Passagens sobre Destruidores

24 resultados
Frases sobre destruidores, poemas sobre destruidores e outras passagens sobre destruidores para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Antagonismo Racial

O elemento puramente instintivo n√£o constitui sen√£o uma pequena parte do √≥dio racial e n√£o √© dif√≠cil de vencer. O medo do que √© estrangeiro, que √© a sua principal ess√™ncia, desaparece com a familiaridade. Se nenhum outro elemento o formasse, toda a perturba√ß√£o desapareceria logo que pessoas de ra√ßas diferentes se habituassem umas √†s outras. Mas h√° sempre pretextos para se odiarem os grupos estrangeiros. Os seus h√°bitos s√£o diferentes dos nossos e portanto (em nossa opini√£o) piores. Se triunfam, √© porque nos roubam as oportunidades; se n√£o triunfam, √© porque s√£o miser√°veis vagabundos. A actual popula√ß√£o do mundo descende dos sobreviventes de longos s√©culos de guerras e por instinto est√° √† espreita de ocasi√Ķes de hostilidade colectiva.

O desejo de ter um inimigo fixa-se no cora√ß√£o desse instinto racista e constr√≥i √† sua volta um edif√≠cio monstruoso de crueldade e de loucura. Tais conflitos representam hoje uma cat√°strofe universal e n√£o j√° somente, como outrora, um desastre para os vencidos: da√≠ as inquieta√ß√Ķes do nosso tempo. √Č por isso que √© mais importante do que nunca conseguir um certo grau de dom√≠nio racional sobre os nossos sentimentos destruidores.

Em geral o ódio racial tem duas origens,

Continue lendo…

Hegel, destruidor de papel, de tempo e de mentes! Na Alemanha, Hegel, um charlat√£o repugnante, est√ļpido e escrevinhador de disparates sem igual, conseguiu ser aclamado como o maior fil√≥sofo de todos os tempos [‚Ķ]. Enquanto outros sofistas, charlat√£es e obscurantistas falsificam e arru√≠nam apenas o conhecimento, Hegel destruiu at√© mesmo o √≥rg√£o do conhecimento, a pr√≥pria intelig√™ncia.

Reflex√Ķes sobre a Guerra

As vantagens do aumento da amplitude das unidades sociais s√£o principalmente evidentes em caso de guerra. De resto, a guerra foi em todos os tempos a causa principal desse crescimento, da transforma√ß√£o das fam√≠lias em tribos, das tribos em na√ß√Ķes e das na√ß√Ķes em coliga√ß√Ķes. Nas muito embora seja grande o interesse das na√ß√Ķes poderosas em triunfar, algumas come√ßam a compreender que h√° qualquer coisa prefer√≠vel √† pr√≥pria vit√≥ria, que √© evitar a guerra. No passado, a guerra era √†s vezes uma empresa proveitosa. A Guerra dos Sete Anos, por exemplo, proporcionou aos ingleses excelente rendimento em rela√ß√£o ao capital nela empregado, e os lucros conseguidos pelos vencedores nas guerras primitivas foram ainda mais evidentes. Mas o mesmo n√£o sucede nos conflitos modernos, por duas raz√Ķes principais: primeiro, porque os armamentos se tornaram extremamente caros; segundo, porque os grupos sociais envolvidos numa guerra moderna s√£o muito importantes.
√Č um erro pensar que a guerra moderna √© mais destruidora de vidas do que o foram os conflitos menos importantes de outrora. Antigamente, a percentagem das perdas em rela√ß√£o aos efectivos envolvidos na luta era por vezes t√£o elevada como hoje; e al√©m das perdas em combate, as mortes causadas pelas epidemias eram em geral numerosas.

Continue lendo…

Nós mantivemos a humanidade viva e, no entanto, permitimos que os homens nos desprezassem e venerassem nossos destruidores. Permitimos que eles reverenciassem a incompetência e a brutalidade, os que recebiam o que não mereciam e davam o imerecido. Ao aceitar o castigo não por nossas faltas, mas por nossas virtudes, traímos nosso código e tornamos o deles possível.

A violência não é força, mas fraqueza, nem nunca poderá ser criadora de coisa alguma, apenas destruidora.

O Sapo

N√£o h√° jardineiro assim,
N√£o h√° hortel√£o melhor
Para uma horta ou jardim,
Para os tratar com amor.

√Č o guarda das flores belas,
da horta mais do pomar;
e enquanto brilham estrelas,
l√° anda ele a rondar…

Que faz ele? Anda a caçar
os bichos destruidores
que adoecem o pomar
e fazem tristes as flores.

Por isso, ficam zangadas
as flores, se se faz mal
a quem as traz t√£o guardadas
com o seu cuidado leal.

E ele guarda as flores belas,
a horta mais o pomar;
brilham no céu as estrelas,
e ele ronda, a trabalhar…

E ao pobre sapo, que é cheio
de amor pela terra amiga,
dizem-lhe que é feio
e h√° quem o mate e persiga

Mas as flores ficam zangadas,
choram, e dizem por fim:
– ¬ęEnt√£o ele traz-nos guardadas,
e depois pagam-lhe assim?¬Ľ

E vendo, à noite, passar
o sapo cheio de medo,
as flores, para o consolar,
chamam-lhe lindo, em segredo…

A guerra deve acontecer, enquanto estivermos defendendo nossas vidas contra um destruidor que poderia devorar tudo; mas não amo a espada brilhante por sua agudeza, nem a flecha por sua rapidez, nem o guerreiro por sua glória. Só amo aquilo que eles defendem.

Queremos glorificar a guerra – √ļnica higiene do mundo -, o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos libert√°rios, as belas ideias pelas quais se morre, e o desprezo da mulher.

