sem fim!

À noite, que o pesar
Me arrebatar de cada,
Irei na campa rasa
Que resguardar teus ossos,
Ah! recordando os nossos
T√£o venturosos dias,
Fazer-te as cinzas frias
Ainda palpitar!

Mil beijos, doce bem,
Darei no pó sagrado,
Em que se houver tornado
Teu corpo t√£o galante!
Com pena, minha amante,
De n√£o ter a morte
Ca√≠do a mim em sorte…
Caído em mim também!

Continue lendo…

Olinda

(Do alto do mosteiro, um frade a vê)

De limpeza e claridade
é a paisagem defronte.
T√£o limpa que se dissolve
a linha do horizonte.

As paisagens muito claras
n√£o s√£o paisagens, s√£o lentes.
São íris, sol, aguaverde
ou claridade somente.

Olinda é só para os olhos,
não se apalpa, é só desejo.
Ninguém diz: é lá que eu moro.
Diz somente: é lá que eu vejo.

Tem verd√°gua e n√£o se sabe,
a n√£o ser quando se sai.
N√£o porque antes se visse,
mas porque não se vê mais.

As claras paisagens dormem
no olhar, quando em existência.
Diluídas, evaporadas,
s√≥ se re√ļnem na aus√™ncia.

Limpeza tal só imagino
que possa haver nas vivendas
das aves, nas √°reas altas,
muito além do além das lendas.

Os acidentes, na luz,
n√£o s√£o, existem por ela.
N√£o h√° nem pontos ao menos,
nem há mar, nem céu, nem velas.

Quando a luz é muito intensa
é quando mais frágil é:
planície, que de tão plana
parecesse em pé:

A Infelicidade do Desejo

Um desejo é sempre uma falta, carência ou necessidade. Um estado negativo que implica um impulso para a sua satisfação, um vazio com vontade de ser preenchido.

Toda a vida é, em si mesma, um constante fluxo de desejos. Gerir esta torrente é essencial a uma vida com sentido. Cada homem deve ser senhor de si mesmo e ordenar os seus desejos, interesses e valores, sob pena de levar uma vida vazia, imoderada e infeliz. Os desejos são inimigos sem valentia ou inteligência, dominam a partir da sua capacidade de nos cegar e atrair para o seu abismo.
A felicidade √©, por ess√™ncia, algo que se sente quando a realidade extravasa o que se espera. A supera√ß√£o das expectativas. Ser feliz √© exceder os limites preestabelecidos, assim se conclui que quanto mais e maiores forem os desejos de algu√©m, menores ser√£o as suas possibilidades de felicidade, pois ainda que a vida lhe traga muito… esse muito √© sempre pouco para lhe preencher os vazios que criou em si pr√≥prio.

Na sociedade de consumo em que vivemos há cada vez mais necessidades. As naturais e todas as que são produzidas artificialmente. Hoje, criam-se carências para que se possa vender o que as preenche e anula.

Continue lendo…

√Čs Linda

√Čs linda. E nem sabes quantos peda√ßos de beleza tive de juntar para chegar a esta conclus√£o. Para te construir, tive de misturar a conspira√ß√£o das searas com a tristeza do choupo, a inquieta√ß√£o da cotovia com o cheiro lavado do vento do ocidente. E a firmeza repartida dos livros, com a alegria explosiva dos mios√≥tis e a luz escura das violetas. Juntei depois um pouco de ansiedade das estrelas, a paci√™ncia das casas √† beira da fal√©sia, a espuma da terra, o respirar do sul, as perguntas de gesso que se fazem √† lua. Acrescentei-lhe a can√ß√£o das margens e pequenos peda√ßos da ang√ļstia do olhar. N√£o esqueci a intimidade do frio nem a dor branca que habita o cora√ß√£o dos muros. Por fim, deitei na tua pele o sono dos alperces, aos teus m√ļsculos prometi a viol√™ncia das cascatas, no teu sexo acordei a mem√≥ria do universo.
A tua beleza est√° no meu desejo, nos meus olhos, na minha desigual maneira de te amar. √Čs linda, repito. Mas tenta n√£o encarar o que te digo como um elogio.

A alma toma c√° um banho de pregui√ßa aromatizado pela saudade e pelo desejo. – √Č algo crepuscular, azulado e rosado; um sonho voluptuoso durante um eclipse.