Enquanto o homem continuar a ser o destruidor dos seres animados dos planos inferiores, n√£o conhecer√° a sa√ļde nem a paz. Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matar√£o uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento n√£o pode colher a alegria e o amor.

O Animal que Mata mais que Todos os Outros

Acima de todas as raças de animais é colocado o homem, cuja mão destruidora não poupa nada do que é vivo: ele mata para se alimentar, mata para se vestir, mata para se enfeitar, mata para atacar, mata para se defender, mata para se divertir, mata para matar: rei soberbo e terrível, precisa de tudo e nada lhe resiste.

. Petersburgo’

No Mundo n√£o Tem Boa Sorte Sen√£o quem Tem por Boa a que Tem

Uma cousa sabei de mim: que queria antes o bem do mal, que o mal do bem; porque muito mais se sente o porvir, que o passado; e a morte, até matar, mata. Não sei se sereis marca de voar tão alto; porque, para tomar a palha a esta matéria, são necessárias asas de nebri. Mas vós sois homem de prol, e desculpa-me a conta em que vos tenho. E a que de mim vos sei dar, é que:

Esperança me despede,
tristeza n√£o me falece,
e tudo o mais m’aborrece.
J√° que mais n√£o mereceu
minha estrela,
só a tristeza conheço,
pois que para mim nasceu
e eu para ela.

No mundo n√£o tem boa sorte sen√£o quem tem por boa a que tem. E daqui me vem contentar-me, de triste. Mas olhai de que maneira:

Vivo assi ao revés,
tomando por certa vida
certa morte,
com que folgo, em que me pês,
pois minha sorte é servida
de tal sorte.

Uma cousa sabei: que o mal, ainda que às vezes o vejais louvar, não há quem o louve com a boca que o não taxe com o coração:

Ajudai-me a sofrer
vida t√£o sem sofrimento,

Continue lendo…

Não me sinto um destruidor; o que quero é que tudo nasça com a força que as cousas verdadeiras e naturais merecem, e que o ranço velho não estrague o azeite novo.

Compreens√£o S√°bia e Activa

A primeira condição para libertar os outros é libertar-se a si próprio; quem apareça manchado de superstição ou de fanatismo ou incapaz de separar e distinguir ou dominado pelos sentimentos e impulsos, não o tomarei eu como guia do povo; antes de tudo uma clara inteligência, eternamente crítica, senhora do mundo e destruidora das esfinges; banirá do seu campo a histeria e a retórica; e substituirá a musa trágica por Platão e os geómetras.
Hei-de v√™-lo depois de despido de ego√≠smo, atente somente aos motivos gerais; o seu bem ser√° sempre o bem alheio; ter√° como inferior o que se deleita na alegria pessoal e n√£o p√Ķe sobre tudo o servi√ßo dos outros; √† sua felicidade nada falta sen√£o a felicidade de todos; esquecido de si, batalhar√°, enquanto lhe restar um alento, para destruir a ignor√Ęncia e a mis√©ria que impedem os seus irm√£os de percorrer a ampla estrada em que ele marcha.
Nenhuma vontade de domínio; mandar é do mundo das aparências, tornar melhor de um sólido universo de verdades; se tiver algum poder somente o veja como um indício de que estão ainda muito baixos os homens que lho dão; incite-o o sentir-se superior a mais nobre e rude esforço para que se esbatam e percam as diferenças;

Continue lendo…

Olhai-os, os crentes de todas as fés! A quem odeiam mais que todos? Àquele que parte suas tábuas de valores, o destruidor, o criminoso; mas esse é o criador.

Sabes qual √© a minha preocupa√ß√£o maior? √Č matar o t√©dio. Quem prestasse este servi√ßo √† humanidade seria o verdadeiro destruidor de monstros.

A Vida é Triste

A vida √© triste por uma s√≥ raz√£o. N√£o √© a primeira (o ser curta). √Č comprida. S√≥ parece curta a quem n√£o sofre; a quem n√£o quer que acabe.

A vida √© triste por ser muito mais f√°cil iludirmo-nos do que somos capazes de nos desiludir. A ilus√£o, sem qualquer esfor√ßo da nossa parte, p√Ķe-nos nos p√≠ncaros. Estamos programados para isso. N√£o nos custa. Sabe-nos bem. Gostamos de ser enganados, desde que nos sintamos mais bem por causa disso.

J√° a desilus√£o n√£o s√≥ √© dif√≠cil como custa muito mais. Nunca √© bem-vinda. √Č uma for√ßa destruidora, a realidade. A morte, sendo inesperada ‚ÄĒ seja a morte intelectual, emotiva, sens√≠vel, amorosa ou f√≠sica ‚ÄĒ, √© sempre mais violenta do que a esperada, que raramente se adianta.

Cada vez que acordamos e lamentamos ter acordado; cada vez que adormecemos e agradecemos ter adormecido; estamos a rejeitar alegremente a vida. Não há outra maneira de a rejeitar. Viver, apesar de tudo, ainda é uma espécie de glória, sendo a glória o oposto do prazer.

Esperar muito ‚ÄĒ tanto no sentido louco da esperan√ßa como no sentido (cuja raiz latina vem de sofrer) masoquista de paci√™ncia ‚Äď √© pormo-nos a jeito para o sofrimento.

Continue lendo…

Até que ponto é o artista um anormal, não sei nem quero saber. A anormalidade nunca me meteu medo, se é criadora. Agora até que ponto o homem normal combate o artista e o quer destruir, já me interessa. A normalidade causou-me sempre um grande pavor, exactamente porque é destruidora.

Todo o homem deseja ganhar dinheiro para dá-lo aos médicos, destruidores de vidas. Devem, portanto, ser ricos.