Na intimidade com Deus e na escuta da sua Palavra, come√ßamos gradualmente a abandonar a nossa l√≥gica pessoal, ditada muitas vezes pelos nossos fechamentos, preconceitos e ambi√ß√Ķes, e aprendemos a perguntar ao Senhor: ¬ęQual √© o teu desejo? Qual √© a tua vontade? O que te agrada?¬Ľ

Tenho o desejo de realizar uma tarefa importante na vida. Mas meu primeiro dever est√° em realizar humildes coisas como se fossem grandes e nobres.

Muitos têm o desejo de me matar. Muitos, o desejo de ter dois dedos de prosa comigo. Daqueles a lei me protege.

Diversidade Condicionada

Se, como escrevi em ‘Ra√ßa e Hist√≥ria’, existe entre as sociedades humanas um certo √≥ptimo de diversidade al√©m do qual elas n√£o conseguiram prosseguir, mas abaixo do qual tampouco podem descer sem perigo, deve-se reconhecer que essa diversidade resulta em grande parte do desejo de cada cultura de se opor √†s que a cercam, de distinguir-se delas, em suma, de serem elas mesmas; n√£o se ignoram, imitam-se ocasionalmente, mas, para n√£o perecerem, √© necess√°rio que, sob outros aspectos, persista entre elas uma certa impermeabilidade.

O desejo de Deus √© j√°, pela sua pr√≥pria natureza, uma uni√£o com Deus e, por conseguinte, uma prece. O desejo √©, com efeito, pura abertura ao outro, plena recetividade. H√° uma grande diferen√ßa entre ¬ęnecessidade¬Ľ e ¬ędesejo¬Ľ.

As árvores estendem os seus ramos para o céu e recebem tudo do Alto, transformando todos os instantes da vida numa ocasião propícia para crescer. O amargor de uma chuva, a alegria de um raio de sol: tudo é alimento para elas. Não se preocupam com nada, nem sequer com encontrar um sentido; só o momento presente empenha toda a sua seiva e o seu desejo.

A Moral não é um Assunto Divino

Dificilmente se encontrar√° um esp√≠rito cient√≠fico, profundamente mergulhado na ci√™ncia, que n√£o se caracterize por uma religiosidade invulgar. Essa religiosidade distingue-se, no entanto, da religiosidade do homem simples. Para este, Deus √© um ser cuja solicitude se espera, cujo castigo se teme ‚ÄĒ um sentimento sublimado, como o que existe nas rela√ß√Ķes entre filho e pai ‚ÄĒ um ser, com o qual se mant√©m uma certa familiaridade, mesmo respeitosa que seja.
O investigador, contudo, est√° imbu√≠do do sentimento da causalidade de tudo o que acontece. O futuro n√£o √©, para ele, menos necess√°rio e determinado que o passado. A moral n√£o √© um assunto divino mas sim puramente humano. A sua religiosidade reside no √™xtase perante a harmonia das leis que regem a natureza, na qual se manifesta uma raz√£o t√£o superior que em compara√ß√£o com ela todas as ideias criadoras do homem e as suas disposi√ß√Ķes, s√£o apenas um lampejo insignificante. Este sentimento √© o princ√≠pio condutor (Leitmotiv) da sua vida e dos seus esfor√ßos, adentro dos limites em que o homem pode elevar-se acima da escravid√£o imposta pelos seus desejos ego√≠stas. E tal sentimento √©, sem d√ļvida, muito pr√≥ximo do que, atrav√©s todos os tempos, animou os esp√≠ritos criadores no dom√≠nio da religi√£o.

Continue lendo…

A liberdade n√£o pode faltar a quem a deseja realmente,
mas a quem deseja conquist√°-la, ela indica o caminho dos perigos;
é prometida a quem por ela arrisca a vida,
nunca é prémio de um desejo indolente.

Saber que se é completamente de outro é ter a nítida certeza de se ser capaz de satisfazer o desejo de fazer amor sem sexo.

N√£o h√° culpa maior
do que entregar-se às vontades
n√£o h√° mal maior
do que aquele de n√£o saber contentar-se
n√£o h√° dano maior
do que nutrir o desejo de conquista.